As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

As tarefas de Lula

El Lissitzky, Novo Homem, 1923
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por TARSO GENRO*

Moderação, reforma e revolução, estão fundidas hoje na figura de Lula

Depois do Chile: no Ano Novo, eleger Lula é dever político e moral com os semelhantes. É a partir da sua vitória que vamos remover as carcaças do mal instaladas, tanto pelos ingênuos, como pelos falsos enganados da História.

Esta tarefa é concreta e presente, pois a era Bolsonaro deixa um cometa de mentiras e fome, uma galáxia de ódio disseminado na vida comum e uma decomposição moral e política do Estado Brasileiro sem precedentes, além de desnudar o caráter de pessoas que nos pareciam normais e revelar o profundo ódio de classe, contido no consciente e no inconsciente de parcelas significativas da sociedade brasileira. O clímax desta tragédia histórica é a ampliação da canalhice, indiferente à vida das crianças do Brasil, com o atraso da sua vacinação em massa. Quem não se indigna com isso não merece respeito, nem ser nomeado como mero “adversário.”

“Sempre que folheava livros de estética, tinha a desconfortável sensação de estar lendo obras de astrônomos que nunca contemplavam as estrelas”. O aforismo de Borges, na sua conferência “O enigma da poesia”, sempre me faz lembrar que muita gente como nós, ao tentar decifrar a realidade política, para compreendê-la e dar-lhe algum sentido (quando buscamos conforto nas grandes cabeças políticas da Humanidade), ficamos com a sensação revelada por Borges, sobre os estetas: parecemos astrônomos que nunca observaram as estrelas e assim deixamos de vê-las como presente.

O grande enigma do intérprete militante da política é sempre o mesmo: o que devo dizer para quem está formando opinião e quais as palavras que devo usar. para agregar em torno do principal, não me desvincular de quem já concorda comigo, pois a política não deve ser um “jogo de soma zero”? Diferentemente do erro – no texto analítico de um poema – (ou da poesia como gênero) quando ficamos bloqueados num movimento da política, não podemos simplesmente resolver a questão com uma metáfora brilhante. As boas análises poéticas podem ser valorizadas por metáforas, mas as boas interpretações da política raramente o são.

As metáforas políticas nos grandes momentos da História podem se tornar tão infames como algumas alegações de arrependimento posterior, na beira do abismo, à beira do inferno. Mesmo que todos tenham ouvido “ele” dizer que veio para “matar” e “destruir”, um intérprete pode dizer – com toda a sua dignidade calhorda – que “foi enganado”. Ele não diz que “quis ser enganado” e que supunha ter alguma contrapartida a algum desejo seu, que supostamente deveria ser satisfeito: os “enganados” na política são vítimas da razão, no seu lado perverso, pois ela suprime da política a urgência da paixão e a poesia, para nos aproximar de uma utopia, mais (ou menos) possível.

Prossigo com Borges. Ele me lembra também que os estetas avaliavam a poesia como se ela fosse uma “tarefa” e “não o que é em realidade, uma paixão e um prazer!” É possível, assim, trazer Borges para os limites tépidos que às vezes separam a poesia e a política: a política feita com paixão e prazer tem mais possibilidades de dar certo do que a política cumprida como tarefa pura da razão. A política que sempre me interessou sempre foi aquela que poderia ser, ao mesmo tempo racional e fundar-se no instinto e no compromisso. Nunca me seduziram as interpretações puramente economicistas da política, nem aquelas que erguem muros irremovíveis entre adversários de boa fé.

Apoio Lula, não porque ele seja o único capaz de mudar o Brasil, que tem Haddad, Boulos, Dino , Marina, Requião, como teve Covas e Brizola e outros tantos nomes dignos, mas que por uma razão política e moral conjugo com o seguinte percurso “interpretativo”, originário de como vejo meus semelhantes: só pode criar no povo motivações para mudanças radicais na produção e no modo de vida, quem – tendo condições de vencer a eleição – diz claramente que vai salvar vidas de crianças, porque vai combater a fome, porque que vai levar os jovens e as crianças para escola e também ensejar que as famílias se alimentem três vezes ao dia. E logo!

O que decorre desta proposta são tarefas gigantescas de política externa, segurança, soberania nacional, recomposição das funções públicas do Estado, brutalmente maculadas pelo fascismo, políticas sociais e culturais de disseminação da solidariedade e da busca de caminhos para a emancipação. São tarefas que não dependem apenas de uma eleição, mas de um complexo processo de mudanças tecnológicas, nas relações entre as classes sociais, dos indivíduos entre si e destes com a natureza. Moderação, reforma e revolução, estão fundidas hoje na figura de Lula, pois é a partir da sua vitória que vamos remover as carcaças do mal instaladas, tanto pelos ingênuos, como pelos falsos enganados da História recente.

*Tarso Genro foi governador do Estado do Rio Grande do Sul, prefeito de Porto Alegre, ministro da Justiça, ministro da Educação e ministro das Relações Institucionais do Brasil.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Ricardo Musse José Costa Júnior Lorenzo Vitral Luiz Eduardo Soares Anselm Jappe Manuel Domingos Neto Eleonora Albano Luis Felipe Miguel Leda Maria Paulani Luís Fernando Vitagliano Ronald Rocha Plínio de Arruda Sampaio Jr. Paulo Martins Leonardo Boff Jorge Branco Antonio Martins Afrânio Catani Fábio Konder Comparato Rafael R. Ioris Luiz Costa Lima Flávio Aguiar Manchetômetro João Sette Whitaker Ferreira Claudio Katz João Lanari Bo Carlos Tautz Lucas Fiaschetti Estevez Carla Teixeira Mário Maestri Bruno Fabricio Alcebino da Silva Sandra Bitencourt Roberto Noritomi Slavoj Žižek Salem Nasser Osvaldo Coggiola Ladislau Dowbor Ricardo Antunes Luciano Nascimento Leonardo Avritzer Eugênio Bucci Luiz Renato Martins João Paulo Ayub Fonseca Liszt Vieira José Machado Moita Neto Celso Frederico Luiz Bernardo Pericás Leonardo Sacramento Daniel Afonso da Silva Ronald León Núñez Vladimir Safatle Ari Marcelo Solon Tadeu Valadares Anderson Alves Esteves Marcelo Guimarães Lima André Singer Berenice Bento José Micaelson Lacerda Morais Igor Felippe Santos Maria Rita Kehl Heraldo Campos Daniel Costa Antônio Sales Rios Neto Érico Andrade Marcos Aurélio da Silva Tales Ab'Sáber André Márcio Neves Soares Alexandre de Lima Castro Tranjan Valerio Arcary Sergio Amadeu da Silveira Jean Pierre Chauvin Marilia Pacheco Fiorillo Paulo Fernandes Silveira Rodrigo de Faria Caio Bugiato José Luís Fiori Luiz Roberto Alves Annateresa Fabris Francisco de Oliveira Barros Júnior Fernando Nogueira da Costa Alysson Leandro Mascaro Flávio R. Kothe Michael Roberts Francisco Fernandes Ladeira Dennis Oliveira Chico Whitaker Thomas Piketty Vanderlei Tenório Rubens Pinto Lyra Daniel Brazil Chico Alencar Ricardo Fabbrini Jean Marc Von Der Weid Renato Dagnino Yuri Martins-Fontes Valério Arcary Boaventura de Sousa Santos Bruno Machado Jorge Luiz Souto Maior Remy José Fontana Gabriel Cohn Atilio A. Boron Celso Favaretto Michael Löwy Bento Prado Jr. João Carlos Salles Henri Acselrad Everaldo de Oliveira Andrade José Raimundo Trindade Paulo Nogueira Batista Jr Airton Paschoa Dênis de Moraes Eugênio Trivinho Luiz Marques Priscila Figueiredo José Dirceu Elias Jabbour Gilberto Maringoni Marcos Silva João Feres Júnior Paulo Sérgio Pinheiro Marilena Chauí Otaviano Helene Lincoln Secco Ronaldo Tadeu de Souza Luiz Werneck Vianna Tarso Genro Roberto Bueno Marcus Ianoni Ricardo Abramovay Andrew Korybko Antonino Infranca Mariarosaria Fabris Walnice Nogueira Galvão Milton Pinheiro Gerson Almeida Alexandre de Freitas Barbosa Juarez Guimarães Paulo Capel Narvai Kátia Gerab Baggio Benicio Viero Schmidt Gilberto Lopes Vinício Carrilho Martinez Eduardo Borges Marjorie C. Marona Denilson Cordeiro Samuel Kilsztajn Marcelo Módolo Eleutério F. S. Prado Eliziário Andrade Luiz Carlos Bresser-Pereira Armando Boito Alexandre Aragão de Albuquerque Julian Rodrigues João Adolfo Hansen Fernão Pessoa Ramos Bernardo Ricupero Henry Burnett Francisco Pereira de Farias José Geraldo Couto João Carlos Loebens

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada