7 de outubro de 2023

Imagem: Brett Sayles
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por SALEM NASSER*

Face às políticas israelenses e ao silêncio, se não cumplicidade total, por parte do Ocidente, todos os palestinos, e entre eles todos os movimentos de resistência, enfrentam uma luta contra o tempo

O dia 7 de outubro de 2023 ficará para a história como um dos marcos mais dramáticos e importantes do conflito palestino-israelense. Algo sísmico ocorreu e pode trazer enormes consequências.

Uma pergunta que ouvi sobre o que está acontecendo é: por quê? por que agora?

Deixe-me, primeiro, analisar os significados possíveis, talvez combinados, de tal questão.

A primeira suposição subjacente, que pode ou não existir e que pode ou não ser percebida por quem pergunta, é que as ações do Hamas não respondiam a qualquer provocação imediata, pelo que dificilmente poderiam ser compreendidas.

Um segundo elemento da questão, diferente de uma provocação imediata, diz respeito à existência de “um motivo” ou de “motivos” para a operação.

As razões, por sua vez, são diferentes da “justificação”, que pode dizer respeito aos argumentos apresentados para justificar a ação e/ou para dizer se a ação pode ser vista como objetivamente justificada, ou seja, se é uma ação legítima.

Por fim, a pergunta pode conter uma investigação sobre os objetivos da ação, o que se espera dela.

Um bom ponto de partida, pensei, seria observar a forma como o Hamas apresenta as suas razões, justificações e objetivos. Talvez seja uma cautela desnecessária, mas quero deixar claro que, ao tentar esclarecer como eles (o Hamas) apresentam a sua causa, isso não significa necessariamente que eu os subscreva. Este não é o momento para que eu me ponha a julgar; esta hora chegará em breve.

Começo aqui porque, no âmbito daquilo que venho chamando de “cegueira seletiva”, raramente conseguimos saber, no Ocidente, o que “os outros” dizem; não temos acesso ao que, por exemplo, os líderes do Hamas dizem ou declaram, ao mesmo tempo que temos ampla informação sobre o que as autoridades israelenses e ocidentais expressam. Mais do que isso, mal conhecemos os nomes de pessoas de enorme importância, pessoas que, por exemplo, planejam, executam e anunciam operações como esta que começou há dois dias.

A pessoa que anunciou a operação e apresentou ao mundo as razões sobre as quais o Hamas a baseava é um homem chamado Mohammad El-Daif ou, noutra ortografia, Mohammed Deif. Apesar de ser praticamente desconhecido do público em geral, ele é o comandante supremo das forças militares do Hamas.

Nascido num campo de refugiados em Gaza, diz-se que sobreviveu a cerca de vinte tentativas de assassinato por parte de Israel. Numa dessas ocasiões, em 2014, Israel matou a sua esposa, o seu filho de 7 meses e a sua filha de 3 anos.

Ao fazer um discurso de 10 minutos em 7 de outubro, para anunciar a operação Al Aqsa Flood, Al-Daif falou sobre o contínuo desrespeito ao Direito Internacional, incluindo o direito dos Direitos Humanos, por parte de Israel; a sua recusa em dar ouvidos aos avisos; a inação da comunidade internacional; os crimes cometidos contra os lugares santos e o povo; os recentes casos de colonos que invadiram a mesquita de Al Aqsa; a expulsão em curso dos palestinianos de Jerusalém e da Cisjordânia; os maus-tratos infligidos aos prisioneiros palestinianos, etc.

Um argumento central, que contém a justificação subjacente mais importante (de acordo com o Hamas, mais uma vez) para a operação é que todas as ações israelenses visam estabelecer fatos consumados no terreno, a fim de tornar toda Jerusalém uma cidade exclusivamente judaica, para eventualmente destruir a Mesquita Al Aqsa para a reconstrução do Templo. Pode ser importante salientar aqui que estas intenções não são mantidas em segredo pela maioria dos líderes e membros do governo israelense. Portanto, há acordo entre eles e o Hamas sobre esta questão.

Assim, no discurso de Al-Daif há uma sugestão sobre qual seria a razão imediata para a ação, que resultaria das provocações recentes – as invasões da Mesquita de Al Aqsa, a violência contra os crentes muçulmanos e cristãos, a violência contra os prisioneiros palestinos…

Mas é evidente que a operação Al Aqsa Flood não poderia ser apenas uma reação espontânea e imediata a ofensas insuportáveis. A operação é de tal natureza e escala que certamente exigiu anos de planejamento. Assim, mesmo que as ofensas sejam reais e mesmo que sejam insuportáveis, podem ter proporcionado a oportunidade para uma ação que se pensava ser necessária e inevitável.

Qual é então a verdadeira razão?

Face às políticas israelenses e ao silêncio, se não cumplicidade total, por parte do Ocidente, todos os palestinos, e entre eles todos os movimentos de resistência, enfrentam uma luta contra o tempo!

Deixe-me desenvolver um pouco mais a ideia, e aqui sou eu falando. A solução de dois Estados está morta há muito tempo. Todos podem ver isso. As pessoas deveriam enterrar o corpo e seguir para uma solução diferente. Nesta fase, quem ainda fala da solução acordada internacionalmente, de dois Estados vivendo lado a lado, em paz, ou está tentando ignorar a realidade para não lidar com ela, ou é cúmplice do projeto israelense de estabelecer um Grande Israel (aliás, se alguém não acredita que tal projeto exista, basta olhar para o mapa do Novo Oriente Médio apresentado por Netanyahu perante a Assembleia Geral da ONU há poucos dias).

Israel e os seus apoiadores ocidentais, os Estados Unidos na linha da frente, ao impedirem a implementação da solução de dois Estados, criaram uma situação de corrida para o fundo do poço, na qual, à ameaça existencial imposta aos palestinos corresponderá necessariamente uma ameaça existencial para Israel (pelo menos como um Estado exclusivamente judeu).

Os palestinos foram empurrados contra uma parede: ou aceitam continuar a ser expulsos das suas terras, aceitam renunciar a Jerusalém como a sua capital nacional e religiosa, aceitam que lhe seja negado um Estado próprio, aceitam abandonar os direitos de milhões de refugiados, ou devem lutar.

E lutar contra o tempo, porque o projeto israelense está sendo implementado neste mesmo momento.

Os movimentos de resistência palestinos – e agora, para aqueles que tantas vezes perguntam, torna-se claro porque é que afirmam ser de “resistência” e porque é que os chamo assim – têm uma compreensão clara do fato de que o seu conflito é de longa duração. Este entendimento é comum a todas as forças que, na região, se unem sob a bandeira da oposição a Israel, aos Estados Unidos e à agenda imperial deste último.

Neste sentido, nas últimas décadas, estes movimentos desenvolveram gradualmente novas capacidades militares, de inteligência, estratégicas e de segurança e diminuíram o fosso entre a sua força e a de Israel.

A operação Al Aqsa Flood inaugura uma nova fase neste conflito de longa duração. Por enquanto, esta pode ser resumida da seguinte forma: i) há a necessidade de parar o relógio na implementação por parte de Israel do seu projeto de ocupação, colonização e tomada de Jerusalém; ii) existe um cenário internacional em mudança, em que o poder dos Estados Unidos está sendo desafiado e a Europa está enfraquecida, nomeadamente na Ucrânia; iii) existe uma divisão interna sem precedentes na sociedade israelense, uma crise de identidade e uma desordem política; iv) o plano de levar a luta para a frente interna de Israel, há muito em preparação, precisava ser testado – neste caso, o Hamas era considerado menos capaz de levar a cabo tal coisa do que o Hezbollah, por exemplo – e ver como Israel e os EUA reagiriam, tirando, portanto, lições para o futuro; v) Bem-sucedida que foi, a operação revelou um exército israelense mal preparado e uma frente interna muito frágil.

*Salem Nasser é professor da Faculdade de Direito da FGV-SP. Autor de, entre outros livros, Direito global: normas e suas relações (Alamedina). [https://amzn.to/3s3s64E]


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

Veja neste link todos artigos de

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

__________________
  • 40 anos sem Michel Foucaultveneza 13/07/2024 Por VINÍCIUS DUTRA: O que ainda permanece admirável na forma de Foucault de refletir é sua perspicácia em contestar ideias intuitivamente aceitas pela tradição crítica de pensamento
  • Que horas são no relógio de guerra da OTAN?José Luís Fiori 17/07/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: Os ponteiros do “relógio da guerra mundial” estão se movendo de forma cada vez mais acelerada
  • A Unicamp na hora da verdadecultura artista palestina 13/07/2024 Por FRANCISCO FOOT HARDMAN: No próximo dia 6 de agosto o Conselho Universitário da Unicamp terá de deliberar se susta as atuais relações com uma das instituições empenhadas no massacre em Gaza
  • A disputa de Taiwan e a inovação tecnológica na ChinaChina Flag 20/07/2024 Por JOSÉ LUÍS FIORI: A China já é hoje a líder mundial em 37 das 44 tecnologias consideradas mais importantes para o desenvolvimento econômico e militar do futuro
  • Carta de Berlim — a guerra e o velho diaboFlávio Aguiar 2024 16/07/2024 Por FLÁVIO AGUIAR: Há um cheiro de queimado no ar de Berlim. E não há nenhum Wald (bosque) em chamas, apesar do calor estival. O cheiro de queimado vem mesmo da sede do governo Federal
  • A produção ensaística de Ailton Krenakcultura gotas transp 11/07/2024 Por FILIPE DE FREITAS GONÇALVES: Ao radicalizar sua crítica ao capitalismo, Krenak esquece de que o que está levando o mundo a seu fim é o sistema econômico e social em que vivemos e não nossa separação da natureza
  • A radicalidade da vida estéticacultura 04 20/07/2024 Por AMANDA DE ALMEIDA ROMÃO: O sentido da vida para Contardo Calligaris
  • Depois do neoliberalismoELEUTERIO2 18/07/2024 Por ELEUTÉRIO F. S. PRADO: A incapacidade de pensar o capitalismo como um sistema social formado por relações sociais estruturantes
  • Um ciclo interminávelpalestina rua gente 16/07/2024 Por BRUNO HUBERMAN: A esquerda sionista ataca a luta palestina por descolonização
  • Antígona na sala de aulalivros e leitura 17/07/2024 Por GABRIELA BRUSCHINI GRECCA: O tempo presente tem se mostrado cada vez mais essencial para retomarmos o contato com as tragédias gregas

PESQUISAR

TEMAS

NOVAS PUBLICAÇÕES