Liev Davidovitch Bronstein

Imagem: Plato Terentev
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por HECTOR BENOIT*

Considerações sobre a guerra na Ucrânia e o Brasil atual

Liev Davidovitch Bronstein ficou mais conhecido, mundialmente, como Leon Trótski, o Comissário da Guerra que, heroicamente, tomou o palácio de Inverno, defendeu a vitória da Revolução Russa e criou o célebre e glorioso Exército Vermelho!

Paradoxalmente, Liev ou se preferirem Trótski, nasceu em Óblast de Kherson, pequena cidade da atual Ucrânia! Sim, Trótski é mais “ucraniano”, certamente, muito e muito mais ucraniano do que esse farsante chamado Volodymyr Zelenski!

Será que o farsante do Volodymyr Zelenski nasceu na Ucrânia? Talvez nem isso seja verdade! É verdade, ele nasceu na Ucrânia. Era de origem judaica, ora, Trótski também o era. Ser de origem judaica pode ser tanto nazista como comunista.

Eu próprio nasci uruguaio e minha mãe, lá pelos meus quatro anos, fugiu do Uruguai, com um alemão judeu para o Brasil. Ela, com o seu colonialismo, dizia que ele parecia com Garry Cooper, o galã de Hollywood. Só que o meu pai, Hector Pichuaga Rodriguez Benoit, era muito violento, e o alemão tinha medo dele. Daí ele e a minha mãe fugiram para o Brasil. No fim da vida da minha mãe, ela morreu com 98 anos, conversamos calmante e sinceramente. Afinal, que nós tínhamos para esconder?

Eu fiz uma pergunta muito difícil para ela: quem foi o maior homem da tua vida e o melhor na cama? Ela me disse: “sem dúvida, o teu pai”.

Aprendi o nazismo nas mãos do alemão, Ernst Toller! Ele me dizia que os alemães eram a “elite do judaísmo”. Os “polacos, russos, tchecos e outros judeus são camponeses grosseiros…”.

Eu, uruguaio, com toda a honra do mundo, aos três ou quatro anos, era chamado pelo alemão de “criollo”, para ele os brasileiros eram “índios”!

Aprendi aos quatro anos a ser antinazista e comunista, além disso: anti-imperialista radical!

 

Leon Trótski!

Ele fundou o heroico Exército Vermelho? Sim, ele nasceu no Óblast de Kherson, numa pequena cidade da Ucrânia, seus pais eram relativamente pobres camponeses, ainda que explorassem trabalho. Sabemos bem que, quando já no poder, Trótski recebeu o pai e este lhe pediu ajuda financeira; Trótski, como bolchevique irredutível, disse ao próprio pai: “Nada a fazer, adeus”.

Mas, comparemos o histórico de ambos, Trótski e o farsante do Zelenski. Não há dúvida! Volodymyr Zelenski se tornou famoso como ator, e, ganhando o concurso popular de TV “dança dos famosos” versão ucraniana do “Faustão”!

Depois, o comediante Zelenski se lançou como candidato-piada para a presidência da república Ucrânia e venceu. Como um Tiririca que foi o deputado mais votado numa eleição, similar ao antigo “Cacareco”…

Bem, como ator, Volodymyr Zelenski depois discursou em todos os parlamentos corruptos da Europa e EUA, sob aplausos hipócritas. De quebra, a guerra da Ucrânia salvou o grotesco do Boris Johnson das suas festinhas “muito particulares”, que quase o levaram à queda, já que na época recomendava austeridade à comunidade extremamente “pura” da Inglaterra, a começar pela “puríssima” família real, que entre coisas, tem no seu “histórico” a suspeita do assassinato da princesa Diana!

 

O Brasil e Lula

Tudo bem votar nele, é melhor do que o pior. Entretanto, suas limitações são tristes. Saiu na capa da Times, 04/05/22. Como sempre, fala besteiras! Diz que “Putin não deveria ter invadido a Ucrânia”!

Ora, Putin estava, ao contrário, “não invadindo a Ucrânia”. Na verdade, Putin estava defendendo a Rússia do imperialismo da OTAN, EUA etc. Estava apenas defendo a Rússia de uma agressão dos EUA, e do mísero imperialismo britânico-francês que ainda mantém colônias na América Latina, tais como a Ilhas Malvinas na Argentina e as Guianas Francesas no norte da nossa América, para não falar do escândalo das décadas da base Norte-Americana em Guantánamo, na ilha de Cuba.

Eu não sou “criollo” e nós brasileiros não somos “índios”, ainda que os que temos, de tantas etnias indígenas, sejam etnias nobres, são muitos melhores dos que os “gringos”. Tive um aluno ouvinte, por vários anos, índio, aprendi mais com ele do que eu que o ensinei.

 

A questão nacional

Sem dúvida, Lênin teve razão contra Rosa Luxemburgo. Ela, apesar de polonesa, achava que a questão nacional da Polônia não tinha a menor importância. Que respondeu Lênin? Não podemos entregar a questão nacional para a direita! Por onde começou a cair a URSS? Pela Polônia, pelo Solidariedade de Walesa, que todos os “trotskistas” diziam que era a “revolução política”. Qual foi a “revolução política” que ocorreu na Polônia? Na verdade, foi o começo da queda da URSS.

Escrevo estas linhas com tanta emoção, camaradas. Mas, são sinceras como las palabras de Paco Ibañez. Um basco como eu, como o futebol de Arrascaeta, basco, uruguaio, o maior jogador da América Latina.

Na questão nacional o próprio Lênin supervisionou e revisou um livro de Stálin sobre a Geórgia. Claro, Lênin defendeu a liberdade da Geórgia. Da mesma forma, defendeu a liberdade da Ucrânia. Qual seria o motivo de Lênin? Liberdade à Ucrânia, à Geórgia e à Polônia, para não entregar a questão nacional para a direita!

Putin, com a derrubada mundial do dólar, com o crescimento do rublo, como moeda mundial, talvez possa ser uma grande esperança política e econômica, não só para o Brasil, mas também para toda a América Latina, Argentina, Uruguai, Chile, Venezuela, Colômbia, Peru e Cuba. Será que o sonho meu e de Che não se apagou?

Não aceito ser chamado por “criollo’. Nem um negro brasileiro deve aceitar ser ofendido por racismo! Nenhum índio brasileiro deve ser humilhado! Chega de sanções!

EUA: vocês não possuem mais o comando da economia mundial! O Rublo sobe como moeda mundial!

*Hector Benoit é professor do Departamento de filosofia da Unicamp. Autor, entre outros livros, de A odisseia de Platão: as aventuras e desventuras da dialética (Annablume).

 

Referência


EICHENGREEN, Barry. The Rise and Fall of the Dollar and the Future of the International Monetary System.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Alysson Leandro Mascaro Tales Ab'Sáber Mário Maestri Matheus Silveira de Souza Gilberto Maringoni Paulo Martins Otaviano Helene Bento Prado Jr. Juarez Guimarães Boaventura de Sousa Santos Flávio R. Kothe José Dirceu Sergio Amadeu da Silveira Valerio Arcary Atilio A. Boron Antônio Sales Rios Neto Fábio Konder Comparato Ronaldo Tadeu de Souza Plínio de Arruda Sampaio Jr. Ladislau Dowbor Marilia Pacheco Fiorillo Leda Maria Paulani João Carlos Loebens João Feres Júnior Bruno Fabricio Alcebino da Silva André Singer Antonio Martins Leonardo Boff José Raimundo Trindade Chico Alencar Ronald León Núñez Eugênio Bucci Antonino Infranca Henry Burnett Bruno Machado Celso Favaretto Jean Pierre Chauvin João Carlos Salles Bernardo Ricupero Paulo Nogueira Batista Jr Remy José Fontana Luiz Werneck Vianna Igor Felippe Santos Milton Pinheiro Leonardo Sacramento Slavoj Žižek José Machado Moita Neto Carla Teixeira Everaldo de Oliveira Andrade Ricardo Musse João Paulo Ayub Fonseca Celso Frederico Gilberto Lopes Eliziário Andrade Ricardo Abramovay Luiz Bernardo Pericás Gerson Almeida Paulo Capel Narvai Daniel Costa Anselm Jappe Luis Felipe Miguel Jorge Branco Benicio Viero Schmidt Marcelo Módolo João Lanari Bo Ricardo Antunes Armando Boito Lorenzo Vitral Eleonora Albano Caio Bugiato Claudio Katz Annateresa Fabris Denilson Cordeiro Airton Paschoa Marjorie C. Marona Rafael R. Ioris Alexandre de Lima Castro Tranjan Érico Andrade Marilena Chauí Fernando Nogueira da Costa Sandra Bitencourt Fernão Pessoa Ramos Jorge Luiz Souto Maior Francisco Fernandes Ladeira Daniel Brazil Francisco de Oliveira Barros Júnior Ari Marcelo Solon Marcelo Guimarães Lima Manchetômetro Jean Marc Von Der Weid José Luís Fiori Vanderlei Tenório Anderson Alves Esteves Maria Rita Kehl João Sette Whitaker Ferreira Tarso Genro Paulo Fernandes Silveira Salem Nasser Thomas Piketty André Márcio Neves Soares Vinício Carrilho Martinez Andrés del Río Carlos Tautz Leonardo Avritzer Gabriel Cohn Elias Jabbour Paulo Sérgio Pinheiro José Geraldo Couto Yuri Martins-Fontes Osvaldo Coggiola Kátia Gerab Baggio Rodrigo de Faria Eduardo Borges José Costa Júnior Berenice Bento Luiz Carlos Bresser-Pereira Marcos Silva Michel Goulart da Silva Marcus Ianoni Alexandre Aragão de Albuquerque Henri Acselrad Flávio Aguiar Eleutério F. S. Prado Eugênio Trivinho Liszt Vieira Chico Whitaker Lincoln Secco Ricardo Fabbrini Tadeu Valadares Mariarosaria Fabris Francisco Pereira de Farias Dênis de Moraes Priscila Figueiredo Valerio Arcary Andrew Korybko José Micaelson Lacerda Morais Lucas Fiaschetti Estevez Alexandre de Freitas Barbosa Ronald Rocha Luiz Eduardo Soares Afrânio Catani Renato Dagnino Marcos Aurélio da Silva Vladimir Safatle Luiz Marques Rubens Pinto Lyra Dennis Oliveira Michael Löwy Luiz Roberto Alves Manuel Domingos Neto Michael Roberts Luís Fernando Vitagliano Luciano Nascimento Julian Rodrigues Heraldo Campos João Adolfo Hansen Walnice Nogueira Galvão Luiz Renato Martins Daniel Afonso da Silva Samuel Kilsztajn

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada