Os lobos do terraplanismo.

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Paulo Martins*

Os lobos são minoria, mas quando colocados no exercício do poder podem trazer danos irreparáveis. O século XX assistiu, em suas diversas guerras, ao desfilar de lobos.

O novo coronavírus, muito além de ser um vírus perigoso por sua competência em se alastrar fácil e rapidamente, ceifando vidas, desestruturando famílias, interrompendo projetos, desmobilizando o sistema educacional, desestabilizando indústria e comércio, mundo a fora, traz a lume um patógeno social: o indivíduo que cisma em lutar contra as evidências, que se recusa a entender a ciência, que desconsidera o próximo, enfim, um indivíduo que é uma doença social e, além disso, é a comprovação cabal de que homo homini lupus (o homem é o lobo para homem) de acordo com Plauto  na comédia Asinária[i].

De acordo também com Sêneca nas Cartas a Lucílio e, modernamente, com Thomas Hobbes, no De Cive, publicado em 1642, que revitalizaram a sententia plautina. Hoje se multiplicam mundo afora nossos lobos, aqueles que desafiam a ciência, que se acreditam acima do bem e do mal; que pensam que seus projetos pessoais se sobrepõem aos coletivos. Enfim, aqueles que desconsideram a raça humana.

Plauto, em contexto cômico, afirma: Lupus est homo homini, non homo, quom qualis sit non novit – “O homem, que não se conheça qual seja, é lobo para o homem”. Nesse texto, um comerciante explicita desconfiança sobre uma pessoa a quem não conhecia e, portanto, como temia não ser pago, não lhe concedia crédito. A clareza dessa conduta põe em jogo o caráter da própria natureza humana de forma generalizada. Ainda que isto ocorra em gênero cômico, é extremamente preocupante imaginar que o simples fato de não se conhecer o outro o impeça de conceder-lhe um voto de confiança. Isto reduz o homem a algo que o nega como ser humano.

Sêneca, em Cartas a Lucílio[ii], afirma: “Homo, sacra res homini, iam per lusum ac iocum occiditur”, isto é, “o homem, que deveria ser algo sagrado para o homem, é exposto à morte por divertimento e por jogo”, o autor, falando das constantes mortes em público nos jogos, propõe que os promotores dessas atrocidades, são bestas-feras para o próprio gênero humano, a vida do semelhante lhes é insignificante. Menosprezam nosso maior bem: o zelo pela vida.

Em Hobbes, o brilhante verso de Plauto serve à sua argumentação de que o sujeito, o homem, o ser humano é naturalmente compelido a viver em guerra uns com os outros. A inobservância de consensos – por favor, não o dissenso civilizado –, o conflito entre os homens para alguns é alimento, é prazer, é perversidade inata e indica que, entre todas as ameaças que um ser humano pode enfrentar, a maior delas é o confronto com outras pessoas, mais do que isso é sua voz e vez. Nesse sentido, diz Hobbes: “To speak impartially, both sayings are very true; that man to man is a kind of God; and that man to man is an arrant[iii] wolf – Para falar imparcialmente, ambos os ditos são muito verdadeiros, isto é, que o homem para o homem é um tipo de Deus e que o homem para o homem é um absoluto lobo”.[iv]

Vemos que os maiores desafios que enfrentamos – como espécie – são criados por nós mesmos. Observamos que, para o ser humano, é comum os mais fortes explorarem os mais fracos, quando, na verdade, deveriam protegê-los. Isso revela que o homem é o predador do próprio homem, um vilão dele mesmo. Como Hobbes, Sêneca e Plauto propõem, nós não podemos generalizar. Os lobos são minoria sem dúvida, mas quando colocados no exercício do poder podem trazer danos irreparáveis. O século XX assistiu, em suas diversas guerras, ao desfilar de lobos. Dizimaram milhões de pessoas, cometendo atos absolutamente inumanos.

O século XXI, em tempos de Covid-19, nos apresenta um aperitivo que soa redundante. Para o republicano Donald Trump, o problema foi o vírus ser chinês. Para o empreendedor Beppe Sala, prefeito de Milão, o importante era divulgar um filme institucional que viralizasse a ideia de que “Milão não pode parar”. Já Viktor Orbán e János Áder, os grandes líderes húngaros, aproveitaram a pandemia para legalizar o estado de exceção. Em Belarus, o ditador Alexander Lukasheko, fazendo troça, prescreveu sauna e vodca. Gurbanguly Berdimuhamedow, do Turcomenistão, considerou um problema linguístico e mais do que rapidamente proibiu a imprensa de usar a palavra “coronavírus”. O governo da Colômbia, liderado por Iván Duque Márquez, intensificou campanha de controle das relações sexuais, julgando uma boa medida contra a doença, propondo a masturbação como profilaxia[v].

O nosso presidente parece ter feito a síntese. Jair M. Bolsonaro e sua trupe familiar em momento algum imaginaram considerar a importância da ciência ou dos cientistas, esses na verdade sempre são vilipendiados pela “familícia”, nunca se mostraram devedores à universidade, aos institutos de pesquisa, como Fiocruz ou Butantã, ao contrário, reforçaram as ideias magistrais daqueles “estadistas”. A clara tentativa de autogolpe, a gripezinha, o desrespeito ao isolamento, a desqualificação do ministro da saúde, as agressões aos governadores de estado, inclusive aos de seu campo político, ao vice-presidente, aos presidentes da Câmara, do Senado e do STF, isso tudo, demonstra denodo e incapacidade para gerir a crise e o país. Encastelados no Olimpo do Planalto, o presidente, e seus asseclas, creem-se deuses; tolos, não sabem que são apenas lobos famintos.

*Paulo Martins é professor de cultura latina na Universidade de São Paulo.

Notas


[i] Plauto (254 – 184 a.C.). Asinária. A comédia dos asnos, versos 495-496.

[ii] Sêneca (4 a.C. – 65 d.C.). Cartas a Lucílio, 95.33.

[iii] Arrant = notório, absoluto, completo (inglês arcaico).

[iv] Hobbes, T.(1588 – 1679). “Philosophical Rudiments Concerning Government and Society” in: The English Works of Thomas Hobbes of Malmesbury. Vol. II. Londres: John Bohn. 1841. p. iii. (Epístola Deticatória). 

[v] https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2020/03/paises-recomendam-masturbacao-e-vodca-como-medidas-para-contencao-do-coronavirus.shtml (acessado em 5/4/2020).

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Andes x Proifes — a disputa no sindicalismo docentegreve educação 28/05/2024 Por VALTER LÚCIO DE OLIVEIRA: O sindicato sai enfraquecido quando sua direção parte do princípio de que as únicas posições verdadeiramente esclarecidas e legítimas são aquelas que respaldam a suas orientações
  • A hora da estrela – trinta e nove anos depoisclareice 20/05/2024 Por LEANDRO ANTOGNOLI CALEFFI: Considerações sobre o filme de Suzana Amaral, em exibição nos cinemas
  • O bolsonarismo pode voltar ao poder?Valério Arcary 24/05/2024 Por VALERIO ARCARY: O lulismo, ou lealdade política à experiência dos governos liderados pelo PT, permitiu conquistar o apoio entre os muito pobres. Mas a esquerda, embora mantenha posições, perdeu a hegemonia sobre sua base social de massas original.
  • A “multipolaridade” e o declínio crônico do OcidenteJosé Luís Fiori 17/05/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A defesa da multipolaridade será cada vez mais a bandeira dos países e dos povos que se insurgem neste momento contra o imperium militar global exercido pelo Ocidente
  • Um alvo perfeitocultura Poemas 27/05/2024 Por ANTÔNIO DAVID: Considerações sobre o ataque de Jair Bolsonaro a Marília Moschkovich
  • Realizando a filosofia — Marx, Lukács e a Escola de…toca discos 25/05/2024 Por ANDREW FEENBERG: A filosofia da práxis é significativa hoje como a tentativa mais desenvolvida dentro do marxismo de refletir sobre as consequências da racionalização da sociedade sob o capitalismo
  • O legado de uma década perdidaRenato Janine Ribeiro 22/05/2024 Por RENATO JANINE RIBEIRO: A esquerda é inteiramente representativa do senso comum de nossa sociedade – tudo de bom que acontece, e tudo de ruim, é só do Presidente
  • O agonizante fim do sionismodistante 22/05/2024 Por SAMUEL KILSZTAJN: O judaísmo não pode ser protegido por furiosos militares israelenses, pois tudo o que os militares fazem é semear tristeza e colher ódio
  • Guaíba – rio ou lago?Rio Guaíba 24/05/2024 Por JOÃO HÉLIO FERREIRA PES: É importante definir juridicamente se o Guaíba é rio ou lago para fins de uma eficaz implantação das políticas públicas de proteção de suas margens
  • Financeirização — crise, estagnação e desigualdadeCarlos-Vainer 28/05/2024 Por CARLOS VAINER: Considerações sobre o livro recém-lançado, organizado por Lena Lavinas, Norberto Montani Martins, Guilherme Leite Gonçalves e Elisa Van Waeynberge

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES