A tara secreta

Charles Sheeler (1883–1965), Casa Doylestown - escadas de baixo, 1917.
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por RUBENS FIGUEIREDO*

Sobre a exclusão do romance “Almas mortas”, do acervo da Fundação Palmares.

Recentemente, a Fundação Palmares, órgão federal, situado em Brasília e destinado a combater o racismo, excluiu de sua biblioteca mais de cinco mil livros. Entre eles, figura uma obra intitulada Almas mortas, traduzida por mim. Achei oportuno apresentar um breve questionamento sobre os motivos dessa rejeição.

O romance Almas mortas, escrito por Nikolai Gógol (1809-1852), foi publicado em 1842, na Rússia. De forma cômica, crítica e realista, trata do regime da servidão, que vigorava na Rússia tsarista e em vários países do mundo, naquela época, e que, em parte, se assemelha ao regime da escravidão de negros africanos, que vigorava, por exemplo, no Brasil e nos Estados Unidos. Por sua temática, o livro teria particular interesse para uma instituição que porta um nome consagrado à luta e à resistência dos povos escravizados: o Quilombo dos Palmares.

Ressalte-se, além disso, que o romance Almas mortas está traduzido e publicado, talvez, em todo o planeta. Trata-se de um consagrado clássico da literatura mundial e constitui uma herança histórica e cultural da humanidade. Para nos mantermos na esfera estritamente protocolar.

Portanto, como entender a exclusão dessa obra da biblioteca da Fundação Palmares? Posso apenas especular que decorre do fato de se tratar de um livro russo. Pois, no tempo da ditadura militar e civil, anterior à atual, coisas desse tipo eram comuns. Nem eram necessários argumentos. Porém, agora, há um agravante: em nosso tempo, contra os russos, em geral, vigora um preconceito em boa parte semelhante ao que existia contra os judeus, no fim do século 19 e início do século 20. Lembremo-nos da antiga polêmica dos “Protocolos de Sião”, entre outras. Para mim, parece algo como os “hackers russos” e a infinita série de conspirações e envenenamentos, jamais provados.

No entanto, posso cogitar outro motivo. Costumamos associar a escravidão, e a servidão, a uma ordem social arcaica, de características feudais, alheia à nossa época moderna e democrática. Porém, ao observarmos a “modernização” das leis trabalhistas implementadas no Brasil e em muitos países, a uberização, os contratos temporários etc., podemos até pensar que a escravidão e a servidão, com nova feição e vocabulário moderno (de preferência, em inglês), constituem uma espécie de desejo recalcado, uma espécie de tara secreta, da ordem capitalista, democrática, liberal. Afinal, mesmo mortas, as almas podem ser vendidas e hipotecadas, com boa taxa de lucro. Como nos mostra Nikolai Gógol.

*Rubens Figueiredo, escritor e tradutor, é autor de O livro dos lobos (Companhia das Letras).

 

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Como mentir com estatísticascadeira 51 18/05/2024 Por AQUILES MELO: Os números apresentados pelo governo federal aos servidores da educação em greve mais confundem do que explicam, demonstrando, assim, desinteresse na resolução do problema
  • A “multipolaridade” e o declínio crônico do OcidenteJosé Luís Fiori 17/05/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A defesa da multipolaridade será cada vez mais a bandeira dos países e dos povos que se insurgem neste momento contra o imperium militar global exercido pelo Ocidente
  • A hora da estrela – trinta e nove anos depoisclareice 20/05/2024 Por LEANDRO ANTOGNOLI CALEFFI: Considerações sobre o filme de Suzana Amaral, em exibição nos cinemas
  • A liberdade fake e o Marquês de SadeEugenio Bucci 18/05/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: A liberdade fake, a liberdade sádica, que no fundo é a negação de toda liberdade, está levando o Brasil ao naufrágio total
  • De Hermann Cohen a Hannah Arendtcultura barcos a vela 18/05/2024 Por ARI MARCELO SOLON: Comentário sobre o livro de Miguel Vatter
  • Razões para o fim da greve nas Universidade Federaisbancos 16/05/2024 Por TADEU ALENCAR ARRAIS: A nova proposta do Governo Federal anunciada dia 15 de maio merece debate sobre continuar ou não a greve
  • A universidade operacionalMarilena Chauí 2 13/05/2024 Por MARILENA CHAUI: A universidade operacional, em termos universitários, é a expressão mais alta do neoliberalismo
  • A greve nas universidades e institutos federais não…caminho tempo 17/05/2024 Por GRAÇA DRUCK & LUIZ FILGUEIRAS: As forças de esquerda e democráticas precisam sair da passividade, como que esperando que Lula e o seu governo, bem como o STF resolvam os impasses políticos
  • Depois do dilúvioTarso Genro 20/05/2024 Por TARSO GENRO: Um cavaleiro apocalíptico, três negacionismos e muitos funerais
  • O cavalo Caramelocavalo caramelo 15/05/2024 Por LEONARDO BOFF: Há que se admitir que nós não temos respeitado os direitos da natureza com seu valor intrínseco, nem posto sob controle nossa voracidade de devastá-la

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES