Com açúcar e com afeto

Imagem: Brett Sayles
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JULIAN RODRIGUES*

Considerações sobre Chico Buarque e o feminismo

Pensei muito se deveria meter meu bedelho nessa treta estético-cultural-política. O bom senso recomendaria a qualquer um passar longe. Mas não tive como resistir. Homem gay, articulista, ativista de esquerda com formação em literatura e “chicólatra” de carteirinha. Não deu para ignorar um quase chamado oriundo de tantos dos meus lugares de fala (contém ironia).
Resumindo a coisa: Chico Buarque revelou que não mais cantará “Com açúcar e com afeto” e fez a seguinte observação no documentário O canto livre de Nara Leão, disponível no serviço de streaming das organizações Globo (ainda não vi!): “ela [Nara] me pediu, me encomendou essa música, e falou ‘eu quero agora uma música de mulher sofredora´; ela encomendou e eu fiz, eu gostei de fazer [a canção], a gente não tinha esse problema [as críticas]; as feministas têm razão, vou sempre dar razão às feministas, mas elas precisam compreender que naquela época não existia, não passava pela cabeça da gente que isso era uma opressão”.

Identitarismo? É impossível falar desse tema – mesmo em um artigo jornalístico – sem fincar previamente alguns alicerces. Mesmo que possa parecer uma treta fugaz típica das redes sociais, essa “polêmica” remete a discussões teóricas antigas e bem densas. Qual o papel da arte e da cultura? Qual a relação entre realidade e representação? Como interpretar as obras de arte?

Perdoem-me se não adiro a modinhas. Meu mestre dos mestres – Antonio Candido – ensinou-nos a complexa dialética entre obra, autor e contexto histórico. As lutas feministas, antirracistas, pelas liberdades sexuais e de gênero são constitutivas de todo e qualquer programa de esquerda – seja socialista, comunista, socialdemocrata, reformista ou democrático-popular. Desde Rosa Luxemburgo aprendemos: “por um mundo onde sejamos socialmente iguais, humanamente diferentes e totalmente livres”.

Nós, pessoas de esquerda, progressistas, democratas, petistas, socialistas, comunistas não podemos cair em dois erros ainda infelizmente muito comuns. O primeiro – cada vez mais demodé – contudo presente: desqualificar a luta das mulheres, jovens, negros, LGBT rotulando-as como movimentos que tiram o foco do principal, a luta de classes.

O segundo: nos enredarmos em trilhas modernosas e seguir trends das redes sociais, da mídia hegemônica, dos capitalistas supostamente progressistas. Fato. Tem uma turma que só quer “lacrar” mesmo. Trabalham apenas na esfera da representação, do simbolismo, da afirmação de identidades. São os “neoliberais progressistas”, na definição precisa de Nancy Fraser.

Nada de classes sociais ou redistribuição de renda. A vibe se concentra ganhar espaço para mulheres, negros, LGBT. Um movimento sofisticado feito por boa parte da burguesia, o qual a Rede Globo e muitos empresários antenados com o que ocorre nos EUA vem promovendo.

No universo do ativismo há, entretanto, setores que miram apenas na luta por representatividade – que, sim, é importantíssima. Praticamente ignoram a batalha antissistêmica, pela transformação social, contra a desigualdade. Não fazem nenhuma crítica ao neoliberalismo. Como se as pautas das mulheres, negros, LGBT pudessem ser equacionadas apenas via inserção desses setores no mercado publicitário, programas de TV, séries e filmes, redes sociais, ou, conquista máxima, nos boards das grandes empresas. Não problematizam a exploração e opressão estruturais. Nem têm como perspectiva superar o capitalismo neoliberal.

No Brasil de hoje, por exemplo, o horizonte máximo desses setores é se opor ao bolsonarismo. Grandes empresas capitalistas, que entenderam bem esse novo contexto, mudaram suas estratégias publicitárias. E seguem fazendo o de sempre: seduzir, cooptar e absorver no “sistemão” toda gente talentosa que se destaca do nosso lado.

De um lado, ainda há um tanto de “ortodoxos” da esquerda que ignoram, subestimam, rejeitam ou combatem abertamente essas lutas todas. Recentemente, um dirigente importante do maior partido da esquerda brasileira causou polêmica ao tuitar: “o identitarismo é um erro, pauta importada dos EUA”. Afirmou ele, no mesmo tuíte, que a questão central é a desigualdade e o resto só afasta a esquerda do povão. Ou seja: ele e tantas e tantos outros líderes da esquerda não entendem ou não reconhecem a importância do movimento das mulheres, negros, LGBT.

O movimento feminista e o movimento negro são algo novo, recente, importado artificialmente? O movimento LGBT, com mais de 40 anos, é coisa menor, copiado dos gringos? Como combater a desigualdade social sem reconhecer que a classe trabalhadora tem raça e gênero, mora em lugares diversos, tem idades diferentes, deficiências, orientações sexuais e identidades de gênero plurais?

Por outro lado, o ativismo do movimento negro, feminista, LGBT não pode instaurar uma espécie de tribunal permanente (que valida ou cancela), via redes sociais, pessoas, músicas, filmes, séries, opiniões. Em muitos momentos temos assistido a batalha contra o sistema patriarcal, machista, racista, heteronormativo se transformar em julgamentos e ataques a indivíduos – homens brancos cisgêneros, heterossexuais.

É um tipo de essencialismo, na prática. Como se toda pessoa preta, pobre, LGBT fosse “naturalmente” progressista. É como se homens brancos trabalhadores, ou de classe média, intelectuais, jovens – não sejam ou não possam vir a ser sujeitos das mobilizações e transformações sociais. Não há estratégia ou programa gerais e aglutinadores para articular a batalha contra as opressões. Mas não faltam arrogância e sectarismo.

Fazer um mundo melhor, mais justo, mais igual e diverso só é possível com uma aliança entre todos explorados e oprimidos. Não é só somar demandas particularistas. Trata-se de unir trabalhadores e trabalhadoras, negras e brancos, jovens ou nem tanto, lésbicas, gays, trans, periféricos ou de classe média, camponeses, pequenos proprietários. Enfrentar o patriarcado junto com o racismo estrutural, a heteronormatividade e o neoliberalismo.

Voltando então ao início deste artigo. Não é legal que nosso Chico tenha se convencido de que era necessário cancelar uma de suas músicas. Esse gesto só reforça sua grandeza, delicadeza e comprometimento com um mundo melhor. Não ficou nítido quais “feministas” criticaram a canção (aliás, o feminismo é muito plural). Melhor mesmo é continuar ouvindo o poeta de olhos azuis, sem dar espaço para certas normatizações de rede social, que, no fundo, nada contestam ou transformam.

*Julian Rodrigues, professor e jornalista, é ativista LGBT e dos Direitos Humanos.

Publicado originalmente no site Viomundo.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Flávio Aguiar Paulo Nogueira Batista Jr Michel Goulart da Silva Mariarosaria Fabris Andrew Korybko Walnice Nogueira Galvão Valerio Arcary Ricardo Musse Henry Burnett Jorge Branco Luiz Carlos Bresser-Pereira Gilberto Maringoni Marcos Aurélio da Silva Vladimir Safatle Caio Bugiato Francisco de Oliveira Barros Júnior José Costa Júnior Plínio de Arruda Sampaio Jr. Denilson Cordeiro Priscila Figueiredo Sandra Bitencourt Leonardo Sacramento Luiz Eduardo Soares Eliziário Andrade Rodrigo de Faria Everaldo de Oliveira Andrade Bento Prado Jr. Luiz Marques Luís Fernando Vitagliano Marcos Silva Ricardo Antunes Remy José Fontana Milton Pinheiro Alexandre de Lima Castro Tranjan André Márcio Neves Soares Luiz Bernardo Pericás Antonino Infranca Slavoj Žižek Chico Whitaker Jorge Luiz Souto Maior Carlos Tautz Marcelo Guimarães Lima Eduardo Borges José Luís Fiori Armando Boito Valerio Arcary Luiz Werneck Vianna Bruno Fabricio Alcebino da Silva Manuel Domingos Neto Berenice Bento Luiz Roberto Alves Ronald Rocha Yuri Martins-Fontes Claudio Katz Ricardo Fabbrini José Machado Moita Neto Flávio R. Kothe Vinício Carrilho Martinez Dênis de Moraes Salem Nasser Jean Pierre Chauvin Luciano Nascimento Benicio Viero Schmidt Anderson Alves Esteves Fernando Nogueira da Costa Elias Jabbour Heraldo Campos Francisco Fernandes Ladeira Ricardo Abramovay Paulo Martins João Sette Whitaker Ferreira Kátia Gerab Baggio Celso Favaretto Érico Andrade Lincoln Secco Henri Acselrad Eleonora Albano Ladislau Dowbor Alexandre de Freitas Barbosa Lorenzo Vitral Fábio Konder Comparato Otaviano Helene Eugênio Trivinho Celso Frederico André Singer Gerson Almeida Chico Alencar Ronaldo Tadeu de Souza Thomas Piketty Julian Rodrigues Alysson Leandro Mascaro Fernão Pessoa Ramos Matheus Silveira de Souza Alexandre Aragão de Albuquerque Atilio A. Boron Anselm Jappe Antônio Sales Rios Neto Bernardo Ricupero Bruno Machado Marcelo Módolo José Geraldo Couto Leonardo Avritzer Eleutério F. S. Prado Carla Teixeira Gilberto Lopes Tadeu Valadares Daniel Costa Igor Felippe Santos Mário Maestri João Carlos Salles Manchetômetro Daniel Afonso da Silva Antonio Martins Leda Maria Paulani Osvaldo Coggiola Afrânio Catani Luiz Renato Martins Marilena Chauí Dennis Oliveira Luis Felipe Miguel João Adolfo Hansen João Feres Júnior Annateresa Fabris Eugênio Bucci Boaventura de Sousa Santos Samuel Kilsztajn Francisco Pereira de Farias João Paulo Ayub Fonseca José Raimundo Trindade José Dirceu Maria Rita Kehl Tales Ab'Sáber Jean Marc Von Der Weid Paulo Capel Narvai Renato Dagnino Vanderlei Tenório Andrés del Río Paulo Sérgio Pinheiro Airton Paschoa Gabriel Cohn Rubens Pinto Lyra Tarso Genro Ari Marcelo Solon João Lanari Bo Marjorie C. Marona Rafael R. Ioris Marcus Ianoni Liszt Vieira Juarez Guimarães Ronald León Núñez Leonardo Boff Paulo Fernandes Silveira Sergio Amadeu da Silveira João Carlos Loebens Daniel Brazil Michael Roberts Michael Löwy Lucas Fiaschetti Estevez José Micaelson Lacerda Morais Marilia Pacheco Fiorillo

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada