As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Mobilizações propositivas

Imagem_Elyeser Szturm
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por Angelita Matos Souza*

A aposta é no poder de convencimento do Sejamos todos sociaisdemocratas, inclusive como caminho para fazer avançar o Sejamos todos feministas na direção liberalidentitária

Ao final de setembro de 2018, em várias cidades do Brasil, manifestantes saíram às ruas atendendo à convocação “Ele Não”. As manifestações organizadas por mulheres, com público maiormente feminino, foram alegres e expressivas, porém sondagens sobre intenções de voto realizadas depois mostraram o crescimento das intenções de voto entre as mulheres no candidato Jair Bolsonaro. Nas redes sociais, alguns apontaram que a “marcha das mulheres” estimulou o avanço do candidato da extrema direita nas eleições.

Não tenho ideia se a correlação é pertinente, todavia suspeito que mobilizações propositivas costumam ser politicamente mais interessantes. Dessa ótica, o caráter negativo e personalizado do #EleNão pode ter sido contraproducente, provavelmente seria mais atraente uma chamada afirmativa, que ao invés de mirar no candidato, agora presidente, focasse na proteção social, evitando pautas controversas.

Mais creches, menos descriminalização do aborto! É provocação, mas a hipótese a ser considerada é a de que talvez estejamos em uma situação tão desvantajosa que seja melhor, para dar um passo à frente, dar dois passos atrás e abraçar proposições feministas sem falar em feminismo, rechaçado pelos movimentos conservadores em ascensão no país, como apontam pesquisas a respeito.

 Antipatia certamente relacionada ao fato de a dimensão social dos estudos feministas vir sendo abafada pelas pautas mais liberais dos movimentos identitários, que ofuscam a relação de complementaridade e de contradição entre as esferas da produção econômica e a da reprodução social. Isto é, boa parte das pesquisas e produção bibliográfica no campo dos estudos feministas denuncia a quantidade de tempo e recursos destinados a produzir pessoas (força de trabalho), por meio de atividades a cargo, principalmente, das mulheres, atividades muitas vezes não remuneradas, associadas ao mundo dos cuidados/afetos, em oposição à esfera da produção econômica, inviável sem a esfera da reprodução social.

Contraditoriamente, condição subordinada à lógica econômica, de produção de bens & acumulação financeira. A injustiça implícita nessa hierarquia torna-se ainda mais dramática em um momento de crise como o que estamos atravessando, que exponencia a necessidade de proteção social. Além de evidenciar, se algum ainda o desconhece, que cabe sobretudo às mulheres cuidar da família, ao mesmo tempo em que muitas têm de conciliar essa responsabilidade com a situação de força de trabalho no mercado, sendo o trabalho feminino dominante na terceirização dos cuidados, no setor privado, mormente doméstico, e nos serviços públicos de assistência social.

Duplicação (ou jornada dupla) que predispõe as mulheres a posições políticas sociais-democratas. A defesa de serviços sociais de qualidade tem potencial para atrair tanto as mulheres da classe trabalhadora dependentes desses serviços como as dos estratos médios, na medida em que propiciaria ganhos na renda se subtraídos gastos com educação e assistência médica. Uma bandeira dos movimentos feministas, mas talvez o melhor seja defender a oferta e qualidade dos serviços públicos, além da renda mínima, sem falar abertamente em feminismo. O objetivo da conquista de votos para o campo progressista justificaria ofuscar pautas caras aos movimentos feministas, como a da autonomia decisória sobre o próprio corpo.

Para concluir, vale indagar sobre as chances de um país periférico e dependente como o Brasil vir a ser uma socialdemocracia avançada? Tudo indica que são escassas, no entanto algumas conquistas são sempre possíveis e a demanda por assistência tem potencial maior de acirramento das contradições em favor do campo progressista. A aposta é no poder de convencimento do Sejamos todos sociaisdemocratas, inclusive como caminho para fazer avançar o Sejamos todos feministas na direção liberalidentitária.

*Angelita Matos Souza é professora do Instituto de Geociências e Ciências Exatas da Unesp.

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Tadeu Valadares Bruno Machado Salem Nasser Alexandre Aragão de Albuquerque Marcelo Guimarães Lima Caio Bugiato Luiz Roberto Alves Chico Whitaker Bento Prado Jr. Luciano Nascimento Paulo Martins João Carlos Loebens Ronaldo Tadeu de Souza Annateresa Fabris Valerio Arcary Lorenzo Vitral Marcos Aurélio da Silva Eugênio Bucci Luiz Costa Lima Berenice Bento Fernando Nogueira da Costa Eduardo Borges Heraldo Campos André Márcio Neves Soares Luiz Eduardo Soares João Carlos Salles Gabriel Cohn Luiz Renato Martins Ricardo Musse Igor Felippe Santos Sandra Bitencourt José Micaelson Lacerda Morais Afrânio Catani Francisco de Oliveira Barros Júnior Eliziário Andrade Marjorie C. Marona Ari Marcelo Solon Alexandre de Lima Castro Tranjan Anderson Alves Esteves Anselm Jappe Bernardo Ricupero Luiz Marques Celso Favaretto Ricardo Abramovay Remy José Fontana Denilson Cordeiro Leonardo Boff Priscila Figueiredo Jean Marc Von Der Weid Paulo Sérgio Pinheiro Paulo Capel Narvai Boaventura de Sousa Santos Celso Frederico Luiz Carlos Bresser-Pereira Lucas Fiaschetti Estevez Rodrigo de Faria Marcos Silva José Raimundo Trindade Luis Felipe Miguel João Sette Whitaker Ferreira Sergio Amadeu da Silveira Flávio Aguiar Leonardo Avritzer Slavoj Žižek Gerson Almeida Juarez Guimarães Ronald León Núñez Henry Burnett Claudio Katz José Luís Fiori Jean Pierre Chauvin Airton Paschoa Érico Andrade Manchetômetro Alexandre de Freitas Barbosa Jorge Luiz Souto Maior Antonio Martins Jorge Branco Ricardo Antunes Eugênio Trivinho Carlos Tautz João Lanari Bo Marilena Chauí João Feres Júnior Gilberto Lopes Leda Maria Paulani Rubens Pinto Lyra Marcus Ianoni Marcelo Módolo Valério Arcary Benicio Viero Schmidt Maria Rita Kehl Francisco Fernandes Ladeira João Adolfo Hansen Michael Roberts Armando Boito Eleonora Albano Milton Pinheiro Samuel Kilsztajn Luiz Bernardo Pericás José Machado Moita Neto Renato Dagnino Carla Teixeira Daniel Brazil Fábio Konder Comparato Leonardo Sacramento Fernão Pessoa Ramos Mariarosaria Fabris Dennis Oliveira Henri Acselrad Daniel Costa Gilberto Maringoni Elias Jabbour Atilio A. Boron José Dirceu Bruno Fabricio Alcebino da Silva Tales Ab'Sáber Alysson Leandro Mascaro Vladimir Safatle Thomas Piketty Michael Löwy Ricardo Fabbrini Rafael R. Ioris Manuel Domingos Neto Flávio R. Kothe Chico Alencar Dênis de Moraes João Paulo Ayub Fonseca Mário Maestri André Singer Roberto Noritomi Antonino Infranca Paulo Nogueira Batista Jr Antônio Sales Rios Neto Francisco Pereira de Farias Eleutério F. S. Prado Julian Rodrigues Osvaldo Coggiola Daniel Afonso da Silva Plínio de Arruda Sampaio Jr. José Geraldo Couto Everaldo de Oliveira Andrade Andrew Korybko Lincoln Secco Marilia Pacheco Fiorillo Ronald Rocha José Costa Júnior Otaviano Helene Walnice Nogueira Galvão Paulo Fernandes Silveira Vanderlei Tenório Luís Fernando Vitagliano Ladislau Dowbor Tarso Genro Yuri Martins-Fontes Kátia Gerab Baggio Luiz Werneck Vianna Liszt Vieira Roberto Bueno Vinício Carrilho Martinez

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada