A insanidade dos cavaleiros do Apocalipse: Rússia e EUA

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LEONARDO BOFF*

Essa guerra revela que os responsáveis pelo destino humano não aprenderam a lição básica da pandemia do Covid-19

O livro do Apocalipse que narra os embates finais de nossa história, entre as forças da morte e as da vida, nos pinta um cavalo de fogo que simboliza a guerra: “ao cavaleiro foi-lhe dada desterrar a paz da terra para que os homens se degolassem uns aos outros” (6,4). A guerra entre a Rússia e a Ucrânia e a ordem do presidente russo de manter as armas nucleares em alerta máximo, nos suscitam a ação do cavalo de fogo, a degola da humanidade, vale dizer, um Armageddon humano.

As sanções severíssimas impostas pela OTAN e pelos EUA à Federação Russa podem levar ao colapso toda a sua economia. Face a esse desastre nacional não se pode excluir a possibilidade de que o líder russo, não aceite a derrota como se Napoleão (1812) ou Hitler (1942) tivessem tomado o país, coisa que não conseguiram. Então realizaria as ameaças e iniciaria um ataque nuclear. Só o arsenal da Rússia pode destruir, por várias vezes humana a vida do planeta. E um revide pode danificar toda a biosfera sem a qual a nossa vida não poderia persistir.

Por detrás deste confronto Rússia/Ucrânia se ocultam forças poderosas em disputa pela hegemonia mundial: a Rússia, aliada à China e os EUA. A estratégia deste último é mais ou menos conhecida, orientada por duas ideias-força: “um mundo e um só império” (os EUA), garantido pela full-spectrum dominance: a dominação em todos os campos com 800 bases militares distribuídas pelo mundo, mas também com a dominação econômica, ideológica e cultural. Tal dominação completa fundaria a pretensão dos EUA de sua “excepcionalidade”, de ser “a nação indispensável e necessária”, a “âncora da segurança global” ou o “único poder”(lonely power) realmente mundial.

Nessa vontade imperial, a OTAN, por detrás da qual estão os EUA, se expandiu até os limites da Rússia. Só faltava mesmo inserção da Ucrânia para fechar o cerco. Mísseis colocados na fronteira ucraniana alcançariam Moscou em minutos. Daí se entende a exigência da Rússia da manutenção de neutralidade da Ucrânia, caso contrário seria invadida. Foi o que ocorreu com as perversidades que toda guerra produz. Nenhuma guerra é justificável porque assassina vidas humanas e vai contra o sentido das coisas que é a tendência de permitirem na existência.

A China, por sua vez, disputa a hegemonia mundial não por via militar, mesmo aliada à Rússia, mas pela via econômica com seus grandes projetos como a Rota da Seda. Neste campo está ultrapassando os USA e alcançaria a hegemonia mundial até com um certo ideal ético, o de criar “uma comunidade de destino comum participado por toda a humanidade, com sociedades suficientemente abastecidas”.

Mas não quero prolongar esta perspectiva bélica, verdadeiramente insana a ponto de ser suicidaria. Mas esse confronto de potências revela a inconsciência dos atores em tela acerca dos reais riscos que pesam sobre o planeta que, mesmo sem as armas nucleares, poderão pôr em risco a vida humana. Seja dito que todos os arsenais de armas de destruição em massa se mostraram totalmente inúteis e ridículas face a um pequeniníssimo vírus como o Covid-19.

Essa guerra revela que os responsáveis pelo destino humano não aprenderam a lição básica do Covid-19.Ele não respeitou as soberanias e os limites nacionais. Atingiu o planeta inteiro. A epidemia pede a instauração de uma governança global face a um problema global. O desafio vai além das fronteiras nacionais, é construir a Casa Comum.

Não se deram conta de que o grande problema é o aquecimento global. Já estamos dentro dele, pois, os eventos fatais de inundações de regiões inteiras, tufões e escassez de água doce, são visíveis. Temos somente 9 anos para evitar uma situação de não retorno. Se até 2030 atingirmos 1,5 graus Celsus de calor, seremos incapazes de controlá-lo e vamos na direção de um colapso do sistema-Terra e dos sistema-vida.

Encostamos nos limites de sustentabilidade da Terra. Os dados da Sobrecarga da Terra (Earth Overshoot) apontam que no dia 22 de setembro de 2020 esgotaram-se os recursos não renováveis, necessários para a vida. O consumismo que persiste, cobra da Terra o que ela já não pode dar. Em resposta, ela nos envia vírus letais, aumenta o aquecimento, desestabiliza os climas e dizima milhares de seres vivos.

A superpopulação associada a uma nefasta desigualdade social com a grande maioria da humanidade vivendo na pobreza e na miséria, quando 1% dela controla 90% da riqueza e dos bens e serviços essenciais, podem conduzir a conflitos com incontáveis vítimas e à devastação de ecossistemas inteiros.

Estes são os problemas, entre outros, que deveriam preocupar os chefes de estado, os CEOs das grandes corporações e os cidadãos, pois eles diretamente colocam em risco o futuro de toda a humanidade. Face a esse risco global é ridícula uma guerra por zonas de influência e de soberanias já obsoletas.

O que nos causa esperança são aqueles “Noés” anônimos que vicejam em todas as partes, a partir de baixo, construindo suas arcas salvadoras mediante uma produção que respeita os limites da natureza, por uma agroecologia, por comunidades solidárias, por democracias sócio ecológicas participativas, trabalhando a partir dos próprios territórios.

Eles possuem a força da semente do novo e com uma nova mente (a Terra como Gaia) e com um novo coração (laço de afetivo e de cuidado para com a natureza) garantem um novo futuro com a consciência de uma responsabilidade universal e uma interdependência global. A guerra deles é contra a fome e a produção da morte e sua luta é por justiça para todos, promoção da vida e defesa dos mais fracos e desvalidos. Isso é o que deve ser. E o que deve ser, tem intrinsecamente uma força invencível.

*Leonardo Boff é eco-teólogo e filósofo. Autor, entre outros livros de Habitar a Terra: qual o caminho para a fraternidade universal? (Vozes).

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Jorge Luiz Souto Maior Bento Prado Jr. Salem Nasser João Sette Whitaker Ferreira Luciano Nascimento Juarez Guimarães Gilberto Lopes Igor Felippe Santos Sandra Bitencourt Francisco Fernandes Ladeira Henri Acselrad Lincoln Secco Bernardo Ricupero Marcus Ianoni Valerio Arcary Marilia Pacheco Fiorillo Bruno Machado Alysson Leandro Mascaro Sergio Amadeu da Silveira Maria Rita Kehl Paulo Capel Narvai Yuri Martins-Fontes Manuel Domingos Neto Luiz Renato Martins Mário Maestri João Feres Júnior Liszt Vieira Anselm Jappe Antonio Martins Claudio Katz Renato Dagnino Bruno Fabricio Alcebino da Silva Marjorie C. Marona José Micaelson Lacerda Morais Gilberto Maringoni Francisco de Oliveira Barros Júnior Alexandre de Freitas Barbosa Paulo Nogueira Batista Jr Remy José Fontana Vladimir Safatle Marcos Aurélio da Silva Boaventura de Sousa Santos Marcelo Guimarães Lima Érico Andrade Andrés del Río João Carlos Loebens Matheus Silveira de Souza Eduardo Borges Ronaldo Tadeu de Souza Antônio Sales Rios Neto Chico Alencar Michael Löwy Luis Felipe Miguel João Lanari Bo Francisco Pereira de Farias Paulo Martins Eugênio Bucci André Singer Benicio Viero Schmidt Michael Roberts Jean Marc Von Der Weid Mariarosaria Fabris Carla Teixeira Tales Ab'Sáber Otaviano Helene Airton Paschoa Dennis Oliveira Leonardo Sacramento Michel Goulart da Silva Eleutério F. S. Prado Annateresa Fabris Eugênio Trivinho Luiz Bernardo Pericás Daniel Afonso da Silva Osvaldo Coggiola Afrânio Catani Rodrigo de Faria Julian Rodrigues Denilson Cordeiro Valerio Arcary Tadeu Valadares Priscila Figueiredo Jean Pierre Chauvin Luiz Marques Celso Favaretto André Márcio Neves Soares Chico Whitaker Luiz Werneck Vianna Plínio de Arruda Sampaio Jr. Lucas Fiaschetti Estevez Ronald Rocha Flávio R. Kothe Everaldo de Oliveira Andrade Henry Burnett Marilena Chauí Manchetômetro Caio Bugiato Fernão Pessoa Ramos Daniel Costa João Adolfo Hansen Flávio Aguiar José Luís Fiori Samuel Kilsztajn Daniel Brazil Berenice Bento Luiz Roberto Alves José Costa Júnior Gabriel Cohn Ricardo Abramovay Antonino Infranca José Raimundo Trindade Ari Marcelo Solon Ronald León Núñez Atilio A. Boron Walnice Nogueira Galvão Ricardo Musse Carlos Tautz Rubens Pinto Lyra José Dirceu Luiz Carlos Bresser-Pereira Slavoj Žižek Alexandre Aragão de Albuquerque Marcelo Módolo José Machado Moita Neto Gerson Almeida Fábio Konder Comparato Dênis de Moraes José Geraldo Couto Marcos Silva Thomas Piketty Jorge Branco Vanderlei Tenório Kátia Gerab Baggio Celso Frederico Lorenzo Vitral Ricardo Fabbrini Tarso Genro Alexandre de Lima Castro Tranjan Paulo Sérgio Pinheiro Rafael R. Ioris Leonardo Boff Vinício Carrilho Martinez Luís Fernando Vitagliano Eliziário Andrade Paulo Fernandes Silveira Luiz Eduardo Soares Leonardo Avritzer Leda Maria Paulani Ladislau Dowbor João Carlos Salles Ricardo Antunes Heraldo Campos Fernando Nogueira da Costa Eleonora Albano Armando Boito Milton Pinheiro Andrew Korybko Anderson Alves Esteves João Paulo Ayub Fonseca Elias Jabbour

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada