As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Sobre o resultado do primeiro turno

Imagem: Vanessa Winship
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por GUSTAVO CAPONI*

Lula vai para o segundo turno em posição mais confortável que Gustavo Petrus e Gabriel Boric, vencedores na Colômbia e no Chile

O chamado ‘pensamento positivo’ sempre me pareceu um eco do pensamento mágico-religioso. Por isso não me deixei levar pela onda de otimismo ‘Lula ganha no primeiro turno’. Sabia que Jair Bolsonaro não era um extraterrestre; e que ele é produto e expressão de uma grande parte da sociedade brasileira. Essa parte que é reacionária, conservadora, racista, e sumamente inculta; malgrado os diplomas universitários que alguns possam ter.

Eu esperava uma eleição difícil e de resultado imprevisível. Basicamente, o bolsonarismo é expressão de três coisas: dos interesses de uma alta burguesia que não quer um governo que possa arbitrar em favor dos trabalhadores na puja distributiva; das aspirações de uma classe média alta que quer defender seus (muitas vezes magros) privilégios e vantagens com relação aos setores mais pobres da sociedade; e do conservadorismo recalcitrante de parte desses setores mais pobres.

Esse conservadorismo, que também é muito importante nos setores médios, pode se impor a qualquer cálculo racional a respeito da ameaça e o retrocesso que o bolsonarismo acarreta para os interesses e direitos dos setores baixos e médios da sociedade. Por isso, a vitória de Lula não era algo fácil. Por outra parte, quem foi irracional o bastante como para votar Jair Bolsonaro uma vez, evidencia uma indigência cognitiva que não permite ser muito otimista respeito da sua capacidade de revisar um erro. O método de fixação da crença que impera no pensamento irracional é o método da tenacidade (vide Charles Sanders Peirce).

Entretanto, malgrado esse contexto deplorável, o resultado que Lula de fato obteve foi muito bom. Foi uma vitória eleitoral importante e significativa. Ganhou por mais de cinco pontos, ficando a menos de dois pontos de ter ganho a eleição já no primeiro turno. A ‘surpresa’ desagradável, porém, foi a ‘imprevista’ quantidade de votos fascistas. E isso leva a moderar o otimismo que certamente cabe ter com relação ao segundo turno.

Embora, também se possa pensar que Jair Bolsonaro esteja mais perto de seu teto eleitoral do que Lula. Além do mais, o percentual de votos “indefinidos” que Bolsonaro precisa conquistar para se impor é muito maior do que aquele que Lula tem que conquistar. É claro, infelizmente, que a irracionalidade que parece motivar as escolhas da maior parte do eleitorado brasileiro até pode gerar a preocupação de que uma parte dos votos de Lula vire em favor de Jair Bolsonaro. Mas acho que, se isso vir a acontecer, será um fenómeno marginal.

O que não dá é para deixar-se levar pela onda de abatimento resultante do desapontamento daqueles que se deixaram levar pelo ‘pensamento positivo’. Esse otimismo, contrário ao célebre mais comumente ignorado ‘pessimismo da inteligência’, foi produto do pensamento mágico; e não tem que ser considerado na hora de avaliar o acontecido. De fato, Lula sai do primeiro turno numa posição de longe muito mais confortável do que aquela na qual saíram do segundo turno dois candidatos progressistas que recentemente também pleitearam, e ganharam, a presidência perante eleitorados em grande parte reacionários e conservadores.

Falo de Gustavo Petrus na Colômbia, e de Gabriel Boric no Chile. Gustavo Petrus passou ao segundo turno em primeiro lugar com quarenta por cento dos votos; que não eram muito promissores com relação ao cinquenta e pouco por cento dos votos que tinham somado os dois principais (embora não únicos) candidatos de direita. Gabriel Boric chegou ao ballotage tendo atingido só um desluzido segundo lugar no primeiro turno. Levando nessa primeira etapa só o vinte e seis por cento dos votos, e tendo que sair a fazer a diferença apelando para um eleitorado que, na sua maior parte, tinha se espalhado entre alternativas de ‘centro-direita’.

Todavia, e felizmente, Petrus, Boric e Lula são políticos de verdade. Políticos de raça que, para lutar com o otimismo de vontade, não precisam contrariar o sempre saudável pessimismo da inteligência. Não fosse assim, o torneiro mecânico nunca teria chegado a ser o presidente mais importante de toda a história latino-americana; e é porque ele é como de fato é, que ele saberá liderar a puja eleitoral deste mês que temos pela frente. Para vencer um desafio importante não é preciso pensar que ele seja ‘coisa fácil’; nem tampouco é preciso ter ‘fé’ nas próprias forças. Pelo contrário: é melhor não se deixar enganar por essas bobagens.

Para enfrentar uma batalha, há que levar em conta as dificuldades e as próprias fraquezas. E há que saber usar a força que se tenha, pouca ou muita, para bater impiedosa e astutamente nas fraquezas do adversário; que, neste caso, todos sabemos que são muitas.

*Gustavo Caponi é professor de filosofia na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Eugênio Trivinho Bento Prado Jr. Samuel Kilsztajn Afrânio Catani João Feres Júnior Daniel Afonso da Silva José Raimundo Trindade Mariarosaria Fabris Lorenzo Vitral Marcelo Módolo Ronaldo Tadeu de Souza Francisco Fernandes Ladeira Gerson Almeida Luiz Marques Alexandre de Freitas Barbosa Maria Rita Kehl Roberto Noritomi Claudio Katz Eleonora Albano Marcelo Guimarães Lima Julian Rodrigues Michael Roberts Dênis de Moraes Jorge Branco Rodrigo de Faria Anderson Alves Esteves Yuri Martins-Fontes Fernão Pessoa Ramos Armando Boito Alysson Leandro Mascaro Juarez Guimarães Marjorie C. Marona José Dirceu Érico Andrade Mário Maestri Luiz Roberto Alves Antonio Martins Vinício Carrilho Martinez Remy José Fontana Leda Maria Paulani Leonardo Sacramento Henry Burnett Airton Paschoa João Carlos Salles João Lanari Bo Ladislau Dowbor Fernando Nogueira da Costa Luiz Werneck Vianna Luis Felipe Miguel Salem Nasser Eleutério F. S. Prado João Carlos Loebens Milton Pinheiro Marcos Silva Bernardo Ricupero Celso Favaretto Valério Arcary Slavoj Žižek Alexandre Aragão de Albuquerque Plínio de Arruda Sampaio Jr. Rubens Pinto Lyra Liszt Vieira Berenice Bento Luiz Carlos Bresser-Pereira Lincoln Secco Andrew Korybko Marilena Chauí Leonardo Avritzer Rafael R. Ioris Valerio Arcary Luiz Eduardo Soares Fábio Konder Comparato Celso Frederico Otaviano Helene Luiz Bernardo Pericás Boaventura de Sousa Santos Daniel Brazil Ronald León Núñez Tarso Genro Chico Alencar Carla Teixeira Ricardo Abramovay Paulo Sérgio Pinheiro Carlos Tautz Gilberto Lopes Marcos Aurélio da Silva Michael Löwy José Costa Júnior Luciano Nascimento Bruno Machado Antonino Infranca Benicio Viero Schmidt Paulo Martins Anselm Jappe Ricardo Antunes Priscila Figueiredo Thomas Piketty Ronald Rocha João Sette Whitaker Ferreira Dennis Oliveira Paulo Fernandes Silveira Vladimir Safatle Francisco de Oliveira Barros Júnior João Paulo Ayub Fonseca Tadeu Valadares André Singer Atilio A. Boron Chico Whitaker Igor Felippe Santos Ari Marcelo Solon Roberto Bueno Flávio R. Kothe Ricardo Fabbrini Denilson Cordeiro Jean Marc Von Der Weid João Adolfo Hansen Antônio Sales Rios Neto Eugênio Bucci Jorge Luiz Souto Maior Osvaldo Coggiola Eliziário Andrade Walnice Nogueira Galvão Lucas Fiaschetti Estevez Tales Ab'Sáber Flávio Aguiar Daniel Costa José Micaelson Lacerda Morais Bruno Fabricio Alcebino da Silva Marcus Ianoni Vanderlei Tenório Elias Jabbour Gabriel Cohn Sandra Bitencourt Caio Bugiato Gilberto Maringoni Sergio Amadeu da Silveira Marilia Pacheco Fiorillo Manuel Domingos Neto Paulo Nogueira Batista Jr Kátia Gerab Baggio André Márcio Neves Soares Luiz Costa Lima José Machado Moita Neto Henri Acselrad Renato Dagnino José Geraldo Couto Ricardo Musse Annateresa Fabris Luiz Renato Martins Francisco Pereira de Farias Alexandre de Lima Castro Tranjan Paulo Capel Narvai Eduardo Borges Luís Fernando Vitagliano Heraldo Campos José Luís Fiori Leonardo Boff Manchetômetro Jean Pierre Chauvin Everaldo de Oliveira Andrade

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada