As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Pelé

Imagem: Divulgação / Santos FC
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por HENRIQUE BRAGA & MARCELO MÓDOLO*

Uma metáfora conceitual

Para muitos, Chico Buarque é o pelé da MPB; Antonio Candido, o pelé da crítica literária; Fernanda Montenegro, a pelé da dramaturgia. Em cada um desses exemplos, vemos um interessante caso de mudança linguística, em que um nome próprio, apelido do lendário jogador Edson Arantes do Nascimento, adentra nosso vernáculo — em posição legal, sem necessidade de VAR.

 

A metáfora pelé

Mas o que é uma metáfora conceitual? Em linhas gerais, a ideia (defendida por Lakoff e Johnson, pelés da Linguística Cognitiva) é que concebemos elementos abstratos da realidade com base em nossa experiência concreta, corpórea, material com o mundo.

Nesse processo, tomamos um universo como domínio-fonte, para que noções desse primeiro contexto sirvam de base na formação de outro conceito, no domínio-alvo. Um exemplo: tomamos como domínio-fonte o espaço para conceber como domínio-alvo o tempo. Não só a forma como falamos do tempo, mas a maneira como o compreendemos vem da nossa relação material, corpórea, concreta com o espaço. O tempo pretérito está “lá atrás”, o tempo futuro está “lá na frente”.

No processo de mudança linguística em que o substantivo próprio Pelé se converte em substantivo comum, ocorre uma metáfora conceitual. Toma-se o futebol como domínio-fonte, e, nesse universo, o elemento concreto “Pelé” remete a exuberância, força, esplendor, qualidade técnica e, sobretudo, superioridade. Em seguida, no domínio-alvo escolhido, as mesmas propriedades são atribuídas a outro sujeito: ao dizer que Machado de Assis é o pelé da literatura brasileira, transfere-se para o domínio da literatura a superioridade verificada no domínio futebolístico. Para um grupo de jovens estudantes que ainda não tivessem tomado contato com o Bruxo, mas já conhecessem o lendário Rei, a metáfora seria um recurso discursivo para dar a dimensão da grandeza de nosso autor maior.

 

Um termo dicionarizado?

Entre especialistas, já é consenso que o dicionário não define se um termo “existe” ou “não existe”. Antes, o trabalho de dicionaristas pode documentar formalmente os vocábulos que integram o vernáculo de uma comunidade de falantes.

No caso do substantivo comum pelé, nem os principais dicionários nem o Vocabulário da Academia Brasileira de Letras registram o termo. Se nos permitem uma aposta, porém, é questão de tempo: trata-se de um termo produtivo, recorrente, que já integra as variedades brasileiras do Português. Em suma, um termo que merece registro.

 

Use com moderação

Para terminar, lembramos que chamar alguém de pelé é sempre passível de gerar alguma polêmica, dado o caráter de exclusividade que o termo assumiu. O pelé da MPB é Chico ou, digamos, Caetano? E na crítica literária, Candido ou Costa Lima? Fernanda Montenegro ou Ruth de Souza na dramaturgia? E na literatura brasileira é Machado de Assis ou Guimarães Rosa? Essa última comparação talvez seja muito difícil, por exceder o próprio conceito da metáfora conceitual pelé. Será que, nesse caso, Maradona, outro gênio que nos deixou há dois anos, também teria de ser integrado a esse rol de metáforas futebolísticas? Brincadeiras à parte, nenhuma dessas perguntas tem resposta unívoca, apesar de nossas preferências particulares. Apenas Pelé, o eterno, é o pelé do futebol.

*Henrique Santos Braga é doutor em Filologia e Língua Portuguesa pela USP.

*Marcelo Módolo é professor de filologia na Universidade de São Paulo (USP).

Uma primeira versão desse texto foi publicada no jornal O Globo.

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Leda Maria Paulani Dênis de Moraes Anderson Alves Esteves Paulo Capel Narvai Boaventura de Sousa Santos Gerson Almeida Mário Maestri Marjorie C. Marona Alexandre Aragão de Albuquerque Flávio Aguiar Rafael R. Ioris Lincoln Secco Alexandre de Lima Castro Tranjan Valerio Arcary Luiz Bernardo Pericás Ronald Rocha Ronald León Núñez Ricardo Antunes Paulo Martins Caio Bugiato Elias Jabbour Eugênio Trivinho Vinício Carrilho Martinez Everaldo de Oliveira Andrade Eleonora Albano Marcus Ianoni Bruno Fabricio Alcebino da Silva Rubens Pinto Lyra Valério Arcary André Márcio Neves Soares João Paulo Ayub Fonseca José Machado Moita Neto Sergio Amadeu da Silveira Luiz Werneck Vianna Priscila Figueiredo Thomas Piketty Luiz Costa Lima José Dirceu Mariarosaria Fabris Eleutério F. S. Prado Tales Ab'Sáber Vladimir Safatle Ari Marcelo Solon Carla Teixeira Daniel Afonso da Silva Paulo Nogueira Batista Jr Samuel Kilsztajn Igor Felippe Santos Roberto Noritomi João Sette Whitaker Ferreira Juarez Guimarães Atilio A. Boron Claudio Katz Luiz Eduardo Soares Francisco Fernandes Ladeira Gilberto Maringoni Fábio Konder Comparato Otaviano Helene Ricardo Fabbrini Annateresa Fabris Tarso Genro Marilena Chauí João Feres Júnior José Geraldo Couto Chico Whitaker Érico Andrade Roberto Bueno Fernando Nogueira da Costa José Luís Fiori Afrânio Catani Jean Pierre Chauvin Antonino Infranca Benicio Viero Schmidt Gilberto Lopes Vanderlei Tenório Yuri Martins-Fontes Ladislau Dowbor Bernardo Ricupero Leonardo Avritzer Luiz Carlos Bresser-Pereira Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luciano Nascimento Paulo Fernandes Silveira Luiz Renato Martins Fernão Pessoa Ramos Salem Nasser Ricardo Musse Kátia Gerab Baggio Ricardo Abramovay João Lanari Bo Daniel Costa Carlos Tautz Andrew Korybko José Micaelson Lacerda Morais Antonio Martins Michael Roberts João Carlos Salles Alexandre de Freitas Barbosa Manuel Domingos Neto Berenice Bento Anselm Jappe Milton Pinheiro Heraldo Campos Luiz Marques Bruno Machado Dennis Oliveira André Singer Francisco Pereira de Farias Jorge Branco Jorge Luiz Souto Maior Celso Favaretto Remy José Fontana Renato Dagnino Leonardo Sacramento Michael Löwy Eliziário Andrade Slavoj Žižek Lucas Fiaschetti Estevez Ronaldo Tadeu de Souza Eduardo Borges Armando Boito Marcos Aurélio da Silva Gabriel Cohn Walnice Nogueira Galvão Airton Paschoa Marcelo Módolo Luiz Roberto Alves Liszt Vieira Sandra Bitencourt Lorenzo Vitral Daniel Brazil Henri Acselrad Eugênio Bucci Henry Burnett Paulo Sérgio Pinheiro Antônio Sales Rios Neto José Costa Júnior José Raimundo Trindade Bento Prado Jr. Osvaldo Coggiola Julian Rodrigues Rodrigo de Faria Tadeu Valadares Celso Frederico Jean Marc Von Der Weid Marilia Pacheco Fiorillo Leonardo Boff Chico Alencar Maria Rita Kehl Alysson Leandro Mascaro Manchetômetro Marcelo Guimarães Lima João Carlos Loebens Denilson Cordeiro Luís Fernando Vitagliano Flávio R. Kothe Marcos Silva Francisco de Oliveira Barros Júnior Luis Felipe Miguel João Adolfo Hansen

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada