Palestina: chore até se afogar

Marcelo Guimarães Lima, Cidade bombardeada, pintura digital, 2023
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JESÚS GONZÁLEZ PAZOS*

Chorar pela Palestina é o que o mundo deveria fazer até que as lágrimas cresçam tanto que afoguem os assassinos e os seus cúmplices, os genocidas diretos e indiretos

A situação na Palestina foi analisada de quase todos os pontos de vista possíveis; alguns por consciência e seriedade, a maioria por cumplicidade e estupidez. Portanto, não se pretende aqui uma nova análise política aprofundada para convencer quem não quer ser convencido. Afinal, os posicionamentos estão bem definidos. E entre eles, cada vez mais pessoas no mundo, digam o que digam as pretensas análises, ou o que falem a mídia e os governantes, concluímos que o que está acontecendo na Palestina é um genocídio inegável por parte do sionismo israelense. Que, aliás, há que se repetir mil vezes, é uma doutrina supremacista, racista e de extrema direita. Assim todos saberão o que defendem e justificam.

Contudo, para além de olharmos para a dureza da situação a partir da geopolítica internacional, simplesmente choramos e gritamos pela Palestina. São milhares de pessoas assassinadas, feridas, famintas, órfãs, sem abrigo, vagando pelo maior campo de concentração que a humanidade já viu, simplesmente esperando o momento em que cairá a bomba que lhes tirará a vida. Desde os primeiros dias ouvimos declarações de famílias em que a sua grande preocupação não era como sair daquele inferno.

Entenderam que não era possível, que todas as rotas de fuga estavam fechadas e que tinham sido abandonadas pela chamada “comunidade internacional”. Por isso a dúvida deles era se deviam ficar juntos e morrer de uma vez, ou tentar passar os dias espalhados por aquele campo de concentração na ilusão de que a bomba levaria embora uma parte da família, mas a outra sobreviveria.

Podemos pensar mil vezes nessa decisão e estaremos errados mil vezes, e nem uma vez conseguiremos nos colocar no lugar deles. Nunca conseguiremos compreender o que pode sentir uma mãe ou um pai nessa situação, que deve tomar essa decisão: morrer juntos ou dispersar para que, talvez, alguém da família possa sobreviver alguns dias mais.

Em Gaza, os sionistas brincam com os palestinos, fazendo-os fugir das suas casas, obrigando-os a se deslocarem alguns quilômetros para sul, para que mantenham a esperança de que é assim que viverão. Ao mesmo tempo, estão destruindo tudo, estreitando o cerco, enquanto se mantêm na incerteza de tomar aquela decisão: juntos ou dispersos. E faz você se odiar quando a decisão foi se dispersar e você descobrir que aquela parte da família que não estava com você não sobreviveu ao último bombardeio. E agora, você é o único que vagueia de escombros em escombros aguardando, até mesmo desejando, que oxalá uma nova bomba ou tiro chegue em breve para que, de acordo com suas crenças, você possa se reunir com aqueles que foram anteriormente assassinados.

Chorar pela Palestina é o que o mundo deveria fazer até que as lágrimas cresçam tanto que afoguem os assassinos e os seus cúmplices, os genocidas diretos e indiretos. Porque o outro lado desta mesma moeda é o dos governantes norte-americanos e europeus (a autoproclamada comunidade internacional) que não só olham para o outro lado ante o sofrimento do povo palestino, mas também o encorajam. Continuam a vender as suas armas (maldito negócio!), seguem comprando os produtos israelenses, continuam a partilhar a mesma mesa em festas de gala, festivais e competições; continuam a dizer que Israel tem o direito de matar dezenas de milhares de palestinos com absoluta impunidade, como se aplaudissem o rótulo que o sionismo lhes deu de subumanos e, portanto, sem direitos.

Falarão sobre justiça e direito de defesa; eles irão nos contar, uma vez mais, sobre o sofrimento do povo judeu há oitenta anos, ignorando o sofrimento dos palestinos hoje e durante os últimos 75 anos. São os mesmos governantes que um dia se tornaram defensores do mundo livre e dos direitos humanos. São os mesmos que condenaram outros por violarem repetidamente os direitos humanos e hoje os descobrimos como os hipócritas que quase sempre intuímos que poderiam ser.

Eles pisoteiam os direitos dos homens e mulheres da Palestina e encorajam Israel a continuar com a sua carnificina particular. Mesmo que alguém se atreva a levar este país aos tribunais internacionais de justiça, rapidamente saem em sua defesa e argumentam e contra-argumentam contra a acusação de genocídio. O mesmo que o mundo vê na televisão e sobre o qual já não tem dúvidas: tentar aniquilar um povo inteiro e consegui-lo com o assassinato de várias dezenas de milhares é genocídio, quer diga ou não o tribunal internacional de justiça ou os livros sagrados de todas as religiões. Pouco importa o que os homens escreveram; é simples questão de bom senso, é simples questão de humanidade.

E no auge da hipocrisia, embora não considerem que existam argumentos suficientes sobre o genocídio que o mundo vê e mantenham o seu apoio militar, diplomático e de propaganda a favor de Israel, suspendem fundos à UNRWA para que esta organização humanitária deixe de cobrir necessidades básicas mínimas da população refugiada palestina. E nos vendem a história israelense de o motivo ser o de que entre 30 mil trabalhadores desta organização internacional, dez ou doze participaram nos ataques de 7 de outubro. Mesmo que isso fosse verdade, seria motivo para suspender toda a ajuda, que, aliás, era uma ninharia, a dois milhões de pessoas? Então, o que deveria ser feito diante das evidências do caráter criminoso de guerra e do perfil de toda a liderança do comando político e militar sionista.

Confrontados com esta realidade brutal, alguns tratam de mostrar-se como governantes sensíveis ao sofrimento do povo palestino e falam periodicamente da solução de dois Estados. O problema é que um deles, o israelense, é reconhecido, endossado e apoiado por esses mesmos governantes desde 1948. Entretanto, o outro, o palestino, tem vindo a perder o seu território desde essa mesma data até ser hoje quase inviável. Agora, os governantes europeus e norte-americanos continuam a inundar o debate e a arrastar os pés na direção dessa solução. Parece que esperam que o povo palestino seja aniquilado para se livrar do problema.

Chorar pela Palestina é o que o mundo deveria fazer até que as lágrimas cresçam tanto que afoguem os assassinos e os seus cúmplices, os genocidas diretos e indiretos.

*Jesús Gonzáles Pazos é antropólogo. Autor de Medios de comunicación: al servicio de quién? (Icaria editorial)

Tradução: Ricardo Kobayaski.

Publicado originalmente no portal El Salto.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Elias Jabbour João Sette Whitaker Ferreira Andrew Korybko Carlos Tautz Anderson Alves Esteves Ricardo Musse Leonardo Avritzer Salem Nasser Ricardo Fabbrini Manuel Domingos Neto Marcos Silva Slavoj Žižek Tales Ab'Sáber Eleonora Albano Flávio Aguiar Marjorie C. Marona Luiz Roberto Alves Julian Rodrigues João Paulo Ayub Fonseca Berenice Bento Liszt Vieira Ronaldo Tadeu de Souza Caio Bugiato Rodrigo de Faria Fernando Nogueira da Costa Paulo Sérgio Pinheiro Ricardo Abramovay Ladislau Dowbor Alexandre de Freitas Barbosa Ari Marcelo Solon Luiz Werneck Vianna Eduardo Borges Paulo Nogueira Batista Jr Érico Andrade Antônio Sales Rios Neto Kátia Gerab Baggio Lucas Fiaschetti Estevez Otaviano Helene Luiz Marques Luiz Eduardo Soares Eliziário Andrade Denilson Cordeiro Gerson Almeida Yuri Martins-Fontes Francisco Fernandes Ladeira Vinício Carrilho Martinez Sergio Amadeu da Silveira Antonio Martins Rubens Pinto Lyra José Raimundo Trindade Luís Fernando Vitagliano Andrés del Río Francisco Pereira de Farias José Luís Fiori Lincoln Secco Mário Maestri Michel Goulart da Silva Boaventura de Sousa Santos Marcelo Módolo Marcelo Guimarães Lima Alexandre Aragão de Albuquerque Leda Maria Paulani Renato Dagnino José Machado Moita Neto Claudio Katz Armando Boito Chico Alencar Alysson Leandro Mascaro José Dirceu Celso Frederico João Carlos Salles Michael Roberts Luiz Renato Martins Leonardo Boff Valerio Arcary Jorge Luiz Souto Maior Dennis Oliveira Henri Acselrad Bruno Machado Paulo Capel Narvai Osvaldo Coggiola Jean Marc Von Der Weid Milton Pinheiro Marilia Pacheco Fiorillo João Lanari Bo Gilberto Maringoni Dênis de Moraes Carla Teixeira Annateresa Fabris Thomas Piketty José Costa Júnior Fábio Konder Comparato Luiz Bernardo Pericás João Carlos Loebens Celso Favaretto Rafael R. Ioris Heraldo Campos Marcus Ianoni Bento Prado Jr. Matheus Silveira de Souza Paulo Fernandes Silveira Flávio R. Kothe Everaldo de Oliveira Andrade André Singer Antonino Infranca Bruno Fabricio Alcebino da Silva Jean Pierre Chauvin Afrânio Catani Anselm Jappe Gabriel Cohn Walnice Nogueira Galvão Luis Felipe Miguel Francisco de Oliveira Barros Júnior Plínio de Arruda Sampaio Jr. Daniel Costa José Micaelson Lacerda Morais Tarso Genro Henry Burnett Remy José Fontana Mariarosaria Fabris Priscila Figueiredo Ronald Rocha Maria Rita Kehl André Márcio Neves Soares Alexandre de Lima Castro Tranjan Luiz Carlos Bresser-Pereira Atilio A. Boron Marilena Chauí Gilberto Lopes Airton Paschoa Sandra Bitencourt Michael Löwy Daniel Brazil Eugênio Trivinho Eleutério F. S. Prado Ricardo Antunes João Feres Júnior Manchetômetro Tadeu Valadares Igor Felippe Santos Luciano Nascimento Chico Whitaker Juarez Guimarães Jorge Branco João Adolfo Hansen Ronald León Núñez Paulo Martins Samuel Kilsztajn José Geraldo Couto Benicio Viero Schmidt Bernardo Ricupero Vladimir Safatle Daniel Afonso da Silva Marcos Aurélio da Silva Valerio Arcary Lorenzo Vitral Vanderlei Tenório Eugênio Bucci Fernão Pessoa Ramos Leonardo Sacramento

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada