Os responsáveis pelo aquecimento global vão pagar pelos estragos?

Imagem: Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FELIPE A. P. L. COSTA*

Até o início do século XX atividades relacionadas ao uso da terra eram os maiores responsáveis pela emissão de carbono. A partir da década de 1920 a balança pendeu para os combustíveis fósseis

A opinião pública brasileira, como toda e qualquer opinião pública mundo afora, não navega em águas turbulentas – digo: não vai além das informações sensoriais e do senso comum.[1] Formadores de opinião, em especial aqueles que se veem como progressistas, já deveriam ter identificado corretamente a origem da desordem atmosférica ora em curso.

Estou a me referir aqui à velocidade com que a química atmosférica foi alterada ao longo dos últimos, digamos, 67 anos.[2] Do mesmo modo como a indústria do tabaco sempre foi responsável pela elevação na incidência de câncer entre fumantes, os maiores responsáveis pelo aquecimento global são as petroleiras – grandes corporações que sugam, sujam e matam, tipo Shell, Exxon, BP, Petrobras etc.[3]

Sim, é fato que o agronegócio também tem um impacto negativo bastante significativo. Proporcionalmente, porém, é um impacto bem menor e, em geral, mais localizado. Por exemplo, a degradação ambiental que prospera hoje no Mato Grosso, no Paraná, no Rio Grande do Sul e em Goiás é liderada pelo agronegócio, em especial a cultura da soja.[4]

No entanto, os problemas ecológicos que caracterizam essas regiões (erosão e perda de solo, assoreamento de corpos d’água, envenenamento de córregos e rios e desperdício de água) têm um impacto principalmente local. A força e a abrangência do impacto passam a ter uma relevância maior quando as atividades passam a interferir na composição ou no comportamento da atmosfera – por meio da emissão de gases-estufa. Esse é um dos motivos pelos quais a queima de combustíveis fósseis é mais preocupante. Há, porém, um fator adicional: a diferença da quantidade de sujeira injetada na atmosfera pelas duas atividades.

O total de CO2 emitido pelo uso da terra (desflorestamento e manutenção de grandes rebanhos) corresponde a pouco menos de um quinto do que é emitido pela queima de combustíveis fósseis, notadamente carvão (geração de eletricidade em países temperados) e petróleo (produção de gasolina, diesel e querosene para movimentar veículos automotores e aeronaves).

Essa balança mudou há quase um século. Até o início do século XX, atividades relacionadas ao uso da terra eram os maiores responsáveis pela emissão de carbono de origem antropogênica (C-Antro). A partir da década de 1920, no entanto, a balança começou a pender para o lado dos combustíveis fósseis.

Atualmente, as emissões mundiais de C-Antro correspondem a um valor anual médio de 10,8 Gt (1 Gt – lê-se gigatonelada – equivale a 1 bilhão ou 1 × 109 toneladas). Desse total, 1,2 Gt vem do uso da terra e 9,6 Gt vêm da queima de combustíveis fósseis.

O que significa dizer que para cada 1 t de C-Antro que é injetada na atmosfera pelo uso da terra, a queima de combustíveis fósseis injeta 8 t.[5] Em percentuais, 83% do C-Antro são gerados pela queima de combustíveis fósseis, enquanto 17% são gerados pelo uso da terra.

Diante desses números, não parece exagero dizer que, além da indústria bélica, outro grande inimigo da humanidade são as petroleiras que operam mundo afora.

Coda

Por que o governador do Rio Grande do Sul, em vez de tergiversar ou de saltitar por aí como um animador de auditório viciado em saquear o bolso dos telespectadores, não vai aos tribunais exigir uma reparação de danos por parte das corporações (Shell, Exxon, BP, Petrobras etc.) que estão a promover a desordem climática que ora enfrentamos?

*Felipe A. P. L. Costa é biólogo e escritor. Autor, entre outros livros de O que é darwinismo.

Notas

[1] Cf. o artigo ‘Ecologia sensorial e a mente humana.

[2] Cf. o artigo ‘RS debaixo d’água: O problema não está nas nuvens, está na anarquia dos mercados e na omissão dos governantes.

[3] Cf. o artigo ‘Petróleo, picanha, cigarro ou cinema: O que de fato está a levar todos nós para o inferno?

[4] Cf. o artigo ‘Desflorestamento: pausa para o lanche?

[5] Cf. o artigo ‘Um balanço do ciclo global do carbono

Apoie A Terra é Redonda

A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.

CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • O filósofo e o comediantefranklin de matos 08/07/2024 Por BENTO PRADO JR.: Prefácio do livro de Franklin de Matos – uma homenagem dos editores do site ao filósofo e professor da USP, falecido ontem
  • A Unicamp na hora da verdadecultura artista palestina 13/07/2024 Por FRANCISCO FOOT HARDMAN: No próximo dia 6 de agosto o Conselho Universitário da Unicamp terá de deliberar se susta as atuais relações com uma das instituições empenhadas no massacre em Gaza
  • A noite em que a Revolução Francesa morreuater 0406 01/07/2024 Por MARTÍN MARTINELLI: Prefácio do livro de Guadi Calvo
  • O Trabalhismo venceu, mas não é um partido de esquerdamaçã mpodre 07/07/2024 Por KEN LOACH: O líder trabalhista Keir Starmer não é um moderado, não é um centrista, mas sim um político de direita, intransigente e orientado para o livre mercado
  • Hospitais federais do Rio de JaneiroPaulo Capel Narvai 11/07/2024 Por PAULO CAPEL NARVAI: A descentralização dos Hospitais federais do Rio não deve ser combatida nem saudada, ela é uma necessidade
  • A lição francesaandré kaysel 10/07/2024 Por ANDRÉ KAYSEL: Não há como derrotar a extrema direita sem a esquerda
  • O balcãohomem caminhando preto e branco 08/07/2024 Por JOÃO CARLOS SALLES: Neoliberalismo na universidade pública
  • Nordeste — um novo cenáriovermelho ddddddddddd 10/07/2024 Por JOSÉ DIRCEU: O Nordeste passará a ser visto como exemplo para o Brasil, da mesma forma que escolas públicas do Ceará são referência em qualidade de ensino
  • A produção ensaística de Ailton Krenakcultura gotas transp 11/07/2024 Por FILIPE DE FREITAS GONÇALVES: Ao radicalizar sua crítica ao capitalismo, Krenak esquece de que o que está levando o mundo a seu fim é o sistema econômico e social em que vivemos e não nossa separação da natureza
  • Episódios stalinistas no Brasilfotos antigas 14/07/2024 Por ANGELA MENDES DE ALMEIDA: Uma história costurada com inverdades, mas que, muito tempo depois, acabaram por sair à luz do dia

PESQUISAR

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES