As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Sobre a redução do auxílio emergencial

Imagem_Stela Grespan
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ANDRÉ SINGER*

Com a redução de valor de auxílio emergencial, o apoio que o presidente obteve pode ser perdido

A decisão do presidente Jair Bolsonaro de estender até dezembro o auxílio emergencial que a parte mais vulnerável da população vem recebendo desde o início da pandemia é importante como um complemento de proteção a pessoas que estão em uma situação muito precária, tendo em vista o espraiamento do coronavírus.  No entanto, ele, simultaneamente, cortou pela metade o valor que estava sendo recebido por essas pessoas. Assim, nestes últimos meses do ano de 2020, a população que vinha recebendo 600 reais passará a receber 300.

Nós não sabemos, nesse momento, o quão grave isto pode ser, uma vez que o desemprego vem crescendo, se avolumam os sinais de que houve um impacto forte nas atividades econômicas e, portanto, é possível que este corte represente uma perda significativa – até mesmo em termos de quantidade de compras de alimentos – para determinados segmentos dentre os que vinham recebendo o auxílio, um número expressivo de pessoas: cerca de 65 milhões de brasileiros.

Por outro lado, também cabe considerar que o auxílio emergencial – é sempre bom lembrar – foi inicialmente uma proposta do governo de 200 reais, convertida pelo Congresso Nacional em 600. Esse último valor foi responsável por minorar o impacto da recessão, por manter algum grau de atividade econômica durante o momento mais grave de queda da produção econômica. A redução do valor do auxílio, portanto, também poderá ter um impacto negativo sobre a retomada das atividades econômicas, absolutamente necessárias nesse período em que nós esperamos que a questão do coronavírus vá declinando de importância e se tornando algo que pertence ao passado, se tudo correr bem, embora isso não esteja claramente no horizonte.

Ainda não temos como avaliar quais serão os desdobramentos políticos da decisão tomada por Jair M. Bolsonaro de estender o auxílio emergencial até dezembro, embora, com a redução de seu valor pela metade. As pesquisas mostraram que depois de algum tempo o apoio ao presidente da República aumentou nas camadas de baixa renda. Trata-se de uma quantia bastante significativa em regiões onde o custo de vida é mais baixo. Com a redução de valor de R$600 para R$300, o apoio que foi ganho pode ser também perdido, porque as pessoas vão começar a sentir falta dessa parcela agora suprimida.

Embora também possa haver uma reação de considerar que esses 300 reais que serão mantidos correspondem a uma ajuda importante e que o governo federal merece gratidão, ainda que a proposta original do governo era de 200 reais.

*André Singer é professor titular de ciência política na USP. Autor, entre outros livros, de O lulismo em Crise (Companhia das Letras).

Texto estabelecido a partir de entrevista concedida a Sido Tavares, na rádio USP

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Celso Frederico Ronaldo Tadeu de Souza Lincoln Secco Marcus Ianoni José Raimundo Trindade Gabriel Cohn Daniel Costa Walnice Nogueira Galvão Elias Jabbour José Machado Moita Neto Ricardo Musse Julian Rodrigues Dênis de Moraes Vanderlei Tenório Alexandre de Freitas Barbosa Ricardo Fabbrini Milton Pinheiro Tarso Genro Daniel Brazil Denilson Cordeiro Antônio Sales Rios Neto Carla Teixeira Marilena Chauí Anderson Alves Esteves Bruno Machado Daniel Afonso da Silva Michael Löwy Luiz Werneck Vianna Flávio R. Kothe Lorenzo Vitral Kátia Gerab Baggio Luiz Renato Martins Everaldo de Oliveira Andrade Alexandre de Lima Castro Tranjan Marcelo Módolo João Paulo Ayub Fonseca Manchetômetro Carlos Tautz Paulo Sérgio Pinheiro Paulo Capel Narvai Tales Ab'Sáber Eduardo Borges Claudio Katz Eugênio Trivinho Samuel Kilsztajn Igor Felippe Santos Armando Boito Eliziário Andrade João Sette Whitaker Ferreira Marcos Aurélio da Silva Afrânio Catani Yuri Martins-Fontes Ricardo Abramovay Airton Paschoa Marcelo Guimarães Lima Francisco Fernandes Ladeira Ricardo Antunes Roberto Bueno Celso Favaretto Andrew Korybko Renato Dagnino Caio Bugiato Marilia Pacheco Fiorillo Henri Acselrad Gerson Almeida Jorge Branco Gilberto Lopes Rodrigo de Faria Marjorie C. Marona Francisco de Oliveira Barros Júnior Luciano Nascimento Luis Felipe Miguel Liszt Vieira Paulo Martins Dennis Oliveira Luiz Bernardo Pericás Rafael R. Ioris Manuel Domingos Neto Leonardo Avritzer Lucas Fiaschetti Estevez Michael Roberts Mariarosaria Fabris Bento Prado Jr. Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luiz Roberto Alves Luiz Carlos Bresser-Pereira Mário Maestri Alexandre Aragão de Albuquerque Priscila Figueiredo Thomas Piketty Maria Rita Kehl Ronald León Núñez Francisco Pereira de Farias Luís Fernando Vitagliano Chico Whitaker Eugênio Bucci Alysson Leandro Mascaro André Márcio Neves Soares João Carlos Loebens Osvaldo Coggiola Remy José Fontana Jean Marc Von Der Weid José Micaelson Lacerda Morais Bernardo Ricupero Annateresa Fabris Juarez Guimarães José Luís Fiori Eleutério F. S. Prado Boaventura de Sousa Santos Valério Arcary Paulo Fernandes Silveira José Dirceu Rubens Pinto Lyra Heraldo Campos João Feres Júnior Leda Maria Paulani Fernando Nogueira da Costa Antonino Infranca Benicio Viero Schmidt Ari Marcelo Solon Flávio Aguiar Chico Alencar Ronald Rocha Otaviano Helene Marcos Silva Roberto Noritomi Leonardo Sacramento Leonardo Boff Tadeu Valadares Antonio Martins Paulo Nogueira Batista Jr Fábio Konder Comparato Vinício Carrilho Martinez Gilberto Maringoni Anselm Jappe Salem Nasser João Carlos Salles João Adolfo Hansen Luiz Costa Lima Berenice Bento Jorge Luiz Souto Maior André Singer João Lanari Bo Valerio Arcary Luiz Marques Bruno Fabricio Alcebino da Silva Ladislau Dowbor Eleonora Albano Vladimir Safatle Fernão Pessoa Ramos Luiz Eduardo Soares José Geraldo Couto Slavoj Žižek Henry Burnett José Costa Júnior Jean Pierre Chauvin Sandra Bitencourt Atilio A. Boron Érico Andrade Sergio Amadeu da Silveira

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada