As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Ao Brasil, com amor

Imagem: Yayoi Kusama
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por RENATO JANINE RIBEIRO*

Apresentação do livro recém-lançado de Juliana Monteiro & Jamil Chade

Amor é uma palavra onipresente em nossa sociedade. É um dos instrumentos mais poderosos do marketing atual. Amor vende quase qualquer produto. Mas por isso mesmo é importante saber o que ele quer dizer. Os estudiosos se dividem entre os que sustentam a existência de um “verdadeiro amor” e os que aceitam que haja vários tipos dele. A primeira distinção talvez seja entre um amor erótico, predatório no limite, e um amor dedicado, que no seu limite é doação, é o amor materno pelo filho. Não por acaso, nesta bela troca de cartas, tanto Juliana Monteiro quanto Jamil Chade falam da experiência que tiveram ao nascerem seus filhos.

Juliana tece uma oposição entre maternidade e guerra. Vingar, diz ela, para uma mãe, é ver seu rebento vingar, como dizemos de uma planta: é consolidar-se como ser vivo. (É muito diferente, praticamente o oposto, de vingar-se). Mães temem, por dias ou meses, talvez anos, que algo de ruim suceda a seu filho. Felizmente, acrescento eu, a mortalidade infantil despencou no último século, mercê especialmente da saúde pública, da água potável e do tratamento dos esgotos. A morte de crianças caiu, por milhar de nascimentos, de três dígitos para apenas um.

Pais não precisam mais ter inúmeros filhos para que sobrevivam um ou dois que, por sua vez, os amparem na velhice. Jamil fala do receio que teve, ao nascer seu filho Pol, de perdê-lo. Lembrei-me de Montaigne contando que teve “dois ou três” filhos que morreram em tenra infância. Comentando essa passagem, o historiador Philippe Ariès observa: qual pai, hoje em dia, não saberia se foram duas ou três as crianças que morreram na idade de 1 ou 2 anos? Haveria uma frieza maior naquela época ou simplesmente era tão comum a mortalidade infantil que já era aguardada a perda, e a memória se adaptava a ela?

Usualmente, quando falamos em amor, a tendência é distingui-lo da paixão. As definições clássicas de amor o identificam a querer o bem da pessoa amada – o que tem tudo a ver com o amor aos filhos, que antes mencionei. Mas o sentido usual de amor, na cultura atual, como a telenovela e a canção popular, está mais próximo do desejo sexual. Ora, este almeja o bem do amante mais que o da pessoa amada (ou desejada). Crimes passionais são justamente isso: se ela não vai ser minha, que morra.

Minha primeira orientadora, dona Gilda de Mello e Souza, se indignou quando Doca Street assassinou Ângela Diniz no final de 1976. E me disse algo assim: crime passional é uma farsa; para acreditar que um homem não possa viver sem a pessoa que ele diz amar, a lógica seria que ele se matasse. Matá-la e sobreviver mostra muito bem que esse suposto amor era mentira. Não era o querer bem ao outro, mas o desejo de dominá-lo.

Ora, somos inundados por uma mídia que apresenta o amor como sendo desejo, como sendo sexo. (Por isso mesmo tenho insistido em que, se é preciso termos educação sexual nas famílias e nas escolas – até para evitar a gravidez indesejada, o abuso sexual e a transmissão de doenças, inclusive fatais –, faz tanta ou mais falta educar para o amor).

***

Falar de amor num tempo de ódio é prioritário, como dizem de vários modos nossos dois autores. Vivemos, entre 1980 e 2010, trinta anos gloriosos – não como os após a Segunda Guerra Mundial, cuja glória esteve no desenvolvimento econômico dos países mais ricos e na formatação de um Estado do bem-estar social, mas como os do combate à fome e do avanço da democracia nos países mais pobres, entre eles o Brasil. Saímos, em 2013, do Mapa da Fome, ao qual lamentavelmente voltamos nos governos seguintes. Parecia vitoriosa a luta pela democracia. Poderíamos imaginar a grande regressão que depois veio? Poderíamos acreditar que pessoas queridas, até parentes nossos, viriam a apoiar governos que querem a morte de tantas pessoas, inclusive de seus consanguíneos ou amigos de infância?

Não por acaso, Juliana e Jamil insistem no papel democrático do amor e das paixões a ele correlatas, como a amizade. Lembro uma passagem de Jorge Luis Borges, quando evoca a homenagem de um guerreiro medieval ao inimigo morto. Lembro também uma observação atribuída a Margaret Mead, que data a humanidade (no sentido figurado e não como espécie, como qualidade ética) do osso humano que se recompôs de uma fratura: foi preciso haver quem cuidasse do ferido, quem o amparasse, até ele cicatrizar-se do machucado.

Noto que, nos últimos meses, me deparei várias vezes com essa referência ao comentário, genuíno ou não, da grande antropóloga. Quer dizer que cresce a esperança na ideia de que a humanidade, enquanto espécie humana, tenha a possibilidade de recuperar a humanidade enquanto sentimento de compaixão e prática de cooperação.

Ou lembremos a questão da ética do cuidado, levantada umas décadas atrás por Carol Gilligan. Ela parte de uma experiência proposta por seu mestre Kohlberg sobre o desenvolvimento moral da criança. Kohlberg colocava cada criança diante de um problema: a mãe dela estava à beira da morte, dependia de um remédio caríssimo para se curar, e o farmacêutico se recusava a dá-lo a ela. O que fazer então? Assim posta a questão, ela praticamente determina uma resposta ao modo de Antígona: a ética exige quebrar a lei. Dessa maneira respondiam os meninos, mas não as meninas, que insistiam em tentar persuadir o farmacêutico. Kohlberg disso inferiu uma deficiência das meninas na compreensão do problema – e do que ele chamou de ética da justiça –, mas Gilligan o contestou. O que elas expressariam seria uma ética do cuidado, um conjunto de valores em torno da convicção de que seria possível uma solução pelo acordo, não pelo confronto, não pelo corte (lembrando que decisão contém cisão, corte, no seu âmago). O modo masculino de ver as coisas seria incisivo, cortante; o feminino seria englobante, includente.

Ora, o avanço do papel das mulheres na sociedade atual não será sinal do que podemos chamar uma feminização crescente de nossa cultura? Notem que, ao contrário do que algumas autoras criticaram em Gilligan, nada disso supõe predicar uma essência masculina ou feminina, uma natureza belicosa do homem ou compassiva da mulher. Podemos seguir sua intuição entendendo-a como uma simples referência a papéis construídos ao longo dos milênios e que foram identificados a dois suportes diferentes, um o dos cromossomos XX e outro dos XY, mas podem estar presentes em homens e mulheres.

Se recuarmos no tempo, veremos que na sociedade medieval as mulheres, ou o feminino, desempenharam papel importante na adoção de costumes mais cuidadosos e respeitosos, processo que Norbert Elias chamou de “civilizar os costumes”. Foi a presença delas que levou, por exemplo, às maneiras modernas, como não cuspir na mesa (ou à mesa), não tomar a sopa diretamente da sopeira, não assoar o nariz sobre os pratos em que se servia o alimento. Esses cuidados, que hoje às vezes são associados, retroativamente, a intuitos higiênicos, na verdade se originaram de formas de respeito. Era respeitoso em relação ao outro, e em especial à mulher, abster-se de práticas que suscitassem o incômodo ou, mesmo, o asco.

A mulher era o outro por excelência. Pretendia-se agradá-la, conquistá-la: por isso, aqueles machões medievais, comparáveis a fazendeiros grosseiros de um Brasil que felizmente foi desaparecendo, a um Paulo Honório como o que Graciliano Ramos coloca em cena no seu São Bernardo, adotam modos que eles imaginam causar prazer às mulheres, e que seriam os delas. Por isso, faz sentido pensar aqui no amor materno: o amor que Juliana e Jamil dedicam ao Brasil é um amor de mãe.

É nosso país um filho? Todo país o é. Nenhum país é uma essência prévia a seus cidadãos. Toda pátria, ou mátria se assim preferirmos, é uma criação constante do afeto. Em português, chamamos de criança a pessoinha que estamos criando. Criar, em nossa língua, não é um ato fulgurante, instantâneo, como a criação divina do mundo a partir do nada, na versão judaico-cristã. É um trabalho longo, com muito afeto investido, que dura dez anos ou mais. Até pouco tempo atrás, por sinal, era uma tarefa da mãe, mais que do pai. E não é fortuito que o ódio que nestes últimos anos tomou conta de nosso país, e de tantos outros, nas mãos da extrema direita tenha tanto a ver com um retorno furioso do machismo.

Há homens que se sentem estranhos, perdidos num mundo em que perderam os privilégios que tinham por tão só haverem nascido num determinado sexo, classe, orientação sexual: e com o declínio da democracia desde a crise econômica iniciada em 2008, eles se consideraram autorizados a vingarem-se daqueles que se atreveram a se colocarem como seus iguais, pior que isso, a pensarem que podiam lhes ensinar algo novo e diferente.

Mas é esse o caminho do futuro, o dos diferentes, do “outro por excelência”, como foi a mulher por milhares de anos: e por isso Juliana e Jamil, querendo ambos devolver amor a um país que foi pilhado pelo ódio, escrevem ao Brasil (e sobre o Brasil) a partir da alteridade europeia, mas com um coração de quem se dirige a uma criança amada.

*Renato Janine Ribeiro é professor titular aposentado do Departamento de Filosofia da USP. Autor, entre outros livros, de Maquiavel, a democracia e o Brasil (Estação Liberdade).

 

Referência


Jamil Chade & Juliana Monteiro. Ao Brasil, com amor. Belo Horizonte, Autêntica, 2022, 136 págs.

 

O site A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores. Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Walnice Nogueira Galvão João Feres Júnior Vladimir Safatle João Carlos Salles Luiz Carlos Bresser-Pereira Dennis Oliveira Tales Ab'Sáber Atilio A. Boron Bento Prado Jr. Armando Boito Alexandre de Lima Castro Tranjan João Paulo Ayub Fonseca Daniel Costa Eliziário Andrade Benicio Viero Schmidt Gilberto Maringoni Ronaldo Tadeu de Souza Eleonora Albano Manchetômetro Sandra Bitencourt Paulo Martins Leonardo Avritzer Tadeu Valadares Jean Marc Von Der Weid Marcos Silva Paulo Sérgio Pinheiro Michael Roberts Annateresa Fabris Chico Whitaker Luiz Renato Martins Rafael R. Ioris Bruno Fabricio Alcebino da Silva Marcelo Guimarães Lima Mário Maestri Julian Rodrigues Mariarosaria Fabris João Lanari Bo Jorge Luiz Souto Maior Maria Rita Kehl Rubens Pinto Lyra José Costa Júnior Luiz Bernardo Pericás Leonardo Boff Elias Jabbour Jean Pierre Chauvin Ricardo Antunes Lincoln Secco Flávio R. Kothe João Adolfo Hansen Lucas Fiaschetti Estevez José Dirceu Fernão Pessoa Ramos Alysson Leandro Mascaro João Sette Whitaker Ferreira Afrânio Catani Antônio Sales Rios Neto Juarez Guimarães Eleutério F. S. Prado Vanderlei Tenório Salem Nasser Osvaldo Coggiola Eugênio Bucci Vinício Carrilho Martinez Ricardo Fabbrini Roberto Bueno Dênis de Moraes Jorge Branco Antonino Infranca Anselm Jappe João Carlos Loebens Flávio Aguiar Leonardo Sacramento Airton Paschoa Everaldo de Oliveira Andrade Yuri Martins-Fontes Luís Fernando Vitagliano Daniel Afonso da Silva Érico Andrade Samuel Kilsztajn Luiz Roberto Alves Kátia Gerab Baggio Francisco de Oliveira Barros Júnior Denilson Cordeiro José Micaelson Lacerda Morais Fernando Nogueira da Costa Remy José Fontana Slavoj Žižek Liszt Vieira Valério Arcary Milton Pinheiro Priscila Figueiredo José Luís Fiori Ricardo Abramovay Gabriel Cohn Luiz Werneck Vianna José Geraldo Couto Alexandre Aragão de Albuquerque Eugênio Trivinho Daniel Brazil Thomas Piketty Paulo Fernandes Silveira André Márcio Neves Soares Henri Acselrad Caio Bugiato Ladislau Dowbor Eduardo Borges Paulo Nogueira Batista Jr Antonio Martins Leda Maria Paulani Michael Löwy Roberto Noritomi Luiz Eduardo Soares Anderson Alves Esteves Alexandre de Freitas Barbosa Andrew Korybko Marcos Aurélio da Silva Valerio Arcary José Machado Moita Neto Fábio Konder Comparato Ricardo Musse Heraldo Campos Gerson Almeida Rodrigo de Faria Marilena Chauí Renato Dagnino Plínio de Arruda Sampaio Jr. Bernardo Ricupero Marjorie C. Marona Marilia Pacheco Fiorillo Ronald León Núñez Sergio Amadeu da Silveira Boaventura de Sousa Santos Paulo Capel Narvai André Singer Ari Marcelo Solon Celso Favaretto Francisco Pereira de Farias Otaviano Helene José Raimundo Trindade Gilberto Lopes Lorenzo Vitral Ronald Rocha Marcelo Módolo Henry Burnett Bruno Machado Celso Frederico Berenice Bento Francisco Fernandes Ladeira Luiz Marques Luis Felipe Miguel Luciano Nascimento Manuel Domingos Neto Luiz Costa Lima Carlos Tautz Igor Felippe Santos Carla Teixeira Tarso Genro Chico Alencar Claudio Katz Marcus Ianoni

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada