Breve reflexão para cristãos ou não

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por CHICO ALENCAR*

Assunção de Maria. E de Margarida, e de Marielle, e de Mãe Bernadete…

Neste domingo, na liturgia católica, é celebrada a Assunção de Nossa Senhora: sua elevação, sua glorificação, sua eternização, vencendo as amarras do tempo, superadas todas as fragilidades. Quem não tem essa aspiração?

O Evangelho de Lucas (1, 39-56) é arrebatador! A jovem Maria caminha seis dias, da planície da Galileia às montanhas da Judeia, apressada para ver sua prima, Isabel, idosa e… grávida!

No encontro das duas, a saudação linda de Isabel: “Salve, Maria, você é bendita entre as mulheres, e é bendito é o fruto do seu ventre!”.

E Maria, então, entoa o cântico revolucionário. Louva um Deus que faz maravilhas, que “dispersa os soberbos, derruba os poderosos de seus tronos e eleva os humildes, sacia os famintos de bens e despede os fartos de mãos vazias”.

Belo o encontro de Maria e Isabel, gestando Jesus e João. Mães que viveram a dor extrema de perder seus filhos, torturados e mortos pelo poder político e religioso do Império.

Isabel e Maria, abençoadas, precursoras, na sociedade patriarcal, da afirmação das mulheres em sua dignidade. Caminhantes na dor e no amor. Ascendendo do mais doloroso sofrimento à plena libertação.

Maria que é Margarida Alves, Maria também, líder camponesa assassinada há 40 anos, que ressurge em milhares de margaridas, colorindo a secura do Planalto Central do Brasil.

Maria que é Marielle, executada covardemente há 5 anos, com Anderson. Homicídio político com mandantes ainda desconhecidos. Jovens corpos destruídos que viraram semente de luta e emancipação, contra a inominável brutalidade.

Maria das Dores que é Mãe Bernadete Pacífico, quilombola, ialorixá, lutadora aguerrida e da paz, morta com 12 tiros no rosto há 3 dias, em sua própria casa, ao lado de seus três netos!

Crime hediondo que não pode ficar impune, como o que levou seu filho Binho, também quilombola, assassinado há 6 anos.

Celebremos, em Maria, a saga de tantas Marias que, ao longo dos séculos, entre lágrimas e alegrias, resistem à barbárie machista, à opressão racista, à dominação sexista.

Elas proclamam a grandeza da vida, de geração em geração! O Deus do Amor, e todos os orixás, e todas as generosas energias as protegerão – e à sua descendência de coragem, para sempre!

*Chico Alencar é professor de história, escritor e deputado federal pelo Psol-RJ.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Um estudo do caso Ailton Krenak1974__Identidade ignorada 21/07/2024 Por MARIA SILVIA CINTRA MARTINS: Prefiro sonhar com Krenak o parentesco com a natureza e com as pedras do que embarcar na naturalização do genocídio
  • Clarice Lispector no cinemacultura a paixão segundo g.h. 22/07/2024 Por LUCIANA MOLINA: Comentário sobre três adaptações cinematográficas da obra de Clarice Lispector
  • Que horas são no relógio de guerra da OTAN?José Luís Fiori 17/07/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: Os ponteiros do “relógio da guerra mundial” estão se movendo de forma cada vez mais acelerada
  • Filosofia da práxis como poiésiscultura lenora de barros 24/07/2024 Por GENILDO FERREIRA DA SILVA & JOSÉ CRISÓSTOMO DE SOUZA: Fazer filosofia é, para o Poética, fazer filosofia contemporânea, crítica e temática
  • Apagão digitalSergio Amadeu da Silveira 22/07/2024 Por SÉRGIO AMADEU DA SILVEIRA: A catástrofe algorítmica e a nuvem do “apagão”
  • A disputa de Taiwan e a inovação tecnológica na ChinaChina Flag 20/07/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A China já é hoje a líder mundial em 37 das 44 tecnologias consideradas mais importantes para o desenvolvimento econômico e militar do futuro
  • A produção ensaística de Ailton Krenakcultura gotas transp 11/07/2024 Por FILIPE DE FREITAS GONÇALVES: Ao radicalizar sua crítica ao capitalismo, Krenak esquece de que o que está levando o mundo a seu fim é o sistema econômico e social em que vivemos e não nossa separação da natureza
  • A radicalidade da vida estéticacultura 04 20/07/2024 Por AMANDA DE ALMEIDA ROMÃO: O sentido da vida para Contardo Calligaris
  • 40 anos sem Michel Foucaultveneza 13/07/2024 Por VINÍCIUS DUTRA: O que ainda permanece admirável na forma de Foucault de refletir é sua perspicácia em contestar ideias intuitivamente aceitas pela tradição crítica de pensamento
  • A questão agrária no Brasil — segundo Octávio IanniJose-Raimundo-Trindade2 19/07/2024 Por JOSÉ RAIMUNDO TRINDADE: As contribuições de Ianni podem auxiliar a reformular o debate agrário brasileiro, sendo que as obras do autor nos apontam os eixos para se repensar a estrutura fundiária brasileira

PESQUISAR

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES