As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Uma repactuação?

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUIS FELIPE MIGUEL*

Comentário sobre o artigo de Ascânio Seleme publicado no jornal “O Globo”

O infame artigo de O Globo sobre “perdoar o PT” é um dos acontecimentos mais significativos da atual conjuntura política [1]. O sentido do golpe de 2016 foi silenciar de vez o campo popular na política brasileira, a fim de que o desmonte do Estado e dos direitos pudesse avançar com rapidez e sem contratempos. Mesmo uma política de moderação extrema, ciosa dos estreitos limites da transformação social no Brasil, como a do lulismo, era considerada algo a ser extirpado.

Para alcançar esse objetivo, a Constituição foi rasgada várias vezes. Uma presidente legítima foi derrubada. Os abusos da Lava Jato foram aplaudidos. O ex-presidente Lula foi condenado e preso em julgamentos farsescos e ao arrepio da lei. A violência política se agigantou. Os militares foram trazidos de novo para o proscênio da política nacional. Quando chegaram as eleições de 2018, os mesmos que articularam o golpe preferiram apoiar um criminoso intelectualmente incapaz a abrir diálogo com um liberal cauteloso como Fernando Haddad.

Uma aposta de risco. Se Bolsonaro entregou muito do que prometera, com as medidas antipovo e antinação de Guedes, por outro lado mostrou-se danoso, seja por sua incompetência administrativa e intemperança verbal, seja por privilegiar os interesses paroquiais (ou devo dizer “milícias”?) aos quais está associado. Prisioneiro do discurso superficialmente antissistêmico que o projetou, de uma dinâmica de conflito e também de sua própria masculinidade frágil, que o faz ver qualquer compromisso como humilhação, em muitas áreas Bolsonaro mostrou-se disfuncional para grupos que o apoiavam.

A rede Globo é um deles. A rede exige ser chamada a participar da partilha do poder – e, portanto, zela pela manutenção de seus próprios recursos de pressão diante dos governantes. Já Bolsonaro se sente mais confortável com parceiros menos demandantes. Estranhou-se com a rede Globo não apenas por criticar sua programação, destratar seus jornalistas ou repetir bravatas sobre a não renovação da concessão. Bolsonaro diminuiu a participação da rede Globo na verba publicitária do governo; agiu no sentido de beneficiar suas concorrentes, recriando sorteios na TV; atingiu uma fonte de receita importantíssima, no caso da transmissão dos jogos de futebol.

E a Globo sente que não é mais – se é que um dia de fato foi – aquele poder supremo que faz e desfaz presidentes no Brasil. Já havia sido derrotada por Temer. E agora não consegue enquadrar Bolsonaro. Daí o aceno ao PT. O autor é um porta-voz autorizado do império dos irmãos Marinho; não é insensato ler o texto como sendo uma posição oficiosa da empresa.

Não vou me estender sobre os absurdos do artigo. Todas as arbitrariedades cometidas nos últimos anos (o golpe contra Dilma, o lawfare contra Lula) são apresentadas como justas punições aos “malfeitos” petistas. O perdão do PT é condicionado ao abandono, pelo partido, de bandeiras abominadas, como democratização da mídia e participação popular.

As respostas dos petistas ao artigo foram – como serea de se esperar – de indignação. Mas tendo a crer que não foi para eles que o artigo foi escrito – foi para os outros setores da direita interessada em deter Bolsonaro. Eles sabem – como Ascânio Seleme escreveu – que não é possível alcançar esse objetivo sem o apoio militante daqueles que estão à esquerda do centro.

Tentaram, em primeiro lugar, obter esse apoio sem abrir qualquer brecha para que o campo popular tivesse voz. Era a estratégia das “frentes amplas”, em que cabia à esquerda nada mais do que abraçar FHC, Michel Temer e Luciano Huck e assinar manifestos em defesa de valores inefáveis.

Seduziu muita gente, dentro do próprio PT e também do PSol. Mas a oposição enérgica de Lula freou o entusiasmo. Essa oposição, aliada ao fato de que muitos à direita deixaram transparecer que seu objetivo na tal “frente ampla” era negociar em melhores condições uma acomodação com Bolsonaro, desinflou estas iniciativas, que no momento parecem ter caído numa desmoralização sem retorno.

Por isso, O Globo propõe dar um passo à frente. Ele propõe que se aceite, hoje, aquilo com que Lula acenou tantas vezes depois do golpe, quando se lançou candidato, e que reiterou ao colocar Fernando Haddad como seu substituto: uma repactuação que readmita a centro-esquerda como participante do jogo político, pagando o preço da aceitação da maior parte dos retrocessos dos últimos anos.

Não acho que seja uma boa saída. Mas o fato é que o principal conglomerado da imprensa burguesa está propondo, para seu campo, essa alternativa que, até há pouco, era alvo de anátema. Essa é uma mudança importante na conjuntura.

*Luis Felipe Miguel é professor de ciência política na UnB. Autor entre outros livros de Consenso e conflito na democracia contemporânea (Unesp).

Nota

[1] Ascânio Seleme. “É hora de perdoar o PT” [https://oglobo.globo.com/opiniao/e-hora-de-perdoar-pt-24527685].

 

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Bento Prado Jr. Manuel Domingos Neto Antônio Sales Rios Neto Jean Marc Von Der Weid Tarso Genro Luiz Eduardo Soares Luiz Roberto Alves Gilberto Lopes Leda Maria Paulani Michael Löwy Gerson Almeida Antonio Martins Celso Frederico Luiz Renato Martins André Márcio Neves Soares Mariarosaria Fabris Sandra Bitencourt Celso Favaretto João Sette Whitaker Ferreira Ricardo Abramovay Marcelo Guimarães Lima João Paulo Ayub Fonseca Yuri Martins-Fontes Julian Rodrigues Jorge Branco Priscila Figueiredo Ricardo Antunes Daniel Afonso da Silva Caio Bugiato Michael Roberts João Lanari Bo Tadeu Valadares Elias Jabbour Paulo Fernandes Silveira Ronald León Núñez Alexandre de Lima Castro Tranjan Francisco de Oliveira Barros Júnior Rodrigo de Faria Luiz Marques Luciano Nascimento Francisco Pereira de Farias Paulo Martins Roberto Bueno João Feres Júnior Mário Maestri Tales Ab'Sáber Ronald Rocha Thomas Piketty Valério Arcary José Micaelson Lacerda Morais Everaldo de Oliveira Andrade Érico Andrade Marcelo Módolo Alysson Leandro Mascaro Valerio Arcary Sergio Amadeu da Silveira Alexandre Aragão de Albuquerque Luiz Bernardo Pericás José Machado Moita Neto João Adolfo Hansen Renato Dagnino Armando Boito Liszt Vieira Chico Whitaker Francisco Fernandes Ladeira Igor Felippe Santos Luis Felipe Miguel Leonardo Boff Plínio de Arruda Sampaio Jr. Fábio Konder Comparato Rubens Pinto Lyra Lorenzo Vitral Eliziário Andrade Fernão Pessoa Ramos Luís Fernando Vitagliano Henri Acselrad Bruno Machado Ladislau Dowbor Boaventura de Sousa Santos José Luís Fiori Eleutério F. S. Prado Luiz Werneck Vianna Benicio Viero Schmidt Flávio Aguiar Walnice Nogueira Galvão Roberto Noritomi Maria Rita Kehl Lucas Fiaschetti Estevez José Dirceu Samuel Kilsztajn Atilio A. Boron Leonardo Avritzer Daniel Costa Eugênio Bucci Daniel Brazil Kátia Gerab Baggio Eduardo Borges Osvaldo Coggiola Eugênio Trivinho Bruno Fabricio Alcebino da Silva Carlos Tautz Berenice Bento Bernardo Ricupero Vinício Carrilho Martinez Andrew Korybko Ricardo Fabbrini Marcus Ianoni Ronaldo Tadeu de Souza José Raimundo Trindade Ricardo Musse Dennis Oliveira Salem Nasser José Costa Júnior André Singer Annateresa Fabris Claudio Katz Marilia Pacheco Fiorillo Luiz Costa Lima Airton Paschoa Anselm Jappe Milton Pinheiro João Carlos Salles Luiz Carlos Bresser-Pereira Heraldo Campos Jean Pierre Chauvin Anderson Alves Esteves Slavoj Žižek Marcos Aurélio da Silva Vladimir Safatle Vanderlei Tenório Marcos Silva José Geraldo Couto Rafael R. Ioris Flávio R. Kothe Marjorie C. Marona Jorge Luiz Souto Maior Chico Alencar Alexandre de Freitas Barbosa Gilberto Maringoni Paulo Sérgio Pinheiro Leonardo Sacramento Paulo Capel Narvai Marilena Chauí Fernando Nogueira da Costa Manchetômetro Carla Teixeira Remy José Fontana Eleonora Albano Juarez Guimarães Dênis de Moraes Lincoln Secco Afrânio Catani Antonino Infranca Paulo Nogueira Batista Jr Gabriel Cohn Denilson Cordeiro Otaviano Helene Henry Burnett Ari Marcelo Solon João Carlos Loebens

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada