As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A cena brasileira – XXVII

Imagem: Willian Eickler
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por BENÍCIO VIERO SCHMIDT*

Comentário sobre acontecimentos recentes

Na semana do professor, é anunciado o corte de R$ 600 milhões do Ministério de Ciência e Tecnologia e Inovação. Seu condutor, o astronauta vendedor de travesseiros em seu site particular, manifesta “surpresa”. O edital universal do CNPq está ameaçado, bem como bolsas de pesquisa, de pós-graduação e outras despesas de laboratórios. Um desastre.

A próxima semana será bem mais movimentada do que esta última, ao menos em Brasília.

No Senado Federal será apresentado o relatório final da CPI-Covid (19), com votação no dia seguinte (20), contando com a presença de familiares de vítimas do todo o país. Serão destaques as pessoas do norte do Brasil, local de experimentos com tratamento ineficaz (kit-COVID) , combinados com falta deliberada de oxigênio, e com, ao menos, 200 vítimas no Amazonas. Operação com forte apelo emocional, certamente será confrontada com o negacionismo das tropas leais ao Executivo, tentando escapar publicamente das acusações de crimes em 11 incidências, incluindo acusações de charlatanismo e crimes contra a humanidade por parte do presidente Bolsonaro. Os filhos do presidente também serão acusados por fake news em relação à pandemia. O que pode causar comoção pública.

Também a votação da lei do ICMS, estabelecendo um valor fixo aos litros de combustível vai ao Senado, depois de aprovada pela Câmara Federal. Os protestos dos governadores e dos prefeitos podem levar a matéria ao STF, posteriormente. Há um prejuízo estimado aos estados de cerca de R$ 84 bilhões e cerca de R$ 6 bilhões aos municípios. A aprovação da Câmara, que exigiria regulamentação posterior da matéria, não garante sua aprovação no Senado; além de ter pouco impacto do que seriam os preços dos combustíveis no mercado. Em função da alta dos preços, o Executivo tenta jogar a responsabilidade sobre os governadores, de modo especial; indo até a declarações improvisadas sobre a possível privatização da Petrobras. Aliás, resta pouco prazo, dado pelo CADE, para que a Petrobras venda 8 de suas anunciadas refinarias (50%) da capacidade nacional de refino, Os interessados têm desistido, exatamente pela instabilidade governamental e pelo erratismo das medidas anunciadas para controle de preços dos combustíveis.

Na Câmara será considerado e votado um tema sensível às relações entre os poderes da república: a PEC (5/2021) que altera a composição do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP). Será votada na terça-feira (19), com chances de aprovação com prováveis sugestões dos procuradores, ainda exercendo muitos protestos pelo avanço do Legislativo sobre suas prerrogativas. Juntamente com a Lei da Improbidade, esta PEC sinaliza uma tentativa de maior controle do Legislativo sobre os demais poderes.

A Conferência sobre o clima (Glasgow, 31 outubro-12 novembro) segue recebendo sugestões e providências quanto à melhoria dos índices de aquecimento global. O Brasil, por meio do Ministério do Meio Ambiente, apresentará um mirabolante plano que dependerá da boa vontade dos doadores internacionais; que, aliás, têm demonstrado desprezo pelos anúncios brasileiros, como atesta o périplo de autoridades norte-americanas que viajam a América do Sul sem visitar ou dialogar com as autoridades brasileiras. Um sinal de isolamento e desgaste internacional.

A questão energética agrava-se com a inflação dos combustíveis e a crise hídrica. Afora as escaramuças ao redor da Petrobras, o governo indica que vai encaminhar ao BNDES um pedido de recursos (R$ 20 bilhões) para a construção de termelétricas movidas a carvão. O primeiro sintoma é negação do Banco, uma vez que prioriza, desde 2017, a construção de usinas de energia limpa (solar e eólica). Mais um conflito e uma medida contra as tendências mundiais.

No panorama eleitoral, além da operação de consolidação da União Brasil (PSL + DEM) como o maior partido da direita no Congresso- por sua vez caracterizado por extremo conservadorismo- destacam-se as diatribes entre Ciro Gomes, Lula e Dilma sobre eventos recentes e sobre a natureza das alianças possíveis para as eleições de 2022. Ciro Gomes faz de Lula e do PT sues principais inimigos, em busca do apoio conservador. Veremos.

*Benicio Viero Schmidt é professor aposentado de sociologia na UnB e consultor da Empower Consult. Autor, entre outros livros, de O Estado e a política urbana no Brasil (LP&M).

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Afrânio Catani Otaviano Helene Lorenzo Vitral Leonardo Sacramento Vanderlei Tenório Tales Ab'Sáber José Costa Júnior Alexandre Aragão de Albuquerque Lucas Fiaschetti Estevez Eliziário Andrade Milton Pinheiro Michael Roberts Valerio Arcary Elias Jabbour Ricardo Fabbrini Ari Marcelo Solon Roberto Noritomi João Paulo Ayub Fonseca Annateresa Fabris Alexandre de Lima Castro Tranjan Henri Acselrad Ricardo Antunes José Raimundo Trindade João Adolfo Hansen José Micaelson Lacerda Morais Daniel Costa Ronald León Núñez Chico Whitaker Liszt Vieira Marcelo Módolo Jorge Branco Carla Teixeira Chico Alencar João Carlos Loebens Everaldo de Oliveira Andrade Henry Burnett Carlos Tautz Luiz Roberto Alves José Geraldo Couto Antônio Sales Rios Neto Manchetômetro Luiz Marques Dênis de Moraes Mariarosaria Fabris Gilberto Lopes João Lanari Bo Rodrigo de Faria Paulo Nogueira Batista Jr Plínio de Arruda Sampaio Jr. Paulo Martins Tadeu Valadares João Feres Júnior Yuri Martins-Fontes Marcos Aurélio da Silva Celso Favaretto Luiz Bernardo Pericás Rafael R. Ioris Luiz Renato Martins Remy José Fontana Daniel Brazil Igor Felippe Santos Rubens Pinto Lyra Denilson Cordeiro Bruno Machado José Dirceu Luis Felipe Miguel André Márcio Neves Soares Benicio Viero Schmidt Celso Frederico Leonardo Boff Mário Maestri Eugênio Bucci João Sette Whitaker Ferreira Lincoln Secco Marcelo Guimarães Lima Leda Maria Paulani Salem Nasser Michael Löwy Luciano Nascimento Berenice Bento Gabriel Cohn Airton Paschoa Marilia Pacheco Fiorillo Bernardo Ricupero Dennis Oliveira Eduardo Borges Thomas Piketty Antonino Infranca Osvaldo Coggiola Marcos Silva Luiz Werneck Vianna João Carlos Salles Ricardo Abramovay Heraldo Campos Valério Arcary Paulo Sérgio Pinheiro Tarso Genro Boaventura de Sousa Santos Kátia Gerab Baggio Paulo Fernandes Silveira Luís Fernando Vitagliano Gerson Almeida Sandra Bitencourt Eugênio Trivinho Maria Rita Kehl Leonardo Avritzer Caio Bugiato Luiz Carlos Bresser-Pereira Roberto Bueno Sergio Amadeu da Silveira Manuel Domingos Neto Andrew Korybko Fernando Nogueira da Costa Jean Pierre Chauvin Bento Prado Jr. Eleonora Albano Francisco de Oliveira Barros Júnior Marcus Ianoni Anderson Alves Esteves Luiz Costa Lima Flávio R. Kothe Antonio Martins Bruno Fabricio Alcebino da Silva Jorge Luiz Souto Maior Jean Marc Von Der Weid Fábio Konder Comparato Érico Andrade Paulo Capel Narvai Eleutério F. S. Prado Marilena Chauí Marjorie C. Marona Fernão Pessoa Ramos Ronald Rocha Juarez Guimarães Ladislau Dowbor Ronaldo Tadeu de Souza Ricardo Musse Priscila Figueiredo Alysson Leandro Mascaro Francisco Pereira de Farias Slavoj Žižek Armando Boito André Singer Vladimir Safatle Atilio A. Boron Samuel Kilsztajn Luiz Eduardo Soares Anselm Jappe Daniel Afonso da Silva Alexandre de Freitas Barbosa Gilberto Maringoni José Machado Moita Neto Vinício Carrilho Martinez Claudio Katz Flávio Aguiar Renato Dagnino Francisco Fernandes Ladeira Walnice Nogueira Galvão José Luís Fiori Julian Rodrigues

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada