As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Samy Dana, jornalista econômico

Imagem_Marcio Costa
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por FLÁVIO GABRIEL CAPINZAIKI OTTONICAR*

Quando enunciados tautológicos vêm de pessoas com uma certa reputação, transmitem a sensação de se tratar de uma trapaça intelectual

Samy Dana, economista e comentarista de rádio, chamou a atenção da internet ao postar em uma rede social uma explicação da utilidade da nova cédula de R$ 200,00 anunciada pelo governo essa semana. O motivo do comentário ter se transformado em deboche está no fato de que, tomada isoladamente, a publicação não acrescenta nenhum novo dado ou conhecimento apesar de todo o palavreado.

Se tomada em conjunto com outras postagens que Dana publicou, é possível compreender que o economista dizia que, a despeito da popularização de cartões e outras modalidades digitais, como os aplicativos de pagamento online, muitas pessoas ainda utilizam cédulas de papel para realizar transações. Por isso, a disponibilidade de uma nota de R$ 200,00 serviria para diminuir a quantidade de cédulas de papel que essas pessoas têm de carregar consigo.

Entretanto, fora desse contexto, a frase motivou uma grande zombaria na rede. Antes de comentar a razão disso, reproduzo abaixo as palavras que geraram a chacota:

“Se precisa pagar uma conta de duzentos reais, hoje precisa de duas notas de cem, quatro de cinquenta, dez de vinte, vinte de dez, quarenta de cinco ou até cem notas de dois reais entre outras combinações Com uma única nota de duzentos, poderá substituir todas essas operações”

O motivo do deboche é óbvio: a frase possui um tom instrutivo e carrega um certo ar de “autoridade” ou de “especialista no assunto explica”; afinal foi dita por um professor de ensino superior, com doutorado, etc. Essa postura explicativa é realçada pelo “hoje é assim que funciona…amanhã poderá ser de outro jeito”. No entanto, apesar da pompa, a oração não acrescenta absolutamente nada a ninguém. Isso porque o que Dana faz é nada mais do que aquilo que fazíamos nas aulas de matemática no ensino fundamental e que aprendi (mais ou menos!) sob vários nomes: “fatoração”; “decomposição em números primos”; “máximo divisor comum”, etc. Afirmar que uma nota de 200 pode ser decomposta em duas de cem; quatro de cinquenta; dez de vinte e assim por diante, significa apenas dizer que 200 é divisível por 100, que dá 2; por 50, que dá 4, por 20, que dá 10, e assim por diante. O motivo do deboche, então, se dá pela pressuposta “autoridade” que explica aquilo que qualquer um sabe.

Essa situação me fez lembrar imediatamente de um dos conceitos mais conhecidos do filósofo Immanuel Kant (1724 – 1804). Trata-se do “juízo analítico”, exposto pelo filósofo na sua famosa Crítica da Razão Pura (1781).

Kant apresentou na obra mencionada três tipos de juízos: analíticos, sintéticos a priori e sintéticos a posteriori. De maneira grosseira e resumida, os juízos analíticos são os que se expressam por mera análise, sem que se acrescente nenhuma nova informação. Os juízos sintéticos, pelo contrário, acrescentam uma informação nova ao enunciado. Se eles forem a priori, essa nova informação é alcançada antes da experiência sensível, se forem a posteriori, são alcançados depois da experiência sensível.

Assim, por exemplo, se afirmo, que “a água é úmida” não faço mais do que decompor ou retirar uma ideia que já estava contida na outra. Esse é o juízo analítico. No entanto, para ter certeza de que a água está fria ou quente preciso tocá-la ou experimentá-la. Nesse caso trata-se do juízo sintético a posteriori. Por fim, posso saber que a água alcança o ponto de ebulição quando atinge a temperatura de cerca de 100°C sem precisar fazer a experiência com toda a água do mundo. Esse é o juízo sintético a propri, a cereja do bolo da Crítica da Razão Pura.

Juízos analíticos, quando desenvolvidos da maneira feita por Samy Dana, tornam-se argumentos “tautológicos”. A tautologia é a repetição, com fins retóricos, do mesmo enunciado, porém com diferentes palavras. Assim, posso afirmar, por exemplo, que há cadáveres no cemitério, porém todos os cadáveres estão mortos e ainda por cima nenhum dos mortos está vivo. No final das contas nenhuma informação importante foi acrescentada.

Enquanto no âmbito da lógica e da retórica os juízos analíticos se aproximam da tautologia, na linguística, ele dá as mãos a certos tipos de pleonasmos e redundâncias. Assim ocorre quando, por exemplo, digo “metades iguais”; “vereador do município”; “erário público”.

Todas essas situações são corriqueiras e estão presentes na nossa forma de pensar e falar cotidianamente. Em tempos de exposição em redes sociais, não é de se admirar que cada vez mais peguemos “deslizes” dos especialistas. Afinal, a qualquer momento um professor Pasquale pode escorregar e fazer uma postagem com algum desvio da norma culta. Situações como esta “bombam” em função das visualizações e compartilhamentos. Entretanto, não desqualificam completamente quem as pronuncia, ou quem as posta. Vale, é claro, para dar algumas risadas, fazer alguns memes e perceber que qualquer um está sujeito a escorregarno raciocínio.

O ponto é que, quando enunciados tautológicos vêm de pessoas com uma certa reputação, transmitem a sensação de se tratar de uma trapaça intelectual. Quando muito se fala sem falar nada e quando nos damos conta de que o argumento simplesmente não se desenvolve e não progride, apesar do palavrório, ficamos com a sensação de que estamos diante de uma “artimanha enganosa”. Talvez tenha faltado ao Dana seguir os velhos conselhos bíblicos segundo os quais “no muito falar não falta transgressão” (Prov. 10:19) e que “ao orar, não useis de vãs repetições, como os gentios, que pensam que por muito falarem serão ouvidos” (Mt. 6:7).

A postagem de Samy Dana, entretanto, foi pelo menos útil no sentido de fornecer mais um exemplo do juízo analítico de Kant. Se eu ainda fosse professor, certamente essa seria uma bela maneira de exemplificar o conceito kantiano de juízo analítico. Foi só por isso que eu quis “compartilhar com outras pessoas que não eu mesmo”essas considerações sobre o ocorrido.

*Flávio Gabriel Capinzaiki Ottonicar é doutorando em filosofia na UFSCar.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Marcos Aurélio da Silva Fernão Pessoa Ramos Eugênio Bucci Marilena Chauí Lucas Fiaschetti Estevez Marcos Silva Alexandre Aragão de Albuquerque José Raimundo Trindade Benicio Viero Schmidt Gilberto Lopes Manchetômetro Daniel Costa Denilson Cordeiro Sandra Bitencourt Daniel Brazil Luiz Werneck Vianna Tadeu Valadares Slavoj Žižek Gabriel Cohn Eduardo Borges Flávio Aguiar Airton Paschoa Paulo Sérgio Pinheiro Caio Bugiato Ricardo Musse Luciano Nascimento Leonardo Boff Antônio Sales Rios Neto Igor Felippe Santos João Lanari Bo Otaviano Helene Érico Andrade Leda Maria Paulani Celso Favaretto João Sette Whitaker Ferreira Eleonora Albano Luiz Renato Martins Luiz Costa Lima Luiz Bernardo Pericás Rubens Pinto Lyra Everaldo de Oliveira Andrade Milton Pinheiro Luis Felipe Miguel Mário Maestri Julian Rodrigues Roberto Bueno José Machado Moita Neto Marcelo Módolo Remy José Fontana José Micaelson Lacerda Morais Daniel Afonso da Silva Jean Pierre Chauvin Anselm Jappe Paulo Fernandes Silveira Lorenzo Vitral André Singer Bruno Machado Jorge Branco Kátia Gerab Baggio Liszt Vieira Luiz Roberto Alves Henri Acselrad José Geraldo Couto Alexandre de Freitas Barbosa Alysson Leandro Mascaro João Adolfo Hansen Marcelo Guimarães Lima Bernardo Ricupero Gerson Almeida Alexandre de Lima Castro Tranjan Roberto Noritomi José Luís Fiori Yuri Martins-Fontes Bruno Fabricio Alcebino da Silva Anderson Alves Esteves Samuel Kilsztajn Elias Jabbour Luiz Carlos Bresser-Pereira Eliziário Andrade Francisco de Oliveira Barros Júnior Eugênio Trivinho Ronald León Núñez Ronaldo Tadeu de Souza Chico Whitaker Paulo Martins André Márcio Neves Soares José Costa Júnior João Paulo Ayub Fonseca Jorge Luiz Souto Maior Fábio Konder Comparato Michael Löwy João Carlos Loebens Henry Burnett Bento Prado Jr. Juarez Guimarães Fernando Nogueira da Costa Ari Marcelo Solon Ladislau Dowbor Berenice Bento Francisco Fernandes Ladeira Annateresa Fabris Priscila Figueiredo Ronald Rocha Carla Teixeira Vladimir Safatle Thomas Piketty Renato Dagnino Ricardo Fabbrini Dennis Oliveira Eleutério F. S. Prado Leonardo Avritzer Luiz Eduardo Soares Afrânio Catani Ricardo Abramovay Rodrigo de Faria Luiz Marques Osvaldo Coggiola Armando Boito João Feres Júnior Celso Frederico Chico Alencar Mariarosaria Fabris Vanderlei Tenório Lincoln Secco Tarso Genro Francisco Pereira de Farias Marcus Ianoni Rafael R. Ioris Valerio Arcary Claudio Katz Tales Ab'Sáber Flávio R. Kothe Leonardo Sacramento Antonio Martins Andrew Korybko Heraldo Campos Paulo Capel Narvai João Carlos Salles Dênis de Moraes Luís Fernando Vitagliano Sergio Amadeu da Silveira Atilio A. Boron Maria Rita Kehl Walnice Nogueira Galvão Carlos Tautz Manuel Domingos Neto Gilberto Maringoni Antonino Infranca Valério Arcary Boaventura de Sousa Santos Michael Roberts Salem Nasser Vinício Carrilho Martinez Paulo Nogueira Batista Jr Jean Marc Von Der Weid Plínio de Arruda Sampaio Jr. Ricardo Antunes Marilia Pacheco Fiorillo Marjorie C. Marona José Dirceu

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada