Vidas palestinas importam

Imagem: Khaled Hourani
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LUIS FELIPE MIGUEL*

A desumanização é fundamental para a ofensiva israelense. Serve para que a opinião pública internacional não se sensibilize com a tragédia do povo palestino

Na CPI do 8 de janeiro, a oposição quis emplacar a história de que o governo Lula tentou dar um golpe contra si mesmo. A imprensa, com razão, ridicularizou o estratagema.

Mas quando Estados Unidos e Israel dizem que o hospital palestino foi bombardeado pelos próprios palestinos, essa narrativa logo é aceita como digna de atenção.

Embora o governo de Israel já tenha deixado claro, em numerosas declarações, que considera os palestinos como “animais” e que deseja exterminar a população de Gaza – “a única coisa que precisa entrar em Gaza são centenas de toneladas de explosivos da Força Aérea, nem um grama de ajuda humanitária”, disse o ministro da Segurança Nacional israelense, Itamar Ben-Gvir.

Embora Israel tenha o hábito de negar ações de suas forças armadas, até a hora em que não consegue mais desmentir.

Embora Israel tenha atacado o hospital antes, com menor poder de fogo, como “advertência”, para exigir sua evacuação.

Embora Israel tenha sustentado as acusações com base na análise de imagens da Al Jazeera, mas tenha sido levado a apagar das redes sociais sua “análise” quando percebeu que o vídeo era de uma hora antes do bombardeio do hospital.

Embora Israel tenha divulgado um áudio pretensamente interceptado de integrantes do Hamas atribuindo a ataque à Jihad Islâmica – e especialistas (ocidentais!) já tenham constatado que o áudio certamente é falso, devido ao sotaque e péssima pronúncia dos homens que conversam.

Embora um porta-voz do governo israelense tenha admitido a autoria do ataque – e depois apagou o tuíte.

Enquanto a “polêmica” sobre a autoria do ataque monopoliza o noticiário, suas vítimas – 471 civis palestinos, incluídas muitas crianças – passam para um distante segundo plano.

Essa é a tônica da cobertura da imprensa.

Na imprensa, as vítimas israelenses da guerra são pessoas de carne e osso. Aparecem em fotos sorrindo, dançando, os amigos e parentes contam de seus sonhos brutalmente interrompidos. Sentimos empatia, nos entristecemos por elas.

Já as vítimas palestinas são invisibilizadas. São números. No máximo, vemos fotos de Gaza destruída. Parece que não há sonhos que possam ser interrompidos ali – é só brutalidade, violência, morte.

A desumanização é fundamental para a ofensiva israelense. Serve para que a opinião pública internacional não se sensibilize com a tragédia do povo palestino, há décadas submetido à opressão.

E os Estados Unidos são o grande cúmplice. Quase ninguém, na elite política estadunidense, tem coragem de afrontar o poderoso lobby sionista.

Organizações estudantis de Harvard tiveram a ousadia de se manifestar em defesa dos direitos dos palestinos. A resposta não tardou: bilionários anunciaram que vão cortar doações à universidade. Alguém duvida que a reitoria já está se esforçando para calar os estudantes?

No Conselho de Segurança das Nações Unidas, os EUA usaram seu poder de veto para barrar a proposta de resolução brasileira pela paz.

Diziam que, quando Joe Biden morresse, Kamala Harris ia se tornar a primeira mulher negra a ordenar o bombardeio de um país do Terceiro Mundo – uma vitória identitária, sem dúvida. Ainda não chegamos lá, mas a embaixadora Linda Thomas-Greenfield não ficou longe.

Depois, a embaixadora disse que ficou “desapontada” porque o texto proposto pelo Brasil não mencionava o “direito de autodefesa” de Israel.

“Autodefesa”, no caso, é a aplicação da lei de Talião por uma superpotência militar contra um povo devastado.

Mais uma vez, é a desumanização dos palestinos que permite esse discurso.

Vidas palestinas importam. Esse é o recado que precisa ser reiterado.

*Luis Felipe Miguel é professor do Instituto de Ciência Política da UnB. Autor, entre outros livros, de Democracia na periferia capitalista: impasses do Brasil (Autêntica).

Publicado originalmente nas redes sociais do autor.


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Remy José Fontana Ari Marcelo Solon Ronald Rocha Antonino Infranca Celso Frederico Eleutério F. S. Prado José Luís Fiori Ricardo Musse Marjorie C. Marona Lincoln Secco Thomas Piketty Kátia Gerab Baggio Juarez Guimarães Berenice Bento José Geraldo Couto Alysson Leandro Mascaro Denilson Cordeiro Sergio Amadeu da Silveira Michael Löwy José Raimundo Trindade José Machado Moita Neto Antônio Sales Rios Neto Francisco Fernandes Ladeira Tadeu Valadares Dennis Oliveira Gilberto Lopes Tales Ab'Sáber Tarso Genro Heraldo Campos Manuel Domingos Neto Chico Alencar Paulo Fernandes Silveira Flávio Aguiar Caio Bugiato Francisco Pereira de Farias Claudio Katz Vladimir Safatle Alexandre Aragão de Albuquerque Yuri Martins-Fontes Rubens Pinto Lyra Jean Pierre Chauvin Eliziário Andrade Marcelo Módolo Michel Goulart da Silva Francisco de Oliveira Barros Júnior Jorge Luiz Souto Maior José Costa Júnior Eugênio Trivinho Andrew Korybko Paulo Martins Luiz Carlos Bresser-Pereira Flávio R. Kothe José Micaelson Lacerda Morais Osvaldo Coggiola Ricardo Fabbrini Matheus Silveira de Souza Samuel Kilsztajn Jorge Branco Daniel Brazil João Lanari Bo Airton Paschoa João Carlos Loebens Daniel Afonso da Silva Eleonora Albano Ladislau Dowbor Érico Andrade Otaviano Helene Gilberto Maringoni Gabriel Cohn Michael Roberts Dênis de Moraes Milton Pinheiro Lorenzo Vitral Marcos Silva Jean Marc Von Der Weid Vinício Carrilho Martinez Eduardo Borges Ricardo Abramovay Leonardo Avritzer Valerio Arcary Antonio Martins André Singer Daniel Costa Plínio de Arruda Sampaio Jr. Everaldo de Oliveira Andrade Luís Fernando Vitagliano Rafael R. Ioris Atilio A. Boron Salem Nasser Slavoj Žižek Luis Felipe Miguel Chico Whitaker Ricardo Antunes Alexandre de Freitas Barbosa Andrés del Río Marilena Chauí Fernando Nogueira da Costa Marcus Ianoni João Adolfo Hansen Leda Maria Paulani Luiz Roberto Alves Luiz Eduardo Soares Fábio Konder Comparato Mário Maestri Armando Boito Paulo Capel Narvai Priscila Figueiredo Julian Rodrigues Igor Felippe Santos Benicio Viero Schmidt Celso Favaretto Leonardo Boff Mariarosaria Fabris Manchetômetro João Paulo Ayub Fonseca Eugênio Bucci Leonardo Sacramento Afrânio Catani Anderson Alves Esteves João Feres Júnior Bernardo Ricupero Maria Rita Kehl Paulo Sérgio Pinheiro Luiz Marques Bruno Fabricio Alcebino da Silva Henri Acselrad Bruno Machado Walnice Nogueira Galvão Alexandre de Lima Castro Tranjan Rodrigo de Faria Lucas Fiaschetti Estevez Valerio Arcary Paulo Nogueira Batista Jr Luiz Werneck Vianna Carlos Tautz Ronaldo Tadeu de Souza Marcos Aurélio da Silva Renato Dagnino Fernão Pessoa Ramos Elias Jabbour Annateresa Fabris Liszt Vieira Anselm Jappe Marilia Pacheco Fiorillo João Sette Whitaker Ferreira Luiz Renato Martins Gerson Almeida Marcelo Guimarães Lima Henry Burnett Carla Teixeira Luciano Nascimento Sandra Bitencourt João Carlos Salles André Márcio Neves Soares Luiz Bernardo Pericás Ronald León Núñez Boaventura de Sousa Santos Vanderlei Tenório José Dirceu Bento Prado Jr.

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada