O impacto do auxílio emergencial

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ANDRÉ SINGER*

A consolidação do atual índice de aprovação do presidente irá depender completamente da decisão sobre os rumos da política econômica

Os dados da recente pesquisa do Instituto Datafolha mostram que a aprovação do presidente Jair M. Bolsonaro subiu cinco pontos percentuais. Essa elevação se insere numa tendência já indicada pelos comentaristas atentos às repercussões do pagamento pelo governo do auxílio emergencial. Trata-se de um valor significativo em regiões onde o custo de vida é baixo. São 600 reais, podendo chegar a 1200 reais dependendo se há um ou uma chefe de família na casa.

Tudo indica que o fator que está produzindo o efeito principal na elevação da aprovação ao atual presidente da República é o auxílio emergencial. Alguns dados específicos da pesquisa confirmam isso. No Nordeste, por exemplo, a rejeição caiu de 52% para 35%, uma queda expressiva e se sabe que o Nordeste é uma região na qual o auxílio emergencial é particularmente importante.

Além disso, o Datafolha divulgou, em uma análise de seus diretores, que desses cinco pontos de crescimento (a aprovação subiu de 32% para 37%) três pontos percentuais vieram de trabalhadores informais ou de desempregados com renda familiar mensal de até três salários mínimos, setores que dependem também bastante do auxílio emergencial. Na mesma direção, pode-se observar que a taxa de aprovação do presidente melhorou também entre mulheres de baixa renda.

Cabe notar que houve também um aumento da popularidade presidencial em camadas de renda superior, setor no qual obviamente o auxílio emergencial ou não tem peso ou tem um peso muito restrito. Não dispomos de dados suficientes para explicar esse aumento. Talvez tenha alguma relação com o fato de que desde meados de junho, quando foi preso o ex-PM Fabrício Queiroz, o presidente moderou as suas falas e também algumas atitudes e está transmitindo uma imagem de maior controle. Sobre isso, porém, é necessário aguardar outras pesquisas para saber se é este o fator que efetivamente está influenciando os eleitores das camadas médias.

A consolidação ou não desse índice de aprovação do presidente irá depender completamente da decisão governamental acerca dos rumos da política econômica. Nas últimas semanas tornou-se visível uma divisão dentro do governo. Há aqueles que querem aproveitar esta onda de aprovação maior que o presidente vem tendo para estender o auxílio emergencial e talvez buscar uma saída do auxílio emergencial na direção de um programa com gastos superiores aos do programa Bolsa Família. A questão é que essa alternativa custa muito dinheiro e o governo tem restrições a partir da sua orientação ultraliberal em ampliar o gasto público. Por conta disso surgiram especulações sobre a possível saída do governo do ministro Paulo Guedes.

Não dispomos de indicações suficientes para prever qual decisão irá ser tomada. Se a decisão for favorável a uma mudança da política econômica no sentido de favorecer as camadas de baixa renda, esta aprovação pode se encaminhar na direção de um percurso de consolidação. Caso contrário, é pouco provável que isso aconteça.

*André Singer é professor titular de ciência política na USP. Autor, entre outros livros, de O lulismo em Crise(Companhia das Letras).

Texto estabelecido a partir de entrevista concedida a Gustavo Xavier, na rádio USP.

 

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Andes x Proifes — a disputa no sindicalismo docentegreve educação 28/05/2024 Por VALTER LÚCIO DE OLIVEIRA: O sindicato sai enfraquecido quando sua direção parte do princípio de que as únicas posições verdadeiramente esclarecidas e legítimas são aquelas que respaldam a suas orientações
  • A hora da estrela – trinta e nove anos depoisclareice 20/05/2024 Por LEANDRO ANTOGNOLI CALEFFI: Considerações sobre o filme de Suzana Amaral, em exibição nos cinemas
  • O bolsonarismo pode voltar ao poder?Valério Arcary 24/05/2024 Por VALERIO ARCARY: O lulismo, ou lealdade política à experiência dos governos liderados pelo PT, permitiu conquistar o apoio entre os muito pobres. Mas a esquerda, embora mantenha posições, perdeu a hegemonia sobre sua base social de massas original.
  • A “multipolaridade” e o declínio crônico do OcidenteJosé Luís Fiori 17/05/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A defesa da multipolaridade será cada vez mais a bandeira dos países e dos povos que se insurgem neste momento contra o imperium militar global exercido pelo Ocidente
  • Um alvo perfeitocultura Poemas 27/05/2024 Por ANTÔNIO DAVID: Considerações sobre o ataque de Jair Bolsonaro a Marília Moschkovich
  • Realizando a filosofia — Marx, Lukács e a Escola de…toca discos 25/05/2024 Por ANDREW FEENBERG: A filosofia da práxis é significativa hoje como a tentativa mais desenvolvida dentro do marxismo de refletir sobre as consequências da racionalização da sociedade sob o capitalismo
  • O legado de uma década perdidaRenato Janine Ribeiro 22/05/2024 Por RENATO JANINE RIBEIRO: A esquerda é inteiramente representativa do senso comum de nossa sociedade – tudo de bom que acontece, e tudo de ruim, é só do Presidente
  • O agonizante fim do sionismodistante 22/05/2024 Por SAMUEL KILSZTAJN: O judaísmo não pode ser protegido por furiosos militares israelenses, pois tudo o que os militares fazem é semear tristeza e colher ódio
  • Guaíba – rio ou lago?Rio Guaíba 24/05/2024 Por JOÃO HÉLIO FERREIRA PES: É importante definir juridicamente se o Guaíba é rio ou lago para fins de uma eficaz implantação das políticas públicas de proteção de suas margens
  • Tensões da composição policlassistaMike Chai 27/05/2024 Por ANDERSON ALVES ESTEVES: Greve nos Institutos e Universidades federais desnuda a frente amplíssima

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES