As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

Cinturão evangélico

Imagem: Anderson Antonangelo
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por SIMONY DOS ANJOS*

O pânico moral como estratégia de poder

A um ano e meio das eleições presidenciais, os evangélicos passam a figurar no centro da disputa do apoio eleitoral. Nada de novo no front, uma vez que esse segmento da população que em 2010 significava 22% da população e, hoje, deve chegar à ordem de 30% da população brasileira. Esse grupo tem sido dirigido no ambiente político pelos acordos entre as lideranças midiáticas, tal qual Silas Malafaia, Edir Macedo, Estevão e Sônia Hernandes, R.R. Soares etc. Não que essas lideranças signifiquem a totalidade dos evangélicos brasileiros, mas justamente porque essas lideranças são as que têm acesso a uma rede midiática forte e acessível.

Recentemente, soubemos que Bolsonaro convocou Silas Malafaia, Abner Ferreira e mais algumas lideranças evangélicas para promover o que chamou de cinturão evangélico no senado, com a intenção de dobrar a presença de políticos evangélicos que se posicionam em favor de sua agenda política.  Na mesma semana, no dia 11 de abril, centenas de pessoas foram às ruas para declarar críticas ao STF, em defesa da “liberdade” e do fim do “comunismo”. O nome da marcha foi: “Marcha da Família Cristã”.

Esse movimento de apelo à proteção da família para que líderes antidemocráticos tenham apoio popular não é novidade. Entre 19 de março e 19 de junho de 1964, ocorriam as edições da Marcha da Família Com Deus Pela Liberdade. As duas marchas além da proximidade dos nomes, compartilham, também, a estratégia: criar pânico moral. Convocando o sentimento mais genuíno de proteção à família e criando a narrativa de que não se trata de política e sim de derrotar os destruidores da família.

Obviamente, poderíamos argumentar que quem garante os direitos das pessoas e, portanto, a proteção da família é o Estado e não as igrejas. Aqui se tem um nó. O Estado se manifesta na vida da maioria das pessoas evangélicas de forma violenta, inacessível e excludente. Em qualquer periferia urbana do Brasil, vamos ver uma igreja evangélica que vai dividir espaço com a falta de educação de qualidade, de saúde de qualidade, de moradia digna e com a violência policial. E como falar de Estado Laico, de divisão entre religião e política com pessoas que a única possibilidade de humanização se dá na igreja?

E o mais cruel dessa equação é que é justamente a falta de direitos que garante o aparelhamento da religião por parte de políticos inescrupulosos que compõem a famosa bancada evangélica. É um sistema que se retroalimenta, e que precisamos implodir.  E nessa conta que os partidos têm feito para 2022, o centro e a esquerda também tem se movimentado. A questão que temos que pensar é qual a estratégia de movimentação? Eu como pessoa evangélica de esquerda tenho pensado algumas coisas sobre isso.  A meu ver, o que precisamos aprender sobre os evangélicos é que fazer política com a liderança move interesses. Com a base dos evangélicos, move um projeto de futuro! Eu fico com a base e acho que dá tempo da gente acertar o tom desse diálogo.

Inspira-me a pedagogia da leitura popular da Bíblia, e com ela, a movimentação popular que já vimos dar certo com as comunidades eclesiais de base. Para mim, o que precisamos é nos ligar à base religiosa deste país pelas nossas cicatrizes, pela falta de médico na UBS, a falta de trabalho, de moradia e educação. E para que enxerguemos queessas pessoas evangélicas têm essas necessidades, precisamos tirar as lentes que fazem de todos os evangélicos fascistas.

A maior ferramenta dos fundamentalistas religiosos é apelar para o medo, para o pânico moral e para o voto de cabresto. A ferramenta da política popular é a esperança, a luta coletiva e o diálogo. Diálogo esse que passa por entrar em uma igreja e entender porque essas pessoas estão lá, porque aquele ambiente as acolhe e humaniza. E nós, proporcionamos esse espaço acolhedor a essas pessoas? Fica a provocação, para seguirmos na luta pela democracia em nosso país.

*Simony dos Anjos é doutoranda em antropologia na USP. É integrante do Coletivo “Evangélicas pela Igualdade de Gênero”, da Rede de Mulheres Negras Evangélicas.

 

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Manuel Domingos Neto Walnice Nogueira Galvão Roberto Noritomi Andrew Korybko Claudio Katz Alexandre Aragão de Albuquerque Fábio Konder Comparato Luís Fernando Vitagliano Kátia Gerab Baggio Ronaldo Tadeu de Souza Fernando Nogueira da Costa José Costa Júnior Paulo Capel Narvai Mariarosaria Fabris Bruno Machado Marjorie C. Marona Plínio de Arruda Sampaio Jr. Luiz Costa Lima Armando Boito Michael Roberts Mário Maestri Marilia Pacheco Fiorillo Daniel Brazil João Adolfo Hansen Jorge Luiz Souto Maior Leonardo Boff Marilena Chauí Roberto Bueno Annateresa Fabris Luiz Carlos Bresser-Pereira Eleutério F. S. Prado Luiz Bernardo Pericás André Márcio Neves Soares André Singer Anderson Alves Esteves Sandra Bitencourt Bruno Fabricio Alcebino da Silva Bento Prado Jr. Sergio Amadeu da Silveira Marcos Aurélio da Silva Denilson Cordeiro Gerson Almeida Osvaldo Coggiola Afrânio Catani Luiz Marques João Feres Júnior Liszt Vieira Flávio Aguiar Marcelo Guimarães Lima Lincoln Secco Bernardo Ricupero Otaviano Helene Eugênio Trivinho Marcus Ianoni Maria Rita Kehl Juarez Guimarães Leonardo Sacramento Leonardo Avritzer José Geraldo Couto Paulo Sérgio Pinheiro Valério Arcary Slavoj Žižek Manchetômetro José Machado Moita Neto Chico Alencar Tadeu Valadares Atilio A. Boron Daniel Costa Eugênio Bucci Antonio Martins João Sette Whitaker Ferreira Francisco Fernandes Ladeira Henry Burnett Carla Teixeira Lucas Fiaschetti Estevez Boaventura de Sousa Santos João Carlos Salles Gabriel Cohn Vinício Carrilho Martinez Remy José Fontana Fernão Pessoa Ramos Michael Löwy Gilberto Maringoni João Paulo Ayub Fonseca Daniel Afonso da Silva Eduardo Borges Ricardo Musse Ricardo Fabbrini Heraldo Campos Ladislau Dowbor Paulo Fernandes Silveira Jean Marc Von Der Weid Julian Rodrigues Milton Pinheiro Paulo Nogueira Batista Jr Alexandre de Freitas Barbosa Dênis de Moraes José Luís Fiori Luiz Renato Martins Dennis Oliveira Caio Bugiato Alexandre de Lima Castro Tranjan Luciano Nascimento Chico Whitaker Eliziário Andrade José Micaelson Lacerda Morais Thomas Piketty Flávio R. Kothe Benicio Viero Schmidt Marcelo Módolo Antonino Infranca Érico Andrade Alysson Leandro Mascaro Ari Marcelo Solon Elias Jabbour Leda Maria Paulani Renato Dagnino Ronald Rocha Luiz Roberto Alves Francisco de Oliveira Barros Júnior Marcos Silva Henri Acselrad Yuri Martins-Fontes Ricardo Antunes Berenice Bento Salem Nasser Ronald León Núñez Vanderlei Tenório Rafael R. Ioris Luiz Werneck Vianna Airton Paschoa Ricardo Abramovay Celso Frederico Carlos Tautz João Carlos Loebens Paulo Martins Vladimir Safatle Jean Pierre Chauvin Igor Felippe Santos José Dirceu Samuel Kilsztajn Anselm Jappe Rodrigo de Faria Antônio Sales Rios Neto Lorenzo Vitral Jorge Branco José Raimundo Trindade Tales Ab'Sáber Celso Favaretto Francisco Pereira de Farias Tarso Genro Eleonora Albano Rubens Pinto Lyra Gilberto Lopes Luiz Eduardo Soares Everaldo de Oliveira Andrade Luis Felipe Miguel João Lanari Bo Valerio Arcary Priscila Figueiredo

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada