Princípio-bondade

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LEONARDO BOFF*

Apesar de todas as artimanhas, violências, atentados, ameaças e uso vergonhoso dos aparatos de Estado os que se orientavam pelo princípio-maldade, foram derrotados

Em termos de ética, não se deve ajuizar os atos apenas tomados em si mesmos. Eles remetem a um projeto de fundo. São concretizações desse projeto fundamental. Todo ser humano de forma explícita ou implícita é orientado por uma decisão básica. É ela que confere valor ético e moral aos atos que pavimentam a sua vida.

Portanto, é esse projeto fundamental que deve ser tomado em conta e ajuizá-lo se é bom ou mau. Como ambos sempre vem mesclados, qual é o dominante que se traduz por atos que definem uma direção na vida. Preservada fica a constatação de que bem e mal sempre andam juntos. Dizendo em outras palavras: a realidade sempre é ambígua e acolitada pelo bem e pelo mal. Nunca há somente o bem de um lado e do outro, o mal.

A razão disso reside no fato de que nossa condição humana, por criação e não por deficiência, é sempre sapiente e demente, sombria e luminosa, com pulsões de vida e com pulsões de morte. E isso simultaneamente, sem podermos separar, como diz o Evangelho, o joio do trigo.

Não obstante esta ambiguidade, o que conta mesmo é a dimensão predominante, se luminosa ou sombria, se bondosa ou maldosa. É aqui que se funda o projeto fundamental da vida. Ele define a direção e faz um caminho caminhando. Esse caminho pode conhecer desvios, pois é assim a condição ambígua humana, mas sempre pode voltar à direção definida como fundamental.

Os atos ganham valor ético e moral a partir desse projeto fundamental. É ele que se afirma diante do tribunal da consciência, e para pessoas religiosas, é ele que é julgado por Aquele que conhece nossas intenções mais secretas e confere o corresponde valor ao projeto fundamental.

Sejamos concretos: alguém se põe na cabeça que quer ser, a todo custo, rico. Todos os meios para tal projeto são tidos por válidos: esperteza, enganações, rupturas de contratos, golpes financeiros e apropriação de verbas públicas, falsificando dados, aumentando-lhes o valor real e fazendo as obras sem a qualidade exigida. Seu projeto é acumular bens e ser rico. É o princípio-maldade, mesmo que aqui e acolá faça algum bem e quando é muito rico, ajude até a projetos filantrópicos. Mas sempre que não comprometam seu projeto básico de ser rico.

Outro se propõe como projeto fundamental ser sempre bom, procurar a bondade nas pessoas e tentar que seus atos se alinhem nesta direção de bondade. Como é humano, nele também pode haver atos maus. São desvios do projeto, mas não são de tal envergadura que destruam o projeto fundamental de ser bom. Dá-se conta de seus atos maldosos, corrige-se, pede perdão e retoma o caminho de vida definido: procurar ser bom. Isso implica sempre ser, cada dia, melhor e nunca desistir face às dificuldades e quedas pessoais. O decisivo é reassumir o princípio-bondade que sempre pode crescer indefinidamente. Ninguém é bom até certo ponto e depois para por estimar que atingiu o seu fim. A bondade, bem como outros valores positivos, não conhece limitações.

Em nosso país temos vivido, incluindo multidões, sob o princípio-maldade. A partir desse princípio tudo valia: a mentira, as fake news, a calúnia e a destruição de biografias que, notoriamente, eram boas. Foram usadas de forma abusiva as mídias digitais, inspiradas no princípio-maldade. Em razão disso, milhares foram vitimados pelo Covid-19 quando poderiam ter sido salvos.

Indígenas, como os yanomami, foram tidos como sub-humanos e, intencionalmente, abandonados à própria sorte. Nesses fatídicos anos de vigência do princípio-maldade mais de 500 crianças yanomami morreram por fome e doenças derivadas da fome. Desmontaram-se as principais instituições deste país como a saúde, a educação, a ciência e o cuidado da natureza. Por fim de forma insidiosa tentou-se um golpe de estado visando destruir a democracia e impor um regime ditatorial, culturalmente retrógrado e eticamente perverso por claramente exaltar a tortura.

Neles havia também o princípio-bondade mas foi recalcado ou coberto de cinzas por atos maldosos que impediam sua vigência, sem, contudo, nunca destrui-lo totalmente porque pertence à essência do humano.

Mas o princípio-bondade, no final das contas, sempre acaba triunfando. A chama sagrada que arde dentro de cada um, jamais pode ser apagada. É ela que sustenta a resistência, inflama a crítica e confere a força invencível do justo e do reto. À brutalidade do princípio-maldade, se impôs resolutamente o princípio-bondade que vinha sob o signo da democracia, do estado de direito e do respeito aos valores fundamentais do cidadão.

Apesar de todas as artimanhas, violências, atentados, ameaças e uso vergonhoso dos aparatos de Estado, comprando literalmente a vontade das pessoas ou impedindo-as de manifestar seu voto, os que se orientavam pelo princípio-maldade, foram derrotados. Mas jamais até hoje reconheceram a derrota. Eles continuam sua ação destrutiva que hoje ganhou dimensões planetárias com a ascensão da extrema direita. Mas devem ser contidos e ganhá-los pelo despertar do princípio-bondade que se encontra neles. Eles, julgados e até punidos, terão que aprender a bondade da vida e o bem de todo um povo e dar a sua contribuição.

Na história conhecemos tragédias dos que se aferraram ao princípio-maldade a ponto de darem fim à sua própria vida, ao invés de, humildemente, resgatarem o princípio-bondade e sua humanidade mais profunda.

Talvez inspira-nos, neste final, as palavra poéticas de um autor anônimo por volta dos anos 900 e cantado na festa cristã de Pentecostes. Refere-se ao Espírito que sempre age na natureza e na história: “Lava o que é sórdido/ Irriga o que é árido/ Sana o que é doente. / Dobra o que é rígido/ Aquece o que é gélido/ Guia o desorientado”.

*Leonardo Boff, é teólogo, filósofo e escritor. Autor, entre outros livros, de O Espírito Santo: fogo interior, doador de vida e pai dos pobres (Vozes).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
Clique aqui e veja como

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Chico Alencar João Carlos Loebens Fernão Pessoa Ramos Marilia Pacheco Fiorillo Eliziário Andrade Gabriel Cohn Leonardo Boff Anderson Alves Esteves Ricardo Musse Paulo Martins Annateresa Fabris Manchetômetro Gilberto Lopes Marcelo Guimarães Lima Luiz Marques Eduardo Borges Andrew Korybko Walnice Nogueira Galvão Daniel Afonso da Silva Tarso Genro Paulo Nogueira Batista Jr Alysson Leandro Mascaro Marcos Aurélio da Silva Renato Dagnino Julian Rodrigues Marjorie C. Marona Ladislau Dowbor Ricardo Antunes Jean Pierre Chauvin Flávio R. Kothe Osvaldo Coggiola Mariarosaria Fabris Caio Bugiato Michel Goulart da Silva Luiz Carlos Bresser-Pereira Rubens Pinto Lyra Paulo Sérgio Pinheiro Berenice Bento Bruno Fabricio Alcebino da Silva Sandra Bitencourt Salem Nasser Luiz Bernardo Pericás Fernando Nogueira da Costa Denilson Cordeiro Alexandre de Freitas Barbosa Lorenzo Vitral Igor Felippe Santos Remy José Fontana Heraldo Campos Antonio Martins Marcos Silva Priscila Figueiredo Valerio Arcary Ronald León Núñez Marcus Ianoni Samuel Kilsztajn Vanderlei Tenório Leonardo Avritzer João Adolfo Hansen Gilberto Maringoni Bruno Machado José Micaelson Lacerda Morais Boaventura de Sousa Santos Jorge Branco Leonardo Sacramento Jorge Luiz Souto Maior Ronald Rocha Érico Andrade Lincoln Secco Luis Felipe Miguel Francisco de Oliveira Barros Júnior Thomas Piketty Marcelo Módolo Kátia Gerab Baggio Claudio Katz Liszt Vieira Antonino Infranca Luiz Renato Martins Marilena Chauí Bernardo Ricupero Henry Burnett Andrés del Río Plínio de Arruda Sampaio Jr. Celso Frederico Sergio Amadeu da Silveira Maria Rita Kehl André Márcio Neves Soares José Geraldo Couto José Costa Júnior Lucas Fiaschetti Estevez João Feres Júnior Afrânio Catani João Lanari Bo Henri Acselrad José Dirceu João Sette Whitaker Ferreira Slavoj Žižek Daniel Brazil Gerson Almeida Michael Roberts Atilio A. Boron Francisco Pereira de Farias João Paulo Ayub Fonseca João Carlos Salles Flávio Aguiar Carlos Tautz Tales Ab'Sáber Anselm Jappe Eugênio Trivinho José Luís Fiori Luiz Werneck Vianna Milton Pinheiro Vladimir Safatle Mário Maestri Rodrigo de Faria Leda Maria Paulani Celso Favaretto Yuri Martins-Fontes Ronaldo Tadeu de Souza Luciano Nascimento Juarez Guimarães Chico Whitaker André Singer Luiz Roberto Alves Carla Teixeira Rafael R. Ioris Ricardo Fabbrini Eleonora Albano Antônio Sales Rios Neto Alexandre de Lima Castro Tranjan Fábio Konder Comparato Paulo Fernandes Silveira Francisco Fernandes Ladeira Elias Jabbour Ari Marcelo Solon Eugênio Bucci Otaviano Helene Paulo Capel Narvai Bento Prado Jr. Tadeu Valadares Luís Fernando Vitagliano Vinício Carrilho Martinez Alexandre Aragão de Albuquerque Everaldo de Oliveira Andrade Valerio Arcary Dennis Oliveira Benicio Viero Schmidt José Raimundo Trindade Michael Löwy Ricardo Abramovay Armando Boito Manuel Domingos Neto Dênis de Moraes Airton Paschoa Luiz Eduardo Soares Daniel Costa José Machado Moita Neto Jean Marc Von Der Weid Eleutério F. S. Prado Matheus Silveira de Souza

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada