O homem do casaco alemão

Wassily Kandinsky, Black and Violet, 1923.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por BERNARDO AJZENBERG*

Comentários sobre o livro de Júlio Ambrozio

Um defunto na orla carioca e um rapaz esquisito que lhe surrupia os documentos. Assim começa O homem do casaco alemão, novela breve que mistura investigação policial e existencialismo, com tratamento estilístico enxuto, econômico, minimalista.

O protagonista se chama Antônio Arapuca do Alto. Como um zumbi macunaímico, de posse dos tais documentos ele sai à cata dos parentes do morto. Paralelamente, uma dupla de policiais mambembes inicia a investigação dita oficial do caso, que se desenrola entre o Rio e a serrana Petrópolis.

As pistas são inconclusas, o movimento da apuração é lerdo e, ao final, depois de acompanharmos as peripécias de classe média baixa de Arapuca, nem sequer sabemos qual é a conclusão correta.

Isso não deve desanimar o leitor, no entanto, já que o principal elemento da obra de Júlio Ambrozio não está nas tramas ou no suspense que poderia advir de um enredo como esse. Está, sim, na maneira elíptica de sua expressão, no modo de construir diálogos e descrições como se tivesse à mão uma peneira de palavras. Só o essencial sobrevive à filtragem da escrita desse autor.

Tal enfoque formal certamente dificulta a compreensão do livro numa primeira leitura, mas aos poucos, despojando-se de uma fruição mais tradicional, terá valido a pena, para o leitor, adentrar esse universo narrativo limpo e desadjetivado.

Veja, como exemplo, a seguinte descrição: “O automóvel cruzou a contramão, subindo no canteiro. O nevoeiro sobejava. Alaor puxou o freio. Firmou as vistas. Empunhou a escopeta, forçando o trinco. O calor assava a grama e fervia o lago. O delegado derivou a mão para o interior do paletó. Tomou da garrafinha de todo dia. Enxugou a boca e entroncou a voz…”.

Ou então a montagem deste diálogo entre Arapuca e uma mulher de nome Zilá Bauer, com quem ele transa, na casa dela, situada “bem na curva do elevado”:

“Fitou a parede. E falou:
– Este aqui, é qual?
Os carros seguiam.
– Esse? Ah, é meu sobrinho.
Como sempre o fizeram.
– Zilá, por que não teve um miúdo?
Uma ambulância acuou”.

Ambrozio, petropolitano, não resistiu à tentação de construir, em O homem do casaco alemão um delegado “erudito” que faz referências a Verlaine, Hammet, Stefan Zweig e a outros nomes da cultura universal. Apesar de soar artificial e repetitivo, esse recurso não chega, porém, a comprometer o livro.

Fica marcada, sim, a ousadia de seu método ressequido e árido de composição. A certa altura, por exemplo, Arapuca simplesmente desaparece, de um modo súbito que não vale explicitar aqui para não entregar o jogo do autor, deixando-nos com a sensação de estar visualizando fotogramas espalhados pelo ar.

Típico, talvez, de uma época meio besta, de generalizada fragmentação, em que, expressão dela, a narrativa se dilui diante dos nossos olhos, como as ondas na areia de Copacabana. Se houver um morto no meio da praia, então, melhor ainda.

*Bernardo Ajzenberg é jornalista e escritor. Autor, entre outros livros, de Minha vida sem banho (Rocco).

Publicado originalmente no jornal Folha de S. Paulo, em 16 de março de 1997.

Referência


Júlio Ambrozio. O homem do casaco alemão. São João del Rey. Ed. Ponte da Cadeia, 85 págs.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Boaventura de Sousa Santos Salem Nasser João Paulo Ayub Fonseca Flávio R. Kothe Celso Favaretto Airton Paschoa Ronald Rocha Jorge Luiz Souto Maior José Geraldo Couto Antônio Sales Rios Neto Lincoln Secco José Machado Moita Neto Berenice Bento Yuri Martins-Fontes Antonino Infranca Mário Maestri Liszt Vieira Michel Goulart da Silva Dennis Oliveira José Micaelson Lacerda Morais Ricardo Abramovay André Singer Plínio de Arruda Sampaio Jr. Paulo Nogueira Batista Jr Priscila Figueiredo Eliziário Andrade Paulo Fernandes Silveira Luciano Nascimento Eugênio Trivinho Bento Prado Jr. André Márcio Neves Soares Luis Felipe Miguel Kátia Gerab Baggio Otaviano Helene Denilson Cordeiro Luís Fernando Vitagliano Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Marcelo Módolo Tales Ab'Sáber Elias Jabbour Paulo Martins Carla Teixeira Celso Frederico Annateresa Fabris Gabriel Cohn Ricardo Antunes Marcos Silva Marcelo Guimarães Lima Gerson Almeida Rodrigo de Faria Michael Löwy Vanderlei Tenório Fernando Nogueira da Costa Lucas Fiaschetti Estevez Henri Acselrad José Luís Fiori Alexandre Aragão de Albuquerque Luiz Werneck Vianna Claudio Katz Marilia Pacheco Fiorillo Francisco Pereira de Farias Bruno Fabricio Alcebino da Silva Henry Burnett Vinício Carrilho Martinez Heraldo Campos Jean Pierre Chauvin Andrés del Río Igor Felippe Santos João Lanari Bo Osvaldo Coggiola Lorenzo Vitral Paulo Sérgio Pinheiro Ladislau Dowbor Alysson Leandro Mascaro Caio Bugiato Ronald León Núñez Rafael R. Ioris Valerio Arcary Armando Boito Dênis de Moraes João Sette Whitaker Ferreira Eleutério F. S. Prado Eleonora Albano Manchetômetro Andrew Korybko Marcus Ianoni Benicio Viero Schmidt João Feres Júnior Alexandre de Lima Castro Tranjan José Costa Júnior Luiz Renato Martins Sandra Bitencourt João Adolfo Hansen Ronaldo Tadeu de Souza Ricardo Musse Eugênio Bucci Leonardo Boff Paulo Capel Narvai Slavoj Žižek Carlos Tautz Valerio Arcary João Carlos Salles Luiz Eduardo Soares Walnice Nogueira Galvão Maria Rita Kehl José Raimundo Trindade Julian Rodrigues Luiz Carlos Bresser-Pereira Luiz Marques Francisco Fernandes Ladeira Manuel Domingos Neto Remy José Fontana Jean Marc Von Der Weid Eduardo Borges Milton Pinheiro Tadeu Valadares Thomas Piketty Marcos Aurélio da Silva Atilio A. Boron Fernão Pessoa Ramos Francisco de Oliveira Barros Júnior Sergio Amadeu da Silveira Marilena Chauí Chico Alencar Fábio Konder Comparato João Carlos Loebens Juarez Guimarães Daniel Brazil Bruno Machado Chico Whitaker Daniel Afonso da Silva Rubens Pinto Lyra Everaldo de Oliveira Andrade Érico Andrade Gilberto Maringoni Matheus Silveira de Souza Vladimir Safatle Michael Roberts Antonio Martins Samuel Kilsztajn Marjorie C. Marona Ari Marcelo Solon Gilberto Lopes Daniel Costa Luiz Roberto Alves José Dirceu Afrânio Catani Anselm Jappe Jorge Branco Tarso Genro Leonardo Avritzer Renato Dagnino Leonardo Sacramento Luiz Bernardo Pericás Flávio Aguiar Leda Maria Paulani Alexandre de Freitas Barbosa Mariarosaria Fabris Ricardo Fabbrini Bernardo Ricupero

NOVAS PUBLICAÇÕES