As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Esperando Godot no fim do mundo

Roger Hilton, Sem título, 1953
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por MARCOS SILVA*

Comentário sobre a encenação da peça de Samuel Beckett pelo Teatro Oficina

Numa entrevista para televisão, a atriz Giulia Gam destacou a profundidade da leitura de texto que experimentou quando dirigida por José Celso Martinez Corrêa, Teatro Oficina, na peça Cacilda.

Assistir à montagem de Esperando Godot no fim do mundo, por esse grupo teatral, dirigida pelo mesmo José Celso, deixa claro que tal profundidade não significa transpor literalmente para oralidade e movimentação corporal, mais cenários, maquilagens, iluminações e trajes, o texto dramático. José Celso Martinez Corrêa interpreta o escrito e o transforma em ações cênicas, como numa transcriação, até inclui mudanças na caracterização de personagens.

Um exemplo disso é a introdução de Exu/Zé Pilintra como mensageiro(s)/comunicador(es) e ridente(s), atributos clássicos daquelas entidades afro-brasileiras. Ela se desdobra nas menções, em fala, aos nomes de Grande Otelo e Paulo Gustavo, atores brasileiros muito expressivos de cinema e televisão cômicos; e na identificação do personagem Wladimir como Didi, que consta do original de Becket e, entre nós, remete a um dos Trapalhões (grupo cômico televisivo), interpretado por Renato Aragão.

Os clowns do original de Samuel Beckett são o Brasil e sua interpretação cômica, o que inclui a transformação de Pozzo em Bozo, que evoca palhaço televisivo e apelido depreciativo de Jair Bolsonaro, presidente do país no momento dessa encenação, 2022 – a espera é aqui, agora, por nós, como é reforçado pelas projeções em telas de cenas de guerra, destruição ambiental e governantes despóticos atuais, terra devastada, incluídas imagens do público que assiste à montagem.

Godot talvez seja Deus, Godeus, Não-Deus (God/don’t), junção de God (Deus, em inglês) e Gott (Deus, em alemão). Ele não vem: há tragédia num mundo sem deuses? Se não há deuses, o que restou de esperança compete a homens e mulheres sem esperança, – humanos, demasiadamente humanos.

Não há mulheres na peça, apesar de encenações anteriores contarem com elencos femininos (uma delas dirigida por Antunes Filho) e de Cacilda Becker ter morrido interpretando Estragon (direção de Flavio Rangel), nessa peça: o futuro destituído de reprodução humana chegou ao fim do mundo? Sem deuses, a catarse teatral se tornou impossível.

A aparência física de Wladimir/Didi e Estragon/Gogo sugere figuras de mendigos ou moradores de rua e lembra Carlitos, O Gordo e O Magro. Pozzo/Bozo evoca empresários ou governantes. E Lucky/Felizardo é a imagem do trabalhador mais que informal, entregador de aplicativos, emudecido, marionete preso a corda, sob rígido controle, sem direitos, mas as cores de suas roupas ecoam os trajes de Pozzo/Bozo – alegria dos funcionários do McDonalds.

Falar em indefinição, nessa montagem, é um equívoco: tal mundo é o nosso; dos pobres que tomam conta de automóveis nos arredores do teatro ou dormem com seus cachorros nas calçadas das redondezas; dos espectadores que têm algum dinheiro para comprar um ingresso e assistem à peça; dos que controlam os outros através da visão direta da cena e, também, das imagens projetadas em várias telas; dos atores que corporificam nosso mundo; dos espectadores que mais ou menos nos vemos naquilo tudo e somos filmados (viramos atores e cenários) para projeção nas mesmas telas.

A montagem de José Celso Martinez Corrêa convida esses espectadores a pensarem sobre o que é exposto, o incontornável contrário do passatempo, da busca de um tempo fora de si – estamos ali, sob controle visual e controlando os outros.

Personagens, atores e público percorremos ou somos percorridos por essa espera, sob o signo do desalento: Godot nunca chega… Chegará?

Esperando Godot no fim do mundo é uma peça de 1949/1952, encenada em francês no ano seguinte a sua finalização, tempo do pós-Segunda Guerra Mundial, perda do tesouro da Resistência francesa e de outras nacionalidades ao Nazismo (conforme o poeta René Char, que não se referia a essa obra, citado por Hannah Arendt no livro Entre o passado e o futuro), nascimento de uma ONU dividida desde o começo (1945), lembrança de Hiroshima e Nagasaki, medo diante da ameaça nuclear, Josef Stálin ainda vivo, Macarthismo e apartheid nos EEUU, perda da memória antes do filme O ano passado em Marienbad (1961), de Alain Resnais, com argumento do romancista Alain Robbe-Grillet, perda da esperança na alternância, terra arrasada, mesmo sem guerra explícita – mas sempre existem guerras em andamento (Coreia, Argélia, depois Vietnã etc.).

Setenta anos passados, há outras perdas, talvez até piores (fim do Welfare State, triunfo neoliberal, auto aniquilamento da URSS e do bloco socialista europeu, a China potencializando o capitalismo – aquisição de letras do Tesouro norte-americano, participação de empresas privadas em sua economia, condições de trabalho apavorantes – e que se designa como se ainda fosse comunista) e um reforço mundial das ditaduras, desastres ecológicos provocados, guerra Rússia/Ucrânia, novas ameaças nucleares e defesas explícitas, em muitos países, de neonazismos mais que truculentos – ex-Iugoslávia, Hungria, Filipinas, Brasil.

A perda dessas memórias significa manter a vigência de desastres – uma das falas lembra que não se é historiador, a história se perdeu… Mas aquela fala pode ser apenas outra forma de reafirmar a história: comicamente, Didi tem lembranças, mesmo os antagonista Gogo talvez as possua e reprima.

Estamos no lugar da falta de lugar para os miseráveis, da miséria para os que trabalham, do poder sem limites dos patrões e governantes. Estamos dentro disso tudo, qual o nosso lugar? Tempo sem sol, na Terra do Sol. tempo sem direitos. Restam dores e sofrimentos para a grande maioria. Pozzo/Bozo domina, fica cego, continua a dominar, agoniza, talvez tenha morrido junto com Lucky/Felizardo, talvez sejam substituídos por similares. O adeus à revolução não é uma festa, antes encena o nada.

Quem chega, efetivamente, é Exu/Zé Pilintra, com um riso breve e a consciência de morte (informa que Godot morreu) – mas também consciência de vida (os personagens ali presentes estão vivos, a árvore, seca e candidata a suporte para corda de enforcamento, voltou a ter folhas); alguma mudança pode ocorrer, livre daquela espera. Mais que espetáculo do desalento, a peça denuncia esse desalento.

Exu/Zé Pilintra e Godot, projeções dos seres humanos, somos todos nós, personagens, atores e espectadores, dentro e fora do teatro.

A esperança está em nossas mãos – ou não existirá! Se não fizermos as mudanças, ninguém as fará por nós.

*Marcos Silva é professor do Departamento de História da FFLCH-USP.

 

Referência


Esperando Godot no fim do mundo

Texto: Samuel Beckett. Tradução: Catherine Hirsch e Verônica Tamaoki.

Direção: José Celso Martinez Correa.

Produção: Teatro Oficina Uzyna Uzona. Personagens/Elenco: Estragão/Gogo (Marcelo Drummond), Vladimir/Didi (Alexandre Borges), Pozzo/Bozo (Ricardo Bittencourt), LuckyFelizardo (Roderick Himeros) e Mensageiro (Tony Reis).

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Gerson Almeida Luiz Bernardo Pericás Eleonora Albano Daniel Afonso da Silva Heraldo Campos Michael Roberts Gilberto Maringoni Luís Fernando Vitagliano Plínio de Arruda Sampaio Jr. Fernando Nogueira da Costa Ricardo Fabbrini Afrânio Catani José Luís Fiori Luiz Roberto Alves Paulo Nogueira Batista Jr Boaventura de Sousa Santos Anselm Jappe Eleutério F. S. Prado Paulo Martins Valerio Arcary Juarez Guimarães Denilson Cordeiro Marilia Pacheco Fiorillo Airton Paschoa Slavoj Žižek João Feres Júnior Paulo Sérgio Pinheiro Osvaldo Coggiola Carlos Tautz Manuel Domingos Neto José Dirceu Valério Arcary Celso Favaretto Berenice Bento André Márcio Neves Soares Tales Ab'Sáber Eugênio Bucci Mário Maestri Vinício Carrilho Martinez Sergio Amadeu da Silveira Gilberto Lopes Samuel Kilsztajn José Costa Júnior Rodrigo de Faria Gabriel Cohn Priscila Figueiredo Lincoln Secco Lucas Fiaschetti Estevez João Carlos Loebens Maria Rita Kehl Marilena Chauí Paulo Fernandes Silveira Carla Teixeira Kátia Gerab Baggio Alexandre Aragão de Albuquerque Luiz Eduardo Soares João Adolfo Hansen Alexandre de Freitas Barbosa André Singer Eduardo Borges Atilio A. Boron Armando Boito Paulo Capel Narvai José Geraldo Couto Eliziário Andrade Leonardo Boff Andrew Korybko Chico Whitaker Rafael R. Ioris Flávio Aguiar Manchetômetro Leda Maria Paulani Alysson Leandro Mascaro Marcelo Módolo Antonino Infranca Bernardo Ricupero Benicio Viero Schmidt Luiz Costa Lima Luiz Werneck Vianna Milton Pinheiro Marcelo Guimarães Lima Celso Frederico Ari Marcelo Solon Alexandre de Lima Castro Tranjan Roberto Noritomi Ronaldo Tadeu de Souza Bento Prado Jr. Jean Pierre Chauvin Sandra Bitencourt Francisco Fernandes Ladeira Bruno Machado Claudio Katz Vanderlei Tenório Thomas Piketty Luciano Nascimento Igor Felippe Santos Michael Löwy Henri Acselrad Leonardo Avritzer Luis Felipe Miguel Rubens Pinto Lyra Roberto Bueno Elias Jabbour Marcus Ianoni Ricardo Musse Luiz Marques Dênis de Moraes Antonio Martins Flávio R. Kothe Antônio Sales Rios Neto João Carlos Salles Francisco Pereira de Farias Marcos Silva Tadeu Valadares Remy José Fontana Dennis Oliveira José Raimundo Trindade Luiz Carlos Bresser-Pereira José Micaelson Lacerda Morais Walnice Nogueira Galvão João Sette Whitaker Ferreira Jean Marc Von Der Weid José Machado Moita Neto Luiz Renato Martins Mariarosaria Fabris Ladislau Dowbor Francisco de Oliveira Barros Júnior Salem Nasser Daniel Brazil Eugênio Trivinho Jorge Luiz Souto Maior Yuri Martins-Fontes Henry Burnett Vladimir Safatle João Paulo Ayub Fonseca Marcos Aurélio da Silva Caio Bugiato Anderson Alves Esteves Ricardo Antunes Ricardo Abramovay Jorge Branco Leonardo Sacramento Lorenzo Vitral Renato Dagnino Fernão Pessoa Ramos Everaldo de Oliveira Andrade Tarso Genro Fábio Konder Comparato Daniel Costa Marjorie C. Marona Érico Andrade Ronald León Núñez Julian Rodrigues Bruno Fabricio Alcebino da Silva Chico Alencar Ronald Rocha Otaviano Helene Annateresa Fabris Liszt Vieira João Lanari Bo

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada