As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Uma situação dramática

Clara Figueiredo, a cúpula econômica do governo segue a passos firmes, fotomontagem digital, 2020
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por GUIDO MANTEGA

A economia brasileira terminou 2021 estagnada e vai continuar assim por todo o ano de 2022

No final de 2022 poderemos comemorar o enterro de um dos piores governos da história republicana brasileira. Se for feita uma autópsia no cadáver do bolsonarismo, serão descobertos fortes indícios de um neoliberalismo anacrônico, que não é mais praticado em nenhum país importante do mundo.

A economia brasileira terminou 2021 estagnada e vai continuar assim por todo o ano de 2022. De acordo com a pesquisa Focus do Banco Central (03/01/22), o crescimento do PIB de 2022 não deve passar de 0,36%.

Com esse crescimento pífio, o desemprego permanecerá alto e deverá repetir, em 2020, os 12% de 2021, enquanto a inflação estará recuando dos 10% de 2021, para algo em torno de 6%, às custas de uma feroz política monetária contracionista, que vai paralisar a economia brasileira.

A fome e a pobreza continuarão aumentando ao sabor do descaso do governo. O auxílio de R$ 400 no Bolsa Família vai beneficiar apenas uma pequena parcela dos necessitados.

Para agravar essa situação, há um avanço da pandemia da Covid-19 e de novas gripes, que podem reduzir o crescimento dos países ricos, afetando diretamente as exportações brasileiras. O banco central americano (Fed) anunciou um endurecimento da política monetária em 2022, com elevação dos juros, o que deverá causar a saída de capitais estrangeiros do país.

Entre 2019 e 2022 o PIB brasileiro terá um crescimento médio de 0,5% ao ano. Um pouco melhor do que o decréscimo médio de -0,13% ao ano do governo Temer, entre 2016 e 2018.

Em vez de colocar o Estado em campo para socorrer as vítimas da crise e estimular a retomada do investimento, como fizeram os países do G20, o governo Bolsonaro reduziu o auxílio emergencial de 2020 para 2021, e vem diminuindo o investimento público desde o início do seu governo.

Essa situação dramática, produzida pela política econômica do ministro Guedes, contrasta com o desempenho da política econômica social desenvolvimentista dos governos Lula e Dilma..

Entre 2003 e 2014 o PIB brasileiro teve um crescimento médio de 3,5% ao ano, enquanto o desemprego caiu para abaixo de 6% da população economicamente ativa. No final de 2014 o Brasil era um país pouco endividado, com uma dívida pública líquida igual a 32,5% do PIB, enquanto o Banco Central acumulava reservas de US$ 374 bilhões. Não à toa, a partir de 2008 o Brasil passou a receber avaliações positivas de grau de investimento, pelas principais empresas de classificação de risco.

Os governos Lula foram marcados pela elevação dos investimentos e por uma política fiscal responsável, que compatibilizou aumento de verbas sociais com os maiores superávits primários da economia brasileira.

A pobreza caiu de 26,7%, em 2002, para 8,4%, em 2014. Pela primeira vez, em 500 anos, a renda dos mais pobres cresceu mais do que a dos mais ricos e a desigualdade diminuiu no país. Foi assim que o Brasil saiu do mapa da fome e tornou-se o sexto maior PIB (Produto Interno Bruto) do mundo, em 2011.

Mas os governos neoliberais reverteram parte desses avanços sociais e econômicos. O governo Temer fez a reforma trabalhista que reduziu direitos e salários, e ainda aprovou a lei do teto de gastos, que produziu inúmeras distorções na gestão orçamentária. As gestões fiscais dos governos Temer e Bolsonaro foram um desastre que, desde 2016, só acumulou déficits primários.

Está claro que não existem saídas fáceis para consertar a situação dramática que será deixada pelos governos Temer e Bolsonaro. É uma herança maldita que fará com que o PIB de 2022 retroceda para os valores de 2013.

Para enfrentar essa situação desafiadora, as forças democráticas deverão elaborar um programa de desenvolvimento econômico e social para a reconstrução do país. Certamente esse programa deverá conter medidas emergenciais de combate à fome e à miséria, que propiciem condições de sobrevivência da população mais pobre.

O governo deve coordenar um ambicioso plano de investimentos públicos e privados, de modo a ampliar a infraestrutura e aumentar a produtividade, gerando muitos empregos. É necessário desenhar um programa de investimentos de longo prazo que dê sustentação ao crescimento e ao aumento da produtividade. É imprescindível realizar uma reforma tributária, que simplifique os impostos federais, estaduais e municipais. É importante também diminuir a taxação dos mais pobres, aumentando os tributos sobre a renda e patrimônio dos 1% mais ricos, de modo a reverter a regressividade da estrutura tributária brasileira.

A política monetária deve manter a inflação sob controle, sem exagerar na dose de juros, para preservar o crescimento e, ao mesmo tempo, evitar um serviço da dívida impagável. O novo governo deve retomar as políticas industriais e as de investimento tecnológico, que devolvam a competitividade da indústria brasileira. Claro, sem esquecer as questões climáticas e ambientais.

O que está em jogo nas próximas eleições é se continuaremos com a política econômica desastrosa do governo Bolsonaro e de outros candidatos neoliberais, ou se vamos retomar a via do social-desenvolvimentismo rumo ao Estado de bem-estar social.

*Guido Mantega é professor de economia na Fundação Getúlio Vargas (FGV-SP). Foi ministro da Fazenda nos dois mandatos do governo Lula.

Publicado originalmente na Folha de São Paulo.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Paulo Fernandes Silveira João Feres Júnior Leonardo Boff Eleonora Albano José Luís Fiori Luiz Costa Lima Annateresa Fabris Marilia Pacheco Fiorillo Daniel Afonso da Silva Vanderlei Tenório Tales Ab'Sáber Alysson Leandro Mascaro Luiz Marques Andrew Korybko Kátia Gerab Baggio Dênis de Moraes Ronaldo Tadeu de Souza João Carlos Loebens Alexandre de Lima Castro Tranjan Luiz Werneck Vianna Luiz Carlos Bresser-Pereira José Micaelson Lacerda Morais Roberto Bueno Marcos Aurélio da Silva Gabriel Cohn Eugênio Trivinho Lorenzo Vitral Caio Bugiato Antonino Infranca Francisco Fernandes Ladeira Fábio Konder Comparato Julian Rodrigues João Paulo Ayub Fonseca Luiz Bernardo Pericás Otaviano Helene Marcelo Guimarães Lima Jean Marc Von Der Weid Dennis Oliveira Celso Frederico Eleutério F. S. Prado Luiz Roberto Alves Fernando Nogueira da Costa Valério Arcary Airton Paschoa José Costa Júnior Ricardo Abramovay Francisco Pereira de Farias Liszt Vieira Marilena Chauí Alexandre de Freitas Barbosa Leonardo Avritzer Mário Maestri Renato Dagnino Luís Fernando Vitagliano Chico Alencar Luiz Eduardo Soares Marjorie C. Marona Marcus Ianoni Mariarosaria Fabris Ronald Rocha Henri Acselrad João Carlos Salles Antônio Sales Rios Neto Manchetômetro Érico Andrade Sandra Bitencourt Carla Teixeira Samuel Kilsztajn Rubens Pinto Lyra Paulo Nogueira Batista Jr Gilberto Lopes Lincoln Secco Flávio Aguiar Bento Prado Jr. Michael Löwy Ricardo Musse Marcos Silva Alexandre Aragão de Albuquerque Igor Felippe Santos Paulo Martins Eduardo Borges João Sette Whitaker Ferreira Ricardo Fabbrini Atilio A. Boron Jean Pierre Chauvin Gerson Almeida Tarso Genro Vinício Carrilho Martinez Paulo Capel Narvai Leda Maria Paulani Ronald León Núñez André Márcio Neves Soares Slavoj Žižek Juarez Guimarães Sergio Amadeu da Silveira Plínio de Arruda Sampaio Jr. Osvaldo Coggiola Manuel Domingos Neto Maria Rita Kehl Walnice Nogueira Galvão Benicio Viero Schmidt Ari Marcelo Solon André Singer Everaldo de Oliveira Andrade Luciano Nascimento Jorge Branco Denilson Cordeiro Chico Whitaker Henry Burnett Luiz Renato Martins Ladislau Dowbor Milton Pinheiro Gilberto Maringoni Priscila Figueiredo Afrânio Catani Ricardo Antunes Valerio Arcary Yuri Martins-Fontes João Lanari Bo Salem Nasser Francisco de Oliveira Barros Júnior José Machado Moita Neto Marcelo Módolo Anderson Alves Esteves Armando Boito Michael Roberts Rodrigo de Faria Bernardo Ricupero Tadeu Valadares Remy José Fontana João Adolfo Hansen Anselm Jappe Carlos Tautz Bruno Machado Heraldo Campos Eugênio Bucci Eliziário Andrade Luis Felipe Miguel Thomas Piketty Elias Jabbour Flávio R. Kothe Roberto Noritomi José Raimundo Trindade Leonardo Sacramento Daniel Costa Jorge Luiz Souto Maior Fernão Pessoa Ramos Boaventura de Sousa Santos Bruno Fabricio Alcebino da Silva Berenice Bento Claudio Katz Rafael R. Ioris Vladimir Safatle Daniel Brazil José Geraldo Couto José Dirceu Celso Favaretto Paulo Sérgio Pinheiro Lucas Fiaschetti Estevez Antonio Martins

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada