As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O lago encantado de Grongonzo

Imagem: Paulo Monteiro / Jornal de Resenhas
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por AFRÂNIO CATANI*

Comentário sobre o livro de Marilene Felinto

Não imaginem que O lago encantado de Grongonzo, o segundo romance da escritora, jornalista e tradutora Marilene Felinto, seja leitura fácil, dessas que podem ser lidas de forma desatenta. Marilene não é de fazer concessões. Basta ver As mulheres de Tijucopapo (1982), seu premiado e elogiado romance de estreia e, também o livro Graciliano Ramos: outros heróis e esse Graciliano (1983), biografia polêmica e original do grande escritor nordestino. Tradutora de Conrad e de Shaw, é revelação poderosa na prosa.

O tema de Grongonzo não é um só, são vários, interligadíssimos: a amizade, a ruindade (nossa e dos outros), a raiva como possibilidade amorosa. Isso tudo é trabalhado a partir da história de Deisi, que relembra, reconstitui, reavalia e revive seu passado. Deisi está em Grongonzo, esse lugar que transforma “mulheres em pedras”, o seu “território” quase crítico, onde passou a infância, à espera de amigos – Lena, Estefânia e Demian, ex-namorado, de quem se separara espontaneamente.

Deisi e outros irmãos foram criados pela avó na violenta Grongonzo dos “tempos do onça”, cidade de “quatro armas”, onde todos eram militares e a criançada “filhos de uma ou outra patente”. Deisi era filha de marrons, de fuzileiro naval. Havia filhos de soldados rasos e verdes, de cabos brancos, de sargentos, de tenentes azuis da Aeronáutica. Estudavam juntos no mesmo “Patronato Maria Tereza” (p. 49).

Muito cedo aprende a manejar seu bodoque de talo de goiabeira e tiras de pneu, arma indispensável para sua sobrevivência e para extravasar os rancores. Não aceita trocar seu bodoque por um lápis de borracha na ponta e não dá moleza para os filhos dos tenentes que no colégio se metiam a falar bem, “a não se misturar com ninguém” e, suprema ousadia, a fazer versos nas aulas, com tal arrogância, “como se as palavras fossem azuis, fossem de quem nasceu bem”. Ela e seus amigos, aos bandos, se acoitavam nas touceiras de capim e munidos de bodoques em V e cartucheiras carregadas de sementes de carrapateira, abriam fogo contra os gostosões, filhos dos oficiais. O rancor como moral para os jacobinos rurais.

A exemplo dos amigos, a relação que mantêm com a avó que a criou é de amor e ódio. A velhinha lhe fornece, porém, um guia seguro de sobrevivência, através de provérbios, frases-feitas e palavras (“fazia palavras, apenas. Que até matavam pessoas”): “cada cabeça é um mundo”; “fede que só catinga de aruá”; “besta é caju, que nasce com a cabeça pra baixo”; “aqui se faz, aqui se paga”; “eu te piso, eu te repiso, eu te reduzo a granizo”. A avó quase lhe matava (logicamente com palavras), ao exprimir o que pensava a respeito da neta mais velha: “tão cheia de ruindade essa menina, da ponta do cabelo ruim até o dedo do pé sujo”.

Mais se poderia falar a respeito de O lago encantado de Grongonzo, mas acho que dá para parar por aqui. Marilene dá o seu recado numa linguagem próxima da linguagem oral, frases curtas – na maioria das vezes os períodos não ultrapassam uma linha –, registrando o que a sua personagem diz, pensa ou o que mal formula. E o faz com a precisão de um atirador de elite, disparando palavras mortíferas, rancorosas, mas de uma quase intratável ternura: “as palavras carbúnculo” em que Mário de Andrade via a possibilidade e o princípio de “um carinho diamante”.

*Afrânio Catani é professor aposentado na USP é professor visitante na UFF.

Publicado originalmente no extinto Leia Livros. São Paulo. Ano IX, setembro, 1987, p. 30.

 

Referência


Marilene Felinto O lago encantado de Grongonzo. Rio de Janeiro: Guanabara, 1987.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
André Singer José Micaelson Lacerda Morais João Carlos Loebens Fábio Konder Comparato José Costa Júnior Ari Marcelo Solon Marjorie C. Marona Renato Dagnino Paulo Fernandes Silveira Alexandre Aragão de Albuquerque Airton Paschoa Lincoln Secco Vinício Carrilho Martinez Alexandre de Lima Castro Tranjan André Márcio Neves Soares João Feres Júnior Marcus Ianoni Lorenzo Vitral Mário Maestri Leonardo Avritzer Manuel Domingos Neto Lucas Fiaschetti Estevez Ricardo Musse Luís Fernando Vitagliano Flávio Aguiar Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luiz Marques Roberto Noritomi Luiz Eduardo Soares Marcelo Módolo Juarez Guimarães Liszt Vieira Michael Roberts Atilio A. Boron Leda Maria Paulani Marcos Silva Eduardo Borges Julian Rodrigues Sergio Amadeu da Silveira Luiz Roberto Alves Henry Burnett Anderson Alves Esteves Mariarosaria Fabris Armando Boito Berenice Bento Jorge Luiz Souto Maior Marcelo Guimarães Lima Antônio Sales Rios Neto Kátia Gerab Baggio Carla Teixeira Ronald León Núñez Luiz Carlos Bresser-Pereira Bernardo Ricupero Osvaldo Coggiola Otaviano Helene Paulo Nogueira Batista Jr Rafael R. Ioris Milton Pinheiro Vladimir Safatle Ronald Rocha Paulo Martins Antonino Infranca Luiz Bernardo Pericás João Carlos Salles Luis Felipe Miguel Roberto Bueno José Geraldo Couto João Sette Whitaker Ferreira Yuri Martins-Fontes Salem Nasser Anselm Jappe Celso Frederico Eliziário Andrade Luiz Werneck Vianna Luiz Renato Martins Walnice Nogueira Galvão Francisco de Oliveira Barros Júnior Bento Prado Jr. Boaventura de Sousa Santos Bruno Machado Tarso Genro Dênis de Moraes Annateresa Fabris Daniel Costa Andrew Korybko Marcos Aurélio da Silva Francisco Fernandes Ladeira Jean Marc Von Der Weid Benicio Viero Schmidt Valério Arcary Jorge Branco Rubens Pinto Lyra Luciano Nascimento José Machado Moita Neto Alysson Leandro Mascaro Thomas Piketty Flávio R. Kothe Marilia Pacheco Fiorillo Paulo Capel Narvai Eugênio Trivinho Luiz Costa Lima Alexandre de Freitas Barbosa Ronaldo Tadeu de Souza Dennis Oliveira Igor Felippe Santos Maria Rita Kehl Slavoj Žižek Manchetômetro Everaldo de Oliveira Andrade Francisco Pereira de Farias Henri Acselrad Gilberto Lopes Ladislau Dowbor Gerson Almeida Gilberto Maringoni Leonardo Sacramento José Dirceu Leonardo Boff Elias Jabbour Ricardo Antunes Ricardo Abramovay José Raimundo Trindade Vanderlei Tenório Michael Löwy Antonio Martins Eugênio Bucci Marilena Chauí Celso Favaretto Jean Pierre Chauvin Chico Alencar Érico Andrade Daniel Afonso da Silva José Luís Fiori Tadeu Valadares Valerio Arcary Caio Bugiato Priscila Figueiredo Eleonora Albano Bruno Fabricio Alcebino da Silva João Adolfo Hansen Sandra Bitencourt Chico Whitaker João Lanari Bo João Paulo Ayub Fonseca Tales Ab'Sáber Gabriel Cohn Afrânio Catani Fernão Pessoa Ramos Ricardo Fabbrini Denilson Cordeiro Carlos Tautz Claudio Katz Remy José Fontana Heraldo Campos Paulo Sérgio Pinheiro Rodrigo de Faria Fernando Nogueira da Costa Daniel Brazil Eleutério F. S. Prado Samuel Kilsztajn

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada