Os apoiadores de Bolsonaro

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por ANDRÉ SINGER*

Análise e comentário das pesquisas de opinião acerca da popularidade do presidente.

A última pesquisa do instituto Datafolha, realizada no dia 27 de abril, mostrou um quadro novo, uma perda do apoio ao presidente Bolsonaro nos segmentos de renda mais alta. Mais precisamente no setor de renda acima de 10 salários mínimos e, em parte, também no setor com renda familiar mensal entre 5 e 10 salários mínimos.

Esses dados confirmam o que se podia antever já em meados de março, quando começaram os panelaços contra o presidente. A partir daquele momento o presidente começou a participar de manifestações que pedem o fechamento do Congresso e do Supremo Tribunal Federal. Na ocasião a pandemia já havia chegado ao Brasil e a orientação do Ministério da Saúde recomendava evitar aglomerações. O presidente participou de três manifestações desse tipo em Brasília.

Além de adotar uma atitude de desrespeito às orientações do comando do Ministério da Saúde (antes das trocas de ministros), indicações que seguem as recomendações da Organização Mundial da Saúde, o presidente incentivou manifestações de caráter antidemocrático.

Depois disso, esta perda de apoio entre os seguimentos de renda mais alta se acentuou com a renúncia do ministro da Justiça Sérgio Moro que saiu do cargo denunciando pressões do presidente para interferir politicamente na Polícia Federal. Esses segmentos, importantes para a eleição do presidente Bolsonaro em 2018 começaram nitidamente a se afastar dele.

Muitos apontaram para uma transferência da base de apoio, com a possível adesão de segmentos populares ao presidente Bolsonaro. De fato, essa pesquisa do Datafolha, realizada no dia 27 de abril, registrou um pequeno aumento de apoio a ele entre os mais pobres. Isso quando se compara com a pesquisa da véspera do primeiro turno de 2018. Trata-se de um aumento de cinco pontos percentuais, muito próximo da margem de erro, se é que não está dentro da margem de erro, porque agora as pesquisas são telefônicas.

Essa mudança de metodologia – imposta pela pandemia – diminuiu a confiabilidade dessa comparação, que precisa então ser relativizada. É útil fazê-la, mas quando a diferença numérica é pequena como neste caso – sobretudo em relação aos eleitores com renda familiar mensal de até dois salários mínimos – a comparação não é conclusiva.

Por enquanto o que temos é a hipótese, que pode se confirmar ou não, de que o auxílio de R$600 para os setores que estão sendo afetados gravemente pela diminuição da intensidade das atividades econômicas pode ter gerado esse aumento de apoio ao presidente Bolsonaro.

A indagação que fica em suspenso – e deve ser objeto de análise mais adiante – é sobre o que irá acontecer quando esse auxílio for interrompido, já que ele foi previsto para durar apenas três meses.

O que cabe assinalar neste momento é a presença de uma pequena oscilação nos números de apoio ao presidente na faixa de menor renda. A parcela da população com maior renda constitui ainda o setor em que o apoio ao presidente Bolsonro é mais forte. Seu apoio é de 40% entre os entrevistados com renda familiar mensal com mais de dez salários mínimos. Ele obtém também um apoio considerável entre eleitores com renda familiar mensal de dois a cinco salários mínimos. É importante acompanhar esse conjunto de dados nas próximas pesquisas.

*André Singer é professor titular do Departamento de Ciência Política da USP. Autor, entre outros livros, de Os sentidos do lulismo (Companhia das Letras).

Artigo estabelecido a partir de entrevista concedida a Gustavo Xavier na rádio USP.

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Sobre a ignorância artificialEugenio Bucci 15/06/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: Hoje, a ignorância não é uma casa inabitada, desprovida de ideias, mas uma edificação repleta de baboseiras desarticuladas, uma gosma de densidade pesada que ocupa todos os espaços
  • Franz Kafka, espírito libertárioFranz Kafka, espírito libertário 13/06/2024 Por MICHAEL LÖWY: Notas por ocasião do centenário da morte do escritor tcheco
  • A sociedade da história mortasala de aula parecida com a da história usp 16/06/2024 Por ANTONIO SIMPLICIO DE ALMEIDA NETO: A disciplina de história foi inserida numa área genérica chamada de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas e, por fim, desapareceu no ralo curricular
  • Fortalecer o PROIFESsala de aula 54mf 15/06/2024 Por GIL VICENTE REIS DE FIGUEIREDO: A tentativa de cancelar o PROIFES e, ao mesmo tempo, fechar os olhos para os erros da direção da ANDES é um desserviço à construção de um novo cenário de representação
  • Carta ao presidenteLula 59mk,g 18/06/2024 Por FRANCISCO ALVES, JOÃO DOS REIS SILVA JÚNIOR & VALDEMAR SGUISSARDI: “Concordamos plenamente com V. Exa. quando afirma e reafirma que ‘Educação é investimento, não é gasto’”
  • A armadilha de Volodymyr Zelenskystar wars 15/06/2024 Por HUGO DIONÍSIO: Quer Zelensky consiga o seu copo cheio – a entrada dos EUA na guerra – ou seu copo meio cheio – a entrada da Europa na guerra –, qualquer das soluções é devastadora para as nossas vidas
  • A PEC-65: independência ou patrimonialismo no Banco Central?campos neto cavalo de troia 17/06/2024 Por PEDRO PAULO ZAHLUTH BASTOS: O que Roberto Campos Neto propõe é a emenda constitucional do almoço grátis para a futura elite do Banco Central
  • Introdução a “O capital” de Karl Marxcultura vermelho triangular 02/06/2024 Por ELEUTÉRIO F. S. PRADO: Comentário sobre o livro de Michael Heinrich
  • Hélio Pellegrino, 100 anosHelio Pellegrino 14/06/2024 Por FERNANDA CANAVÊZ & FERNANDA PACHECO-FERREIRA: Na vasta elaboração do psicanalista e escritor, ainda há um aspecto pouco explorado: a luta de classes na psicanálise
  • O melancólico fim do Estadãocarros abandonados 17/06/2024 Por JULIAN RODRIGUES: Péssima notícia: o quase sesquicentenário diário paulista ( e melhor jornal brasileiro) definha aceleradamente

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES