Morte em Veneza – a peça teatral

Dama Bárbara Hepworth, Três formulários, 1969
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por EDUARDO SINKEVISQUE*

Comentário sobre a encenação, em cartaz em São Paulo, por Vinicius Coimbra e Roberto Cordovani

Há um ano mais ou menos, conversei com Roberto Cordovani sobre as idades, sobre o chegar à idade madura, à velhice etc. Roberto me disse que definitivamente faria espetáculos (isso já ocorre há muito) em que ele pudesse dizer essencialmente o que deseja dizer, julgar ter que dizer, dizer o que é imprescindível; segundo sua ética.

Assim se dá em Morte em Veneza que, para além da discussão do amor homo afetivo, encena o debate sobre o belo, a beleza, seus modelos socioculturais, artísticos, humanos, “demasiadamente humanos” num tempo, hoje, em que o padrão de beleza é estabelecido por redes sociais e por intervenções, muitas vezes, cirúrgicas.

Morte em Veneza, um espetáculo mais que pertinente, necessário, põe o expectador frente à discussão sobre o belo em tempos em que o feio, o torpe, parece reinar.

A ação da peça se passa em Veneza, como indicado no nome do espetáculo, mesmo nome do livro, cuja adaptação inédita para o teatro é assinada por Vinicius Coimbra, que também dirige o espetáculo, e Roberto Cordovani, que atua no palco, tendo Guilherme Cabral, em projeção audiovisual, no papel de Tadzio, contracenando com Cordovani no papel do escritor alemão Gustav Von Aschenbach.

A estreia internacional (Morte em Veneza fará carreira viajando pelo Brasil e pelo exterior) foi no dia 21 de abril, no novo Teatro Paiol, em São Paulo.

Em Morte em Veneza, o escritor Gustav Von Aschenbach (Roberto Cordovani) está em crise criativa na sua cidade Munique. Isso ocorre nos primeiros anos do século XX. Gustav decide partir de férias para Veneza.

Gustav Von Aschenbach é rigoroso, obcecado pela perfeição e por atingir a beleza ideal em arte.

Ao chegar a Veneza, hospeda-se em um luxuoso hotel a beira mar. Encontra o jovem Tadzio (Guilherme Cabral). O jovem tem uma beleza natural que, aos olhos do escritor, supera todos os parâmetros por ele já pensados, por ele já definidos em termos de belo artístico, principalmente. Com o passar do tempo, Gustav por observar, tal qual um voyeur, Tadzio em suas atividades físicas, em trajes mínimos, como outros jovens na praia, uma paixão inesperada se instaura no coração do escritor.

As projeções audiovisuais não apenas as que Tadzio aparece, mas as de lugares em Veneza levam a plateia a viajar junto com o protagonista do espetáculo. Não são meras projeções, como pano de fundo ou para contextualizar a ação. Roberto Cordovani passeia por elas, interage com elas, interagindo à maneira do escritor Gustav com Tadzio.

O espetáculo é belo, fazendo jus à discussão temática. Luz, trilha sonora, cenário e, principalmente, figurinos são de muita elegância. A direção encontrou soluções ótimas em um monólogo em que não se tem apenas um ator em cena. As vozes em off, sejam de personagens secundárias, seja quando Gustav está pensando em silêncio, são exemplos de soluções ótimas.

Roberto Cordovani desenha um Gustav Von Aschenbach com todas as nuances de um velho que, ao amar rejuvenesce e que, ao se ver neste delírio e ao adoecer, envelhece mais. É nítido esse processo de rejuvenescer e voltar a envelhecer da personagem, que o talento de Roberto Cordovani põe em carne e osso e em verdade cénica.

A paixão por Tadzio, mais a peste que se dissemina em Veneza, levarão o escritor Gustav à reflexão sobre a tensão entre o artístico e a vida pessoal. Gustav Von Aschenbach vive sentimentos também conflituosos como os de lutar contra a passagem do tempo, entender a decadência do corpo, e a doença, entendida, no espetáculo, como metáfora de um mundo agonizante.

Quem, se não um homem em idade madura, idoso, doente, solitário, frustrado talvez, faria a si mesmo perguntas existenciais sobre a beleza, que não é beleza apenas física, aparente, mas beleza incorpórea, da alma? Gustav Von Aschenbach interroga-se, como quem interroga à vida, ao mudo, critérios para o belo. Seu fascínio sobre a questão incide sobre o jovem Tadzio ganhando proporções muito além do carnal.

Grosso modo, o belo em Platão (340 a. C.) é o ideal da perfeição que só podendo ser contemplado em sua essência por meio de um processo de evolução filosófica e cognitiva do indivíduo por meio da razão, proporcionaria conhecer a verdade harmônica do cosmo. Daí, dizer-se paixão platônica, amor platônico, idealizado, que vive no mundo das ideias e não desceu ainda (quase nunca desce) para o mundo da empiria.

Para Aristóteles (384 a. C), o belo é o bom, o útil, o esplendor da ordem, inerente ao homem.

Nos primeiros anos do século XX, tempo da ação de Morte em Veneza, Thomas Mann para escrever seu romance, adaptado agora para o teatro, vale-se de histórias bíblicas e germânicas, assim como ideias de Goethe, Nietzsche e Schopenauer.

Para Goethe, por exemplo, o belo é uma manifestação de leis secretas da natureza, que, se não se revelassem a nós por meio do belo, permaneceriam eternamente ocultas. Para Nietzsche o belo em si não seria mais que uma miragem ou um ludíbrio, pois se trata de mero espelhamento daquilo que tomamos por belo ou perfeito, ou seja, uma vaidade da espécie.

Em Schopenauer, o belo tem explicação metafísica. O conhecimento do belo se eleva sobre o conhecimento ordinário e o científico, pois esse tem, pelo lado objetivo, os fenômenos relativos e fugazes do princípio de razão, e pelo subjetivo, o sujeito subordinado à vontade. O conhecimento do belo consiste, pelo lado objetivo, nas ideias eternas e arquetípicas de Platão, a objetivação mais adequada possível da vontade, e pelo subjetivo, o puro e atemporal sujeito do conhecimento destituído de vontade e sofrimento.

Em Morte em Veneza, vê-se a euforia e a tentativa de apreensão do belo sublimado, desejo e vontade, delírio; sofrimento e agonia. Gustav Von Aschenbach, na pele, carne, inteligência e sensibilidade de Roberto Cordovani, convida o expectador a refletir sobre a beleza e sobre a projeção dela no humano, para usar novamente um termo de Nietzsche, “demasiadamente humano”.

Morte em Veneza desloca quem assiste ao espetáculo a outros padrões de beleza que não o dos procedimentos estéticos, não o das academias de ginástica, não o padrão de beleza dos filtros do instagram.

*Eduardo Sinkevisque é pós-doutor em teoria literária pelo Instituto de Estudos da Linguagem (IEL) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Referência


Morte em Veneza
Adaptação da novela de Thomas Mann e direção: Vinicius Coimbra.
Adaptação e estruturação teatral: Roberto Cordovani.
Elenco: Roberto Cordovani e Guilherme Cabral.
Vozes off: Debora Olivieri, Ruben Gabira, Vinicius Coimbra.
Trilha Sonora: Sacha Amback.
Cenário: Kerrys Aldalbalde.
Figurinos: Renaldo Machado.
Teatro Paiol – Rua Amaral Gurgel, 164 / São Paulo-SP.
Até 04 de julho. Sextas e sábados às 21:00 hs; domingos às 20:00 hs.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Franz Kafka, espírito libertárioFranz Kafka, espírito libertário 13/06/2024 Por MICHAEL LÖWY: Notas por ocasião do centenário da morte do escritor tcheco
  • A sociedade da história mortasala de aula parecida com a da história usp 16/06/2024 Por ANTONIO SIMPLICIO DE ALMEIDA NETO: A disciplina de história foi inserida numa área genérica chamada de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas e, por fim, desapareceu no ralo curricular
  • Sobre a ignorância artificialEugenio Bucci 15/06/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: Hoje, a ignorância não é uma casa inabitada, desprovida de ideias, mas uma edificação repleta de baboseiras desarticuladas, uma gosma de densidade pesada que ocupa todos os espaços
  • Um olhar sobre a greve das federais de 2024lula haddad 20/06/2024 Por IAEL DE SOUZA: Com alguns meses de governo, comprovou-se o estelionato eleitoral de Lula, acompanhado do seu “fiel escudeiro”, o Ministro da Fazenda, Fernando Haddad
  • Carta ao presidenteLula 59mk,g 18/06/2024 Por FRANCISCO ALVES, JOÃO DOS REIS SILVA JÚNIOR & VALDEMAR SGUISSARDI: “Concordamos plenamente com V. Exa. quando afirma e reafirma que ‘Educação é investimento, não é gasto’”
  • Retomar o caminho da esperançafim de tarde 21/06/2024 Por JUAREZ GUIMARÃES & MARILANE TEIXEIRA: Cinco iniciativas que podem permitir às esquerdas e centro-esquerdas brasileiras retomarem o diálogo com a esperança majoritária dos brasileiros
  • Chico Buarque, 80 anoschico 19/06/2024 Por ROGÉRIO RUFINO DE OLIVEIRA: A luta de classes, universal, particulariza-se no requinte da intenção construtiva, na tônica de proparoxítonas proletárias
  • Por que estamos em greve?estátua 50g 20/06/2024 Por SERGIO STOCO: Chegamos a uma situação de penúria das instituições de ensino federal
  • Manual teológico do neopentecostalismo neoliberaljesus salva 22/06/2024 Por LEONARDO SACRAMENTO: A teologia transformou-se em coaching ou fomentador da disputa entre trabalhadores no mundo do trabalho
  • Oportunismo, doença infantil do esquerdismocadeira 5 18/06/2024 Por HERLON MIGUEL: Considerações sobre a greve na Universidade Federal da Bahia

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES