Zuza Homem de Melo (1933-2000)

Imagem: João Nitsche
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por DANIEL BRAZIL*

Comentário sobre o historiador e crítico musical, recém-falecido

Este ano tão cruel levou embora no dia 4 de outubro uma das pessoas mais queridas do meio musical brasileiro: o produtor musical, engenheiro de som, crítico, organizador de festivais, historiador e jornalista Zuza Homem de Melo.

Sua biografia resumida está disponível na internet: jovem interessado em música, que começou a tocar contrabaixo nos anos 50, viajou para os Estados Unidos, estudou e passou a escrever artigos sobre jazz e música popular. A partir de 1959 trabalha na TV Record, e torna-se figura central da organização do que ele chamou mais tarde, em um de seus livros mais conhecidos, de A Era dos Festivais (Editora 34). Nas décadas seguintes, foi curador de festivais de jazz e MPB, produziu discos e shows, apresentou programas de TV (Jazz Brasil, na TV Cultura), teve programas de rádio, escreveu livros essenciais para conhecer a música popular de nosso tempo.

Fugindo da frieza acadêmica, do mero alinhamento de fatos e nomes, Zuza não tinha vergonha de se colocar como testemunha ocular (e auditiva) dos fatos que narrava. Aliás, fazia isso com a elegância discreta que sempre caracterizou sua atuação nos bastidores. Estimulando novos valores, orientando artistas consagrados, procurando abrir espaços de renovação da música, sem perder em nenhum momento a noção da importância histórica, cultural e artística dos fatos que relatava.

Deixou tantas obras essenciais que fica difícil escolher a mais representativa. A Canção no Tempo (co-autoria com Jairo Severiano), Eis Aqui os Bossa Nova, Música com Z(coletânea de artigos), Música Popular Brasileira Cantada e Contada.

Antes de morrer, aos 87 anos, acabara de colocar o ponto final em sua biografia de João Gilberto. Seu último livro publicado foi Copacabana –a trajetória do samba-canção (1929-1958), coedição da Editora 34 com o Sesc, de 2017. É sobre ele que vamos nos deter um pouco mais, atentos à lição do mestre.

A obra começa com uma saborosa contextualização do Rio de Janeiro dos anos 50, sob a ótica de um “paulistano no Rio” (título do primeiro capítulo). Zuza fala da chegada à Capital Federal, da dissonância entre zona Norte e zona Sul, do túnel do Leme, do ambiente social da época, da moda, dos cinemas, das boates, dos hormônios em ebulição. Descrito o cenário e dado o clima, descreve a passagem do samba dos teatros de revista do Centro para as boates chiques de Copacabana, tornando-se mais intimista e amaciando o batuque, absorvendo influências norte-americanas (foxtrote) e latinas (bolero).

À medida em que descreve o processo, Zuza interpola os protagonistas da história: compositores e intérpretes que construíram a textura sonora do gênero. Com farta iconografia, que abrange retratos, capas de discos, registro de shows e festas, programas, jornais, partituras e até cardápios, somos envolvidos e até convidados a cantarolar as canções que são citadas.

Em mais de 500 páginas, Zuza Homem de Mello consegue o admirável feito de dosar com sabedoria as suas preferências pessoais, sem escondê-las, e municiar o leitor de todas as informações necessárias para compreender o sentido da expressão samba-canção. De Ary Barroso a Chico Buarque, de Lupicínio a Cartola, de Aracy Cortes a Maysa, passando por Noel, Adelino Moreira, Nelson Gonçalves, Braguinha, Dick Farney, Cauby Peixoto, Ângela Maria, Dorival Caymmi, Elizeth Cardoso, Dolores Duran, Tom Jobim, Dalva de Oliveira, Herivelto e tantos outros, a vontade é de parar a leitura a cada página para ouvir as canções citadas. E Zuza generosamente compila as gravações citadas, em apêndice precioso no final do livro.

O autor confessa, no prefácio, ter demorado quase 13 anos para escrever o livro. Outros trabalhos surgiram, livros foram encomendados e publicados, shows foram produzidos. Mas para ele, “o que se criou nos anos 1950 foi determinante para dar ao Brasil o reconhecimento de sua canção como destacada forma de arte na gênese da música popular. Ao primeiro sinal de seu toque rítmico e melódico, o pensamento voa evocando a saudade da terra, reconhecendo o talento musical e distinguindo o afeto do brasileiro comum.”

Do samba-canção surge a bossa-nova, e nos anos 60 tudo se precipita, se mistura e se reconfigura, sem perder a herança genética. E Zuza Homem de Mello, sempre atento aos novos sinais que surgiam em plena era dos festivais, nunca deixou de apontar a importância dos gêneros matriciais da moderna música popular brasileira. Com entusiasmo de garoto e sabedoria de quem viveu intensamente, tornou-se um dos autores fundamentais para entender e amar o que de melhor a cultura brasileira produziu: a nossa música.

*Daniel Brazil é escritor, autor do romance Terno de Reis (Penalux), roteirista e diretor de TV, crítico musical e literário.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
André Singer Priscila Figueiredo Marilia Pacheco Fiorillo Vladimir Safatle Leonardo Avritzer Celso Frederico Dennis Oliveira Rafael R. Ioris Carla Teixeira Luís Fernando Vitagliano Remy José Fontana André Márcio Neves Soares Andrés del Río Gilberto Maringoni Luiz Renato Martins Ronald León Núñez Valerio Arcary Paulo Sérgio Pinheiro Daniel Afonso da Silva Jean Pierre Chauvin Ricardo Abramovay Fernão Pessoa Ramos Eliziário Andrade Walnice Nogueira Galvão Anselm Jappe Eleonora Albano Lucas Fiaschetti Estevez Afrânio Catani Luiz Werneck Vianna Julian Rodrigues Daniel Costa Yuri Martins-Fontes Thomas Piketty Marcos Aurélio da Silva Luiz Marques Ladislau Dowbor Eugênio Trivinho Ricardo Musse Manuel Domingos Neto Liszt Vieira Antônio Sales Rios Neto Luiz Roberto Alves Luis Felipe Miguel Paulo Capel Narvai Airton Paschoa Samuel Kilsztajn João Sette Whitaker Ferreira Francisco Fernandes Ladeira Paulo Martins Leonardo Sacramento Denilson Cordeiro Elias Jabbour Ricardo Antunes Antonino Infranca Marcus Ianoni Dênis de Moraes Atilio A. Boron Annateresa Fabris Vanderlei Tenório Francisco de Oliveira Barros Júnior Eleutério F. S. Prado Alexandre Aragão de Albuquerque Henri Acselrad Eduardo Borges Bernardo Ricupero Marilena Chauí Luiz Eduardo Soares João Carlos Salles Henry Burnett José Micaelson Lacerda Morais João Feres Júnior Gerson Almeida Otaviano Helene Chico Alencar Ronald Rocha Bruno Machado Rubens Pinto Lyra Alexandre de Freitas Barbosa Bento Prado Jr. Flávio Aguiar João Paulo Ayub Fonseca Everaldo de Oliveira Andrade Plínio de Arruda Sampaio Jr. Sandra Bitencourt José Raimundo Trindade Marcelo Módolo Antonio Martins Tadeu Valadares Luciano Nascimento Heraldo Campos Gabriel Cohn Flávio R. Kothe João Lanari Bo José Costa Júnior Maria Rita Kehl Milton Pinheiro Manchetômetro Luiz Bernardo Pericás Berenice Bento José Geraldo Couto Andrew Korybko Lincoln Secco Armando Boito Leda Maria Paulani João Adolfo Hansen José Dirceu Igor Felippe Santos Lorenzo Vitral Alexandre de Lima Castro Tranjan Benicio Viero Schmidt Celso Favaretto Fábio Konder Comparato Marjorie C. Marona Alysson Leandro Mascaro Fernando Nogueira da Costa Carlos Tautz José Luís Fiori Sergio Amadeu da Silveira Bruno Fabricio Alcebino da Silva Renato Dagnino Leonardo Boff Eugênio Bucci Claudio Katz Luiz Carlos Bresser-Pereira Francisco Pereira de Farias Marcos Silva Tales Ab'Sáber Salem Nasser Ronaldo Tadeu de Souza Kátia Gerab Baggio Daniel Brazil Rodrigo de Faria Jorge Luiz Souto Maior Chico Whitaker Jorge Branco Marcelo Guimarães Lima Boaventura de Sousa Santos Matheus Silveira de Souza Tarso Genro Juarez Guimarães Paulo Nogueira Batista Jr Ricardo Fabbrini Caio Bugiato Érico Andrade Gilberto Lopes Paulo Fernandes Silveira Michael Roberts Jean Marc Von Der Weid Mariarosaria Fabris Michael Löwy Ari Marcelo Solon Michel Goulart da Silva Mário Maestri João Carlos Loebens Osvaldo Coggiola Vinício Carrilho Martinez Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Slavoj Žižek José Machado Moita Neto Valerio Arcary

NOVAS PUBLICAÇÕES