As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A cena brasileira – XXIII

Imagem: Silvia Faustino Saes
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por BENÍCIO VIERO SCHMIDT*

Comentários sobre acontecimentos recentes

Os eventos do Afeganistão terão muitas consequências para o mundo todo. Visível enfraquecimento da posição imperial norte-americana, de construtora de nações democráticas segundo o padrão unipolar, ao descrédito internacional; bem como a emergência de um papel de maior protagonismo a ser exercido pela China na sua vizinhança e possíveis alianças com a Rússia.  São algumas das decorrências da volta do Talibã ao poder. A garantia de conquistas já adquiridas na experiência recente torna, ainda, o desempenho do Talibã uma incógnita no cenário internacional. De qualquer forma, a disrupção de uma ordem política baseada na ocupação militar imperialista por outra, emergente de cânones radicalmente teocráticos, surge como indagação e reabre a discussão sobre as possibilidades de democracia – padrão ocidental – em países com diferentes formações históricas.

No Brasil, seguimos uma tortuosa caminhada cada vez mais marcada pela instabilidade econômico-financeira afetando a convivência política, a posição dos partidos políticos e as expectativas do mercado.

O presidente acaba de entregar ao Senado Federal um pedido de impeachment do ministro Alexandre de Moraes (STF), com vistas a contestar dramaticamente  as acusações de ataques à democracia, especialmente por meio de fake news, das quais tem sido alvo juntamente com um seleto grupo de apoiadores, envolvendo inclusive seu advogado particular. Com poucas chances de êxito, exige a mudança do próprio regimento interno do STF para regular as relações deste com a presidência da república. Serve, todavia, para acirrar o espírito combatente de suas hostes às vésperas de convocações bélicas para o futuro imediato.

Enquanto isso, o Senado terá de encarar protagonismo inelutável: terá de se manifestar a respeito da minirreforma trabalhista e do projeto de mudança do sistema eleitoral, já aprovados pela Câmara Federal. A reforma trabalhista (parcial) precariza, ainda mais, os direitos trabalhistas, impede o acesso gratuito à Justiça do Trabalho e tem como uma das consequências o debilitamento do sistema previdenciário pela falta de contribuição dos trabalhadores “autônomos”.

A questão envolvendo o sistema eleitoral diz respeito à adoção das coligações e federações partidárias, abolidas que foram para as últimas eleições (PEC). Os senadores querem manter a decisão de 2017, que pôs fim às coligações proporcionais e forçou a participação no pleito em chapa única dentro do próprio partido. Medida que entrou em vigência nas eleições de 2020.

O pagamento de precatórios (R$ 89 bilhões) cria uma impossibilidade de reforma do Auxílio Brasil. O Ministério da Economia deseja mudanças legais que parcelem o pagamento de dívidas da União acima de R$ 66 milhões em dez anos com correção pela inflação do período. A PEC dos Precatórios ainda precisa ser votada pela Câmara e pelo Senado.

Difíceis votações, com distintos apoios em ambas as Casas; sendo que no Senado há muita mais oposição ao Executivo, neste momento pré-eleitoral com pressão sobre os gastos de assistência social.

As queimadas continuam, afetando cerca de 20% do território nacional nas três últimas décadas. Uma constatação dramática que põe o Brasil na berlinda, permanentemente.

Com a divulgação constante de pesquisas de opinião vai se configurando uma situação de um governo em firme desaprovação e a consolidação de candidaturas de oposição, com destaque enorme para o nome de Lula. Manifestações empresariais e de grandes investidores também têm seguido pelo diapasão de repúdio ao governo, sob a égide de um desembarque da nau flutuante.

No mais, espera-se que as instituições sejam preservadas e atuantes diante da possibilidade de distúrbios convocados pelas hordas bolsonaristas em 7 de setembro vindouro.

*Benicio Viero Schmidt é professor aposentado de sociologia na UnB e consultor da Empower Consult. Autor, entre outros livros, de O Estado e a política urbana no Brasil (LP&M).

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Gerson Almeida Salem Nasser Bruno Machado José Machado Moita Neto Igor Felippe Santos Kátia Gerab Baggio Roberto Bueno Slavoj Žižek Vladimir Safatle Bruno Fabricio Alcebino da Silva Tadeu Valadares Anderson Alves Esteves Luis Felipe Miguel Marcelo Guimarães Lima João Feres Júnior Celso Favaretto Gilberto Lopes Marcos Silva Jorge Branco Fernão Pessoa Ramos Antonino Infranca Paulo Sérgio Pinheiro Ari Marcelo Solon Elias Jabbour Juarez Guimarães Eugênio Trivinho Eliziário Andrade Henry Burnett Paulo Nogueira Batista Jr Alysson Leandro Mascaro Luiz Carlos Bresser-Pereira Maria Rita Kehl Ricardo Fabbrini Priscila Figueiredo Paulo Capel Narvai Valerio Arcary Alexandre de Freitas Barbosa Roberto Noritomi Francisco de Oliveira Barros Júnior Andrew Korybko Alexandre Aragão de Albuquerque Denilson Cordeiro Michael Roberts Daniel Brazil Francisco Fernandes Ladeira Paulo Fernandes Silveira José Costa Júnior Dênis de Moraes Sandra Bitencourt Berenice Bento Dennis Oliveira Ladislau Dowbor Carla Teixeira José Luís Fiori José Raimundo Trindade Luciano Nascimento André Singer Claudio Katz Mariarosaria Fabris Luiz Marques Manchetômetro Atilio A. Boron Carlos Tautz Tarso Genro José Geraldo Couto Osvaldo Coggiola Antonio Martins Ronald Rocha Leda Maria Paulani João Adolfo Hansen Luís Fernando Vitagliano Walnice Nogueira Galvão Boaventura de Sousa Santos Bento Prado Jr. Marilena Chauí Rubens Pinto Lyra Marilia Pacheco Fiorillo Francisco Pereira de Farias Liszt Vieira João Carlos Loebens Michael Löwy Marcelo Módolo Benicio Viero Schmidt Sergio Amadeu da Silveira José Dirceu Eleutério F. S. Prado Everaldo de Oliveira Andrade Marcos Aurélio da Silva Jean Marc Von Der Weid Fernando Nogueira da Costa Ricardo Antunes Airton Paschoa Eleonora Albano Otaviano Helene Lucas Fiaschetti Estevez Remy José Fontana João Paulo Ayub Fonseca Ricardo Musse João Lanari Bo Chico Alencar Ricardo Abramovay Leonardo Sacramento Érico Andrade Valério Arcary Ronald León Núñez Luiz Roberto Alves Renato Dagnino Anselm Jappe José Micaelson Lacerda Morais Marcus Ianoni Julian Rodrigues Flávio Aguiar Celso Frederico Milton Pinheiro Jorge Luiz Souto Maior Leonardo Boff Caio Bugiato Daniel Afonso da Silva Lorenzo Vitral Rafael R. Ioris Luiz Bernardo Pericás Luiz Renato Martins Fábio Konder Comparato Leonardo Avritzer Luiz Werneck Vianna João Carlos Salles João Sette Whitaker Ferreira Jean Pierre Chauvin Armando Boito Luiz Costa Lima Ronaldo Tadeu de Souza Rodrigo de Faria Heraldo Campos Vanderlei Tenório Eduardo Borges Gilberto Maringoni Mário Maestri Plínio de Arruda Sampaio Jr. Flávio R. Kothe Antônio Sales Rios Neto Chico Whitaker Bernardo Ricupero André Márcio Neves Soares Henri Acselrad Luiz Eduardo Soares Vinício Carrilho Martinez Eugênio Bucci Gabriel Cohn Lincoln Secco Thomas Piketty Alexandre de Lima Castro Tranjan Daniel Costa Annateresa Fabris Marjorie C. Marona Tales Ab'Sáber Afrânio Catani Yuri Martins-Fontes Samuel Kilsztajn Manuel Domingos Neto Paulo Martins

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada