O valor da vida

Imagem: Paweł L.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LORENZO VITRAL*

Sustentar politicamente quem faz apologia da morte e da tortura não é compatível com a doutrina cristã

É um truísmo admitir que o fascismo cultua a morte. Desde o grito do general franquista Millán-Astray (“Abajo la inteligencia, viva la muerte!”), passando pelo papel desempenhado pelo nazi-fascismo na Segunda Guerra Mundial, intriga-nos a aparente fuga do escopo da razão desse traço fundamental do fascismo.

No nosso país, nunca houve dúvidas da compatibilidade desse fenômeno com o “ideário” do atual governo. Desde o “fuzilar a petralhada” em 2018, o desprezo pela mortandade causada pela epidemia do Covid-19, o armamento da população civil até a consecução de assassinatos políticos, encontramo-nos num registro social-político que podemos classificar como fascista; além do traço comentado, o “espírito” atual do país encaixa-se bastante bem nos 14 (quatorze) critérios propostos por Umberto Eco para classificar esse tipo de regime político.[1]

Por outro lado, somos tomados por sentimento de estranhamento quando constatamos que muitas das pessoas que compartilham a fé cristã, seja ela protestante, neopentecostal ou católica, consentem esse estado de fatos ou, pelo menos, não se vê sua reprovação de maneira inequívoca. A primeira explicação que nos vem à mente é admitir que há interesses escusos ou inconfessáveis no apoio ao atual governo por parte de parte da cristandade, como pode ter sido o caso com a aparente corrupção no MEC na gestão Milton Ribeiro. Afinal, sustentar politicamente quem faz apologia da morte e da tortura não é compatível com a doutrina cristã, o que nos leva a pensar que o apoio cristão ao que se abateu sobre nosso país só encontra motivos na excepcionalidade, com justificativas de outras naturezas.

No entanto, a razão alegada não nos parece suficiente. Pensemos assim em como a morte e o assassinato são de fato concebidos na doutrina cristã, tomando a Bíblia Sagrada como referência.

Existe, é claro, o mandamento “Não matarás” e a condenação do primeiro homicídio que foi a morte de Abel por Caim (Gênesis:4:3-8); Caim recebe uma marca ou sinal (“owth”) do seu crime, mas não é condenado à morte. Em outros trechos veterotestamentários, no entanto, sobretudo nos campos de batalha, o assassinato não sofre repúdio. Há, dentre outras, passagens como as seguintes: “Com aprovação divina, Josué destrói todo o povo de Ai, matando 12.000 homens e mulheres, sem que nenhum escapasse (Josué 8: 22-25); “Das cidades destas nações, que o Senhor teu Deus te dá em herança, nenhuma coisa que tem fôlego deixarás com vida” (Deuteronômio 20: 16). Como entender o aparente antagonismo desses trechos bíblicos? Ao que tudo indica, o assassinato se constituía como pecado apenas quando se matassem membros de seu próprio povo, seus iguais, mas não se o alvo fossem inimigos de seu povo, incluindo nesse rol mulheres e crianças.[2]

A relativização do valor da vida em todas as suas manifestações e a apologia ao assassinato, que lançou seu manto sobre nós, parece, assim, encontrar guarida na recusa da legitimidade da alteridade a qual, longe de poder participar de um processo de inclusão pela via republicana, pode e deve ser eliminada; afinal, já que diferentes, trata-se de inimigos. Dito de outro modo, não podendo a razão manifestar-se – como no grito do general fascista – o que impede o pensamento dialético, não há inclusão do antagonismo; o diferente é o inimigo já que, nesse confronto, o último deve ser concebido como fraco, castrado, o que torna inteligível o porquê da misoginia, da homofobia e do racismo fascistas.

Os cristãos nacionais que se omitem ou compactuam com esse estado de fatos não lograram alcançar a versão síntese neotestamentária dos mandamentos, ou seja, “Ame o seu próximo com a si mesmo”, da epístola paulina (Romanos 13:9). Para esses agrupamentos religiosos, no entanto, que não ao acaso se aproximam, com mais ênfase, da palavra veterotestamentária, mimetizando elementos do judaísmo, é reforçado, por outro lado, um bem tido como supremo, o qual não admite relativização, e parece, assim, hierarquicamente superior ao valor da vida: trata-se da propriedade privada que vem de par com sua transmissão hereditária.

Lembremo-nos que a primeira conceptualização cultural coletiva que justificava a adesão ao armamentismo civil foi a defesa do patrimônio privado. O temor lunático do “comunismo” num mundo sem comunismo ganha, nesse contexto, sua justificativa: ora, como mostra o clássico de Friedrich Engels sobre a propriedade privada, a formação da família monogâmica tem, dentre suas bases, a conservação e a transmissão da propriedade, o que abole uma configuração de “comunismo primitivo”. Com o advento da história, para garanti-la ou obtê-la, tudo é permitido, a depender, é claro, da origem étnico-social e da compactuação entre iguais.

Não é à toa também que, dentre as diversas mortes e assassinatos recentes, o falecimento de Dom Luiz de Orleans e Bragança, descendente da família real brasileira, ligado à TFP (Tradição, Família, Propriedade), tenha merecido luto oficial.

*Lorenzo Vitral é professor titular da Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

 

Notas


[1] https://homoliteratus.com/14-caracteristicas-do-fascismo-segundo-eco/

[2] (http://www.justificando.com/2015/07/27/o-homicidio-e-suas-razoes-numa-perspectiva-historica-social/

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Bruno Fabricio Alcebino da Silva Juarez Guimarães Lucas Fiaschetti Estevez Afrânio Catani Eduardo Borges Vanderlei Tenório Leonardo Sacramento Valerio Arcary Daniel Afonso da Silva Mariarosaria Fabris Henry Burnett Elias Jabbour Jean Marc Von Der Weid Fábio Konder Comparato Plínio de Arruda Sampaio Jr. Paulo Sérgio Pinheiro Ricardo Abramovay Boaventura de Sousa Santos Paulo Nogueira Batista Jr Jean Pierre Chauvin José Luís Fiori Matheus Silveira de Souza Michael Roberts Atilio A. Boron Luiz Bernardo Pericás Sergio Amadeu da Silveira Antonio Martins Daniel Brazil Maria Rita Kehl José Dirceu Ronald Rocha Daniel Costa Ricardo Fabbrini Antonino Infranca Ladislau Dowbor Gerson Almeida Michel Goulart da Silva Marcus Ianoni Ricardo Musse Marcelo Módolo Priscila Figueiredo Renato Dagnino Ronald León Núñez Walnice Nogueira Galvão Armando Boito Alexandre de Freitas Barbosa Tadeu Valadares Luiz Marques João Sette Whitaker Ferreira Claudio Katz Andrés del Río Rafael R. Ioris Flávio Aguiar Luiz Roberto Alves Yuri Martins-Fontes Airton Paschoa Berenice Bento André Singer Lorenzo Vitral Érico Andrade Eugênio Trivinho Antônio Sales Rios Neto Manchetômetro André Márcio Neves Soares Luiz Carlos Bresser-Pereira Dênis de Moraes Leonardo Boff Salem Nasser Heraldo Campos Eliziário Andrade Jorge Luiz Souto Maior Everaldo de Oliveira Andrade Paulo Capel Narvai Luiz Werneck Vianna Tarso Genro Rodrigo de Faria Alexandre Aragão de Albuquerque João Carlos Salles Kátia Gerab Baggio Luiz Eduardo Soares Julian Rodrigues José Raimundo Trindade José Micaelson Lacerda Morais Caio Bugiato Fernão Pessoa Ramos Luís Fernando Vitagliano Dennis Oliveira Annateresa Fabris Igor Felippe Santos José Costa Júnior Benicio Viero Schmidt Mário Maestri Leonardo Avritzer Eleutério F. S. Prado Lincoln Secco Milton Pinheiro Gilberto Maringoni Valerio Arcary Michael Löwy Alexandre de Lima Castro Tranjan Alysson Leandro Mascaro Andrew Korybko Osvaldo Coggiola Gabriel Cohn Anselm Jappe Ronaldo Tadeu de Souza Denilson Cordeiro José Machado Moita Neto Marilena Chauí Gilberto Lopes Bruno Machado Francisco Fernandes Ladeira Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Eugênio Bucci João Paulo Ayub Fonseca Fernando Nogueira da Costa Francisco Pereira de Farias Ari Marcelo Solon Carlos Tautz Marilia Pacheco Fiorillo Marjorie C. Marona Ricardo Antunes Vladimir Safatle Celso Favaretto Henri Acselrad Slavoj Žižek João Adolfo Hansen Samuel Kilsztajn Marcos Silva Eleonora Albano Leda Maria Paulani Tales Ab'Sáber Luis Felipe Miguel Celso Frederico Chico Whitaker João Lanari Bo Luiz Renato Martins Chico Alencar Remy José Fontana Flávio R. Kothe Jorge Branco Bernardo Ricupero Paulo Fernandes Silveira Vinício Carrilho Martinez José Geraldo Couto Francisco de Oliveira Barros Júnior Rubens Pinto Lyra Liszt Vieira Otaviano Helene Carla Teixeira Manuel Domingos Neto Bento Prado Jr. Sandra Bitencourt Marcos Aurélio da Silva Paulo Martins João Feres Júnior Thomas Piketty Marcelo Guimarães Lima Luciano Nascimento João Carlos Loebens

NOVAS PUBLICAÇÕES