Sobre o resultado do primeiro turno

Imagem: Vanessa Winship
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por GUSTAVO CAPONI*

Lula vai para o segundo turno em posição mais confortável que Gustavo Petrus e Gabriel Boric, vencedores na Colômbia e no Chile

O chamado ‘pensamento positivo’ sempre me pareceu um eco do pensamento mágico-religioso. Por isso não me deixei levar pela onda de otimismo ‘Lula ganha no primeiro turno’. Sabia que Jair Bolsonaro não era um extraterrestre; e que ele é produto e expressão de uma grande parte da sociedade brasileira. Essa parte que é reacionária, conservadora, racista, e sumamente inculta; malgrado os diplomas universitários que alguns possam ter.

Eu esperava uma eleição difícil e de resultado imprevisível. Basicamente, o bolsonarismo é expressão de três coisas: dos interesses de uma alta burguesia que não quer um governo que possa arbitrar em favor dos trabalhadores na puja distributiva; das aspirações de uma classe média alta que quer defender seus (muitas vezes magros) privilégios e vantagens com relação aos setores mais pobres da sociedade; e do conservadorismo recalcitrante de parte desses setores mais pobres.

Esse conservadorismo, que também é muito importante nos setores médios, pode se impor a qualquer cálculo racional a respeito da ameaça e o retrocesso que o bolsonarismo acarreta para os interesses e direitos dos setores baixos e médios da sociedade. Por isso, a vitória de Lula não era algo fácil. Por outra parte, quem foi irracional o bastante como para votar Jair Bolsonaro uma vez, evidencia uma indigência cognitiva que não permite ser muito otimista respeito da sua capacidade de revisar um erro. O método de fixação da crença que impera no pensamento irracional é o método da tenacidade (vide Charles Sanders Peirce).

Entretanto, malgrado esse contexto deplorável, o resultado que Lula de fato obteve foi muito bom. Foi uma vitória eleitoral importante e significativa. Ganhou por mais de cinco pontos, ficando a menos de dois pontos de ter ganho a eleição já no primeiro turno. A ‘surpresa’ desagradável, porém, foi a ‘imprevista’ quantidade de votos fascistas. E isso leva a moderar o otimismo que certamente cabe ter com relação ao segundo turno.

Embora, também se possa pensar que Jair Bolsonaro esteja mais perto de seu teto eleitoral do que Lula. Além do mais, o percentual de votos “indefinidos” que Bolsonaro precisa conquistar para se impor é muito maior do que aquele que Lula tem que conquistar. É claro, infelizmente, que a irracionalidade que parece motivar as escolhas da maior parte do eleitorado brasileiro até pode gerar a preocupação de que uma parte dos votos de Lula vire em favor de Jair Bolsonaro. Mas acho que, se isso vir a acontecer, será um fenómeno marginal.

O que não dá é para deixar-se levar pela onda de abatimento resultante do desapontamento daqueles que se deixaram levar pelo ‘pensamento positivo’. Esse otimismo, contrário ao célebre mais comumente ignorado ‘pessimismo da inteligência’, foi produto do pensamento mágico; e não tem que ser considerado na hora de avaliar o acontecido. De fato, Lula sai do primeiro turno numa posição de longe muito mais confortável do que aquela na qual saíram do segundo turno dois candidatos progressistas que recentemente também pleitearam, e ganharam, a presidência perante eleitorados em grande parte reacionários e conservadores.

Falo de Gustavo Petrus na Colômbia, e de Gabriel Boric no Chile. Gustavo Petrus passou ao segundo turno em primeiro lugar com quarenta por cento dos votos; que não eram muito promissores com relação ao cinquenta e pouco por cento dos votos que tinham somado os dois principais (embora não únicos) candidatos de direita. Gabriel Boric chegou ao ballotage tendo atingido só um desluzido segundo lugar no primeiro turno. Levando nessa primeira etapa só o vinte e seis por cento dos votos, e tendo que sair a fazer a diferença apelando para um eleitorado que, na sua maior parte, tinha se espalhado entre alternativas de ‘centro-direita’.

Todavia, e felizmente, Petrus, Boric e Lula são políticos de verdade. Políticos de raça que, para lutar com o otimismo de vontade, não precisam contrariar o sempre saudável pessimismo da inteligência. Não fosse assim, o torneiro mecânico nunca teria chegado a ser o presidente mais importante de toda a história latino-americana; e é porque ele é como de fato é, que ele saberá liderar a puja eleitoral deste mês que temos pela frente. Para vencer um desafio importante não é preciso pensar que ele seja ‘coisa fácil’; nem tampouco é preciso ter ‘fé’ nas próprias forças. Pelo contrário: é melhor não se deixar enganar por essas bobagens.

Para enfrentar uma batalha, há que levar em conta as dificuldades e as próprias fraquezas. E há que saber usar a força que se tenha, pouca ou muita, para bater impiedosa e astutamente nas fraquezas do adversário; que, neste caso, todos sabemos que são muitas.

*Gustavo Caponi é professor de filosofia na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Andes x Proifes — a disputa no sindicalismo docentegreve educação 28/05/2024 Por VALTER LÚCIO DE OLIVEIRA: O sindicato sai enfraquecido quando sua direção parte do princípio de que as únicas posições verdadeiramente esclarecidas e legítimas são aquelas que respaldam a suas orientações
  • A hora da estrela – trinta e nove anos depoisclareice 20/05/2024 Por LEANDRO ANTOGNOLI CALEFFI: Considerações sobre o filme de Suzana Amaral, em exibição nos cinemas
  • O bolsonarismo pode voltar ao poder?Valério Arcary 24/05/2024 Por VALERIO ARCARY: O lulismo, ou lealdade política à experiência dos governos liderados pelo PT, permitiu conquistar o apoio entre os muito pobres. Mas a esquerda, embora mantenha posições, perdeu a hegemonia sobre sua base social de massas original.
  • A “multipolaridade” e o declínio crônico do OcidenteJosé Luís Fiori 17/05/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A defesa da multipolaridade será cada vez mais a bandeira dos países e dos povos que se insurgem neste momento contra o imperium militar global exercido pelo Ocidente
  • Realizando a filosofia — Marx, Lukács e a Escola de…toca discos 25/05/2024 Por ANDREW FEENBERG: A filosofia da práxis é significativa hoje como a tentativa mais desenvolvida dentro do marxismo de refletir sobre as consequências da racionalização da sociedade sob o capitalismo
  • O legado de uma década perdidaRenato Janine Ribeiro 22/05/2024 Por RENATO JANINE RIBEIRO: A esquerda é inteiramente representativa do senso comum de nossa sociedade – tudo de bom que acontece, e tudo de ruim, é só do Presidente
  • O agonizante fim do sionismodistante 22/05/2024 Por SAMUEL KILSZTAJN: O judaísmo não pode ser protegido por furiosos militares israelenses, pois tudo o que os militares fazem é semear tristeza e colher ódio
  • Guaíba – rio ou lago?Rio Guaíba 24/05/2024 Por JOÃO HÉLIO FERREIRA PES: É importante definir juridicamente se o Guaíba é rio ou lago para fins de uma eficaz implantação das políticas públicas de proteção de suas margens
  • Tensões da composição policlassistaMike Chai 27/05/2024 Por ANDERSON ALVES ESTEVES: Greve nos Institutos e Universidades federais desnuda a frente amplíssima
  • Como mentir com estatísticascadeira 51 18/05/2024 Por AQUILES MELO: Os números apresentados pelo governo federal aos servidores da educação em greve mais confundem do que explicam, demonstrando, assim, desinteresse na resolução do problema

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES