As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

7 de outubro de 2023

Imagem: Brett Sayles
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por SALEM NASSER*

Face às políticas israelenses e ao silêncio, se não cumplicidade total, por parte do Ocidente, todos os palestinos, e entre eles todos os movimentos de resistência, enfrentam uma luta contra o tempo

O dia 7 de outubro de 2023 ficará para a história como um dos marcos mais dramáticos e importantes do conflito palestino-israelense. Algo sísmico ocorreu e pode trazer enormes consequências.

Uma pergunta que ouvi sobre o que está acontecendo é: por quê? por que agora?

Deixe-me, primeiro, analisar os significados possíveis, talvez combinados, de tal questão.

A primeira suposição subjacente, que pode ou não existir e que pode ou não ser percebida por quem pergunta, é que as ações do Hamas não respondiam a qualquer provocação imediata, pelo que dificilmente poderiam ser compreendidas.

Um segundo elemento da questão, diferente de uma provocação imediata, diz respeito à existência de “um motivo” ou de “motivos” para a operação.

As razões, por sua vez, são diferentes da “justificação”, que pode dizer respeito aos argumentos apresentados para justificar a ação e/ou para dizer se a ação pode ser vista como objetivamente justificada, ou seja, se é uma ação legítima.

Por fim, a pergunta pode conter uma investigação sobre os objetivos da ação, o que se espera dela.

Um bom ponto de partida, pensei, seria observar a forma como o Hamas apresenta as suas razões, justificações e objetivos. Talvez seja uma cautela desnecessária, mas quero deixar claro que, ao tentar esclarecer como eles (o Hamas) apresentam a sua causa, isso não significa necessariamente que eu os subscreva. Este não é o momento para que eu me ponha a julgar; esta hora chegará em breve.

Começo aqui porque, no âmbito daquilo que venho chamando de “cegueira seletiva”, raramente conseguimos saber, no Ocidente, o que “os outros” dizem; não temos acesso ao que, por exemplo, os líderes do Hamas dizem ou declaram, ao mesmo tempo que temos ampla informação sobre o que as autoridades israelenses e ocidentais expressam. Mais do que isso, mal conhecemos os nomes de pessoas de enorme importância, pessoas que, por exemplo, planejam, executam e anunciam operações como esta que começou há dois dias.

A pessoa que anunciou a operação e apresentou ao mundo as razões sobre as quais o Hamas a baseava é um homem chamado Mohammad El-Daif ou, noutra ortografia, Mohammed Deif. Apesar de ser praticamente desconhecido do público em geral, ele é o comandante supremo das forças militares do Hamas.

Nascido num campo de refugiados em Gaza, diz-se que sobreviveu a cerca de vinte tentativas de assassinato por parte de Israel. Numa dessas ocasiões, em 2014, Israel matou a sua esposa, o seu filho de 7 meses e a sua filha de 3 anos.

Ao fazer um discurso de 10 minutos em 7 de outubro, para anunciar a operação Al Aqsa Flood, Al-Daif falou sobre o contínuo desrespeito ao Direito Internacional, incluindo o direito dos Direitos Humanos, por parte de Israel; a sua recusa em dar ouvidos aos avisos; a inação da comunidade internacional; os crimes cometidos contra os lugares santos e o povo; os recentes casos de colonos que invadiram a mesquita de Al Aqsa; a expulsão em curso dos palestinianos de Jerusalém e da Cisjordânia; os maus-tratos infligidos aos prisioneiros palestinianos, etc.

Um argumento central, que contém a justificação subjacente mais importante (de acordo com o Hamas, mais uma vez) para a operação é que todas as ações israelenses visam estabelecer fatos consumados no terreno, a fim de tornar toda Jerusalém uma cidade exclusivamente judaica, para eventualmente destruir a Mesquita Al Aqsa para a reconstrução do Templo. Pode ser importante salientar aqui que estas intenções não são mantidas em segredo pela maioria dos líderes e membros do governo israelense. Portanto, há acordo entre eles e o Hamas sobre esta questão.

Assim, no discurso de Al-Daif há uma sugestão sobre qual seria a razão imediata para a ação, que resultaria das provocações recentes – as invasões da Mesquita de Al Aqsa, a violência contra os crentes muçulmanos e cristãos, a violência contra os prisioneiros palestinos…

Mas é evidente que a operação Al Aqsa Flood não poderia ser apenas uma reação espontânea e imediata a ofensas insuportáveis. A operação é de tal natureza e escala que certamente exigiu anos de planejamento. Assim, mesmo que as ofensas sejam reais e mesmo que sejam insuportáveis, podem ter proporcionado a oportunidade para uma ação que se pensava ser necessária e inevitável.

Qual é então a verdadeira razão?

Face às políticas israelenses e ao silêncio, se não cumplicidade total, por parte do Ocidente, todos os palestinos, e entre eles todos os movimentos de resistência, enfrentam uma luta contra o tempo!

Deixe-me desenvolver um pouco mais a ideia, e aqui sou eu falando. A solução de dois Estados está morta há muito tempo. Todos podem ver isso. As pessoas deveriam enterrar o corpo e seguir para uma solução diferente. Nesta fase, quem ainda fala da solução acordada internacionalmente, de dois Estados vivendo lado a lado, em paz, ou está tentando ignorar a realidade para não lidar com ela, ou é cúmplice do projeto israelense de estabelecer um Grande Israel (aliás, se alguém não acredita que tal projeto exista, basta olhar para o mapa do Novo Oriente Médio apresentado por Netanyahu perante a Assembleia Geral da ONU há poucos dias).

Israel e os seus apoiadores ocidentais, os Estados Unidos na linha da frente, ao impedirem a implementação da solução de dois Estados, criaram uma situação de corrida para o fundo do poço, na qual, à ameaça existencial imposta aos palestinos corresponderá necessariamente uma ameaça existencial para Israel (pelo menos como um Estado exclusivamente judeu).

Os palestinos foram empurrados contra uma parede: ou aceitam continuar a ser expulsos das suas terras, aceitam renunciar a Jerusalém como a sua capital nacional e religiosa, aceitam que lhe seja negado um Estado próprio, aceitam abandonar os direitos de milhões de refugiados, ou devem lutar.

E lutar contra o tempo, porque o projeto israelense está sendo implementado neste mesmo momento.

Os movimentos de resistência palestinos – e agora, para aqueles que tantas vezes perguntam, torna-se claro porque é que afirmam ser de “resistência” e porque é que os chamo assim – têm uma compreensão clara do fato de que o seu conflito é de longa duração. Este entendimento é comum a todas as forças que, na região, se unem sob a bandeira da oposição a Israel, aos Estados Unidos e à agenda imperial deste último.

Neste sentido, nas últimas décadas, estes movimentos desenvolveram gradualmente novas capacidades militares, de inteligência, estratégicas e de segurança e diminuíram o fosso entre a sua força e a de Israel.

A operação Al Aqsa Flood inaugura uma nova fase neste conflito de longa duração. Por enquanto, esta pode ser resumida da seguinte forma: i) há a necessidade de parar o relógio na implementação por parte de Israel do seu projeto de ocupação, colonização e tomada de Jerusalém; ii) existe um cenário internacional em mudança, em que o poder dos Estados Unidos está sendo desafiado e a Europa está enfraquecida, nomeadamente na Ucrânia; iii) existe uma divisão interna sem precedentes na sociedade israelense, uma crise de identidade e uma desordem política; iv) o plano de levar a luta para a frente interna de Israel, há muito em preparação, precisava ser testado – neste caso, o Hamas era considerado menos capaz de levar a cabo tal coisa do que o Hezbollah, por exemplo – e ver como Israel e os EUA reagiriam, tirando, portanto, lições para o futuro; v) Bem-sucedida que foi, a operação revelou um exército israelense mal preparado e uma frente interna muito frágil.

*Salem Nasser é professor da Faculdade de Direito da FGV-SP. Autor de, entre outros livros, Direito global: normas e suas relações (Alamedina). [https://amzn.to/3s3s64E]


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Sergio Amadeu da Silveira Ronaldo Tadeu de Souza Manchetômetro Bento Prado Jr. Carlos Tautz Eliziário Andrade Everaldo de Oliveira Andrade Alexandre Aragão de Albuquerque Airton Paschoa Roberto Noritomi Eleutério F. S. Prado Marcus Ianoni José Luís Fiori Érico Andrade Lorenzo Vitral Paulo Capel Narvai Leonardo Avritzer Fábio Konder Comparato Flávio Aguiar Chico Alencar Tadeu Valadares Ronald León Núñez Salem Nasser Eugênio Trivinho João Adolfo Hansen Alexandre de Lima Castro Tranjan Jean Pierre Chauvin Afrânio Catani Slavoj Žižek Bruno Fabricio Alcebino da Silva Marilena Chauí Paulo Martins Walnice Nogueira Galvão Jorge Luiz Souto Maior Luiz Renato Martins Vinício Carrilho Martinez Leda Maria Paulani Priscila Figueiredo João Paulo Ayub Fonseca Jean Marc Von Der Weid Mariarosaria Fabris Elias Jabbour Francisco de Oliveira Barros Júnior Luiz Marques Chico Whitaker Armando Boito Marilia Pacheco Fiorillo Luiz Bernardo Pericás Luiz Carlos Bresser-Pereira Alysson Leandro Mascaro Osvaldo Coggiola Sandra Bitencourt José Dirceu Bernardo Ricupero Lincoln Secco João Carlos Salles José Costa Júnior Ladislau Dowbor Kátia Gerab Baggio Gabriel Cohn Remy José Fontana Gilberto Maringoni Ari Marcelo Solon Luiz Eduardo Soares Ricardo Fabbrini Renato Dagnino Ricardo Antunes Vladimir Safatle Samuel Kilsztajn Luiz Werneck Vianna Luiz Roberto Alves Maria Rita Kehl Andrew Korybko João Lanari Bo Berenice Bento Paulo Fernandes Silveira Ronald Rocha Henry Burnett Michael Löwy Gerson Almeida Jorge Branco Marjorie C. Marona Antonio Martins Paulo Nogueira Batista Jr Anderson Alves Esteves Francisco Pereira de Farias André Singer Vanderlei Tenório Caio Bugiato Ricardo Abramovay Milton Pinheiro Rodrigo de Faria Plínio de Arruda Sampaio Jr. Anselm Jappe Otaviano Helene Liszt Vieira Paulo Sérgio Pinheiro Daniel Costa Celso Favaretto José Micaelson Lacerda Morais Marcelo Guimarães Lima Valério Arcary André Márcio Neves Soares Marcos Aurélio da Silva Mário Maestri Roberto Bueno Bruno Machado Antônio Sales Rios Neto Daniel Brazil Luis Felipe Miguel Gilberto Lopes Claudio Katz Ricardo Musse Denilson Cordeiro Marcelo Módolo Rafael R. Ioris Leonardo Sacramento Eleonora Albano Dênis de Moraes Fernão Pessoa Ramos Carla Teixeira Rubens Pinto Lyra Dennis Oliveira Luís Fernando Vitagliano Thomas Piketty Tales Ab'Sáber Atilio A. Boron Flávio R. Kothe Luiz Costa Lima Michael Roberts Francisco Fernandes Ladeira Annateresa Fabris Tarso Genro João Feres Júnior João Carlos Loebens Henri Acselrad Juarez Guimarães Heraldo Campos José Machado Moita Neto Benicio Viero Schmidt Eduardo Borges Leonardo Boff Julian Rodrigues Celso Frederico João Sette Whitaker Ferreira José Raimundo Trindade Marcos Silva Daniel Afonso da Silva Antonino Infranca Luciano Nascimento Igor Felippe Santos Alexandre de Freitas Barbosa Boaventura de Sousa Santos Manuel Domingos Neto Yuri Martins-Fontes Eugênio Bucci José Geraldo Couto Valerio Arcary Fernando Nogueira da Costa Lucas Fiaschetti Estevez

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada