Terremotos

Imagem: Kendall Hoopes
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por HERALDO CAMPOS*

O Brasil não está imune a tremores provocados por falhas geológicas

“Não é na resignação, mas na rebeldia em face das injustiças que nos afirmaremos” (Paulo Freire).

Parte de feixe de falhas geológicas, alinhado na direção nordeste, em recorte do mapa hidrogeoquímico da região do Vale do Paraíba e Litoral Norte do Estado de São Paulo (Campos, 1993).[1]

“Os popularmente chamados terremotos, tremores de terra ou abalos sísmicos podem ser originados, simplificadamente, por três diferentes processos. Podem ocorrer devido à evolução de cavidades no subsolo através da dissolução das rochas pelas águas subterrâneas, provocando afundamentos ou desmonoramentos na forma de colapsos catastróticos como os que aconteceram em 1986 em Cajamar (SP)”.

“Outro tipo de terremoto pode estar associado às atividades vulcânicas. Um terceiro tipo é motivado pela separação das placas continentais que acabam se chocando umas com as outras”.[2]

Além desses três tipos mencionados, poderia ser acrescentado um quarto tipo, como sendo aqueles terremotos que ocorreram na última semana de agosto de 2020 “(…) na região do Recôncavo Baiano, que atingiram até 4,6 na Escala Richter. As imagens da mercadoria caindo das prateleiras de um supermercado nessa área dos abalos sísmicos chegaram a assustar. Na cidade de São Miguel das Matas as casas atingidas pelos tremores apresentaram várias rachaduras.

As falhas geológicas quando reativadas são as principais responsáveis pelos terremotos.

Apesar do Vale do Paraíba e do Litoral Norte do Estado de São Paulo estarem cerca de 2.000 km de distância dessa região, existe um fator em comum entre elas que é a direção nordeste na qual se encontram alinhadas as falhas geológicas, mesmo que representem compartimentos geológicos e zonas sismogênicas distintas.

Guardadas as devidas ressalvas mencionadas, sobre os compartimentos geológicos e as zonas sismogênicas distintas, para as regiões do Recôncavo Baiano, Vale do Paraíba, Litoral Norte e acrescentando nesse cenário, a Praia de Itaorna em Angra dos Reis (RJ), poderíamos pensar, de maneira bem simplificada, que todas essas regiões estariam assentadas numa grande avenida, com alinhamentos de falhas geológicas de direção nordeste.

Nos anos 1970 e 80 do século passado, a pergunta que se fazia era se o governo militar instalado pelo golpe de 1964 estava preocupado com estudos geológicos desse tipo, que alertavam para as zonas sismogênicas, uma vez que na Praia de Itaorna foram construídas, ao longo dos anos, as usinas nucleares de Angra 1, 2 e 3.[3]

Por outro lado, vi, recentemente, a professora da Universidade de São Paulo, a filósofa Marilena Chauí, numa entrevista na TV. Ela se referiu ao cinismo e a crueldade do messias redentor do último governo federal com o seu famoso “e daí?”, deixando como um dos seus legados, para o país da jaboticaba, o neofascismo e a extrema direita com suas manguinhas para fora.

A destruição das instituições, entre elas as universidades, com a entrega desse importante patrimônio público para o setor privado dar as cartas e ditar as normas do jogo, parece que foram postas na mesa nesse período. Os movimentos sociais, nas suas mais diferentes formas de atuação, podem e têm força para brecar essa tendência nefasta e manjada que aconteceu, principalmente, nas universidades públicas com a aplicação da receita do “sucatear para privatizar” e do “dividir para governar”.

Será que, numa hipótese macabra, tivesse ocorrido um acidente nuclear em Angra dos Reis (RJ) por causa de um terremoto, durante o governo militar existente no período de 2019 a 2022, as populações que habitam esse município e região teriam ouvido um sonoro “e daí?”, como foi durante um bom tempo da pandemia do coronavírus e sem vacina?

Lamentavelmente, essa hipótese não pode ser descartada. Mas, como voltamos a ter um governo que preza o diálogo e a democracia, espera-se que a população angrense tenha treinamento suficiente para saber onde deve ir em caso de algum infortúnio geológico porque, salvo melhor juízo, o ubatubense que vive cerca de 160 km dessa região talvez não saiba o que fazer, nem para onde ir. Terremotos e daí?

*Heraldo Campos, geólogo, é pós-doutorado pelo Departamento de Hidráulica e Saneamento da Escola de Engenharia de São Carlos-USP.

Notas


[1] (Campos, 1993) https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/44/44134/tde-02092013-101042/pt-br.php

[2] Terremotos e dentes. Acervo Folha de 26/09/1993. Caderno Folha Vale. https://acervo.folha.com.br/

[3] Avenida Itaorna https://aterraeredonda.com.br/avenida-itaorna/


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Paulo Fernandes Silveira Marcos Aurélio da Silva Ronald Rocha Caio Bugiato Andrés del Río Henry Burnett Airton Paschoa Claudio Katz Osvaldo Coggiola Henri Acselrad Eleonora Albano Fernão Pessoa Ramos Luiz Carlos Bresser-Pereira João Carlos Loebens Rafael R. Ioris Daniel Brazil Thomas Piketty Leonardo Boff Maria Rita Kehl Dennis Oliveira Ronaldo Tadeu de Souza Elias Jabbour Matheus Silveira de Souza Eliziário Andrade Luciano Nascimento Ladislau Dowbor Berenice Bento Vladimir Safatle André Márcio Neves Soares Milton Pinheiro Marjorie C. Marona Atilio A. Boron Manuel Domingos Neto Anderson Alves Esteves Remy José Fontana Jorge Luiz Souto Maior Mariarosaria Fabris Tales Ab'Sáber Marcos Silva Luis Felipe Miguel Plínio de Arruda Sampaio Jr. Eugênio Trivinho Annateresa Fabris Michel Goulart da Silva José Dirceu Carla Teixeira Francisco de Oliveira Barros Júnior João Lanari Bo Fábio Konder Comparato Afrânio Catani Antônio Sales Rios Neto Heraldo Campos Salem Nasser Renato Dagnino Bernardo Ricupero José Raimundo Trindade Luiz Marques Tadeu Valadares Rubens Pinto Lyra Paulo Nogueira Batista Jr João Adolfo Hansen Paulo Martins Manchetômetro Paulo Capel Narvai Luiz Renato Martins Eugênio Bucci Luiz Roberto Alves Jean Marc Von Der Weid Marilena Chauí Valerio Arcary Sergio Amadeu da Silveira Liszt Vieira Samuel Kilsztajn Julian Rodrigues Igor Felippe Santos Leonardo Avritzer Lucas Fiaschetti Estevez Gilberto Maringoni Andrew Korybko Michael Löwy Slavoj Žižek Daniel Costa Gerson Almeida Leonardo Sacramento Gilberto Lopes Ricardo Musse João Sette Whitaker Ferreira Luiz Bernardo Pericás Priscila Figueiredo Antonio Martins Alexandre de Freitas Barbosa Bruno Machado Alexandre de Lima Castro Tranjan Boaventura de Sousa Santos Luiz Werneck Vianna Eleutério F. S. Prado Tarso Genro Valerio Arcary Jean Pierre Chauvin André Singer Fernando Nogueira da Costa Otaviano Helene Celso Frederico Paulo Sérgio Pinheiro Leda Maria Paulani Lincoln Secco Anselm Jappe Érico Andrade Gabriel Cohn Bruno Fabricio Alcebino da Silva Lorenzo Vitral Alexandre Aragão de Albuquerque Juarez Guimarães Flávio R. Kothe Ari Marcelo Solon Luís Fernando Vitagliano Bento Prado Jr. Francisco Fernandes Ladeira Armando Boito Sandra Bitencourt João Feres Júnior Vanderlei Tenório Ricardo Antunes Luiz Eduardo Soares Dênis de Moraes João Paulo Ayub Fonseca Celso Favaretto Francisco Pereira de Farias Marcus Ianoni Kátia Gerab Baggio José Micaelson Lacerda Morais Eduardo Borges Denilson Cordeiro Chico Alencar Ricardo Abramovay Mário Maestri Ricardo Fabbrini Everaldo de Oliveira Andrade Rodrigo de Faria Chico Whitaker Marcelo Guimarães Lima João Carlos Salles José Machado Moita Neto José Costa Júnior Vinício Carrilho Martinez Michael Roberts Carlos Tautz Jorge Branco Walnice Nogueira Galvão José Luís Fiori José Geraldo Couto Marcelo Módolo Antonino Infranca Daniel Afonso da Silva Marilia Pacheco Fiorillo Yuri Martins-Fontes Benicio Viero Schmidt Ronald León Núñez Flávio Aguiar Alysson Leandro Mascaro

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada