As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Morte em Veneza – a peça teatral

Dama Bárbara Hepworth, Três formulários, 1969
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por EDUARDO SINKEVISQUE*

Comentário sobre a encenação, em cartaz em São Paulo, por Vinicius Coimbra e Roberto Cordovani

Há um ano mais ou menos, conversei com Roberto Cordovani sobre as idades, sobre o chegar à idade madura, à velhice etc. Roberto me disse que definitivamente faria espetáculos (isso já ocorre há muito) em que ele pudesse dizer essencialmente o que deseja dizer, julgar ter que dizer, dizer o que é imprescindível; segundo sua ética.

Assim se dá em Morte em Veneza que, para além da discussão do amor homo afetivo, encena o debate sobre o belo, a beleza, seus modelos socioculturais, artísticos, humanos, “demasiadamente humanos” num tempo, hoje, em que o padrão de beleza é estabelecido por redes sociais e por intervenções, muitas vezes, cirúrgicas.

Morte em Veneza, um espetáculo mais que pertinente, necessário, põe o expectador frente à discussão sobre o belo em tempos em que o feio, o torpe, parece reinar.

A ação da peça se passa em Veneza, como indicado no nome do espetáculo, mesmo nome do livro, cuja adaptação inédita para o teatro é assinada por Vinicius Coimbra, que também dirige o espetáculo, e Roberto Cordovani, que atua no palco, tendo Guilherme Cabral, em projeção audiovisual, no papel de Tadzio, contracenando com Cordovani no papel do escritor alemão Gustav Von Aschenbach.

A estreia internacional (Morte em Veneza fará carreira viajando pelo Brasil e pelo exterior) foi no dia 21 de abril, no novo Teatro Paiol, em São Paulo.

Em Morte em Veneza, o escritor Gustav Von Aschenbach (Roberto Cordovani) está em crise criativa na sua cidade Munique. Isso ocorre nos primeiros anos do século XX. Gustav decide partir de férias para Veneza.

Gustav Von Aschenbach é rigoroso, obcecado pela perfeição e por atingir a beleza ideal em arte.

Ao chegar a Veneza, hospeda-se em um luxuoso hotel a beira mar. Encontra o jovem Tadzio (Guilherme Cabral). O jovem tem uma beleza natural que, aos olhos do escritor, supera todos os parâmetros por ele já pensados, por ele já definidos em termos de belo artístico, principalmente. Com o passar do tempo, Gustav por observar, tal qual um voyeur, Tadzio em suas atividades físicas, em trajes mínimos, como outros jovens na praia, uma paixão inesperada se instaura no coração do escritor.

As projeções audiovisuais não apenas as que Tadzio aparece, mas as de lugares em Veneza levam a plateia a viajar junto com o protagonista do espetáculo. Não são meras projeções, como pano de fundo ou para contextualizar a ação. Roberto Cordovani passeia por elas, interage com elas, interagindo à maneira do escritor Gustav com Tadzio.

O espetáculo é belo, fazendo jus à discussão temática. Luz, trilha sonora, cenário e, principalmente, figurinos são de muita elegância. A direção encontrou soluções ótimas em um monólogo em que não se tem apenas um ator em cena. As vozes em off, sejam de personagens secundárias, seja quando Gustav está pensando em silêncio, são exemplos de soluções ótimas.

Roberto Cordovani desenha um Gustav Von Aschenbach com todas as nuances de um velho que, ao amar rejuvenesce e que, ao se ver neste delírio e ao adoecer, envelhece mais. É nítido esse processo de rejuvenescer e voltar a envelhecer da personagem, que o talento de Roberto Cordovani põe em carne e osso e em verdade cénica.

A paixão por Tadzio, mais a peste que se dissemina em Veneza, levarão o escritor Gustav à reflexão sobre a tensão entre o artístico e a vida pessoal. Gustav Von Aschenbach vive sentimentos também conflituosos como os de lutar contra a passagem do tempo, entender a decadência do corpo, e a doença, entendida, no espetáculo, como metáfora de um mundo agonizante.

Quem, se não um homem em idade madura, idoso, doente, solitário, frustrado talvez, faria a si mesmo perguntas existenciais sobre a beleza, que não é beleza apenas física, aparente, mas beleza incorpórea, da alma? Gustav Von Aschenbach interroga-se, como quem interroga à vida, ao mudo, critérios para o belo. Seu fascínio sobre a questão incide sobre o jovem Tadzio ganhando proporções muito além do carnal.

Grosso modo, o belo em Platão (340 a. C.) é o ideal da perfeição que só podendo ser contemplado em sua essência por meio de um processo de evolução filosófica e cognitiva do indivíduo por meio da razão, proporcionaria conhecer a verdade harmônica do cosmo. Daí, dizer-se paixão platônica, amor platônico, idealizado, que vive no mundo das ideias e não desceu ainda (quase nunca desce) para o mundo da empiria.

Para Aristóteles (384 a. C), o belo é o bom, o útil, o esplendor da ordem, inerente ao homem.

Nos primeiros anos do século XX, tempo da ação de Morte em Veneza, Thomas Mann para escrever seu romance, adaptado agora para o teatro, vale-se de histórias bíblicas e germânicas, assim como ideias de Goethe, Nietzsche e Schopenauer.

Para Goethe, por exemplo, o belo é uma manifestação de leis secretas da natureza, que, se não se revelassem a nós por meio do belo, permaneceriam eternamente ocultas. Para Nietzsche o belo em si não seria mais que uma miragem ou um ludíbrio, pois se trata de mero espelhamento daquilo que tomamos por belo ou perfeito, ou seja, uma vaidade da espécie.

Em Schopenauer, o belo tem explicação metafísica. O conhecimento do belo se eleva sobre o conhecimento ordinário e o científico, pois esse tem, pelo lado objetivo, os fenômenos relativos e fugazes do princípio de razão, e pelo subjetivo, o sujeito subordinado à vontade. O conhecimento do belo consiste, pelo lado objetivo, nas ideias eternas e arquetípicas de Platão, a objetivação mais adequada possível da vontade, e pelo subjetivo, o puro e atemporal sujeito do conhecimento destituído de vontade e sofrimento.

Em Morte em Veneza, vê-se a euforia e a tentativa de apreensão do belo sublimado, desejo e vontade, delírio; sofrimento e agonia. Gustav Von Aschenbach, na pele, carne, inteligência e sensibilidade de Roberto Cordovani, convida o expectador a refletir sobre a beleza e sobre a projeção dela no humano, para usar novamente um termo de Nietzsche, “demasiadamente humano”.

Morte em Veneza desloca quem assiste ao espetáculo a outros padrões de beleza que não o dos procedimentos estéticos, não o das academias de ginástica, não o padrão de beleza dos filtros do instagram.

*Eduardo Sinkevisque é pós-doutor em teoria literária pelo Instituto de Estudos da Linguagem (IEL) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Referência


Morte em Veneza
Adaptação da novela de Thomas Mann e direção: Vinicius Coimbra.
Adaptação e estruturação teatral: Roberto Cordovani.
Elenco: Roberto Cordovani e Guilherme Cabral.
Vozes off: Debora Olivieri, Ruben Gabira, Vinicius Coimbra.
Trilha Sonora: Sacha Amback.
Cenário: Kerrys Aldalbalde.
Figurinos: Renaldo Machado.
Teatro Paiol – Rua Amaral Gurgel, 164 / São Paulo-SP.
Até 04 de julho. Sextas e sábados às 21:00 hs; domingos às 20:00 hs.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Atilio A. Boron Valério Arcary João Paulo Ayub Fonseca Eugênio Bucci Julian Rodrigues Lincoln Secco Mariarosaria Fabris Marcelo Guimarães Lima Thomas Piketty João Carlos Salles Fernão Pessoa Ramos Luiz Bernardo Pericás José Luís Fiori Anderson Alves Esteves Caio Bugiato Leonardo Sacramento Paulo Sérgio Pinheiro Ricardo Abramovay Jorge Luiz Souto Maior Liszt Vieira Ronald León Núñez Mário Maestri João Sette Whitaker Ferreira Jean Marc Von Der Weid Alexandre Aragão de Albuquerque Fernando Nogueira da Costa Maria Rita Kehl André Singer Marjorie C. Marona Valerio Arcary Osvaldo Coggiola Lucas Fiaschetti Estevez Sergio Amadeu da Silveira Manuel Domingos Neto Flávio Aguiar Daniel Afonso da Silva Flávio R. Kothe Gabriel Cohn Claudio Katz Marcus Ianoni Tarso Genro Leonardo Avritzer Eduardo Borges Francisco Fernandes Ladeira Jean Pierre Chauvin Eleonora Albano João Adolfo Hansen Benicio Viero Schmidt Eleutério F. S. Prado João Carlos Loebens Leda Maria Paulani José Machado Moita Neto Kátia Gerab Baggio Anselm Jappe Luiz Marques Michael Löwy Gerson Almeida Berenice Bento Manchetômetro Antônio Sales Rios Neto Roberto Bueno Renato Dagnino João Feres Júnior Carlos Tautz Luiz Eduardo Soares Michael Roberts Henri Acselrad Chico Alencar Denilson Cordeiro Ari Marcelo Solon Sandra Bitencourt Paulo Capel Narvai Ricardo Fabbrini Marcos Silva Heraldo Campos Roberto Noritomi Vladimir Safatle João Lanari Bo José Micaelson Lacerda Morais Bernardo Ricupero Luiz Roberto Alves Francisco Pereira de Farias Dennis Oliveira Yuri Martins-Fontes Slavoj Žižek Juarez Guimarães Alexandre de Lima Castro Tranjan Armando Boito Paulo Martins Luiz Werneck Vianna Salem Nasser Paulo Fernandes Silveira Antonio Martins Daniel Costa Celso Frederico Ronaldo Tadeu de Souza Alexandre de Freitas Barbosa José Raimundo Trindade Remy José Fontana Luís Fernando Vitagliano Lorenzo Vitral Rodrigo de Faria Ricardo Antunes Rubens Pinto Lyra Ronald Rocha Antonino Infranca Paulo Nogueira Batista Jr Henry Burnett Annateresa Fabris Bento Prado Jr. Chico Whitaker Marilia Pacheco Fiorillo José Dirceu Eugênio Trivinho Eliziário Andrade Plínio de Arruda Sampaio Jr. Tales Ab'Sáber Marilena Chauí Luiz Renato Martins Gilberto Maringoni Boaventura de Sousa Santos Alysson Leandro Mascaro José Costa Júnior Walnice Nogueira Galvão Luiz Costa Lima Celso Favaretto Gilberto Lopes Milton Pinheiro Samuel Kilsztajn Francisco de Oliveira Barros Júnior Igor Felippe Santos Elias Jabbour Otaviano Helene Ricardo Musse Leonardo Boff Marcelo Módolo Andrew Korybko Marcos Aurélio da Silva Luciano Nascimento Luiz Carlos Bresser-Pereira José Geraldo Couto Fábio Konder Comparato Airton Paschoa Everaldo de Oliveira Andrade Rafael R. Ioris Bruno Fabricio Alcebino da Silva Afrânio Catani Vinício Carrilho Martinez Dênis de Moraes Ladislau Dowbor Bruno Machado Carla Teixeira Érico Andrade Luis Felipe Miguel Priscila Figueiredo Daniel Brazil Tadeu Valadares Vanderlei Tenório Jorge Branco André Márcio Neves Soares

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada