As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Psicanálise das neuroses de guerra

Imagem: Soledad Sevilla
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por DENILSON CORDEIRO*

Comentário sobre o livro com artigos de Sigmund Freud, Sándor Ferenczi, Karl Abraham, Ernst Simmel, Ernest Jones

“É ao mesmo tempo verdade que o mundo é o que vemos e que, no entanto, é preciso aprender a ver o mundo” (Merleau-Ponty. Le visible et l’invisible).

George Steiner, célebre professor, poliglota, crítico literário e homem de rara erudição, referia-se, mais ou menos assim, ao âmbito das chamadas humanidades, incluindo as artes. Trata-se de um peculiar reino, no qual, o reconhecimento de títulos nobilitários dependeria, em grande medida, da capacidade atualizada de salvarmos livros do esquecimento. Assim, na salvaguarda de maîtres à penser, a juventude (independente da idade cronológica) encontraria auxílio na difícil tarefa de inventar para si novos olhos durante o aprendizado da visão. Como afinal elaborar o presente senão com a indispensável assistência de quem, generosamente, registrou por escrito as próprias tentativas no passado?

A primeira metáfora talvez não seja – sobretudo atualmente – das melhores, pelo grau de comprometimento e de inadequação que a ideia de nobreza já sofreu, mas contém ainda o sentido de uma posição menos óbvia a ser buscada na relação com o conhecimento e a reflexão. Pela metáfora da visão é possível identificar a hipótese de que qualquer resgate da nossa esquecida potência imaginativa – a arte de ver como arte de saber – necessariamente deverá passar por um tipo de redescoberta e revalorização de ideias e práticas, ao que parece, hoje arquivadas.

Um dos resultados mais imediatos desse esquecimento tem sido a falta de imaginação soterrada pelo hipnotismo imagético, por um lado, e a despolitização pela ideologia vigente do capitalismo como a ordem natural do mundo. De que outro modo conceber respostas à pergunta: o que passou a significar o esclarecimento?, senão aprendendo a pensar concretamente com quem já o exerceu em algum momento?

Imaginemos, por um momento, que nosso assunto de interesse atual pudesse ser – dadas as contingências do nosso presente – como compreender o sofrimento? Salvo engano, uma espécie de indagação humana e atemporal. Sob essa pergunta, digamos, metafísica, se oculta a legítima e concreta preocupação de, em princípio, livrar-se de todo sofrimento. Entre ambas, opera uma tradição de pensamento e de práticas que inclui desde perspectivas religiosas (a punição ao pecado original, por exemplo) passando por elaborações metafísico-filosóficas (a história da humanidade tem sido a história da crueldade) e jurídicas (a justiça depende do medo de sofrer) até estudos e formulações de caráter clínico (“todos os neuróticos são fingidores, eles simulam sem o saber e essa é a sua doença”). Sobre essas últimas, podemos especificar os sofrimentos causados pelas chamadas neuroses de guerra.

O livro Psicanálise das neuroses de guerra, recentemente publicado pela Quina Editora, recolhe uma série de estudos e pontos de vista sobre a etiologia desses tipos de sofrimento. Conforme a nota editorial esclarece, trata-se da edição em português pela primeira vez do livro Sobre a psicanálise das neuroses de guerra [Zur Psychoanalyse der Krigsneurosen], de 1919, resultado do 5º. Congresso Internacional de Psicanálise, realizado em Budapeste, entre os dias 28 e 29 de setembro de 1918.

Ali constam os textos das palestras de Sándor Ferenczi e as intervenções de Karl Abraham e Ernst Simmel, durante o congresso. Consta ainda, como na primeira edição alemã, um texto de palestra de Ernest Jones sobre o tema, realizada em Londres, poucos meses depois do congresso. A edição crítica brasileira vai além e também constitui um dossiê sobre o tema (uma criteriosa edição crítica, nas justas palavras de Renato Mezan). Incluiu uma apresentação de autoria do pesquisador, psicanalista e tradutor, Bruno Carvalho, que situa historicamente os textos e os debates, assim como desenvolve interessantes hipóteses sobre o impacto da Primeira Guerra na obra de Freud; há ainda uma parte do livro que oferece suportes críticos: uma resenha anônima de 1922 (assinada apenas com as iniciais D.B.), a partir da edição inglesa do livro; dois excertos de autoria de Sándor Ferenczi e um parecer de Freud sobre “neuroses de guerra, eletroterapia e psicanálise”. O posfácio é de autoria do professor José Brunner, da Universidade Tel Aviv.

Os textos reunidos na edição brasileira tratam de várias teses psicanalíticas e políticas, dentre as quais destaco: ao contrário do que pensaram os que recusavam a psicanálise, os casos de neurose de guerra confirmaram as teses de Freud; os histéricos continuavam a sofrer de reminiscências, passando a sofrer também com o abalo dos desastres de guerra; a experiência e os sofrimentos dos neuróticos de guerra conduziram os neurologistas ao descobrimento de algo além do psiquismo (organismo?), a saber a própria psicanálise e o seu campo de investigação, o inconsciente.

O livro traz a descoberta de que o choque pelas explosões, desabamentos, soterramentos sofridos durante a guerra por si não acarretam neurose. É, antes, a soma de fatores que podem levar o soldado ao adoecimento o que, em geral, inclui a própria dinâmica e hierarquia na caserna; descobre-se também que as neuroses de guerra são dispositivos de segurança, de defesa na prevenção de males mais graves; que o reconhecimento do significado da tendência de cura da neurose reside, em grande parte, no sintoma e o conflito atual que a neurose explicita pode estar em relação direta com conflitos mais antigos.

Com os textos apresentados sob a forma de comunicação para um congresso, também ficamos sabendo que houve uma orientação ética e política nos tratamentos aos feridos de guerra e que tais medidas não foram apenas uma concepção científica alternativa à medicina da época. Por aí é possível constatar, uma vez mais, a atualidade das discussões.

Sendo lições psicanalíticas de sensibilidade, de conhecimento e de tirocínio, o livro também é, na edição brasileira, modelo de zelo editorial, porque realizam tanto o ideal de nobreza referido por George Steiner de “salvar do esquecimento” esse livro (e com isto, evidentemente, os assuntos e as suas decorrências éticas e clínicas) e, mais, o debate ainda tão atual, com a preocupação dos maîtres à penser de oferecer uma base mais segura (ou talvez menos fragmentada) na elaboração que o presente nos solicita.

Quero dizer, a atribuição essencial de qualquer professor em, honestamente, oferecer bibliografia confiável que amplia as chances de orientação no pensamento. Chama a atenção do leitor ainda a própria forma de discussão praticada durante o congresso, ao menos pelo registro no livro apresentado, porque as intervenções de Ferenczi, Abraham e Simmel e mesmo a de Jones e Freud (ainda que em outro momento) são tão diplomáticas, circunstanciadas e estão de tal forma em sintonia que fica reforçada a hipótese de uma elaboração coletiva da psicanálise em que as diferenças significativas entre eles apenas a fortalecem.

Sob a verdade inconveniente e persistente de que vivemos em um tipo de sociedade cujo traço, dentre os mais destacados, é o de estarmos em guerra permanente, flagrantemente explicitado pelo vocabulário vigente que vai desde os públicos-alvo, da luta pela vida, da sobrevivência no trabalho, dos tiros pela culatra, das balas perdidas, e desemboca nos exércitos de reserva, nas estratégias, táticas e manobras, em que não se distingue mais a abordagem das empresas e a das políticas públicas, todo sofrimento tende a ser, em grande medida, também um tipo de neurose de guerra.

Para o filósofo italiano Franco Berardi, em entrevista ao jornal português Económico, “foi proclamado o fim da sociedade e o início de uma guerra infinita: a competição é a dimensão econômica da guerra. Quando a competição é a única relação que existe entre as pessoas, a guerra passa a ser o ‘ponto de chegada’, o ápice do processo. […] Se não formos capazes de sentir empatia, o futuro não existirá.”

Portanto, nada mais urgente e cotidiano do que ter de lidar com os estilhaços de granadas, literal e figuradamente; por isso, a premência de compreender as causas e os efeitos desse sofrimento reincidente sobre a vida social. Uma nova forma de enxergar essa que se afigura como tragédia está in nuce no próprio esgotamento que o sofrimento reforça, daí a atormentadora e oportuna atualidade da Psicanálise das neuroses de guerra.

Pela amostra dos autores reunidos no livro, a psicanálise uniu o que a guerra separou em termos de potência crítica e de cultura, porque, afinal, são autores que representam, digamos, os dois lados da guerra, mas defendem as mesmas causas. Fica claro pela leitura que não havia estrito consenso e sequer grande aceitação das teses da psicanálise entre os psiquiatras, menos ainda entre as demais especialidades médicas, como ressalta o texto da apresentação, mas sobressai para leitores de hoje o que esteve (e ainda parece estar) em jogo nas disputas que o tratamento de tipo psicanalítico enfrenta em relação às práticas médicas.

De um lado, a técnica, os protocolos, as finanças e o poder bélico do Estado; de outro, a preocupação com a saúde, as condições de vida e o paciente. Enquanto os primeiros visavam a volta dos soldados ao front, os psicanalistas mantiveram-se firmes no restabelecimento das condições de saúde e de dignidade das pessoas.

A maestria da escrita de Freud parece atingir seus colegas, porque a composição dos textos deles acompanha a clareza, a objetividade, o caráter informativo e comprometido com que Freud praticava com rigor e exigências científicas as suas pesquisas e formulações sobre a psicanálise. A inclusão dos anexos ajudou a esclarecer a exposição da primeira parte e permitiu, felizmente, que Freud aparecesse em outra perspectiva e, uma vez mais, demonstrasse a inteligência e a elegância até no debate e combate das atrocidades clínicas cometidas nos hospitais militares (como, por exemplo, as práticas do eletrochoque, dos banhos frios e das ameaças).

As divergências apresentadas na escolha dos textos (refiro-me à resenha de D.B., dizendo ser “lamentável” que o texto de Simmel tenha sido incluído no livro) confirmam a impressão de seriedade da publicação, mais atenta às discordâncias como fator de apuro, constituição e honestidade intelectual com o assunto do que meramente com a celebração vazia da publicação.

Tenho certeza de que será de grande valia para quem se interessa, lê, estuda e pesquisa sobre psicanálise; os cursos de formação, as disciplinas universitárias, os cursos livres, os livres pensadores e o boca-a-boca encontrarão nesse livro um forte aliado do aprendizado e do conhecimento, tanto estrito à psicanálise, quanto em relação às posturas eticamente consequentes em defesa da dignidade e, por isso, da humanidade.

O livro confirma que o presente tem tido muito mais de passado – o menos nobre, no sentido de Steiner – do que estaríamos dispostos a ver e reconhecer. Importa, portanto, tomar posição e ter a coragem de pensar com quem age, no sentido nobre e antigo do pensamento, aí, quem sabe, possamos reivindicar a concepção de um presente de fato em dia com a dinâmica reumanizada do tempo.

Denilson Cordeiro é professor de Filosofia no Departamento de Ciências Exatas e da Terra, da Unifesp, campus Diadema.

Referência


Sigmund Freud, Sándor Ferenczi, Karl Abraham, Ernst Simmel, Ernest Jores. Psicanálise das neuroses de guerra. Tradução: Bruno Carvalho. São Paulo, 2023, 240 págs. Quina Editora


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Leda Maria Paulani José Geraldo Couto Lorenzo Vitral Sergio Amadeu da Silveira Antonino Infranca Mário Maestri Vinício Carrilho Martinez Marcelo Módolo Igor Felippe Santos Luiz Werneck Vianna Vanderlei Tenório Eugênio Trivinho Mariarosaria Fabris Antonio Martins André Singer Manuel Domingos Neto Eleutério F. S. Prado Kátia Gerab Baggio Atilio A. Boron Fernão Pessoa Ramos Celso Favaretto Bruno Machado João Paulo Ayub Fonseca Annateresa Fabris Leonardo Avritzer Marcelo Guimarães Lima Francisco Pereira de Farias Paulo Capel Narvai José Luís Fiori Armando Boito Afrânio Catani Eliziário Andrade Valério Arcary André Márcio Neves Soares Ronald Rocha Benicio Viero Schmidt Antônio Sales Rios Neto Airton Paschoa Luiz Marques Marjorie C. Marona João Adolfo Hansen Walnice Nogueira Galvão Eleonora Albano Leonardo Boff Luiz Eduardo Soares José Dirceu Tarso Genro Gilberto Lopes Daniel Afonso da Silva Yuri Martins-Fontes Samuel Kilsztajn João Sette Whitaker Ferreira Michael Löwy Carla Teixeira Rodrigo de Faria Ari Marcelo Solon Claudio Katz Maria Rita Kehl Valerio Arcary Paulo Nogueira Batista Jr Francisco de Oliveira Barros Júnior Manchetômetro Berenice Bento Priscila Figueiredo Luiz Bernardo Pericás Eduardo Borges Bernardo Ricupero Lincoln Secco Luiz Costa Lima Daniel Brazil Flávio Aguiar João Lanari Bo Plínio de Arruda Sampaio Jr. Jean Pierre Chauvin Ricardo Musse Remy José Fontana Roberto Bueno Anderson Alves Esteves Gilberto Maringoni Carlos Tautz Gerson Almeida João Carlos Salles Luiz Roberto Alves Chico Alencar Denilson Cordeiro Sandra Bitencourt Bento Prado Jr. Ronald León Núñez Julian Rodrigues Lucas Fiaschetti Estevez Ronaldo Tadeu de Souza Gabriel Cohn Elias Jabbour Paulo Martins Salem Nasser Roberto Noritomi Fernando Nogueira da Costa Michael Roberts Eugênio Bucci Ladislau Dowbor Henri Acselrad Henry Burnett Boaventura de Sousa Santos Flávio R. Kothe Jorge Branco Tales Ab'Sáber Osvaldo Coggiola Jorge Luiz Souto Maior Leonardo Sacramento José Costa Júnior Paulo Fernandes Silveira Ricardo Antunes Francisco Fernandes Ladeira Jean Marc Von Der Weid Vladimir Safatle Marcus Ianoni Marilia Pacheco Fiorillo Alexandre de Freitas Barbosa Ricardo Fabbrini Luiz Renato Martins Marilena Chauí Marcos Silva Alexandre de Lima Castro Tranjan Alysson Leandro Mascaro Daniel Costa Anselm Jappe Otaviano Helene Celso Frederico Everaldo de Oliveira Andrade Luis Felipe Miguel Tadeu Valadares Liszt Vieira Érico Andrade Paulo Sérgio Pinheiro José Raimundo Trindade Slavoj Žižek Luís Fernando Vitagliano Luciano Nascimento Bruno Fabricio Alcebino da Silva Heraldo Campos Fábio Konder Comparato Andrew Korybko José Micaelson Lacerda Morais João Carlos Loebens Milton Pinheiro Caio Bugiato Ricardo Abramovay Renato Dagnino José Machado Moita Neto Rubens Pinto Lyra Marcos Aurélio da Silva João Feres Júnior Alexandre Aragão de Albuquerque Luiz Carlos Bresser-Pereira Juarez Guimarães Dennis Oliveira Chico Whitaker Rafael R. Ioris Dênis de Moraes Thomas Piketty

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada