Terrapreta

Regina Silveira
Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por DANIEL BRAZIL*

Comentário sobre o romance de Rita Carelli

O romance de estreia de Rita Carelli, Terrapreta, insere uma inovadora visão na literatura brasileira contemporânea. Com elementos nitidamente autobiográficos, a autora, nascida em 1984, relembra e reelabora um mergulho existencial no meio dos povos do Alto Xingu.

A adolescente Ana, que perde a mãe em São Paulo e é obrigada a acompanhar o pai, arqueólogo, no meio de um território indígena, se coloca na zona de intersecção entre vários mundos conflitantes. A transição da infância para a puberdade, a tímida e difícil aproximação entre culturas, crenças e modos diferentes de conduzir a vida, o estabelecimento de relações de amizade e afeto que flertam com o surgimento do desejo sexual.

O que um branco como eu só pode definir com palavras cruas, como no parágrafo acima, é retrabalhado por Rita Carelli de forma confessional, sensorial, sem nunca perder o fio da narrativa. De maneira engenhosa mescla tempos distintos, com ações que se passam em São Paulo, Xingu e Paris, onde Ana vai estudar e de onde retorna para uma reconexão com os liames que a prendem, buscando desatar os nós.

Embora seja seu primeiro romance, Rita Carelli conhece os segredos da escrita. Autora de livros infanto-juvenis que abarcam o universo mitológico indígena, é também realizadora de livros-filmes como Um dia na aldeia (2018). Seu pai, Vincent Carelli, é um antropólogo e documentarista conhecido pelo seu trabalho junto com povos indígenas brasileiros.

Essa carga biográfica poderia conduzir o romance de Rita a um mero relato “de formação”, com sabor antropológico, mas sem criação autêntica. No entanto, em Terrapreta nos deparamos com uma narrativa, ora realista, ora poética, onde as lendas e tradições vão se entremeando de tal forma com a história que fluem com a naturalidade de um igarapé em meio à floresta.

A água assume um papel crucial em diversos momentos. O ritual dos banhos, a pesca, os diálogos à beira do rio, as lágrimas, a natureza líquida das mulheres, sintetizada no quase epílogo “Leito do rio”. Água é vida, fogo pode ser morte, para os povos da floresta. Num movimento contrário ao dos invasores brancos, que impõem seus valores e sua soja transgênica, Ana e seu pai são porosos, absorvem a cultura que lhes é ensinada, e lentamente se transformam.

Longe do romantismo de José de Alencar ou do viés político de Antonio Callado em Quarup, Rita Carelli constrói em Terrapreta uma narrativa onde o sufocamento dos territórios e povos indígenas emerge de forma clara no final, quando a protagonista volta de Paris para reencontrar sua “família” e fazer seu Kuarup pessoal.

A autora adverte em nota que os personagens são fictícios, e que criou um “amálgama cultural” do Alto Xingu. Até as palavras indígenas são inventadas, declara. No entanto, intuímos que a cosmogonia relatada é real, assim como os costumes e rituais. A cerimônia do Kuarup tem papel fundamental no romance, em seu significado básico: enterrar de vez, simbolicamente, os mortos, para que eles (e os vivos) possam ser livres da dor, da tristeza e da saudade.

Se em alguns momentos a descrição de mitos e cerimônias possa parecer didático, ao fim da leitura chegamos à conclusão de que o romance seria impossível sem esse recurso. O livro traz uma orelha elogiosa de Ailton Krenak, o que não é pouco. E Rita Carelli, que criou aqui uma obra sem paralelos, demonstra domínio narrativo e imprime veracidade em cada parágrafo, credenciais que lhe permitem se aventurar por novos caminhos ficcionais. Boa leitura para iluminar tempos sombrios, onde o extermínio de povos nativos, de destruição de florestas e envenenamento de rios, deixou de ser uma ameaça para ser realidade.

*Daniel Brazil é escritor, autor do romance Terno de Reis (Penalux), roteirista e diretor de TV, crítico musical e literário.

 

Referência


Rita Carelli. Terrapreta. São Paulo, Editora 34, 2021, 240 págs.

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Jean Marc Von Der Weid Carlos Tautz Samuel Kilsztajn Ronaldo Tadeu de Souza Alexandre de Lima Castro Tranjan Marilia Pacheco Fiorillo Eliziário Andrade Atilio A. Boron Ladislau Dowbor Afrânio Catani Caio Bugiato Marcus Ianoni João Paulo Ayub Fonseca Mário Maestri Luis Felipe Miguel Andrew Korybko Salem Nasser Rubens Pinto Lyra Celso Favaretto Eleutério F. S. Prado Manuel Domingos Neto João Feres Júnior Francisco Pereira de Farias Alexandre Aragão de Albuquerque Érico Andrade José Luís Fiori Liszt Vieira Tarso Genro Kátia Gerab Baggio Yuri Martins-Fontes Luciano Nascimento Antonio Martins João Carlos Salles Daniel Costa Marcos Silva Jorge Luiz Souto Maior Elias Jabbour José Raimundo Trindade Sandra Bitencourt Eleonora Albano Francisco de Oliveira Barros Júnior Juarez Guimarães Leda Maria Paulani Plínio de Arruda Sampaio Jr. Heraldo Campos Luiz Renato Martins Antônio Sales Rios Neto Boaventura de Sousa Santos Sergio Amadeu da Silveira Gilberto Maringoni Ricardo Antunes Anselm Jappe Luís Fernando Vitagliano Luiz Carlos Bresser-Pereira Vanderlei Tenório Jean Pierre Chauvin Antonino Infranca Paulo Nogueira Batista Jr Gabriel Cohn José Geraldo Couto Eduardo Borges Everaldo de Oliveira Andrade Chico Alencar João Sette Whitaker Ferreira Gerson Almeida Slavoj Žižek Tales Ab'Sáber Annateresa Fabris José Dirceu André Márcio Neves Soares Marilena Chauí Marjorie C. Marona Benicio Viero Schmidt Lincoln Secco Ricardo Fabbrini Leonardo Boff Luiz Bernardo Pericás José Costa Júnior Fernando Nogueira da Costa Bruno Fabricio Alcebino da Silva Vinício Carrilho Martinez Lorenzo Vitral Rodrigo de Faria Valerio Arcary Chico Whitaker Vladimir Safatle Michel Goulart da Silva Marcos Aurélio da Silva José Machado Moita Neto Lucas Fiaschetti Estevez Gilberto Lopes Henry Burnett Eugênio Trivinho Daniel Afonso da Silva Manchetômetro Dênis de Moraes Ronald Rocha Ricardo Abramovay Anderson Alves Esteves Remy José Fontana Otaviano Helene Alexandre de Freitas Barbosa Ari Marcelo Solon Matheus Silveira de Souza Valerio Arcary João Lanari Bo Paulo Fernandes Silveira Renato Dagnino Leonardo Avritzer Berenice Bento Celso Frederico Osvaldo Coggiola Dennis Oliveira Paulo Capel Narvai Fábio Konder Comparato Igor Felippe Santos Fernão Pessoa Ramos Rafael R. Ioris Marcelo Guimarães Lima Michael Löwy Thomas Piketty Priscila Figueiredo Flávio Aguiar Flávio R. Kothe André Singer Luiz Werneck Vianna Francisco Fernandes Ladeira Julian Rodrigues Walnice Nogueira Galvão Bernardo Ricupero Bruno Machado Luiz Marques Leonardo Sacramento Eugênio Bucci Denilson Cordeiro Claudio Katz Alysson Leandro Mascaro Paulo Sérgio Pinheiro José Micaelson Lacerda Morais Michael Roberts Luiz Eduardo Soares Bento Prado Jr. Ronald León Núñez Andrés del Río Jorge Branco Luiz Roberto Alves Henri Acselrad Daniel Brazil João Carlos Loebens Tadeu Valadares Milton Pinheiro Marcelo Módolo João Adolfo Hansen Maria Rita Kehl Airton Paschoa Armando Boito Mariarosaria Fabris Ricardo Musse Carla Teixeira Paulo Martins

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada