O historiador do futuro

Imagem_ColeraAlegria
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por RAFAEL IORIS*

Entraremos ainda mais no túnel do tempo revivido hoje com teores fascistas ou os clamores pelo fim do maior pesadelo da história recente terão resultado?

Olhando o Brasil das últimas semanas, parece plausível pensar que o historiador do futuro terá grandes dificuldades em tentar explicar o paradoxo crescente entre a enorme mobilização de amplos e influentes setores da sociedade nacional em oposição ao atual governo e a continuidade de ainda significativos níveis de apoio ao mesmo. E embora editoriais, artigos, análises de jornalistas e acadêmicos venham afirmando, quase à exaustão, a insustentabilidade da continuidade da atual composição de mandatários nas mais altas instâncias de poder da República, sondagens de opinião pública vem apontando de maneira consistente que entre um terço e mesmo metade dos eleitores apoiam a atual administração pública ou se opõe à sua retirada antecipada.

Se é tão evidente a falência do atual governo, por envolvimentos notórios com setores das milícias estaduais e notória incompetência administrativa, agravada de maneira dramática e trágica pela pandemia do Covid-19 (onde o Brasil se tornou o novo epicentro da expansão mundial da mesma), como entender o apelo ainda existente senão ao governo em si, mas certamente à sua agenda e especialmente retórica? Vejo que as chaves para entender tais questões devem ser buscadas em nossa história.

História de uma sociedade não só profundamente excludente e elitista, mas também conservadora, senão mesmo reacionária, violenta e especialmente profundamente racista. Embora relevante, um percurso mais longo por nossa história, por exemplo pelas linhas evolutivas do que viria a ser tornar a maior e mais duradoura sociedade escravagista do período moderno, claramente foge do alcance dessas linhas. Ainda bem que, para os objetivos aqui propostos, a passado mais recente, mesmo em sua forma memorial da nossa ditadura civil-militar deverá bastar.

Lembremos que nossa ditadura, especialmente nos seus anos de chumbo, ou seja entre 1968 e meados dos anos 70 – que, de maneira trágica e eloquente, ainda hoje, mas especialmente então, eram vistos, por muitos, como anos gloriosos–, contaram com amplo apoio e apelo popular! Para além da questão importante, mas certamente não exclusiva, dos ganhos que as classes médias, base e porta-voz do regime de então, como o de agora, tiveram durante o dito milagre brasileiro, é central lembrar que havia, sim, apoio genuíno, especialmente por partes desses mesmo segmentos sociais da lógica, narrativa e atuação do regime em prol da chamada lei e ordem.

De maneira efetiva, no início dos anos 70, a ARENA, base primeira e central dos generais de então, se vangloriava de ser o maior partido do Ocidente. Partido esse que podia contar com apoio direto e amplo não somente de vereadores e deputados de todas as partes do país, mas também entre profissionais liberais vários e empresários múltiplos que assim concordavam, explicita ou implicitamente, com os mandos e desmandos de um regime repressivo e mentiroso mas podia, de todo modo, contar com apoio entre as camadas culturalmente mais reacionárias e moralistas da população que proviam, de maneira influente, apoio e legitimação necessários ao autoritarismo em curso.

As viúvas do regime empresarial militar ainda bem vivas entre nós! Especialmente entre os atuais generais da reserva que chefiam vários dos principais ministérios do (des)governo atual, assim como entre o oficialato e, interessantemente, mesmo nas bases das polícias militares de vários estados, jovens que não viveram a ditadura mas que se apegam ao mantra mentiroso pelos mais velhos propagado da manu dura que teria resolvido os problemas do pais nos velhos tempos dos generais. No meio civil, além da base difusa entre as classes médias urbanas reacionárias e preconceituosas de sempre, temos, entre os partidos políticos, desde a nossa vergonhosa transição (sempre inacabada) nos anos 80 o chamado Centrão, de fato principal representante do fisiologismo e corrupção que (embora suas viúvas neguem!) grassavam já durante o nosso chamado milagre.

Mas se os ecos do passado são fortes demais para não serem ouvidos, a história tende a se repetir somente como farsa, conforme diz o truísmo consagrado. Como farsa, se Medici tinha apelo popular como o ditador simpático que ia aos estádios com seu radinho de pilha, nosso bufão autoritário de hoje se lança entre as multidões em plena pandemia. Da mesma forma, se nossa ditadura nunca soube e nem propriamente buscou construir uma base popular que poderia acrescer ao seu autoritarismo um traço fascista, é exatamente isso que nosso Capitão (reformado) tem buscado fazer. Entraremos assim ainda mais no túnel do tempo revivido hoje com teores fascistas ou os clamores pelo fim do maior pesadelo da história recente terão resultado?

Muito dependerá do que farão nossas classes médias, sempre prontas a prestar apoio ao último autoritário de plantão que prometa garantir seus parcos privilégios de uma distinção social precária, mas sempre aguerrida.

A ARENA continua firme entre nós, ajudando a pautar nossos rumos, com seus ranços e preconceitos de sempre. Entender isso é base para que algo novo seja, quem sabe, constituído, mas pelo menos vislumbrado.

*Rafael R. Ioris é professor da Universidade de Denver (EUA).

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Érico Andrade Matheus Silveira de Souza Elias Jabbour Vinício Carrilho Martinez Luís Fernando Vitagliano Francisco de Oliveira Barros Júnior Ari Marcelo Solon Andrew Korybko Paulo Fernandes Silveira Ronaldo Tadeu de Souza Rafael R. Ioris Luiz Eduardo Soares Manchetômetro Atilio A. Boron Luiz Marques José Raimundo Trindade Bento Prado Jr. João Sette Whitaker Ferreira Vladimir Safatle Daniel Costa Jean Marc Von Der Weid Jorge Luiz Souto Maior Henry Burnett Boaventura de Sousa Santos Claudio Katz Chico Whitaker José Luís Fiori Gilberto Maringoni Luis Felipe Miguel José Dirceu Andrés del Río Liszt Vieira Caio Bugiato João Carlos Loebens Priscila Figueiredo Eugênio Trivinho Sandra Bitencourt José Micaelson Lacerda Morais Carlos Tautz Francisco Fernandes Ladeira Mário Maestri Walnice Nogueira Galvão Kátia Gerab Baggio Afrânio Catani Leonardo Boff Antonino Infranca Leda Maria Paulani Lucas Fiaschetti Estevez Dennis Oliveira Eugênio Bucci Igor Felippe Santos João Adolfo Hansen Marcelo Guimarães Lima Salem Nasser Leonardo Avritzer José Costa Júnior Daniel Afonso da Silva Luciano Nascimento José Machado Moita Neto Valerio Arcary Osvaldo Coggiola Otaviano Helene Anselm Jappe Remy José Fontana Benicio Viero Schmidt Juarez Guimarães Maria Rita Kehl José Geraldo Couto Denilson Cordeiro Luiz Roberto Alves Alysson Leandro Mascaro Marcelo Módolo Slavoj Žižek Thomas Piketty Ricardo Fabbrini Gilberto Lopes Valerio Arcary Rodrigo de Faria João Carlos Salles Paulo Nogueira Batista Jr Fernão Pessoa Ramos Annateresa Fabris Eduardo Borges Ricardo Abramovay Heraldo Campos Marilena Chauí Samuel Kilsztajn Henri Acselrad Paulo Martins Alexandre Aragão de Albuquerque Lorenzo Vitral João Feres Júnior Ricardo Musse Tarso Genro Ronald León Núñez Michel Goulart da Silva Chico Alencar Dênis de Moraes Leonardo Sacramento Michael Roberts Antonio Martins Luiz Bernardo Pericás Marcus Ianoni Jorge Branco Marcos Silva Jean Pierre Chauvin Celso Frederico Manuel Domingos Neto Mariarosaria Fabris Plínio de Arruda Sampaio Jr. Paulo Capel Narvai João Lanari Bo Flávio R. Kothe Alexandre de Lima Castro Tranjan Julian Rodrigues Milton Pinheiro João Paulo Ayub Fonseca André Singer Fábio Konder Comparato Renato Dagnino Bruno Machado Ronald Rocha Gabriel Cohn Flávio Aguiar Armando Boito Carla Teixeira Eliziário Andrade Michael Löwy Marilia Pacheco Fiorillo Luiz Carlos Bresser-Pereira Fernando Nogueira da Costa Tadeu Valadares André Márcio Neves Soares Antônio Sales Rios Neto Francisco Pereira de Farias Marjorie C. Marona Ladislau Dowbor Eleutério F. S. Prado Eleonora Albano Sergio Amadeu da Silveira Bernardo Ricupero Bruno Fabricio Alcebino da Silva Alexandre de Freitas Barbosa Gerson Almeida Lincoln Secco Everaldo de Oliveira Andrade Paulo Sérgio Pinheiro Berenice Bento Vanderlei Tenório Daniel Brazil Airton Paschoa Luiz Renato Martins Marcos Aurélio da Silva Rubens Pinto Lyra Celso Favaretto Luiz Werneck Vianna Tales Ab'Sáber Ricardo Antunes Anderson Alves Esteves Yuri Martins-Fontes

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada