À espera dos bárbaros

Hélio Oiticica, Grande Núcleo
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por WALNICE NOGUEIRA GALVÃO*

Comentário sobre o filme dirigido por Ciro Guerra

O espectro de Kafka, e toda a coorte do teatro do absurdo, insiste em rondar o cinema. É o que se verifica em À espera dos bárbaros, realizado sob a égide de Caváfis, o bardo de Alexandria e da decadência dos impérios, que lhe empresta o título. Num posto avançado colonial insignificante e remoto, no meio do deserto, o Magistrado legisla e cuida de, sem muita convicção, manter os bárbaros à distância. Mas estes são uns pobres-diabos, e não ameaçam ninguém. Até que surge um coronel interventor, que instaura a tortura e os interrogatórios brutais, sob pretexto de erradicar uma sedição. O conflito está armado, e seu desenvolvimento é o fulcro do filme. O entrecho lembra ainda O deserto dos tártaros, romance de Dino Buzzatti.

J. L. Coetzee, autor do romance em que o filme se inspira, é o sul-africano que, logo depois de Nadine Gordimer, ganhou o Prêmio Nobel. Ambos foram dedicados militantes que em sua ficção denunciaram os crimes do apartheid que, esse sim, era genocida e tremendamente cruel. Felizmente já se foi, e não sem luta, vide os 27 anos que Nelson Mandela passou encarcerado. O apartheid encontrou nesses e em outros escritores e artistas, como a cantora Miriam Makeba, opositores de peso e respeito, para maior glória da nação. Bela safra de filmes viria mais tarde, perpetuando os gloriosos fastos da resistência, mas o teatro, a canção e a literatura tiveram a honra de enfrentar a repressão ao vivo.

O diretor do filme é colombiano e já chamou a atenção com outra obra, O abraço da serpente, em que um índio, último remanescente de sua nação, e um explorador branco partem numa demanda um tanto vaga. Como se vê, o diretor insiste em revolver a dolorosa chaga da fricção étnica e das catástrofes que acarreta. Exige registro a escalação de um trio de atores que não podia ser melhor: Mark Rylance é o protagonista, o Magistrado, acolitado por Johnny Depp como o sádico coronel e por Robert Pattinson como seu lugar-tenente.

Dos três, o menos conhecido entre nós é Mark Rylance, aliás não só entre nós, em Hollywood também: um artista com seu currículo extraordinário só tardiamente ganhou um Oscar, e mesmo assim de ator coadjuvante. Isso ocorreu no filme A ponte dos espiões, de Steven Spielberg, em que faz o Coronel Abel, o espião russo que, julgado e condenado a 30 anos de prisão nos Estados Unidos, nunca abriu a boca, nem confessou nem se entregou à delação.

Desconhecido propriamente o ator não era, pois já ganhara nada menos que três Tonys, o maior prêmio teatral americano, nos palcos da Broadway. Grande ator shakespeareano, vem da Royal Shakespeare Company. Quando reconstruíram o Globe Theater consumido por um incêndio, de que o bardo inglês foi dono e ator, foi Mark Rylance seu primeiro diretor, e por dez anos, de 1995 a 2005.

O teatro reconstruído fica bem à vista no Embankment, na margem do Tâmisa e segue o modelo das casas de espetáculos à época. A plateia não tem assentos: todo mundo ficava de pé, com o palco à altura dos olhos. Ali ficava a plebe, em grande algazarra, torcendo conforme os lances do enredo. De planta arredondada, ao longo das paredes sobrepunham-se três ou quatro andares de lugares mais caros com bancos, tudo isso coberto por telhado de colmo, enquanto o centro do círculo ficava a céu aberto, por razões de iluminação e de oxigênio.

Durante toda a década em que Mark Rylance dirigiu a casa, não deixou de se apresentar como ator, e é possível apreciá-lo em documentários do Globe Theater. Assim o vemos em Twelfth night, com elenco masculino (obrigatório no teatro elisabetano), vivendo uma impagável Condessa Olivia, que desliza pela ribalta com passinhos miúdos encobertos pelas volumosas saias. Deve ter-se divertido à beça.

Este filme, feito agora, certamente é uma alegoria do fim do mundo, ou do Apocalipse, um dos gêneros cinematográficos mais numerosos atualmente. A pandemia e a ascensão da direita, decretando o fechamento dos horizontes que descortinavam o futuro, tornaram esse tipo de filme comum e banal – mas este À espera dos bárbaros nada tem de comum ou de banal. Ao contrário, convida à meditação.

*Walnice Nogueira Galvão é Professora Emérita da FFLCH da USP. Autora, entre outros livros, de Lendo e relendo (Senac\Ouro sobre Azul).

 

Referência


À espera dos bárbaros (Waiting for the barbarians)
Estados Unidos, 2020, 114 minutos
Direção: Ciro Guerra.
Elenco: Mark Rylance, Johnny Depp e Robert Pattins

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

10 MAIS LIDOS NOS ÚLTIMOS 7 DIAS

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Paulo Nogueira Batista Jr Alexandre Aragão de Albuquerque Fernando Nogueira da Costa Daniel Costa João Adolfo Hansen Tales Ab'Sáber Flávio R. Kothe Jean Marc Von Der Weid Jorge Luiz Souto Maior Milton Pinheiro Eleonora Albano Samuel Kilsztajn Daniel Brazil Carla Teixeira Eliziário Andrade Valerio Arcary Denilson Cordeiro Annateresa Fabris Marilena Chauí André Singer Bernardo Ricupero Andrew Korybko Fernão Pessoa Ramos Priscila Figueiredo Maria Rita Kehl José Machado Moita Neto Osvaldo Coggiola Vladimir Safatle Heraldo Campos Boaventura de Sousa Santos Ricardo Fabbrini Michael Roberts Daniel Afonso da Silva Leonardo Sacramento Luiz Roberto Alves Lucas Fiaschetti Estevez Luís Fernando Vitagliano Dennis Oliveira Marjorie C. Marona Antônio Sales Rios Neto Valerio Arcary Andrés del Río Gerson Almeida Mário Maestri Lincoln Secco Elias Jabbour Sandra Bitencourt Alysson Leandro Mascaro Chico Whitaker Berenice Bento Luiz Renato Martins Julian Rodrigues Flávio Aguiar Alexandre de Lima Castro Tranjan Bruno Fabricio Alcebino da Silva Salem Nasser Marilia Pacheco Fiorillo José Dirceu Michel Goulart da Silva Plínio de Arruda Sampaio Jr. Eugênio Bucci Remy José Fontana Chico Alencar Vinício Carrilho Martinez Carlos Tautz Ronald León Núñez João Lanari Bo Luiz Marques Ricardo Musse Marcus Ianoni Caio Bugiato Marcos Silva Luis Felipe Miguel Armando Boito José Luís Fiori Luiz Bernardo Pericás Ronald Rocha José Costa Júnior Bruno Machado Sergio Amadeu da Silveira Eugênio Trivinho Afrânio Catani Everaldo de Oliveira Andrade Dênis de Moraes Ricardo Antunes Marcelo Guimarães Lima Ricardo Abramovay Tarso Genro João Carlos Salles Paulo Sérgio Pinheiro Francisco Pereira de Farias Paulo Martins Celso Favaretto José Raimundo Trindade João Feres Júnior João Carlos Loebens Claudio Katz Renato Dagnino Igor Felippe Santos Rubens Pinto Lyra João Paulo Ayub Fonseca Mariarosaria Fabris Kátia Gerab Baggio Slavoj Žižek Henry Burnett Otaviano Helene Ladislau Dowbor Jean Pierre Chauvin Leda Maria Paulani Antonio Martins Rafael R. Ioris José Micaelson Lacerda Morais Marcos Aurélio da Silva Marcelo Módolo Eduardo Borges Thomas Piketty Francisco Fernandes Ladeira Paulo Capel Narvai Yuri Martins-Fontes João Sette Whitaker Ferreira Gabriel Cohn Anselm Jappe Michael Löwy Jorge Branco André Márcio Neves Soares Fábio Konder Comparato Luiz Werneck Vianna Benicio Viero Schmidt Francisco de Oliveira Barros Júnior Luciano Nascimento Juarez Guimarães Luiz Carlos Bresser-Pereira Alexandre de Freitas Barbosa Vanderlei Tenório Alexandre de Oliveira Torres Carrasco Liszt Vieira Tadeu Valadares Manchetômetro Leonardo Avritzer Atilio A. Boron Walnice Nogueira Galvão Manuel Domingos Neto José Geraldo Couto Ronaldo Tadeu de Souza Érico Andrade Matheus Silveira de Souza Luiz Eduardo Soares Rodrigo de Faria Eleutério F. S. Prado Bento Prado Jr. Gilberto Lopes Gilberto Maringoni Paulo Fernandes Silveira Lorenzo Vitral Leonardo Boff Henri Acselrad Celso Frederico Ari Marcelo Solon Airton Paschoa Antonino Infranca

NOVAS PUBLICAÇÕES