As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A dança da morte

Blanca Alaníz, serie Día de muertos , Fotografía digital, Ciudad de México, 2018.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FRANCISCO JÚNIOR*

Sofia, Gilmar, Aldir, Agnaldo, Nicette, Josés, Marias, Pedros, Raimundas e outros(as) inumeráveis

Não temos vagas na UTI. Vários pacientes estão na expectativa de um leito. Apareceu uma vaga e existem mais de 200 doentes na lista de espera. Quem vai ocupá-la? A decisão é tua. Na ditadura do coronavírus, você é o médico(a) de plantão e vai fazer a sua “escolha de Sofia”. Quem é ela?

Sofia Zawistowski foi prisioneira no campo de concentração de Auschwitz. Carregava no seu corpo as marcas de uma tentativa de suicídio e a inscrição de número 11379. Teve dois filhos: Jan e Eva. Enfrentou um doloroso conflito maternal. Sob a exterminadora tirania nazista “die vernichtung”, foi forçada a escolher qual das suas duas crias permaneceria viva. No enfrentamento do seu carrasco, era vista como privilegiada por poder fazer a sua opção. “É uma polonesa, não uma judia”. Na fala do seu algoz, está a justificativa do seu “privilégio”. Uma dramática cena interpretada por Meryl Streep no filme A escolha de Sofia (EUA, 1982), dirigido por Alan J. Pakula.

Em outros cenários, o drama é revivido no contexto pandêmico atual. Sob o regime da covid-19, na sua desastrada gestão nas terras brasileiras, assistimos ao macabro espetáculo de ver gente morrendo por falta de ar. Faltam tubos respiratórios para a grande quantidade de pessoas com os pulmões comprometidos. Não tem oxigênio para todos. Lotação esgotada nos hospitais. Taxas de ocupação hospitalar beirando o limite da capacidade de atendimento. Colapso. Profissionais da saúde esgotados.

Ainda existe limite entre ficção e realidade? Nuas e cruas, as telas projetam a dança da morte. As Sofias estão nas UPA’s dos Brasis. O texto fílmico de Pakula abre espaço para a subjetivação médica. Atuando a serviço do projeto ideológico nazista (SS Doctor), uma medicina instrumentalizada pelos donos do poder tem o seu tradutor: “Meu pai perguntou-me que raios de medicina pratico aqui. Que posso dizer-lhe? Realizo o trabalho de Deus. Elejo quem viverá e quem morrerá. Não é esse o trabalho de Deus?”.

Com Joel Birman, somos convidados a refletir sobre “o trauma na pandemia do coronavírus”. Em um olhar complexo, o traumatizante contexto em que vivemos é lido na sua multidimensionalidade política, social, econômica, ecológica, cultural, ética e científica. Biologia, medicina e as ciências humanas e sociais no reforço da ideia básica de que somos biopsicossociais e multidimensionais. O coronavírus não está sozinho na construção da peste dos nossos dias.

Na perspectiva da interdisciplinaridade, Birman focaliza a “dimensão psíquica do sujeito” traumatizado na experiência pandêmica. A lente discursiva do psicanalista observa os angustiados, os melancólicos e os desamparados sob o dispositivo pestilento. Um mal-estar coletivo gerador de “confusão mental” na “catástrofe humanitária” dos viventes do agora (BIRMAN, 2020).

Artistas atentos aos sinais, assumem posições frente aos temas desassossegadores. Na pandemia dos dias atuais, rebentam vozes inquietas e indignadas. É o canto da indignação no combate à fria e calculista indiferença. Um escandaloso número de mortos, por covid-19, é anunciado diariamente nas mídias brasileiras. Contabilidade numérica que não pode ocultar o fato de que eram pessoas com fomes e sedes existenciais.

Criaturas sonhadoras, com desejos, necessidades e vontades. Amantes, amigos, paradoxais criaturas, virtuosas e limitadas. Humanas, demasiadamente humanas. A grande atriz Nicette Bruno foi nocauteada pelo coronavírus. O anônimo Joaquim também. É com um toque humanizador que o cantor e o poeta criam uma poesia melódica para dar nome aos INUMERÁVEIS da peste do agora. Seres que partiram e eram pedaços dos que ficaram. Metades arrancadas e adoradas pelos saudosos sobreviventes.

O cantor/compositor Chico César, em parceria com o escritor Braúlio Bessa, criaram uma composição humanizante para tocar e despertar os indiferentes às dores individuais e coletivas. Chico e Braúlio pedem socorro porque sentem. E segue a lista de nomeados nas cores sonoras por eles concebidas. Na sociedade do espetáculo, não dá para ficar só na exibição numérica e estatística.

Temos que registrar e proferir os nomes dos que partiram e também dos que ficaram: André Cavalcante, Bruno Campelo, Carlos Antônio, Thereza, Elaine Cristina, Felipe Pedrosa, Gastão Dias Junior, Horácia Coutinho, Iramar Carneiro, Joana Maria, Katia Cilene, Lenita Maria, Margarida Veras, Norberto Eugênio, Olinda Menezes, Pasqual Stefano, Camily, Quitéria Melo, Raimundo dos Santos, Salvador José, Terezinha Maia, Vanessa dos Santos, Wilma Bassetti, Yvonne Martins, Zulmira de Sousa, Todos(as) estão nas paredes da memória de quem ficou. Soube da partida de Gilmar de Carvalho. Maiúsculo professor, pesquisador e escritor. No dia nacional do livro infantil, a covid-19 leva um companheiro das letras.

*Francisco Júnior é professor de sociologia na Universidade Federal do Piauí.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Airton Paschoa Lorenzo Vitral Kátia Gerab Baggio Benicio Viero Schmidt Marcelo Guimarães Lima Fernando Nogueira da Costa Everaldo de Oliveira Andrade Luiz Eduardo Soares Manchetômetro Alysson Leandro Mascaro José Geraldo Couto Rodrigo de Faria Daniel Costa João Carlos Salles Paulo Sérgio Pinheiro Maria Rita Kehl João Adolfo Hansen Luis Felipe Miguel Eliziário Andrade Érico Andrade Marilena Chauí Paulo Capel Narvai Luciano Nascimento Luiz Carlos Bresser-Pereira Bernardo Ricupero João Feres Júnior Dennis Oliveira Eugênio Bucci Daniel Afonso da Silva Jorge Branco Leonardo Boff Jorge Luiz Souto Maior Julian Rodrigues Boaventura de Sousa Santos Fernão Pessoa Ramos Vanderlei Tenório Walnice Nogueira Galvão Remy José Fontana Annateresa Fabris Jean Marc Von Der Weid Gilberto Maringoni Anselm Jappe Eleonora Albano Salem Nasser Sandra Bitencourt Juarez Guimarães Eduardo Borges João Carlos Loebens Francisco Pereira de Farias Michael Roberts Bento Prado Jr. Caio Bugiato Eugênio Trivinho Priscila Figueiredo Elias Jabbour Armando Boito Paulo Nogueira Batista Jr Luiz Renato Martins Vladimir Safatle Dênis de Moraes Celso Favaretto Roberto Noritomi João Sette Whitaker Ferreira Luiz Marques Andrew Korybko Michael Löwy José Dirceu Berenice Bento Marcus Ianoni Renato Dagnino Bruno Fabricio Alcebino da Silva Flávio Aguiar Osvaldo Coggiola Francisco Fernandes Ladeira Rafael R. Ioris Chico Whitaker Otaviano Helene Valerio Arcary Ronald Rocha Henri Acselrad João Lanari Bo Marcos Aurélio da Silva Milton Pinheiro Atilio A. Boron Ricardo Musse Antonio Martins Claudio Katz Marjorie C. Marona Jean Pierre Chauvin Rubens Pinto Lyra Fábio Konder Comparato Luiz Werneck Vianna Carla Teixeira Leda Maria Paulani Roberto Bueno Chico Alencar Mário Maestri Gerson Almeida Valério Arcary Denilson Cordeiro Sergio Amadeu da Silveira Ricardo Fabbrini Ricardo Antunes Gilberto Lopes Ronald León Núñez Mariarosaria Fabris José Luís Fiori Yuri Martins-Fontes Antônio Sales Rios Neto Igor Felippe Santos Ari Marcelo Solon Tarso Genro Marcos Silva Daniel Brazil Liszt Vieira Samuel Kilsztajn Manuel Domingos Neto Anderson Alves Esteves Luís Fernando Vitagliano Carlos Tautz Thomas Piketty Francisco de Oliveira Barros Júnior Luiz Bernardo Pericás Paulo Fernandes Silveira Henry Burnett Luiz Roberto Alves André Márcio Neves Soares Alexandre Aragão de Albuquerque José Machado Moita Neto André Singer Luiz Costa Lima Eleutério F. S. Prado João Paulo Ayub Fonseca Leonardo Sacramento Antonino Infranca Bruno Machado Tales Ab'Sáber Vinício Carrilho Martinez José Costa Júnior Leonardo Avritzer Lincoln Secco Flávio R. Kothe Marcelo Módolo José Micaelson Lacerda Morais Alexandre de Lima Castro Tranjan Slavoj Žižek Afrânio Catani Ronaldo Tadeu de Souza Marilia Pacheco Fiorillo Celso Frederico Alexandre de Freitas Barbosa Gabriel Cohn Plínio de Arruda Sampaio Jr. Lucas Fiaschetti Estevez José Raimundo Trindade Ladislau Dowbor Heraldo Campos Tadeu Valadares Ricardo Abramovay Paulo Martins

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada