Por que o capital está deixando os EUA?

Imagem: Christian Thöni
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por RICHARD D. WOLFF*

O capitalismo avançou, abandonando seus antigos centros e, assim, empurrando os seus problemas e as suas divisões para crises cada vez maiores

No início, o capitalismo norte-americano estava centrado na Nova Inglaterra. Depois de algum tempo, a busca pelo lucro levou muitos capitalistas a deixar aquela área e se transferirem para Nova York e para os estados do meio do Atlântico. Grande parte da Nova Inglaterra ficou com fábricas abandonadas e cidades deprimidas – o que é evidente até hoje. Eventualmente, os empregadores se mudaram novamente, abandonando Nova York e o meio do Atlântico para o Meio-Oeste.

A mesma história foi se repetindo à medida que o centro do capitalismo se deslocava para o Extremo Oeste, o Sul e o Sudoeste. Termos descritivos como “cinturão da ferrugem”, “desindustrialização” e “deserto manufatureiro” se aplicavam cada vez mais a espaços antes habitados pelo capitalismo norte-americano.

Enquanto os movimentos do capitalismo permaneceram principalmente dentro dos EUA, os alarmes levantados por suas vítimas abandonadas permaneceram regionais, não se tornando ainda uma questão nacional. Nas últimas décadas, no entanto, muitos capitalistas transferiram as instalações de produção e os novos investimentos para fora dos EUA, para outros países, especialmente para a China. Controvérsias e alarmes contínuos cercam agora esse êxodo capitalista. Mesmo os célebres setores de alta tecnologia, sem dúvida o único centro robusto remanescente do capitalismo dos EUA, investiram pesadamente em outros lugares.

Desde a década de 1970, os salários eram muito mais baixos no exterior e os mercados também cresciam mais rápido por lá. Cada vez mais capitalistas americanos tiveram que sair ou correr o risco de perder sua vantagem competitiva sobre aqueles capitalistas (europeus e japoneses, bem como os EUA) que haviam partido mais cedo para a China e estavam obtendo taxas de lucro incrivelmente melhores. Além da China, outros países asiáticos, sul-americanos e africanos também forneceram incentivos de baixos salários e mercados em crescimento, o que acabou atraindo capitalistas americanos, assim como outros, para transferirem os seus investimentos para lá.

Os lucros obtidos por esses movimentos do capital estimularam mais movimentos. O aumento dos lucros fez a subir os mercados de ações dos EUA e produziu grandes ganhos em renda e riqueza para alguns. Isso beneficiou principalmente os já ricos acionistas corporativos e altos executivos corporativos. Eles, por sua vez, promoveram e financiaram a formulação de ideologias, segundo as quais o abandono do capitalismo dos EUA foi, na verdade, um grande ganho para a sociedade americana como um todo.

Essas afirmações, categorizadas sob os títulos de “neoliberalismo” e “globalização”, serviam perfeitamente para esconder ou obscurecer um fato-chave: lucros mais altos principalmente para os poucos mais ricos era o principal objetivo e o resultado do abandono dos EUA pelo capital sempre ganancioso.

O neoliberalismo era uma nova versão de uma velha teoria econômica que justificava as “escolhas livres” dos capitalistas como o meio necessário para alcançar a eficiência ótima para economias inteiras. De acordo com a visão neoliberal, os governos devem minimizar qualquer regulação ou outra interferência nas decisões orientadas pelo lucro dos capitalistas.

O neoliberalismo celebrava a “globalização”, seu nome preferido para a escolha dos capitalistas de transferir especificamente a produção para o exterior. Dizia-se que a “livre escolha” permitia uma produção “mais eficiente” de bens e serviços, porque os capitalistas poderiam explorar recursos de origem global. As linhas de força que fluíam das exaltações do neoliberalismo, das escolhas livres dos capitalistas e da globalização, era que todos os cidadãos se beneficiam quando o capitalismo avançava. Com exceção de alguns dissidentes (incluindo alguns sindicatos), políticos oportunistas, meios de comunicação de massa e acadêmicos auto-interessados em grande parte se juntaram à intensa torcida pela globalização neoliberal do capitalismo.

As consequências econômicas do movimento do capital impulsionado pelo lucro para fora de seus antigos centros (Europa Ocidental, América do Norte e Japão) trouxeram o capitalismo para sua crise atual. Primeiro, os salários reais estagnaram nos antigos centros. Os empregadores que podiam exportar empregos (especialmente na manufatura) o fizeram. Empregadores que não podiam (especialmente nos setores de serviços) procuraram automatizá-los.

À medida que as oportunidades de emprego nos EUA pararam de aumentar, os salários também pararam de crescer. Desde que a globalização e a automação impulsionaram os lucros das empresas e os mercados de ações, enquanto os salários estagnaram, os velhos centros do capitalismo exibiram um aumento extremo das diferenças de renda e riqueza. O aprofundamento das divisões sociais se seguiu e culminou na crise do capitalismo agora.

Em segundo lugar, ao contrário de muitos outros países pobres, a China possuía a ideologia e a organização para garantir que os investimentos feitos pelos capitalistas servissem ao seu próprio plano de desenvolvimento; ora, essa foi a estratégia econômica da China. A China exigia o compartilhamento das tecnologias avançadas dos capitalistas entrantes (em troca do acesso desses capitalistas à mão de obra chinesa de baixos salários e à rápida expansão dos mercados chineses).

Os capitalistas que entravam nos mercados de Pequim também eram obrigados a facilitar parcerias entre produtores chineses e canais de distribuição em seus países de origem. A estratégia da China de priorizar as exportações significava que precisava garantir o acesso aos sistemas de distribuição (e, portanto, às redes de distribuição controladas por capitalistas) em seus mercados-alvo. Parcerias mutuamente lucrativas foram desenvolvidas entre a China e alguns distribuidores globais, tal como o Walmart.

O “socialismo com características chinesas” de Pequim incluía um poderoso partido político e um Estado focado no desenvolvimento. Juntos, supervisionavam e controlavam uma economia que misturava o capitalismo privado com o capitalismo de Estado. Nesse modelo, empregadores privados e empregadores estatais dirigem massas de empregados em suas respectivas empresas.

Ambos os conjuntos de funções patronais, entretanto, estão sujeitos às intervenções estratégicas de um partido e de um governo determinados a atingir seus objetivos econômicos. Como resultado dessa definição e operação do “socialismo” com características chinesas, a economia desse país ganhou mais (especialmente no crescimento do PIB) com a globalização neoliberal do que a Europa Ocidental, a América do Norte e o Japão. A China cresceu rápido o suficiente para competir agora com os velhos centros do capitalismo.

O declínio dos EUA dentro de uma economia mundial em mudança contribuiu para a crise do capitalismo norte-americano. Para o império norte-americano que surgiu da Segunda Guerra Mundial, a China e seus aliados do BRICS representam agora o seu primeiro desafio econômico sério e sustentado. A reação oficial dos EUA a essas mudanças até agora tem sido uma mistura de ressentimento, provocação e negação. Não se apresentam soluções para a crise nem ajustamentos bem-sucedidos a uma realidade alterada.

Em terceiro lugar, a guerra da Ucrânia expôs os principais efeitos dos movimentos geográficos do capitalismo e do declínio econômico acelerado dos EUA em relação à ascensão econômica da China. Assim, a guerra de sanções liderada pelos EUA contra a Rússia não conseguiu esmagar o rublo ou colapsar a economia russa. Esse fracasso se seguiu em boa parte porque a Rússia obteve apoio crucial das alianças (Brics) já construídas em torno da China. Essas alianças, enriquecidas por investimentos de capitalistas estrangeiros e domésticos, especialmente na China e na Índia, forneceram mercados alternativos quando as sanções fecharam os mercados ocidentais às exportações russas.

As disparidades de renda e riqueza anteriores nos EUA, agravadas pela exportação e automação de empregos de alta remuneração, minaram a base econômica dessa “vasta classe média” da qual tantos funcionários acreditavam fazer parte. Nas últimas décadas, os trabalhadores que esperavam desfrutar do “sonho americano” descobriram que o aumento dos custos de bens e serviços levou a que o sonho estivesse fora de seu alcance. Seus filhos, especialmente aqueles forçados a pedir empréstimos para a faculdade, se viram em uma situação semelhante ou pior.

Resistências de todos os tipos surgiram (movimentos de sindicalização, greves, “populismos” de esquerda e direita) à medida que as condições de vida da classe trabalhadora continuavam se deteriorando. Para piorar a situação, os meios de comunicação de massa celebraram a riqueza estupefaciente daqueles poucos que mais lucraram com a globalização neoliberal.

Nos EUA, fenômenos como o ex-presidente Donald Trump, o senador independente de Vermont Bernie Sanders, supremacia branca, sindicalização, greves, anticapitalismo explícito, guerras “culturais” e extremismos políticos frequentemente bizarros refletem o aprofundamento das divisões sociais. Muitos nos EUA se sentem traídos depois de serem abandonados pelo capitalismo. As suas diferentes explicações para a traição exacerbam o sentimento amplamente difundido de crise na nação.

A deslocalização global do capitalismo ajudou a elevar o PIB total dos países BRICS (China + aliados) bem acima do G7 (EUA + aliados). Para todos os países do Sul Global, seus apelos por ajuda ao desenvolvimento agora podem ser direcionados a dois possíveis entrevistados (China e EUA), e não apenas ao Ocidente. Quando as empresas e entidades chinesas investem na África, é claro que os seus investimentos são estruturados para ajudar tanto os doadores como os receptores.

Se a relação entre eles é imperialista ou não, depende das especificidades da relação e do saldo dos ganhos líquidos. Esses ganhos para os BRICS provavelmente serão substanciais. O ajuste da Rússia às sanções relacionadas à Ucrânia contra ela não apenas a levou a se apoiar mais nos BRICS, mas também intensificou as interações econômicas entre os membros dos BRICS. Os laços econômicos existentes e os projetos conjuntos entre eles cresceram. Novos estão surgindo rapidamente. Sem surpresa, outros países do Sul Global solicitaram recentemente a adesão ao BRICS.

O capitalismo avançou, abandonando seus antigos centros e, assim, empurrando os seus problemas e as suas divisões para crises cada vez maiores. Como os lucros ainda fluem de volta para os velhos centros, aqueles que lá recolhem os lucros iludem os cidadãos e a si mesmos pensando que tudo está bem no capitalismo global.

Como esses lucros agravam drasticamente as desigualdades econômicas, as crises sociais se aprofundam. Por exemplo, a onda de militância trabalhista que varre quase todas as indústrias dos EUA reflete uma raiva e um ressentimento crescente contra essas desigualdades. O bode expiatório histérico de várias minorias feitas por demagogos e pelos movimentos de direita é outro reflexo do agravamento das dificuldades. Outra é a crescente percepção de que o problema, em sua raiz, é o sistema capitalista. Tudo isso são componentes da crise atual.

Mesmo nos novos centros dinâmicos do capitalismo, a crítica socialista, mascarada ou não, volta a agitar as mentes das pessoas. A organização dos novos centros de trabalho – mantendo o velho modelo capitalista de empregadores versus empregados em empresas privadas e estatais – é desejável ou sustentável? É aceitável que um pequeno grupo, os empregadores, permita que a maioria das empresas decida em seu próprio favor, de forma exclusiva e irresponsável?

Richard D. Wolff é economista. Fundou o portal Democracy at Work. Autor, entre outros livros, de Capitalism”s Crisis Deepens (Haymarket books).

Tradução: Eleutério F. S. Prado.

Publicado originalmente no site Counterpunch.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Marcelo Guimarães Lima Marcos Silva Ricardo Antunes Atilio A. Boron Alexandre de Lima Castro Tranjan Francisco Fernandes Ladeira Eduardo Borges Slavoj Žižek Bernardo Ricupero José Raimundo Trindade Eugênio Bucci Henri Acselrad André Singer Marilena Chauí João Lanari Bo Bruno Fabricio Alcebino da Silva Michael Roberts Julian Rodrigues João Sette Whitaker Ferreira Rubens Pinto Lyra Everaldo de Oliveira Andrade Vanderlei Tenório Luiz Marques Luis Felipe Miguel Liszt Vieira Afrânio Catani Jean Pierre Chauvin Matheus Silveira de Souza Denilson Cordeiro Francisco Pereira de Farias Francisco de Oliveira Barros Júnior Luiz Eduardo Soares Carla Teixeira Vinício Carrilho Martinez Maria Rita Kehl Luiz Renato Martins Michael Löwy Chico Alencar Ricardo Musse Eugênio Trivinho Marjorie C. Marona João Carlos Salles Luiz Bernardo Pericás Leonardo Sacramento Eliziário Andrade Ronald León Núñez Daniel Brazil Andrés del Río Gerson Almeida Valerio Arcary Luiz Carlos Bresser-Pereira Ricardo Abramovay Annateresa Fabris Daniel Afonso da Silva José Costa Júnior Mário Maestri Marilia Pacheco Fiorillo Eleutério F. S. Prado Fernão Pessoa Ramos Luciano Nascimento Vladimir Safatle Lucas Fiaschetti Estevez Yuri Martins-Fontes Eleonora Albano Marcos Aurélio da Silva Tadeu Valadares Walnice Nogueira Galvão Dennis Oliveira Flávio Aguiar Daniel Costa Érico Andrade Plínio de Arruda Sampaio Jr. Lincoln Secco Dênis de Moraes Paulo Nogueira Batista Jr Manchetômetro Luiz Roberto Alves Claudio Katz Fernando Nogueira da Costa Marcus Ianoni Milton Pinheiro Celso Favaretto Tales Ab'Sáber Paulo Martins Juarez Guimarães Ronaldo Tadeu de Souza José Machado Moita Neto André Márcio Neves Soares Benicio Viero Schmidt Bruno Machado Ronald Rocha João Paulo Ayub Fonseca Boaventura de Sousa Santos Sergio Amadeu da Silveira Luís Fernando Vitagliano Armando Boito Paulo Capel Narvai João Feres Júnior Bento Prado Jr. Antonino Infranca Otaviano Helene Alexandre Aragão de Albuquerque Leda Maria Paulani Ari Marcelo Solon Caio Bugiato Alysson Leandro Mascaro Thomas Piketty Priscila Figueiredo Chico Whitaker Gabriel Cohn Airton Paschoa Elias Jabbour Michel Goulart da Silva Igor Felippe Santos José Geraldo Couto Paulo Sérgio Pinheiro Jean Marc Von Der Weid Celso Frederico Osvaldo Coggiola Andrew Korybko Sandra Bitencourt Rafael R. Ioris José Micaelson Lacerda Morais João Adolfo Hansen Jorge Luiz Souto Maior Valerio Arcary Remy José Fontana Fábio Konder Comparato Marcelo Módolo Anselm Jappe Antonio Martins Leonardo Boff Jorge Branco Kátia Gerab Baggio Manuel Domingos Neto Leonardo Avritzer Gilberto Lopes José Dirceu Flávio R. Kothe Samuel Kilsztajn Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Ricardo Fabbrini Salem Nasser Luiz Werneck Vianna Gilberto Maringoni Henry Burnett Carlos Tautz Antônio Sales Rios Neto Alexandre de Freitas Barbosa Rodrigo de Faria Renato Dagnino Berenice Bento Paulo Fernandes Silveira José Luís Fiori Ladislau Dowbor Heraldo Campos João Carlos Loebens Mariarosaria Fabris Tarso Genro Lorenzo Vitral

NOVAS PUBLICAÇÕES