As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A desorientação petista

Imagem: Stela Grespan
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por RUDÁ RICCI*

A desorientação petista não se deve ao estresse pós-traumático. Vem de antes. Vem do pragmatismo e foco eleitoreiro que emergiu na metade dos anos 1990

Quero iniciar sugerindo que tenhamos serenidade quando analisamos ou participamos do jogo político. Como qualquer jogo, há momentos de avanço e há momentos de recuo, mas, o que conta é a estratégia. Faço esta sugestão porque o campo progressista continua histérico. Já socializei aqui minha tese: os lulistas, em especial, sofrem de estresse pós-traumático. Depois do impeachment de Dilma Rousseff, da prisão do Lula e eleição de Bolsonaro, perderam a noção de perspectiva e qualquer solavanco interpretam como sendo uma avalanche.

Mas, vamos à análise. Temos um conjunto de pesquisas que indicam uma melhora na avaliação do governo Bolsonaro. Mais: ele se tornou o principal cabo eleitoral das eleições em várias capitais do país. Lula continua em destaque, mas, agora, como segundo influenciador. As pesquisas indicam que o principal fator de melhoria da avaliação são os 600 reais emergenciais. Vale a pena comparar como esta ajuda emergencial assume um perfil de abrangência muito similar ao peso do Bolsa Família. Vamos aos dados.

O Programa Bolsa Família (somado ao fomento promovido pelo BNDES) teve o condão de alterar a lógica social do Nordeste durante os governos Lula. Ainda hoje, 50% dos maranhenses recebem este recurso; 48% no Piauí e 47% em Alagoas. Já a ajuda emergencial de 600 reais envolve 39% da população da Bahia. Estudo feito pelos economistas Écio Costa (UFPE) e Marcelo Freire (Secretaria de Desenvolvimento de Pernambuco) as cinco parcelas do programa de renda básica equivalem a 6,3% do PIB do Nordeste. O estudo indica que no Brasil o recurso emergencial equivale a 2,5% do PIB nacional (sendo 6,3% do PIB nordestino).

Para onde está indo este recurso? Para a construção civil. Se vai para a construção civil, significa que está aquecendo o mercado local. Além de material de construção, compras de celulares em segunda mão também estão registrando alta nas localidades com maior número de beneficiários. O caminho do Bolsa Família se repete. Ora, não há como ser diferente no país que é a oitava economia mundial e o sétimo em desigualdade social do Planeta. Temos, aqui, que destacar o papel pedagógico da democracia. Bolsonaro teve que se curvar à realidade. Se antes, o mote de Jair era o ataque virulento e extremado ao Estado e à agenda de Bem-Estar Social, agora, cede porque percebeu que sem a agenda social estava afundando.

Contudo, Patrícia Valim (UFBA) sugere outro dado: os Estados nordestinos que menos enfrentam o bolsonarismo teriam registrado uma melhoria na avaliação de Bolsonaro muito superior à média nacional. No caso, Valim está citando Bahia e Ceará. A tese é boa. Precisaremos de mais pesquisas para confirmar a tese de Valim, mas, de fato, os dois governos estão implantando a militarização da educação. Bahia enfrentou recentemente uma greve de professores universitários estaduais muito desgastante.

O governo do Ceará enviou proposta à sua Assembleia Legislativa congelando os gastos primários à luz da Emenda 95, amplamente rejeitada pela esquerda brasileira. Outros governos nordestinos adotaram, aqui ou ali, políticas liberais ou conservadoras, mas foram nos Estados onde a ausência de enfrentamento do bolsonarismo gerou uma avenida para a extrema-direita se firmar. É por aí que candidatos militares são lançados nas capitais.

Há, ainda, rondando na esquerda tupiniquim outra leitura: estaria ocorrendo uma troca de pele do PT. Primeiro: estaria deslocando seu poder de fogo do centro-sul do país para o nordeste. Segundo: seus governos estariam adotando uma agenda mais conservadora. Lentamente, o PT vai cedendo espaço – por força de seu pragmatismo eleitoral – à esquerda. Esta hipótese explicaria o crescimento significativo do PSOL em hostes até então petistas. Nas capitais do sudeste, os candidatos petistas amargam a lanterna em intenção de voto.

A desorientação petista não se deve ao estresse pós-traumático. Vem de antes. Vem do pragmatismo e foco eleitoreiro que emergiu na metade dos anos 1990. A partir daí, ganhar a qualquer custo virou máxima na direção partidária. Chegou um momento, que passou a se conformar. Passou a se conformar ao ideário popular. Ocorre que há estudos que indicam que num país com elite hiperconservadora e meios de comunicação embebidos no mesmo caldo ideológico, se os progressistas não disputam valores, acabam perdendo espaço político.

Em Minas Gerais, ocorreu exatamente isto com o governo Fernando Pimentel. Primeiro, atacou as bases do “modo petista de governar” adotado por Patrus Ananias. Depois, no governo estadual, não adotou uma agenda que se diferenciasse dos governos anteriores. Pimentel cometeu um erro mais grosseiro: apostou que a gestão Dilma Rousseff aportaria recursos para seu governo decolar. Com o impeachment, comprovou que não tinha Plano B. Em meio ao ano da sua reeleição, passou a atrasar repasses às prefeituras e pagamento do funcionalismo.

Temos, então, um partido que foi desaprendendo a ser oposição de esquerda. Passou a ser pragmático e ceder ao que a maioria pensa, sem enfrentamentos. E pensar que os petistas citavam Gramsci que sugeria que era possível ser poder sem ser governo. Acabaram invertendo.

*Rudá Ricci é diretor geral do Instituto Cultiva, professor do curso de mestrado em Direito e Desenvolvimento Sustentável da Escola Superior Dom Helder Câmara. Autor, entre outros livros, de Lulismo (Contraponto).

Publicado originalmente na revista Fórum

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Sandra Bitencourt Maria Rita Kehl Celso Favaretto Annateresa Fabris Boaventura de Sousa Santos Luiz Marques André Márcio Neves Soares Eleutério F. S. Prado Fernão Pessoa Ramos Gilberto Maringoni Andrew Korybko Paulo Sérgio Pinheiro Luiz Werneck Vianna Fábio Konder Comparato Paulo Fernandes Silveira Alexandre de Lima Castro Tranjan Bento Prado Jr. Ricardo Antunes Mário Maestri José Costa Júnior Benicio Viero Schmidt Ronaldo Tadeu de Souza Daniel Brazil Marcus Ianoni João Lanari Bo Otaviano Helene Bruno Machado Yuri Martins-Fontes Paulo Martins Rodrigo de Faria Tadeu Valadares Alysson Leandro Mascaro Dênis de Moraes Kátia Gerab Baggio Paulo Capel Narvai Eleonora Albano Luiz Bernardo Pericás Antonio Martins Everaldo de Oliveira Andrade Francisco Fernandes Ladeira Plínio de Arruda Sampaio Jr. Ronald León Núñez Manuel Domingos Neto Érico Andrade Jean Marc Von Der Weid Vanderlei Tenório Lincoln Secco João Carlos Salles Gilberto Lopes Luiz Eduardo Soares Sergio Amadeu da Silveira Marcelo Módolo Ronald Rocha Juarez Guimarães Rafael R. Ioris Jean Pierre Chauvin Jorge Luiz Souto Maior Luciano Nascimento Jorge Branco Daniel Afonso da Silva João Paulo Ayub Fonseca José Machado Moita Neto Flávio Aguiar Gabriel Cohn Roberto Bueno Liszt Vieira Airton Paschoa Valerio Arcary Luis Felipe Miguel Ari Marcelo Solon Manchetômetro João Sette Whitaker Ferreira Eugênio Trivinho Luiz Carlos Bresser-Pereira Bernardo Ricupero Luiz Costa Lima Ricardo Fabbrini Eduardo Borges Luiz Renato Martins Marjorie C. Marona Igor Felippe Santos Ricardo Musse Francisco de Oliveira Barros Júnior Gerson Almeida Marcelo Guimarães Lima Carlos Tautz Heraldo Campos Claudio Katz Celso Frederico Dennis Oliveira Michael Löwy Atilio A. Boron Ladislau Dowbor João Adolfo Hansen Afrânio Catani Carla Teixeira André Singer Denilson Cordeiro Leda Maria Paulani Eliziário Andrade Luís Fernando Vitagliano Henri Acselrad José Geraldo Couto Armando Boito Tarso Genro Luiz Roberto Alves Chico Alencar Lucas Fiaschetti Estevez Marilia Pacheco Fiorillo Berenice Bento Ricardo Abramovay Bruno Fabricio Alcebino da Silva Henry Burnett Fernando Nogueira da Costa Thomas Piketty Paulo Nogueira Batista Jr Alexandre de Freitas Barbosa José Luís Fiori Vinício Carrilho Martinez Lorenzo Vitral Anderson Alves Esteves Antonino Infranca Chico Whitaker Antônio Sales Rios Neto Priscila Figueiredo Julian Rodrigues José Dirceu Walnice Nogueira Galvão João Feres Júnior Samuel Kilsztajn Michael Roberts Leonardo Boff Marcos Silva Leonardo Avritzer José Raimundo Trindade Marilena Chauí Vladimir Safatle Remy José Fontana Elias Jabbour Leonardo Sacramento Eugênio Bucci Daniel Costa Flávio R. Kothe Mariarosaria Fabris Alexandre Aragão de Albuquerque Salem Nasser Renato Dagnino Osvaldo Coggiola Valério Arcary Slavoj Žižek Roberto Noritomi Caio Bugiato Tales Ab'Sáber Francisco Pereira de Farias João Carlos Loebens Rubens Pinto Lyra José Micaelson Lacerda Morais Anselm Jappe Milton Pinheiro Marcos Aurélio da Silva

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada