As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Diogo Pacheco

Ivor Abrahams, Caminhos V, 1975
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por WALNICE NOGUEIRA GALVÃO*

Comentários sobre um dos mais importantes regentes do Brasil

Na madrugado do dia 17 de agosto de 2022 se foi nosso querido maestro, aos 96 anos bem vividos, marcados por extraordinária dedicação à sua arte. E ao fomento da cultura musical, a contracorrente de um retrocesso planetário.

Muita gente acostumou-se a seus programas de rádio e TV por décadas a fio, divulgando música clássica para as massas, com doutos comentários. Atuou na Globo, Eldorado, Cultura, e nesta última até quase o ano de sua morte. A par com a carreira de maestro de casaca e batuta, foi crítico militante de jornal.

Aluno de Hans-Joachim Koellreuter e discípulo de Eleazar de Carvalho, este, ante a vocação e os talentos do jovem, tomou-o sob suas asas. Fez dele seu assistente na Orquestra Sinfônica Brasileira e cuidou de sua formação, com bolsas no exterior.

O jovem maestro, que tinha um traço saliente de humor e molecagem, distinguiu-se pela valorização das vanguardas e pela experimentação que o aproximou do popular. Interessou-se pela poesia concreta e fez recitais misturando-a à musica. Isso nos anos 1960, quando tudo era possível. Sempre irreverente, mas profissionalmente seríssimo, criou, com Paulo Herculano, Samuel Kerr e Henrique Gregori, todos eles regentes e instrumentistas profissionais, eruditos de alto bordo, o quarteto vocal Mestres Cantores, que se apresentava com sobrepelizes de alva renda, em camuflagem de coroinha.

O experimento que mais celeuma originou, pela inusitada combinação, foi a escalação de Elizeth Cardoso, que sobressaía entre as cantoras populares, como solista nas Bachianas no. 5. Abalando as convenções, ela soltou a poderosa voz no espaço nobre do Theatro Municipal do Rio de Janeiro e no de São Paulo.

Depois nosso maestro faria Alaíde Alaúde, com Alaíde Costa e seu timbre incomum, capaz de cromatismos incríveis, rivalizando com cantoras de jazz como Sarah Vaughn e outras. Ela brilhou num recital de melodias medievais e renascentistas, no Theatro Municipal de São Paulo.

Se selecionava cantoras populares para solfejar música erudita, Diogo Pacheco podia reverter o processo, convocando artistas do bel canto para interpretar números pop, que ouvíamos habitualmente entoados por Roberto Carlos, Erasmo Carlos e Wanderléa. O espetáculo no Teatro Maria Della Costa chamou-se A Jovem Guarda em estilo clássico. Orquestra de câmara e cravo no palco, Zwinglio Faustini e seu belo basso profondo, Eládio González, Stella Maria: o resultado foi extravagante e divertido. Aqueles homens sisudos, de traje a rigor, em poses de cantor de ópera, escandindo com a voz potente e educada frivolidades como “Ei Ei/ que onda/ que festa de arromba…” – e por aí afora… É de lamentar que de nada disso restem gravações, por penúria do maestro e desinteresse das empresas.

Outra iniciativa pouco ortodoxa deu-se no João Sebastião Bar, boate de Paulo Cotrim em pleno coração da concentração estudantil, na esquina da rua Major Sertório com a Maria Antônia em que ficava a Faculdade de Filosofia. Patrocinada por intelectuais e artistas, a casa tornou-se um sucesso. Ali pontificaram como atrações fixas a cantora Claudete Soares e o pianista Pedrinho Mattar, este um grande nome do jazz, de prestígio internacional, que tocou até na Casa Branca.

Nosso maestro encarregou-se da programação de música erudita do simpático endereço, decisivo na difusão da Bossa Nova em São Paulo, de que se tornou uma espécie de embaixada. Também encenava shows “de bolso” interessantes e variados. Num desfile ininterrupto de atrações, passaram por lá de Tom Jobim a Elis Regina, do Tamba Trio a Geraldo Vandré.

Em seu afã de levar a música clássica a audiências mais amplas, Diogo Pacheco compôs inúmeras trilhas sonoras de montagens teatrais e cinematográficas. Seu trabalho para o filme Veredas da salvação, dirigido por Anselmo Duarte em adaptação de peça de Jorge Andrade, ganhou o prêmio Governador do Estado, o maior do país. Era requestado pelos mais influentes diretores do palco, em peças relevantes.

Quem teve a sorte de ter contato com a brilhante carreira e feitos inolvidáveis do maestro, pode contar, sorte redobrada, com a biografia Diogo Pacheco, um maestro para todos, de Alfredo Sternheim.

*Walnice Nogueira Galvão é Professora Emérita da FFLCH da USP. Autora, entre outros livros, de Lendo e relendo (Sesc\Ouro sobre Azul).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Denilson Cordeiro André Singer Roberto Noritomi João Adolfo Hansen Daniel Brazil Kátia Gerab Baggio Lorenzo Vitral Francisco Pereira de Farias Jorge Branco Carlos Tautz Marcos Silva Daniel Costa Alexandre Aragão de Albuquerque Andrew Korybko Lincoln Secco Salem Nasser Ronald León Núñez Dennis Oliveira Gilberto Maringoni Sandra Bitencourt Remy José Fontana Atilio A. Boron Anderson Alves Esteves Julian Rodrigues José Micaelson Lacerda Morais Ronaldo Tadeu de Souza Tales Ab'Sáber Boaventura de Sousa Santos Armando Boito Chico Whitaker Manchetômetro Juarez Guimarães Bento Prado Jr. Everaldo de Oliveira Andrade Paulo Sérgio Pinheiro Fernão Pessoa Ramos Rafael R. Ioris Valerio Arcary João Feres Júnior Yuri Martins-Fontes Jean Marc Von Der Weid Ricardo Fabbrini Anselm Jappe Eliziário Andrade Paulo Martins Luiz Werneck Vianna José Raimundo Trindade Marilena Chauí Thomas Piketty Luiz Carlos Bresser-Pereira José Costa Júnior Valério Arcary Bruno Fabricio Alcebino da Silva Mariarosaria Fabris Ari Marcelo Solon Priscila Figueiredo Claudio Katz Eleonora Albano Marilia Pacheco Fiorillo Eugênio Bucci Paulo Capel Narvai Gabriel Cohn Antônio Sales Rios Neto Alysson Leandro Mascaro Ronald Rocha Roberto Bueno Luiz Renato Martins José Dirceu Alexandre de Freitas Barbosa Luiz Eduardo Soares Marcelo Guimarães Lima Vinício Carrilho Martinez Luiz Bernardo Pericás Ricardo Abramovay Fernando Nogueira da Costa Chico Alencar José Machado Moita Neto Francisco Fernandes Ladeira Luís Fernando Vitagliano Gilberto Lopes Michael Löwy Tadeu Valadares Érico Andrade Daniel Afonso da Silva Marcus Ianoni Tarso Genro Henry Burnett Celso Favaretto Osvaldo Coggiola Berenice Bento Jean Pierre Chauvin Ricardo Musse Ricardo Antunes Elias Jabbour Luiz Costa Lima Antonino Infranca Liszt Vieira Lucas Fiaschetti Estevez Renato Dagnino Jorge Luiz Souto Maior Henri Acselrad Paulo Nogueira Batista Jr José Luís Fiori Marcos Aurélio da Silva Sergio Amadeu da Silveira João Lanari Bo Flávio Aguiar Vladimir Safatle Leda Maria Paulani Ladislau Dowbor João Carlos Salles Milton Pinheiro Dênis de Moraes Bernardo Ricupero André Márcio Neves Soares Marcelo Módolo Airton Paschoa Afrânio Catani Manuel Domingos Neto Carla Teixeira João Sette Whitaker Ferreira Francisco de Oliveira Barros Júnior Rodrigo de Faria Gerson Almeida João Paulo Ayub Fonseca João Carlos Loebens Flávio R. Kothe Igor Felippe Santos Leonardo Boff José Geraldo Couto Benicio Viero Schmidt Maria Rita Kehl Rubens Pinto Lyra Eugênio Trivinho Mário Maestri Luciano Nascimento Luiz Marques Celso Frederico Samuel Kilsztajn Michael Roberts Luis Felipe Miguel Luiz Roberto Alves Walnice Nogueira Galvão Otaviano Helene Alexandre de Lima Castro Tranjan Leonardo Sacramento Antonio Martins Slavoj Žižek Plínio de Arruda Sampaio Jr. Marjorie C. Marona Leonardo Avritzer Fábio Konder Comparato Caio Bugiato Annateresa Fabris Bruno Machado Heraldo Campos Vanderlei Tenório Eleutério F. S. Prado Paulo Fernandes Silveira Eduardo Borges

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada