Sociedade do cansaço

Imagem_Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por José Machado Moita Neto*

Comentário sobre o livro do filósofo coreano-alemão Byung-Chul Han

“Hoje se cumpriu o que estava escrito”. A versão correta da frase que discutirei não está no Evangelho (Lucas 4: 21) e o seu contexto para compreensão do significado não é aquele que brota na leitura da bíblia (Lucas 4: 14-29). Está no pensamento de Nietzsche, no conceito de Übermensch, está escrito no livro “Assim falou Zaratustra”. Talvez nosso filósofo tenha sido apressado em dizer que deus morreu, mas é certo que construímos uma sociedade pós-moderna bem diferente da cristã que se aproxima da visão de Nietzsche para o homem. Certamente ele não previu seus desdobramentos ao pontuar vícios de sua época e conclamar a virtudes deste novo homem.

 O pacote completo da moral kantiana, da sociedade disciplinar de Foucault, da repressão ao inconsciente de Freud, da visão dicotômica de exploradores e explorados de Marx, foi superado pelo homem pós-moderno. O autor de “Sociedade do Cansaço” faz um passeio panorâmico por alguns pensadores para tatear em um diagnóstico de nossa sociedade e a caracterizá-la como uma sociedade do desempenho que conduz, quase que inevitavelmente, a Síndrome de Burnout e a Depressão.

O texto de Byung-Chul Han é conduzido em um estilo “Morde e assopra” em relação a alguns filósofos. Apresenta a caricatura do pensamento deles e rebate para a construção de seu argumento. Depois, em outro momento, consulta os mesmos filósofos sobre outro tema e os tem como um oráculo de verdade mais cristalino. Um sucesso não se constrói apenas deste modo, o autor tem uma linguagem fácil, demonstra erudição e faz uma descrição de um segmento significativo da sociedade alemã e, talvez europeia, com os seus dramas. Identifica a transição para o homem-mercadoria (exposta no facebook, por exemplo) e atribui que o sujeito que se autoexplora até a exaustão, ao esgotamento, é a grande conquista do capitalismo da atualidade.

O primeiro capítulo do livro “a violência neuronal” foi mais uma vítima do coronavírus. O autor faz todo um discurso de superamento da fase “imunológica” de nossa sociedade para preparar o leitor a fase atual que denomina neuronal. O discurso, lido em novembro de 2019, estaria perfeito e cada um de nós acrescentaria algum fato de nossa sociedade que até reforçaria o argumento. Deste modo, para melhor valorizar leitor e obra, aconselho quem não o leu ainda que o faça pelo menos 2 anos após ter encerrado o trauma coletivo causado pelo coronavírus.

O autor é um filósofo e como tal não se vincula a solução do problema exposto na obra. Apenas mostra, com pouco rigor, o seu surgimento. Deste modo, cabe ao leitor apresentar a própria solução ou identificar algo implícito na construção filosófica e literária de Byung-Chul Han. Não fiz o diagnóstico de nossa época e, portanto, não me é licito apresentar solução. Contudo arrisco fazer uma brincadeira: advogando o eterno retorno do mesmo, o autor poderia decretar a morte do super-homem, do homem pós-moderno e afirmar aquilo que deixou implícito em toda obra. Todos precisarão de algo ou alguém que os guie. Sozinhos, entregues a nossa própria liberdade, fracassaremos e nos esgotaremos. Mas isto os cristãos já sabiam (Mateus 11: 28-30).

*José Machado Moita Neto é professor aposenado da Universidade Federal do PiauíJosé Machado Moita Neto (jmoita@ufpi.edu.br)

Referência

Byung-Chul Han. Sociedade do cansaço. Petrópolis, Vozes, 136 págs (https://amzn.to/45Aie0o).

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • Razões para o fim da greve nas Universidade Federaisbancos 16/05/2024 Por TADEU ALENCAR ARRAIS: A nova proposta do Governo Federal anunciada dia 15 de maio merece debate sobre continuar ou não a greve
  • O negacionismo ambiental e a inundação de Porto Alegreporto alegre aeroporto alagado 14/05/2024 Por CARLOS ATÍLIO TODESCHINI: Porto Alegre tem o melhor sistema de proteção contra cheias do Brasil. É considerado um “minissistema holandês”. Por que esse sistema falhou em sua função de evitar que a cidade fosse alagada?
  • A mão de OzaJoao_Carlos_Salles 14/05/2024 Por JOÃO CARLOS SALLES: O dever do Estado brasileiro e a universidade contratada
  • A universidade operacionalMarilena Chauí 2 13/05/2024 Por MARILENA CHAUI: A universidade operacional, em termos universitários, é a expressão mais alta do neoliberalismo
  • Pensar após GazaVladimir Safatle 08/05/2024 Por VLADIMIR SAFATLE: Desumanização, trauma e a filosofia como freio de emergência
  • O cavalo Caramelocavalo caramelo 15/05/2024 Por LEONARDO BOFF: Há que se admitir que nós não temos respeitado os direitos da natureza com seu valor intrínseco, nem posto sob controle nossa voracidade de devastá-la
  • A greve nas universidades e institutos federais não…caminho tempo 17/05/2024 Por GRAÇA DRUCK & LUIZ FILGUEIRAS: As forças de esquerda e democráticas precisam sair da passividade, como que esperando que Lula e o seu governo, bem como o STF resolvam os impasses políticos
  • SUS, 36 anos – consolidação e incertezasPaulo Capel Narvai 15/05/2024 Por PAULO CAPEL NARVAI: O SUS não foi o “natimorto” que muitos anteviram. Quase quatro décadas depois, o SUS está institucionalmente consolidado e desenvolveu um notável processo de governança republicana
  • A “multipolaridade” e o declínio crônico do OcidenteJosé Luís Fiori 17/05/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A defesa da multipolaridade será cada vez mais a bandeira dos países e dos povos que se insurgem neste momento contra o imperium militar global exercido pelo Ocidente
  • Por que estamos em greve nas Universidades federais?Gatinho 09/05/2024 Por GRAÇA DRUCK & LUIZ FILGUEIRAS: A greve também busca disputar os fundos públicos com o capital financeiro e forçar o governo a se desvencilhar da tutela desse mesmo capital e de grupos políticos de direita

AUTORES

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES