Um alívio para Julian Assange

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por TARIQ ALI

O sistema judicial britânico tem um histórico horripilante quando se trata de lidar com “inimigos do Estado”. Isto é porque ele foi criado para ser um inimigo do povo

A decisão do Supremo Tribunal de permitir que Julian Assange recorra de sua extradição pendente é uma vitória importante, ainda que parcial. Os juízes estão conscientes de que, na verdade, ele não tem um caso para responder. A acusação dos EUA de “espionagem” é um disparate flagrante. O fato de ainda não ter sido rejeitada e Julian Assange libertado é um sinal da subordinação generalizada do Reino Unido aos interesses americanos.

Todo o crédito deve ser dado à campanha internacional para libertá-lo – em particular, à firme determinação de sua mulher, Stella Assange – e à desconstrução forense incontestável de Nils Melzer de todo este caso sórdido. O The New York Times e o Guardian, ambos barômetros da opinião obsequiosa, reconheceram o absurdo das acusações. Até mesmo a classe política australiana, normalmente servil, votou para exigir sua libertação. (“A história”, escreveu Engels, “é feita de tal forma que o resultado final surge sempre de conflitos entre muitas vontades individuais, cada uma das quais, por sua vez, tornou-se o que é por uma série de condições particulares de vida”).

O único “crime” de Julian Assange foi expor um crime. Tornar disponíveis as provas das brutalidades dos EUA no Iraque. E ele só pôde fazer isso porque Chelsea Manning lhe forneceu o explosivo vídeo “Collateral Murder” além de outras informações vitais. Desde então, ela recuperou a liberdade, enquanto Julian Assange continua apodrecendo em Belmarsh. Em primeiro lugar, um Ministério Público imparcial não o teria perseguido. Em 2013, os suecos estavam dispostos a abandonar o caso. Mas o Ministério Público [Crown Prosecution Service], liderado por Starmer, pediu-lhes que o mantivessem aberto.

Ele e seus colaboradores voaram para os EUA, onde conspiraram com a administração de Barack Obama – embora os documentos relacionados com estas viagens tenham sido escondidos ou destruídos. Tal como criminosos convictos, Starmer e seus colegas não queriam que qualquer detalhe vazasse ao público. Que este sujeito seja agora o chamado “Líder da Oposição” – aplaudido pelo establishment por ter se livrado do grupo de Corbyn, restaurado a velha guarda blairista e apoiado o genocídio israelense – não é de surpreender. Seu treinamento para se tornar o próximo primeiro-ministro aceitável começou com a incriminação de Julian Assange.

Outra decisão terrível e vingativa foi a de manter Julian Assange fechado numa instalação de segurança máxima, com períodos prolongados de confinamento solitário que equivalem a uma autêntica tortura. A explicação oficial foi que ele não pagou a fiança, o que poderia explicar a recusa em libertá-lo; mas uma prisão aberta, como as que são utilizadas para manter criminosos financeiros, teria sido certamente suficiente. A verdadeira razão era que os serviços secretos queriam que ele fosse castigado e humilhado. Como resultado, o jornalista do WikiLeaks está tão doente que não pôde comparecer às duas últimas audiências em tribunal. Será que esperam que ele morra antes do último recurso?

Há cinco anos, de sua cela na prisão, Assange escreveu a um amigo: “Estou intacto, embora literalmente rodeado de assassinos, mas os dias em que eu podia ler, falar e me organizar para defender a mim mesmo, meus ideais e minha gente acabaram! Todas as pessoas devem tomar meu lugar. Estou indefeso e conto com você e com outros de bom caráter para salvarem a minha vida… A verdade, em última análise, é tudo o que temos”.

A verdade por si só nunca é suficiente, especialmente neste mundo vil de padrões duplos do Ocidente. O sistema judicial britânico tem um histórico horripilante quando se trata de lidar com “inimigos do Estado”. Isto é porque ele foi criado para ser um inimigo do povo.

*Tariq Ali é jornalista, historiador e escritor. Autor, entre outros livros, de Confronto de fundamentalismos (Record). [https://amzn.to/3Q8qwYg]

Tradução: Fernando Lima das Neves.

Publicado originalmente no blog da New Left Review.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Sobre a ignorância artificialEugenio Bucci 15/06/2024 Por EUGÊNIO BUCCI: Hoje, a ignorância não é uma casa inabitada, desprovida de ideias, mas uma edificação repleta de baboseiras desarticuladas, uma gosma de densidade pesada que ocupa todos os espaços
  • Franz Kafka, espírito libertárioFranz Kafka, espírito libertário 13/06/2024 Por MICHAEL LÖWY: Notas por ocasião do centenário da morte do escritor tcheco
  • A sociedade da história mortasala de aula parecida com a da história usp 16/06/2024 Por ANTONIO SIMPLICIO DE ALMEIDA NETO: A disciplina de história foi inserida numa área genérica chamada de Ciências Humanas e Sociais Aplicadas e, por fim, desapareceu no ralo curricular
  • Fortalecer o PROIFESsala de aula 54mf 15/06/2024 Por GIL VICENTE REIS DE FIGUEIREDO: A tentativa de cancelar o PROIFES e, ao mesmo tempo, fechar os olhos para os erros da direção da ANDES é um desserviço à construção de um novo cenário de representação
  • Carta ao presidenteLula 59mk,g 18/06/2024 Por FRANCISCO ALVES, JOÃO DOS REIS SILVA JÚNIOR & VALDEMAR SGUISSARDI: “Concordamos plenamente com V. Exa. quando afirma e reafirma que ‘Educação é investimento, não é gasto’”
  • A armadilha de Volodymyr Zelenskystar wars 15/06/2024 Por HUGO DIONÍSIO: Quer Zelensky consiga o seu copo cheio – a entrada dos EUA na guerra – ou seu copo meio cheio – a entrada da Europa na guerra –, qualquer das soluções é devastadora para as nossas vidas
  • A PEC-65: independência ou patrimonialismo no Banco Central?campos neto cavalo de troia 17/06/2024 Por PEDRO PAULO ZAHLUTH BASTOS: O que Roberto Campos Neto propõe é a emenda constitucional do almoço grátis para a futura elite do Banco Central
  • Introdução a “O capital” de Karl Marxcultura vermelho triangular 02/06/2024 Por ELEUTÉRIO F. S. PRADO: Comentário sobre o livro de Michael Heinrich
  • Hélio Pellegrino, 100 anosHelio Pellegrino 14/06/2024 Por FERNANDA CANAVÊZ & FERNANDA PACHECO-FERREIRA: Na vasta elaboração do psicanalista e escritor, ainda há um aspecto pouco explorado: a luta de classes na psicanálise
  • O melancólico fim do Estadãocarros abandonados 17/06/2024 Por JULIAN RODRIGUES: Péssima notícia: o quase sesquicentenário diário paulista ( e melhor jornal brasileiro) definha aceleradamente

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES