A nova economia da China

René Burri, Antigo Palácio de Verão. Flores de lótus mortas no lago Kunming. Pequim, China, 1964

Por LI SHIMER*

Considerações sobre os últimos 20 anos e os próximos 20 anos

A nova economia da China está passando por um ponto de virada crítico. Nos últimos dois anos, como capital de risco (VC), nossa compreensão de indústrias, empresas, tecnologias e lógica de investimento passou por grandes mudanças. Costumávamos dividir a história da nova China em “os primeiros trinta anos” e “os últimos trinta anos” de reforma e abertura. Hoje eu gostaria de pegar emprestado esse conceito e dividir a nova economia da China em “duas décadas, antes e depois”.

Os primeiros vinte anos são, é claro, de 2000 a 2019. Nesse período, o PIB da China aumentou 9 vezes, formando a maior cadeia industrial do mundo e o segundo maior mercado consumidor do mundo. Foram a mega-indústria e o mercado que criaram a nova decolagem econômica da China.

Nas duas primeiras décadas o resultado mais importante da nova economia da China foi o surgimento das plataformas de Internet dos consumidores. Estamos familiarizados com o fato de que, apoiados por um mercado tão grande na China, uma plataforma pode simplesmente apoiar sua expansão contínua com capital financeiro, eventualmente alcançar o status de monopólio, visar um monopólio futuro, descontá-lo em um enorme valor presente líquido (NPV) e, em seguida, usar este NPV como financiamento de avaliação para ajudá-lo a alcançar o monopólio.

No entanto, em termos de desenvolvimento científico e tecnológico, alguns estudiosos estrangeiros fizeram um estudo para localizar a posição de cada país na “curva do sorriso”. De acordo com sua pesquisa, podemos descobrir que de 2000 a 2019, embora a escala da indústria econômica da China tenha aumentado muito, ela sempre esteve na posição intermediária, ou seja, os elos de fabricação e montagem, em comparação com as duas extremidades de P&D e vendas, o valor agregado é relativamente baixo.

No entanto a China também alcançou a modernização industrial em alguns campos, como ferrovias de alta velocidade, novas energias, 5G etc. Mas essas indústrias de tecnologia embarcada com alto investimento em P&D são todas dominadas por departamentos governamentais, e o governo é seu investidor ou seu principal cliente.

Assim, no ano passado, o secretário-geral Xi Jinping mencionou em seu discurso que a nova rodada de revolução científica e tecnológica e transformação industrial deu um forte impulso ao desenvolvimento econômico e também teve um impacto profundo no emprego e na distribuição de renda, incluindo alguns impactos negativos, que precisam ser efetivamente tratados e resolvidos.

Na minha opinião as duas primeiras décadas da nova economia da China foram essencialmente um “país alavancado pelo capital”. A internet do consumidor depende principalmente da inovação do modelo de negócios, e o conteúdo tecnológico não é alto. Por exemplo, o código QR que geralmente escaneamos foi inventado na década de 1990. A razão pela qual se desenvolve tão rápido é que pode maximizar os benefícios externos positivos criados pelo país no processo de desenvolvimento, como o aumento da renda disponível dos residentes chineses, a melhoria da logística e transporte e a popularização da informação. Sim, não é o que nós empreendedores fazemos.

No entanto, os efeitos externos negativos gerados por esse modelo de desenvolvimento do capital que tudo ganha suportado pelo Estado, resulta em problemas da “era dourada” de toda a sociedade, como o aumento da desigualdade de renda e a falta de segurança social para os trabalhadores ingressantes, etc. entre outras questões socioeconômicas.

Assim, o governo central propôs “desenvolvimento de alta qualidade” e “prosperidade comum”, promovendo o desenvolvimento econômico saudável, otimizando a estrutura de distribuição, criando oportunidades para que mais pessoas fiquem ricas evitando os movimentos seguidos de evolução e involução. Este é um grande ponto de virada e uma importante oportunidade para a nova economia da China, e também é o início das próximas duas décadas da nova economia da China.

As próximas duas décadas da nova economia da China deve ser a do “capital nacional alavancado”. Sob a orientação da grande estratégia nacional e por meio da modernização industrial impulsionada pelo capital, a economia da China pode realizar a transformação do desenvolvimento em grande escala para o desenvolvimento de alta qualidade.

Na “Curva do Sorriso”, a China não só terá que operar em larga escala, mas também continuar se movendo para o canto superior esquerdo. Subir é aumentar o valor agregado da indústria, que trará mais empregos de alta qualificação, aumentará ainda mais a renda per capita e, ao mesmo tempo, reduzirá custos e aumentará a eficiência por meio do empoderamento tecnológico e manterá a competitividade da manufatura chinesa no mundo. Mover-se para a esquerda é melhorar as capacidades de pesquisa e desenvolvimento, de modo a resolver o problema do travamento das tecnologias-chave.

Na nova etapa de desenvolvimento, nosso investimento deve se concentrar em “desenvolvimento de alta qualidade + benefícios inclusivos”. Nosso empreendimento se concentra principalmente em três linhas principais. A primeira é a transformação e otimização da cadeia de suprimentos. A China tem a maior cadeia industrial e de suprimentos do mundo, mas ainda é relativamente fragmentada e geralmente não tem a capacidade de transformar tecnologia e informação, então há um enorme espaço a ser aproveitado para incrementar seu valor.

A segunda é a substituição de importações de tecnologia embarcada. Por exemplo, chips: a maior importação anual da China são chips. Por causa da escassez global de semicondutores após a epidemia, os preços do petróleo caíram muito. A China importou chips no valor de 350 bilhões de yuans em 2020, mais que o dobro do petróleo bruto em segundo lugar.

Outro exemplo são os equipamentos médicos. Muitos medicamentos e equipamentos médicos na China dependem de importações de alto preço. Há muito espaço para substituição doméstica. Uma vez que a nacionalização for alcançada, pode-se reduzir em muito o custo da consulta médica.

O terceiro é o desenvolvimento sustentável. Agora o mundo inteiro está se esforçando para alcançar a neutralidade de carbono e a China está muito avançada nesse aspecto e fez grandes investimentos. Por exemplo, a geração de energia fotovoltaica custa US$ 100 por quilowatt-hora de eletricidade no estágio inicial de desenvolvimento no exterior, mas após o desenvolvimento contínuo das empresas chinesas, o custo agora caiu para alguns centavos por quilowatt-hora de eletricidade, razão pela qual se pode ter aplicações em grande escala. Semelhante às baterias de veículos elétricos (EV), as baterias fabricadas na China reduziram bastante o custo de produção de EVs, razão pela qual os EVs se desenvolveram tão rapidamente nos últimos anos.

 

Três casos

Que tipo de empreendimento a nova economia da China alcançará nas próximas duas décadas? Deixe-me compartilhar três casos com vocês.

A primeira empresa é chamada Baibu, que é a maior plataforma de cadeia de suprimentos inteligente para tecidos têxteis na China. Têxtil é um mercado em escala de trilhões, e 90% dos têxteis do mundo são feitos na China. Mas a cadeia de suprimentos têxtil da China está em um estágio muito primitivo, com dezenas de milhares de fabricantes espalhados no Delta do Rio Yangtze e no Delta do Rio das Pérolas.

Portanto, o que a Baibu está fazendo é a Internet industrial da indústria têxtil, ligando o upstream e downstream da assimetria de informações, configuração eficiente, transformando a fábrica física em uma fábrica na nuvem, conectando centenas de milhares de teares, otimizando a capacidade de produção e reduzindo custos e aumentando a eficiência.

A segunda empresa chama-se Ursa Major. A soldagem é uma indústria manufatureira tradicional e uma indústria enorme. A soldagem envolve quase todos os campos industriais. A soldagem é necessária para a construção de pontes, navios, carros e casas. Seu tamanho de mercado também é de centenas de bilhões.

Mas a soldagem é uma indústria muito tradicional que depende muito das habilidades e experiência dos operadores. Agora há cada vez menos bons soldadores, e os jovens não estão dispostos a fazê-lo, por isso estamos enfrentando o dilema de uma lacuna de talentos após os anos 80 e 90. A Ursa Major usa IA para treinar robôs de soldagem, o que pode resolver o problema de falta de trabalhadores de soldagem de uma só vez, rápido e bem.

A terceira empresa é chamada Baioheng, que também está em uma área discreta – a indústria de cimento. Muitos anos atrás um francês inventou uma tecnologia de material cimentício que pode transformar rejeitos da indústria de fundição em concreto com propriedades semelhantes às do cimento. Essa tecnologia foi desenvolvida em laboratório por muitos anos e depois os australianos continuaram seu desenvolvimento, mas, finalmente, não a colocaram em aplicação prática. Primeiro, não há muitas fundições nesses países, e não se pode encontrar rejeitos da produção como matéria-prima; segundo, esses países também não têm muita demanda por cimento.

No final vários chineses acharam isso uma grande oportunidade de negócio, pois a China tem a maior indústria de fundição do mundo, e uma grande quantidade de rejeitos que não pode ser descartada, tornando-se uma dor de cabeça para as empresas. Por outro lado, a China é focada em infraestrutura e precisa de muito cimento. Além disso o Conselho de Estado tem requisitos muito rígidos para o pico de carbono, e a produção de cimento é um grande emissor de carbono porque precisa calcinar calcário, responsável por cerca de 20% das emissões totais do país, de modo que o Estado limita rigorosamente a capacidade de produção de cimento. Este material geopolimérico da Baioheng não precisa de calcário ou calcinação no processo de produção, e a emissão de carbono gerada é muito pequena, apenas 30% da do cimento, por isso pode matar três coelhos com uma cajadada e se instalar muito rapidamente em várias províncias de o país.

As empresas acima mencionadas têm uma característica comum: são todas empresas empreendedoras, mas por meio de uma tecnologia-chave alavancaram uma grande indústria e rapidamente se tornaram líderes de subsetores. Esse fenômeno também existe em outros países desenvolvidos: uma cadeia industrial de grande porte pode sustentar centenas de “campeões invisíveis”. A China é o maior produtor mundial e deve haver centenas de “campeões invisíveis”. Portanto, 20 anos após o desenvolvimento de alta qualidade da nova economia, os investidores não podem perseguir cegamente a escala financeira como antes, mas devem se concentrar na qualidade e trabalhar com uma compreensão mais profunda da cadeia industrial e da cadeia de suprimentos.

 

O discurso do secretário-geral

Os itens acima são alguns dos meus entendimentos sobre a nova economia da China e algumas reflexões sobre o desenvolvimento de alta qualidade no futuro. Por fim espero estudar com vocês o discurso do secretário-geral “Um correto entendimento e apreensão das principais questões teóricas e práticas no desenvolvimento do meu país” publicado pela revista Buscando a verdade. Estou particularmente impressionado, e espero compartilhar com vocês como uma diretriz que devemos sempre ter em mente em nossos investimentos futuros.

O primeiro ponto é focar na direção da prosperidade comum. A prosperidade comum é o requisito essencial do socialismo com características chinesas, e devemos buscar oportunidades empresariais que criem valor inclusivo em nosso investimento.

O segundo ponto é a discussão do secretário-geral sobre capital. Marx e Engels não encontraram problemas do capital em grande escala naqueles dias. O estabelecimento de uma economia socialista de mercado foi algo que o Partido Comunista da China descobriu e levou o país a “atravessar o rio sentindo as pedras”. A característica mais essencial do capital é a busca do lucro, que está gravada no DNA do capital. No entanto, na China, o capital deve compreender dois princípios: primeiro, deve integrar estreitamente seus próprios interesses de retorno de investimento com os interesses nacionais e desempenhar ativamente o papel de fatores de produção.

Portanto, as próximas duas décadas da nova economia da China também trazem uma era cheia de oportunidades para nossa indústria de investimentos. Se pudermos aproveitar as oportunidades dos tempos e agregar valor à situação geral de desenvolvimento de alta qualidade, podemos fazer a diferença na nova era e contribuir para o desenvolvimento saudável da economia socialista de mercado.

O que expus acima é minha opinião que compartilho como investidor: vamos arregaçar as mangas e trabalhar duro juntos para fazer uma boa “segunda metade” do desenvolvimento econômico de alta qualidade da China.

*Li Shimer é fundador e sócio-gerente da Becoming Capital.

Discurso na Conferência Global de Capital de Risco de 2022, organizada pelo Governo Popular Municipal de Qingdao, de 10 a 11 de junho.

Tradução: Artur Scavone.

Publicado originalmente em Beijing Cultural Review