O riso do “Mito”

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por PAULO SILVEIRA*

Considerações sobre as expressões faciais de Jair M. Bolsonaro

Desde muito cedo, apreendemos, de forma mais interesseira do que interessada, a lidar com os sinais emitidos pelas expressões faciais; um aprendizado lento, por ensaio e erro, e de forma prática. Estas expressões são usadas para substituir as palavras, mas às vezes apenas para reforçá-las, para lhes emprestar ênfase – “era bem isso que eu queria dizer”. Outras vezes, no entanto, elas contrariam as palavras, como se fossem, até mesmo, seu avesso.

Estas interessam mais, bem mais, como se oferecessem um enigma – como no sorriso da Gioconda – como se aparecessem como tais, “no vão das palavras”, como canta a Carolina, ou para tentar preencher esse vão. Momento quase de surpresa, lugar por excelência do aparecimento do sujeito. Certamente como uma de suas casas, melhor ainda, como uma de suas manifestações.

O rosto, claro, é a sede das expressões faciais. Nele encontramos distintas possibilidades: o franzir da testa; o levantar das sobrancelhas; o empinar o nariz; e o sorrisos, então, quanto podem querer dizer; e os olhares, campeões da significação dos desejos.

Quem não terá percebido a beiçola amuada e infantil de Donald Trump e de Gilmar Mendes dirigida às respectivas mamães quando são contrariados, como se quisessem significar o peso quase insuportável da frustração. Momento notável de uma regressão subjetiva, quando o gesto infantil invade a fisionomia do velho adulto.

À primeira vista, o sorriso do Mito, do qual se trata aqui, neste exato momento mitificador, já dá sinais de significação. Ele é dirigido lateralmente como se seu destinatário fosse um “ninguém”. Além disso, sua parecença mais óbvia é com o sorriso de uma hiena, sorriso maroto, sorriso fingido. Um “não estou nem aí”, como ele mesmo gosta de dizer, só que prenhe de uma agressividade que o sorriso se esforça para conter. Momento pleno de ambiguidade.

Mas seu sorriso revela também um mal-estar, um se sentir fora de lugar: vocês têm certeza que é de mim mesmo que se trata. Será que não poderíamos resolver isso de outra maneira: vocês apenas me garantiriam seu futuro voto, assim não precisaríamos ficar nessa “esfregação”.

Há ainda nesse sorriso outro destinatário, um sorriso para si mesmo, um sorriso “para dentro”. Esse aspecto talvez seja o mais profundo, um momento “interior”, que deveria se darcomo momento da verdade, sem enganações, ou, no caso, com um mínimo de enganação.

Quem não terá percebido na hora daquele voto infame homenageando um dos mais conhecidos torturadores, que um de seus filhos se colocava exatamente atrás do pai para lhe assoprar sílaba por sílaba o nome do dito cujo.

Para além da sordidez desse voto, ele evidencia a falta de confiança de que nesse momento “solene”, o futuro Mito poderia não se lembrar do nome e sobrenome do torturador.

Por certo, pai e filho haviam combinado essa manobra na qual o filho “daria” ao pai as palavras certas, numa inversão daquilo que a psicanálise chama de “nome-do-pai”. Psicopatologia à vista?

Em momentos como esse, reveladores de uma fragilidade estrutural, que o “Mito” recolhendo-se a si (o que não é um exame de consciência) descobre-se como “vítima” de uma empulhação. Que há um engano de fundo, simplesmente um engano quanto à pessoa. Ele bem conhece sua pequenez.

O sorriso que poderia ser de contentamento e celebração se expõe na ambiguidade e pequenez desse sujeito que se revela como tal exatamente nesse encolhimento, diria – in-su-pe-rá-vel.

*Paulo Silveira é psicanalista e professor aposentado do departamento de sociologia da USP. Autor, entre outros livros, de Do lado da história: uma leitura crítica da obra de Althusser(Polis).

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Gabriel Cohn Eleutério F. S. Prado Ricardo Antunes Francisco de Oliveira Barros Júnior Denilson Cordeiro Remy José Fontana Sandra Bitencourt Elias Jabbour Thomas Piketty Matheus Silveira de Souza Paulo Fernandes Silveira Airton Paschoa Alexandre Aragão de Albuquerque Bernardo Ricupero Otaviano Helene Marcus Ianoni Daniel Afonso da Silva Lincoln Secco Igor Felippe Santos José Geraldo Couto José Costa Júnior Michael Roberts Walnice Nogueira Galvão Chico Alencar Tarso Genro André Singer Benicio Viero Schmidt João Lanari Bo Jean Marc Von Der Weid Julian Rodrigues Rodrigo de Faria Leonardo Sacramento Vladimir Safatle Luiz Carlos Bresser-Pereira Gerson Almeida Marcos Aurélio da Silva Luiz Roberto Alves José Dirceu Ronald Rocha Lucas Fiaschetti Estevez Afrânio Catani João Carlos Loebens Antônio Sales Rios Neto Paulo Martins Jorge Branco Érico Andrade Gilberto Maringoni Mariarosaria Fabris Ronaldo Tadeu de Souza Eugênio Trivinho Andrés del Río Samuel Kilsztajn João Carlos Salles Antonio Martins Antonino Infranca Flávio R. Kothe Kátia Gerab Baggio Leonardo Avritzer Paulo Capel Narvai Ricardo Musse Marcelo Módolo Flávio Aguiar Eleonora Albano Tales Ab'Sáber Annateresa Fabris Paulo Sérgio Pinheiro Alexandre de Freitas Barbosa José Micaelson Lacerda Morais Bruno Fabricio Alcebino da Silva Jean Pierre Chauvin Milton Pinheiro Marilia Pacheco Fiorillo Carlos Tautz Anselm Jappe Liszt Vieira Tadeu Valadares Salem Nasser Alysson Leandro Mascaro Atilio A. Boron Luiz Werneck Vianna Eugênio Bucci Michael Löwy Henry Burnett Priscila Figueiredo Eliziário Andrade Leonardo Boff Henri Acselrad Valerio Arcary Celso Favaretto Juarez Guimarães Marcos Silva Slavoj Žižek Luis Felipe Miguel Ricardo Fabbrini Michel Goulart da Silva Vinício Carrilho Martinez Manchetômetro Ladislau Dowbor Ari Marcelo Solon José Luís Fiori João Sette Whitaker Ferreira Lorenzo Vitral Bento Prado Jr. Manuel Domingos Neto Marilena Chauí Ricardo Abramovay João Paulo Ayub Fonseca Gilberto Lopes Fernão Pessoa Ramos Claudio Katz Sergio Amadeu da Silveira Dênis de Moraes Dennis Oliveira Armando Boito Fábio Konder Comparato Celso Frederico Paulo Nogueira Batista Jr Yuri Martins-Fontes Luiz Bernardo Pericás João Feres Júnior Daniel Brazil Maria Rita Kehl Luís Fernando Vitagliano Osvaldo Coggiola André Márcio Neves Soares Daniel Costa Jorge Luiz Souto Maior Mário Maestri Francisco Pereira de Farias Bruno Machado Marcelo Guimarães Lima Chico Whitaker Anderson Alves Esteves Francisco Fernandes Ladeira Berenice Bento Renato Dagnino José Raimundo Trindade Everaldo de Oliveira Andrade Valerio Arcary Eduardo Borges Luiz Marques Rubens Pinto Lyra Heraldo Campos Plínio de Arruda Sampaio Jr. Rafael R. Ioris Luiz Renato Martins João Adolfo Hansen Ronald León Núñez Boaventura de Sousa Santos José Machado Moita Neto Leda Maria Paulani Carla Teixeira Vanderlei Tenório Luciano Nascimento Alexandre de Lima Castro Tranjan Caio Bugiato Luiz Eduardo Soares Andrew Korybko Fernando Nogueira da Costa Marjorie C. Marona

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada