Ideia de raça

Imagem: Hamilton Grimaldi
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por GERALDO OLIVEIRA*

Subterfúgios do afrodescendente ante ao racismo fenótipo

Quando se expressa a respeito da formação étnica nacional, um dos pontos elencados e propiciador de debates é a consideração com referência à as diferenças raciais, e sua consequente miscigenação produzida desde os tempos coloniais. Essa mistura racial produziu uma variação de características físicas, que vai desde a coloração da pele, o aspecto do cabelo e formato facial, e que de certa maneira, deve ter influenciado a concepção de uma nação fundada na democracia racial de seu povo.

Referente a essa ideia de raça, é salutar esclarecer que no sentido biológico do termo, essa concepção é inapropriada, devido a existência de mais variação genotípica entre os indivíduos do que entre as raças. E ademais, raça é uma construção social associada a crença biológica, com o objetivo de diferenciar a capacidade e direitos de grupos, com características genotípicas ou fenotípicas reais ou imputadas. (MASON, apud SANTOS, 2005).

A respeito da teoria de democracia racial e da política de branqueamento produzida no final do século XIX e no limiar do século XX, é imprescindível destacar que ambas escamoteavam um racismo e uma negação cultural, que conforme salienta Souza (2019), expressa a não percepção de nenhuma virtualidade no negro, inclusive e em suas manifestações culturais.

Para sustentar as teses racistas (RODRIGUES apud MUNANGA, 2009) salienta que o médico maranhense, Raimundo Nina Rodrigues, influenciado pelo pensamento da época – especialmente pelas escolas evolucionista inglesa, a de criminologia italiana e a nova escola médico-legal francesa -, elabora no limiar do século XX as suas teorias raciais, em que aponta que o único caminho para o desenvolvimento de uma civilização no Brasil  seria na aposta no branco. Por que o negro, devido a sua inferioridade racial, no processo de miscigenação não contribuiria para elevação civilizatória e racial, ao contrário, produziria desequilíbrio, degeneração e perturbação que perpetuaria nas gerações futuras.

Certamente, tais argumentações ideológicas, sustentadas pelo poderio político e econômico do branco, disseminou a autonegação do negro, e o levou a ter como única referência plausível, ou seu próprio espelho de significação e sentido, a identidade imposta pelo branco.

Por isso que, ao analisar a desigualdade racial no Brasil, Ribeiro (2017) aponta  o fenômeno do embranquecimento entre a população negra, que ocorre ou diante da mobilidade social ascendente, produzida por fatores econômicos, ou então pelo processo de educacional, que como sabemos, toda sua estruturação, organização e conteúdo, traz a marca do grupo dominante e branco.

A teoria bourdieusiana, nesse quesito, é muito peculiar para explicar a inculcação dos interesses dos grupos dominantes por meio do processo educacional.  Comentando a respeito de Bourdieu, Silva; São João(2014) expressa que por meio da ação pedagógica, os grupos dominantes inculcam de forma arbitraria suas convicções, valores e preferencias, e de outro lado, o educando aceita e naturaliza os conteúdos impostos.

O processo de negação e introjeção do outro, no caso referenciado o branco, produziu a nível nacional uma espécie de classificação ou hierarquização racial, que segundo Ribeiro (2017) pode ser definido como hierarquia de status. Segundo o autor, como a raça no Brasil é definida pela aparência e não pela origem ou ancestralidade, como nos Estados Unidos, surge então, uma classificação de status que vai do branco claro (caucasoide) ao bem escuro preto (negroide). E nessa estratificação, também denominada de continuo racial, as pessoas que não tem a pele escura ou preta, e que não são claras ou brancas, tendem a se classificar mais próximo do branco, ou então branco, denominado pelo autor como classificação ambígua.

Mas como isso está fundamentado num  racismo fenótipo e na auto negação, Nascimento (2016) aponta que em suas pesquisas de campo no Rio de Janeiro pode perceber nas entrevistas, o discurso proferido pelas mães as filhas, que elas deveriam “embranquecer o útero”, que em outras palavras, significa opor ao seu próprio referencial, e gerar filhos que refletem e que tenham as características do caucasiano europeu.

Todavia, quando refletimos sobre o desejo de embranquecimento do útero, e aliamos com a proposta dos governos no início do século passado em incentivar a emigração branca, percebemos que  o intuito não é valorização das diferenças produzidas pelos casamentos interraciais, mas sim, a crença fundamentada na pseudociência da época, que a formação genética do povo negro africano, não se sustentaria nos cruzamentos interraciais, e que com tempo a sociedade seria menos negra e estamparia a característica do branco caucasiano.  (NASCIMENTO, 2016).

A despeito dos casamentos interraciais no Brasil, Ribeiro (2017) destaca, que apesar da não existência de leis segregacionistas, e que os casamentos interraciais são mais comuns do que nos EUA, mas por outro lado, aponta que os padrões de casamentos não são aleatórios. Nos bairros e regiões de classes mais baixas, onde os níveis de segregação espacial, (branco versus não brancos) são mais moderados, a sociabilidade e as amizades raciais facilitam os casamentos interraciais, do que nos bairros ricos que são predominantemente brancos. Ademais, o autor atesta que as barreiras interraciais estão diminuindo, e que são mais fracas nas regiões do nordeste, e que são mais fluidas entre brancos e pardos do que entre pretos e pardos. E outro fenômeno evidenciado, é que os pretos pobres, tendem a casar entre si devido à sua presença majoritária nos extratos sociais inferiores, e com os brancos, normalmente depende se o negro possui elevada educação. E ainda temos, o chamado troca de status, que significa que homens pretos e pardos mais educados, tendem a se casar com mulheres brancas menos educadas.

Esse contexto que impõe aos negros, em que um grupo étnico se torna a única referência e definidora de comportamentos e visões de mundo, só pode ter como resultado, a aniquilação das diferenças e a impossibilidade da convivência na diversidade. Estratificar ou classificar é determinar escala de valores, que indubitavelmente, apaga a compreensão que cada ser humano é uma pessoa, dotada de capacidade e direitos e que merece ser enaltecido.

*Geraldo Oliveira é mestre em Ciências Sociais pela PUC-Minas.

 

Referências


MUNANGA, Kabengele. Negros e mestiços na obra de Nina Rodrigues. In: ALMEIDA, Adroaldo José Silva; SANTOS, Lyndon de Araújo; FERRETTI, Sergio (org.). Religião, raça e identidade: colóquio do centenário da morte de Nina Rodrigues. São Paulo: Paulinas, 2009. (Coleções estudos da ABHR; 6)

NASCIMENTO, Abdias do. O genocídio do negro brasileiro: processo de um racismo mascarado. São Paulo; Perspectiva, 2016.

RIBEIRO, Carlos Antônio Costa. CONTÍNUO RACIAL, MOBILIDADE SOCIAL E “EMBRANQUECIMENTO”. Rev. bras. Ci. Soc., São Paulo, v. 32, n. 95. 2017.   Disponivel<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-69092017000300512&lng=en&nrm=iso

SANTOS, José Alcides F. “Efeitos de Classe na Desigualdade Racial no Brasil”. Dados, v. 48, n. 1, pp. 21 a 65, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0011-52582005000100003

SILVA, Joao Henrique; SÃO JOÃO, Adriano.Bourdieu: escola e dominação. Revista Filosofia Ciência e vida, n. 95, p.15-23, jun., 2014

 

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Plínio de Arruda Sampaio Jr. Celso Favaretto Paulo Capel Narvai Francisco Pereira de Farias Henri Acselrad José Raimundo Trindade Yuri Martins-Fontes Paulo Sérgio Pinheiro Antônio Sales Rios Neto Marcelo Guimarães Lima Michel Goulart da Silva Marjorie C. Marona Jean Pierre Chauvin Paulo Nogueira Batista Jr Jean Marc Von Der Weid João Sette Whitaker Ferreira Paulo Martins Lincoln Secco Luiz Renato Martins Eugênio Trivinho Luciano Nascimento Bruno Machado Michael Löwy Mariarosaria Fabris Everaldo de Oliveira Andrade Bruno Fabricio Alcebino da Silva Daniel Afonso da Silva Luís Fernando Vitagliano Mário Maestri Chico Alencar Heraldo Campos Igor Felippe Santos Marcos Silva Luiz Bernardo Pericás Rodrigo de Faria Carla Teixeira Eduardo Borges Bernardo Ricupero Leda Maria Paulani Valerio Arcary Alexandre Aragão de Albuquerque Marilena Chauí Otaviano Helene Ari Marcelo Solon Remy José Fontana Tarso Genro Atilio A. Boron Sergio Amadeu da Silveira Luiz Carlos Bresser-Pereira Francisco de Oliveira Barros Júnior Ladislau Dowbor Antonio Martins Luiz Marques Bento Prado Jr. Renato Dagnino Marcos Aurélio da Silva Flávio R. Kothe Lucas Fiaschetti Estevez Rubens Pinto Lyra Afrânio Catani Thomas Piketty Érico Andrade Tales Ab'Sáber Denilson Cordeiro Vanderlei Tenório André Márcio Neves Soares Alysson Leandro Mascaro João Feres Júnior Flávio Aguiar Elias Jabbour Vinício Carrilho Martinez Alexandre de Lima Castro Tranjan Benicio Viero Schmidt André Singer Walnice Nogueira Galvão Michael Roberts Manchetômetro Rafael R. Ioris Jorge Branco Vladimir Safatle Fábio Konder Comparato Claudio Katz João Carlos Salles Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Berenice Bento Ronaldo Tadeu de Souza João Carlos Loebens Luis Felipe Miguel Anselm Jappe Ricardo Fabbrini Dennis Oliveira Lorenzo Vitral Dênis de Moraes Eleonora Albano Fernão Pessoa Ramos Osvaldo Coggiola Samuel Kilsztajn Armando Boito Andrés del Río José Geraldo Couto Liszt Vieira Ronald León Núñez Eleutério F. S. Prado Carlos Tautz José Micaelson Lacerda Morais José Dirceu Ronald Rocha João Adolfo Hansen Alexandre de Freitas Barbosa Leonardo Sacramento Marilia Pacheco Fiorillo Daniel Brazil Julian Rodrigues Priscila Figueiredo Ricardo Musse Juarez Guimarães Francisco Fernandes Ladeira Tadeu Valadares Manuel Domingos Neto Marcelo Módolo Jorge Luiz Souto Maior Paulo Fernandes Silveira Gabriel Cohn Luiz Eduardo Soares Kátia Gerab Baggio Daniel Costa Celso Frederico Chico Whitaker Luiz Werneck Vianna Gilberto Maringoni Eugênio Bucci João Paulo Ayub Fonseca Matheus Silveira de Souza Salem Nasser João Lanari Bo Andrew Korybko Ricardo Abramovay José Costa Júnior José Luís Fiori Marcus Ianoni Henry Burnett Sandra Bitencourt Gilberto Lopes Fernando Nogueira da Costa Leonardo Boff Antonino Infranca Slavoj Žižek Annateresa Fabris Valerio Arcary Leonardo Avritzer Ricardo Antunes Maria Rita Kehl Milton Pinheiro Eliziário Andrade Caio Bugiato Airton Paschoa José Machado Moita Neto Luiz Roberto Alves Gerson Almeida Boaventura de Sousa Santos

NOVAS PUBLICAÇÕES