As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

O ofício da escrita historiográfica

Terry Winters, Renderização paralela 2, 1997
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MARCUS REDIKER*

Oito sugestões práticas práticas de escrita para historiadores

Quarenta anos pensando sobre o ofício da escrita histórica devem valer alguma coisa, então aqui estão as oito dicas que dei nos últimos dez dias – sugestões práticas que achei úteis sobre o negócio vexatório de colocar palavras indisciplinadas na página.

(1) Enquanto escrevo um livro, me enterro em uma brilhante obra de ficção sobre o mesmo período, para encher minha mente com seu poder literário. Exemplo: quando escrevi The Fearless Benjamin Lay, li Sacred Hunger de Barry Unsworth (pela quinta ou sexta vez).

(2) A meu ver, a unidade essencial de uma boa redação é o parágrafo. Se você está travado, girando suas rodas, escreva um parágrafo forte, apenas um, sobre qualquer assunto em que você esteja trabalhando. Na minha experiência, isso quebra o impasse e permite que os pensamentos fluam para a página.

(3) Quando sei sobre o que quero escrever na manhã seguinte, releio atentamente minhas fontes primárias na noite anterior. Isso torna mais fácil começar no dia seguinte e, às vezes, a mente inconsciente faz um trabalho impressionante para resolver as coisas.

(4) Encontre um fragmento de um poema do período que você está estudando, um que incorpore um ou dois temas de sua investigação, e escreva um parágrafo, uma seção ou um capítulo em torno dele. Faça esse poema cantar seu significado histórico.

(5) Sempre que você puder fazer uma ideia ou um conceito ganhar vida por meio de uma pessoa ou evento, faça-o. Fazer seu leitor ver seu argumento por meio de pensamento e ação humanos vívidos e concretos é muito mais poderoso, convincente e memorável do que uma abstração seca.

(6) Economia de expressão. Strunk e White disseram: “Omita palavras desnecessárias”. Blaise Pascal escreveu a um correspondente: “Lamento ter escrito uma carta tão longa; Não tive tempo de escrever uma curta.” Use três palavras em vez de quatro; seja implacável. Mais curto é mais poderoso.

(7) Continue lendo suas fontes até ouvir vozes e então escreva uma história profundamente humana sobre seus assuntos históricos. Os leitores querem aprender sobre pessoas reais, fazendo escolhas reais, em circunstâncias reais. Torne seus atores complexos e multidimensionais.

(8) Três coisas que os estudiosos precisam fazer para escrever para um público mais amplo. Primeiro, você tem que querer. (A maioria não quer.) Em segundo lugar, você precisa ler estilistas de prosa talentosos e aprender com eles. Terceiro, você deve trabalhar duro na arte e no ofício de escrever.

É tudo muito simples, na verdade.

*Marcus Rediker é professor de história na Universidade de Pittsburgh. É co-autor, com Peter Linebaugh, de A hidra de muitas cabeças (Companhia de Letras).

Tradução: Sean Purdy.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Elias Jabbour Tadeu Valadares Ronaldo Tadeu de Souza Walnice Nogueira Galvão Ricardo Antunes Gilberto Maringoni Leonardo Sacramento Roberto Noritomi Luiz Werneck Vianna Eleutério F. S. Prado Rafael R. Ioris Gerson Almeida Ronald León Núñez André Márcio Neves Soares Armando Boito Heraldo Campos Anderson Alves Esteves Marcelo Guimarães Lima Dênis de Moraes Luiz Marques Manchetômetro Fernando Nogueira da Costa Daniel Brazil Celso Frederico Bento Prado Jr. Vladimir Safatle Luiz Roberto Alves Gilberto Lopes Tarso Genro Marilena Chauí Leda Maria Paulani Ricardo Abramovay Celso Favaretto Jean Pierre Chauvin Yuri Martins-Fontes Afrânio Catani Jorge Luiz Souto Maior Michael Roberts Ladislau Dowbor Everaldo de Oliveira Andrade João Adolfo Hansen Mariarosaria Fabris Juarez Guimarães Daniel Afonso da Silva Ronald Rocha Chico Alencar Mário Maestri Francisco de Oliveira Barros Júnior Berenice Bento Fernão Pessoa Ramos Atilio A. Boron Luiz Costa Lima Luiz Renato Martins Otaviano Helene Eugênio Trivinho Antonino Infranca Paulo Capel Narvai Eliziário Andrade Milton Pinheiro Vanderlei Tenório Thomas Piketty Caio Bugiato Michael Löwy Dennis Oliveira Leonardo Avritzer Boaventura de Sousa Santos Eleonora Albano Luciano Nascimento Alysson Leandro Mascaro Lincoln Secco Carlos Tautz Luiz Bernardo Pericás Rodrigo de Faria Érico Andrade Paulo Martins Eugênio Bucci Flávio Aguiar Roberto Bueno João Carlos Loebens Marcus Ianoni Renato Dagnino Anselm Jappe João Carlos Salles Lucas Fiaschetti Estevez Luiz Eduardo Soares Valério Arcary Flávio R. Kothe Ari Marcelo Solon Benicio Viero Schmidt Alexandre de Freitas Barbosa Claudio Katz João Sette Whitaker Ferreira José Raimundo Trindade Marilia Pacheco Fiorillo Marjorie C. Marona José Micaelson Lacerda Morais Lorenzo Vitral Marcos Silva Julian Rodrigues Vinício Carrilho Martinez Kátia Gerab Baggio Maria Rita Kehl Rubens Pinto Lyra Liszt Vieira Paulo Nogueira Batista Jr Valerio Arcary Bruno Fabricio Alcebino da Silva Andrew Korybko Priscila Figueiredo Antônio Sales Rios Neto Chico Whitaker Henry Burnett Jorge Branco Paulo Fernandes Silveira Alexandre Aragão de Albuquerque Airton Paschoa Marcos Aurélio da Silva Marcelo Módolo Annateresa Fabris Gabriel Cohn José Costa Júnior Leonardo Boff João Lanari Bo João Paulo Ayub Fonseca José Luís Fiori Igor Felippe Santos Sergio Amadeu da Silveira Manuel Domingos Neto Remy José Fontana Antonio Martins Henri Acselrad Denilson Cordeiro Osvaldo Coggiola Jean Marc Von Der Weid Sandra Bitencourt Luís Fernando Vitagliano André Singer Paulo Sérgio Pinheiro José Machado Moita Neto Ricardo Musse Luiz Carlos Bresser-Pereira Salem Nasser Plínio de Arruda Sampaio Jr. Francisco Pereira de Farias Samuel Kilsztajn Tales Ab'Sáber Fábio Konder Comparato Francisco Fernandes Ladeira Eduardo Borges Alexandre de Lima Castro Tranjan João Feres Júnior Daniel Costa José Dirceu Carla Teixeira Luis Felipe Miguel Ricardo Fabbrini Bernardo Ricupero Slavoj Žižek Bruno Machado José Geraldo Couto

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada