As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Barbie

Imagem: Tara Winstead
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MICHEL AIRES DE SOUZA DIAS*

A imagem da mulher capturada pela lógica masculina

A história da mulher é a história de sua subjugação. O processo civilizatório que se caracteriza por dominar, subjugar e transformar tudo em mercadoria, também se aplica ao corpo da mulher. A Barbie como personificação da imagem feminina faz parte desse processo de subjugação dos instintos e das paixões humanas, que foram desfiguradas na história da civilização. Ao contrário do que a publicidade procura mostrar, a Barbie não é a imagem do empoderamento da mulher, mas sim de sua superficialidade, de seu vazio interior, de sua alienação e embrutecimento. A Barbie é o símbolo da objetificação da mulher.

A história humana é a história da dominação do homem sobre a natureza. A razão, a lógica, a ciência, a técnica e o pensamento calculador sempre estiveram ligados à imagem da virilidade e da força masculina. Por sua vez, a imagem da mulher historicamente sempre esteve ligada às forças da natureza. A mulher sempre esteve vinculada à sedução, à beleza, à maternidade e às atividades domésticas. Ela sempre foi subjugada como sexo frágil em termos de poder físico e intelectual.

Como afirmaram os filósofos alemães Theodor Adorno e Max Horkheimer (1985, p. 93) “A mulher tomada individualmente é, do ponto de vista social, um exemplar da espécie, um representante de seu sexo e é por isso que ela, na medida em que está inteiramente capturada pela lógica masculina, representa a natureza”.

A civilização para se reproduzir exige a subjugação dos instintos, das paixões e dos desejos, pois ela se funda no trabalho, no sacrifício e na retidão. A mulher, por sua vez, sempre representou o esquecimento, o desejo, a sedução, o prazer e a felicidade. Ela sempre foi vista como um perigo ao processo civilizatório. Em sua história ela sofreu a pressão da sociedade e foi reduzida ao seu papel biológico: “Na subjugação cruel das mulheres estava implícita a típica dominação iluminista da natureza. Das mulheres, reduzida a sua função biológica, roubou-se a subjetividade” (Jay, 2008, p. 331).

A partir do diagnóstico acima, podemos inferir que a Barbie representa a imagem da mulher moderna capturada em sua subjetividade pela lógica masculina. A imagem da mulher branca, alta, magra, de olhos claros, que vive para consumir objetos de luxo, representa a imagem da típica mulher de classe média embrutecida pelos entretenimentos idiotizados da indústria cultural. Seu desejo é sempre ir a Disney ou fazer compras em Miami, está sempre em busca de produtos de luxo e de grifes famosas, gosta de restaurantes caros e sempre quer trocar de carro por um mais potente e luxuoso. Sua finalidade na vida é ter mais dinheiro para poder consumir mais. O mal de tudo isso é que as meninas desde a tenra infância assimilam um conceito de feminilidade que foi construída pelos homens.

Com o desenvolvimento da indústria cultural, os indivíduos perderam sua individualidade e foram homogeneizados, cada qual se tornou igual ao outro. Eles se tornaram átomos sociais, dessubjetivados, fragmentados e incapazes de compreender a totalidade concreta que os subjugam. Nesse sentido, os meios de comunicação de massa construíram uma imagem de masculinidade e feminilidade que foi assimilada culturalmente pelas pessoas. A Barbie é a representação máxima da ideia de feminilidade.

Para Theodor Adorno e Max Horkheimer, a feminilidade é uma construção social masculina. Em seu caráter e atitudes as mulheres se adaptam e são moldadas pelas formas de comportamento e as imposições da publicidade e da indústria cultural. Desse modo, “o caráter feminino e o ideal da feminilidade, segundo o qual ele está modelado, são produtos da sociedade masculina” (Adorno, 1993, p. 84).

A representação da mulher é construída de forma estereotipada, sendo retratada nos comerciais, novelas e filmes como objeto do desejo. Ela é tratada como um ser superficial, consumista, sempre preocupada com a beleza, o corpo e a aparência. Ao ser reduzida apenas a objeto do desejo e a sexualidade, ela é identificada com a natureza, perdendo seu valor intrínseco, sendo objetificada e tão somente subjugada. Essa imagem estereotipada pode ser uma das principais razões da grande violência contra a mulher em nossa atualidade. Por esta razão, os movimentos feministas devem ter como prioridade desconstruir essa imagem que objetifica a mulher, restituindo sua subjetividade e individualidade. Desse modo devemos dizer: Fora Barbie, fora Ken, fora o bom burguês.

*Michel Aires de Souza Dias é doutor em educação pela Universidade de São Paulo (USP).

Referências


Adorno, T., & Horkheimer, Max. Dialética do Esclarecimento. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985.

Adorno, T. W. Minima moralia. Lisboa: Edições 70, 1993.

Jay, M. A imaginação dialética: história da Escola de Frankfurt e do Instituto de Pesquisas Sociais, 1923-1950. Rio de Janeiro: Contraponto, 2008.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Marcos Silva Rubens Pinto Lyra Juarez Guimarães Luís Fernando Vitagliano Otaviano Helene Atilio A. Boron Dênis de Moraes Leda Maria Paulani Boaventura de Sousa Santos Annateresa Fabris Daniel Brazil Francisco Fernandes Ladeira Maria Rita Kehl Eliziário Andrade Ladislau Dowbor Afrânio Catani Luiz Costa Lima Eleonora Albano Daniel Afonso da Silva Roberto Noritomi João Paulo Ayub Fonseca Sergio Amadeu da Silveira Gabriel Cohn José Machado Moita Neto Paulo Martins Gerson Almeida Ricardo Fabbrini Vinício Carrilho Martinez João Lanari Bo Eleutério F. S. Prado Érico Andrade Remy José Fontana Celso Favaretto Valerio Arcary Osvaldo Coggiola Leonardo Sacramento Francisco Pereira de Farias Luiz Renato Martins Antonio Martins Ronald León Núñez Luis Felipe Miguel Alysson Leandro Mascaro Dennis Oliveira Vanderlei Tenório Chico Whitaker José Raimundo Trindade Flávio Aguiar Carla Teixeira Paulo Sérgio Pinheiro Eugênio Trivinho João Carlos Loebens Leonardo Boff Airton Paschoa Anderson Alves Esteves Flávio R. Kothe Tarso Genro Anselm Jappe Lorenzo Vitral Marcelo Módolo João Sette Whitaker Ferreira Mário Maestri José Micaelson Lacerda Morais Luiz Carlos Bresser-Pereira Ronaldo Tadeu de Souza Fábio Konder Comparato Marcelo Guimarães Lima Thomas Piketty Everaldo de Oliveira Andrade Henry Burnett Berenice Bento João Feres Júnior Alexandre de Freitas Barbosa Ricardo Musse André Singer Marcos Aurélio da Silva Julian Rodrigues Benicio Viero Schmidt José Geraldo Couto Luciano Nascimento José Dirceu Jean Pierre Chauvin Bruno Fabricio Alcebino da Silva Elias Jabbour Liszt Vieira Walnice Nogueira Galvão Roberto Bueno Alexandre de Lima Castro Tranjan Luiz Eduardo Soares Michael Roberts Caio Bugiato Armando Boito Andrew Korybko Rodrigo de Faria Michael Löwy Ricardo Abramovay Francisco de Oliveira Barros Júnior Tales Ab'Sáber Salem Nasser Kátia Gerab Baggio Bruno Machado Carlos Tautz Priscila Figueiredo Fernão Pessoa Ramos Mariarosaria Fabris Rafael R. Ioris Denilson Cordeiro Marilia Pacheco Fiorillo Sandra Bitencourt Jean Marc Von Der Weid Luiz Roberto Alves Slavoj Žižek Marcus Ianoni Bento Prado Jr. Gilberto Lopes Igor Felippe Santos Lincoln Secco Marjorie C. Marona André Márcio Neves Soares Manchetômetro Claudio Katz Ari Marcelo Solon Jorge Luiz Souto Maior José Luís Fiori Luiz Werneck Vianna Gilberto Maringoni Bernardo Ricupero Samuel Kilsztajn Marilena Chauí Paulo Nogueira Batista Jr Yuri Martins-Fontes Eduardo Borges Leonardo Avritzer Vladimir Safatle Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luiz Marques Heraldo Campos Paulo Fernandes Silveira Chico Alencar Luiz Bernardo Pericás Ronald Rocha Milton Pinheiro Henri Acselrad Ricardo Antunes Eugênio Bucci Fernando Nogueira da Costa Renato Dagnino João Carlos Salles Daniel Costa Antonino Infranca Lucas Fiaschetti Estevez Celso Frederico Alexandre Aragão de Albuquerque José Costa Júnior Jorge Branco Manuel Domingos Neto Valério Arcary Tadeu Valadares João Adolfo Hansen Antônio Sales Rios Neto Paulo Capel Narvai

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada