O jornalismo além da objetividade

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por EUGÊNIO BUCCI*

O jornalismo digno de confiança respeita as expectativas de veracidade das suas fontes e de seus públicos

Para a exígua parcela do improvável leitorado que ainda se interessa pelos estudos de jornalismo, acaba de sair um documento de leitura obrigatória: Além da objetividade – produzindo noticiário confiável nas redações atuais (Beyond objectivity – producing trustworthy news in today’s newsrooms). Publicado pela Escola de Jornalismo e Comunicações Walter Cronkite (Walter Cronkite School of Journalism and Mass Communication), da Universidade do Estado do Arizona (Arizona State University), em parceria com a Stanton Foundation, o livreto mostra que o conceito que tínhamos de relato objetivo entrou em crise.

Os dois autores são nomes consagrados na profissão. Leonard Downie Jr., professor da Escola Walter Cronkite, fez carreira no jornal Washington Post, onde chegou a editor executivo. Andrew Heyward, docente na mesma faculdade, foi presidente da CBS News entre 1996 e 2005. Depois de consultarem uma respeitável bibliografia, a dupla entrevistou 76 pessoas que exercem cargos-chave na imprensa dos Estados Unidos e chegou a uma conclusão nada trivial: a palavra “objetividade”, tão cara à tradição dos jornais, anda fora de moda (outmoded). Repórteres e editores não têm mais o mesmo gosto em pronunciá-la. O termo já não nomeia o requisito central da credibilidade, pois “perdeu seu poder de definir os padrões mais altos da excelência jornalística”.

É claro que Leonard Downie Jr. e Andrew Heyward não recomendam desprezar os fatos. O projeto deles é ir além – não aquém – da objetividade. As novas gerações de jornalistas, que desconfiam desse substantivo, jogam suas melhores energias em outros, como “acurácia” e “verdade”.

O ponto de partida continuam sendo os fatos verificáveis – nesse ponto, nada de novo sob o sol –, mas ninguém dá conta de contar a verdade apenas arrolando fatos. Mais do que investigar o que aconteceu, o jornalismo precisa iluminar o contexto escondido sob a superfície e levar em conta as múltiplas perspectivas de análise, sem cair na armadilha das narrativas enviesadas.

Sim, ficou mais difícil. A função jornalística, que já não era simples, agora é mais complexa. A cobertura deve reportar os eventos, é lógico, mas não pode parar por aí; precisa fugir da atitude burocrática de somente anotar o que se passou e, depois, coletar um depoimento contra e outro a favor. Downey Jr. e Hayward são categóricos: “Evite a abordagem preguiçosa do ‘outroladismo’ (both-sides-ism)”.

Não se trata de negligenciar a realidade, de jeito nenhum, mas de olhar mais longe. Trata-se de examinar o pano de fundo e de decifrar as opiniões fundamentadas que entram em conflito. O texto jornalístico só é bom de verdade quando, além de narrar o acontecido, transpira pensamento. Só assim vai refletir o real e refletir sobre o real.

Para resumir, o que entrou em crise não é a tentativa de captar os dados objetivos da realidade, mas a empáfia com que muitos desfraldavam a bandeira da objetividade. Não dá para continuar assim. Já não tem serventia o repórter que descreve olimpicamente um episódio qualquer, ouve uma fonte favorável e outra contrária e, com isso, dá o trabalho por encerrado – o cidadão que se vire para encontrar a conclusão. A imprensa responsável não tem parte com a indiferença. Ou ela vibra junto com a audiência ou ficará isolada.

É nesse sentido que a boa redação jornalística procura desvelar as forças que se batem para fazer prevalecer uma interpretação ou outra, deixa claro seu método de trabalho, abre os olhos para a diversidade e compartilha com o público os valores e princípios que a orientam. Tudo se resume a uma questão de honestidade, em três frentes simultâneas: honestidade para relatar o que aconteceu, para esmiuçar o contexto e, em terceiro lugar, para não esconder seus próprios compromissos.

O ideal da precisão fria – que sempre foi uma forma de impostura positivista – caducou. Acima dele deve estar a relação franca com a audiência. O jornalismo digno de confiança respeita as expectativas de veracidade das suas fontes e de seus públicos, igualmente, do mesmo modo que respeita sua coerência interna. Assim, tece o diálogo entre sujeitos ativos num padrão civilizado e pacífico. Em outras palavras, o jornalismo se faz na intersubjetividade racional.

Num livro publicado no ano 2000, Sobre Ética e Imprensa (Companhia das Letras), eu mesmo tratei do tema. Cito uma única frase: “Quando o jornalismo busca a objetividade, está buscando estabelecer um campo intersubjetivo crítico entre os agentes que aí atuam: os sujeitos que produzem o fato, os que o observam e o reportam e os que do fato tomam conhecimento”. A ideia continua valendo.

A objetividade na imprensa se traduz em intersubjetividade ativa. Nada de discurso militante, longe disso. O bom jornalismo tende a ser mais caloroso – mais engajado, se quisermos –, mas não há de se confundir com propaganda, com panfleto ou com proselitismo partidário. O primado da verdade factual segue vivo, muito mais que objetivo. O que ele quer de nós é independência e inteligência.

*Eugênio Bucci é professor titular na Escola de Comunicações e Artes da USP. Autor, entre outros livros, de A superindústria do imaginário (Autêntica).

Publicado originalmente no jornal O Estado de S. Paulo.

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Kátia Gerab Baggio Luiz Eduardo Soares Tadeu Valadares Denilson Cordeiro Valerio Arcary Mariarosaria Fabris Luiz Carlos Bresser-Pereira Yuri Martins-Fontes Flávio Aguiar Bruno Fabricio Alcebino da Silva Paulo Sérgio Pinheiro Marilia Pacheco Fiorillo José Geraldo Couto Osvaldo Coggiola Jorge Luiz Souto Maior Eugênio Trivinho Berenice Bento Rodrigo de Faria José Costa Júnior Carla Teixeira Caio Bugiato Francisco de Oliveira Barros Júnior Marcos Aurélio da Silva Matheus Silveira de Souza Marcus Ianoni Ari Marcelo Solon Remy José Fontana Eduardo Borges João Feres Júnior Paulo Martins Valerio Arcary Ronald Rocha Bruno Machado Elias Jabbour Eliziário Andrade Eleutério F. S. Prado Fernando Nogueira da Costa Alexandre de Lima Castro Tranjan Armando Boito Andrew Korybko Afrânio Catani Ricardo Musse Paulo Nogueira Batista Jr José Raimundo Trindade Gerson Almeida Fábio Konder Comparato Gilberto Lopes André Márcio Neves Soares José Machado Moita Neto Dênis de Moraes Jean Marc Von Der Weid Érico Andrade Bernardo Ricupero Walnice Nogueira Galvão Marilena Chauí João Adolfo Hansen Eugênio Bucci Luís Fernando Vitagliano Antônio Sales Rios Neto Michael Löwy Eleonora Albano Jean Pierre Chauvin Claudio Katz Luciano Nascimento Vinício Carrilho Martinez Maria Rita Kehl Lucas Fiaschetti Estevez Boaventura de Sousa Santos Marcelo Módolo Paulo Fernandes Silveira Jorge Branco Samuel Kilsztajn Sandra Bitencourt Tales Ab'Sáber Ronaldo Tadeu de Souza Heraldo Campos João Carlos Salles Michael Roberts João Lanari Bo Celso Frederico Leonardo Avritzer Manchetômetro Leonardo Boff Vladimir Safatle Andrés del Río Igor Felippe Santos Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Lorenzo Vitral Antonio Martins Thomas Piketty Luiz Werneck Vianna João Carlos Loebens Carlos Tautz José Dirceu Daniel Afonso da Silva Liszt Vieira Francisco Fernandes Ladeira Benicio Viero Schmidt Chico Alencar Gabriel Cohn Leda Maria Paulani Dennis Oliveira Vanderlei Tenório Henry Burnett Juarez Guimarães Daniel Brazil Sergio Amadeu da Silveira Alexandre de Freitas Barbosa Ladislau Dowbor Tarso Genro Otaviano Helene Antonino Infranca Bento Prado Jr. Celso Favaretto Henri Acselrad Paulo Capel Narvai Annateresa Fabris Alexandre Aragão de Albuquerque Renato Dagnino Luiz Renato Martins Marcos Silva Marcelo Guimarães Lima Ricardo Fabbrini Mário Maestri Manuel Domingos Neto Chico Whitaker Michel Goulart da Silva Flávio R. Kothe Slavoj Žižek André Singer Ricardo Antunes Ricardo Abramovay Everaldo de Oliveira Andrade José Micaelson Lacerda Morais João Paulo Ayub Fonseca Luis Felipe Miguel José Luís Fiori Leonardo Sacramento Milton Pinheiro Daniel Costa Ronald León Núñez Atilio A. Boron Rubens Pinto Lyra Alysson Leandro Mascaro Airton Paschoa Anselm Jappe João Sette Whitaker Ferreira Plínio de Arruda Sampaio Jr. Rafael R. Ioris Gilberto Maringoni Salem Nasser Julian Rodrigues Luiz Bernardo Pericás Lincoln Secco Luiz Roberto Alves Luiz Marques Fernão Pessoa Ramos Marjorie C. Marona Francisco Pereira de Farias Priscila Figueiredo

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada