Na floresta prodigiosa

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por JOSÉ RAIMUNDO TRINDADE*

Considerações sobre a Amazônia e sua inserção tardia na história do Brasil

Era uma vez na Amazônia a mais bonita floresta\ Mata verde, céu azul, a mais imensa floresta\ No fundo d’água as Iaras, caboclo lendas e mágoas\

E os rios puxando as águas (Vital Farias)

O capitalismo condiciona e molda o espaço territorial em níveis diversos e historicamente convergentes aos seus movimentos cíclicos. A Amazônia é, talvez, neste início do século XXI, o exemplo mais contundente da conversão econômica da natureza ao processo incessante de acumulação de capital.

O debate acerca da “reconquista” da Amazônia, expressão devida a Armando Dias Mendes, desperta distintos posicionamentos, sugerindo que a própria capacidade de interpretação e conhecimento da sociedade nacional sobre e para o espaço da “hylae prodigiosa” é muito restrito e quase totalmente centrado no padrão “drive exportador”, ou seja, a Amazônia tem relevância no cenário nacional como região exportadora de produtos primários, com destaque a produtos da extração mineral (minério de ferro, principalmente), boi vivo e, na zona fronteiriça com o Centro-Oeste, especialmente a área de contiguidade entre o Mato Grosso e o Pará, ganha relevância a produção de soja, como temos, inclusive, demonstrado em trabalhos publicados neste espaço e em livros (TRINDADE, 2020).

O episódio recente de violência bárbara que vitimou Bruno Ribeiro e Dom Philips, se inscreve nesta lógica mais geral, porém em termos de longo tempo temos duas interações chaves a serem tratadas: o papel do Estado nacional na lógica de afirmação de território tão amplo ao domínio do capital predador e, por outro a forma distante e indiferente que a maior parte da sociedade nacional brasileira observa e encara o que no século XX foi uma fronteira e hoje é o centro expansivo da acumulação primário-exportadora brasileira, vale reforçar somente temos capitalismo primário-exportador com vigor e ganhos crescentes aos rentistas e capitalistas do agro-minero negócio em função da Amazônia.

Como bem ressaltou Bertha K. Becker a Amazônia comparece na formação econômica brasileira tardiamente, tendo o duplo significado tanto “temporal, de posterior, como também o significado da ausência de forças produtivas que permitissem o desenvolvimento pleno e a integração efetiva da região ao Estado nacional”. Esse duplo significado pode ser visto sob ângulos diversos, por exemplo, refere-se, também, aos diferenciados condicionamentos pelo qual passa a sociedade amazônica nos últimos setenta anos. Seja pela pressão cíclica de sua maior ou menor aderência a economia-mundo capitalista, centrada no fornecimento de matéria-prima necessária ao ritmo da acumulação global em diversos momentos do século XX, seja pela inovada presença de produção maquiladora na sua porção ocidental a partir da década de 1970.

O século XX da história econômica amazônica começa em grande estilo, com exponencial crescimento do setor exportador de borracha e substanciais alterações sociais e demográficas, tanto que o produto chegou a praticamente se equiparar ao café na balança exportadora brasileira, com 40% de participação em 1910. Momento também de maior crescimento urbano das duas principais cidades amazônicas, Belém e Manaus. Com a decadência da economia gomífera ainda no final da década de 1910, a região passa a deter uma dinâmica de “economia voltada para dentro”, apresentando baixa interação com a economia nacional por mais de vinte anos. Só a partir da década de 1940 a atenção do governo central volta-se para a região, seja no segundo ciclo da borracha durante a Segunda Guerra Mundial, seja a partir de 1946 com a inserção do artigo 199 na Carta constitucional.

Essa norma constitucional surgiu por conta da pressão de parlamentares da Amazônia que reivindicavam a inserção de um instrumento constitucional que garantisse maior atenção do governo federal à região. A partir deste artigo tornava-se obrigatória a elaboração de um plano de valorização econômica da Amazônia. Diz o artigo 199: “Na execução do plano de valorização econômica da Amazônia, a União aplicará, durante, pelo menos, vinte anos consecutivos, quantia não inferior a três por cento da sua renda tributária”.

Como fruto da discussão que se seguiu, em 1953 foi criada a Superintendência do Plano de Valorização Econômica da Amazônia (SPVEA), constituindo-se na primeira tentativa de planejamento do desenvolvimento regional da Amazônia e quiçá na primeira experiência brasileira deste tipo. A SPVEA trazia a ideia de que a retomada econômica da região não passaria mais pela ação arbitrária dos “agentes econômicos”. A noção de planejamento enquanto condição de “ocupação” do espaço para consolidação do “desenvolvimento” nacional se estabeleceu como forte discurso ainda no período getulista, marcando indelevelmente a trajetória social e econômica regional desde então.

No mesmo ano de extinção do referido órgão, em 1966, outro é criado em seu lugar, a Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia (SUDAM). A partir desse momento, frente ao discurso do governo militar de modernizar a economia brasileira a Amazônia é tida como centro de concessão de incentivos e isenções visando atrair o empresariado para a exploração econômica da região. Desde então, a expansão econômica capitalista da Amazônia se deu via três formatos básicos distintos: a implantação de grandes projetos na área da mineração; a criação da Zona Franca de Manaus e a exploração agropecuária e madeireira centrada no latifúndio, gerando forte concentração fundiária e pouco desenvolvimento.

A elucidação das diversas dinâmicas macro e microeconômicas da trajetória histórica amazônica ainda estão por se fazer. Vale notar que mesmo no que diz respeito à história da estagnação do período pós-crise de 1912 não existem pesquisas conclusivas sobre o que aconteceu com a economia amazônica no período entre 1912 e 1940. Em geral se considera como se a economia local parasse de funcionar com a crise e “entrássemos numa letargia…”. Essa leitura a nosso ver tem um “Q” maiúsculo de desinformação e preconceito, e está muito pouco baseada em pesquisas empíricas de maior fôlego. Do mesmo modo, pouco esforço elucidativo e de pesquisa se destinou ao período histórico do imediato pós-guerra e, especificamente, ao processo de retomada da intervenção estatal nacional na Amazônia.

O debate em si sobre o tema desenvolvimento se alterou bastante nas últimas sete décadas, deixando de ser somente a elucidação dos fatores referentes a uma maior ou menor taxa de crescimento, para passar a incorporar outros aspectos mais qualitativos e, de diversos modos, mais integrados a uma “teoria da complexidade”, considerando, inclusive, a dificuldade de orientar um conjunto tão grande e distinto de vetores sociais, econômicos, ambientais e institucionais.

A lógica básica do desenvolvimento nos países centrais do capitalismo foi descrita por Furtado (2000), entre outros, nos termos de estímulo tecnológico possibilitado pela escassez de mão de obra. A questão central apontada seria que os sistemas desses países no pós-guerra caminharam para adoção de políticas de pleno emprego e na medida em que se empregava todo o estoque de mão de obra (redução do exército industrial de reserva), havia uma pressão pelo aumento das taxas de salários reais que, por sua vez, alimentavam a engrenagem da inovação técnica que, via desemprego tecnológico, tenderia a baixar novamente as taxas salariais e aumentar a taxa de lucro.

Esse debate foi importante, pois parcela considerável dos economistas de plantão nos órgãos internacionais e mesmo no Brasil defendiam um mero transplante dos modelos utilizados naquelas configurações socioeconômicas a serem empregados em países com outro patamar de desenvolvimento capitalista, inclusive se transplantando para formas naturais e sociais tão complexas como a Amazônia, o que se fez mesmo durante governos progressistas ou populares, por exemplo vale aqui lembrar o erro da construção da hidrelétrica de Belo Monte.

Porém, para economias diferenciadas das do tipo altamente desenvolvidas, a técnica de política quantitativa apresenta limitado alcance prático. Nesses casos, as políticas econômicas têm que ter um caráter qualitativo, exige um conhecimento da dinâmica das estruturas que escapa à análise convencional. Deste modo, Furtado (2000) já concebia que o planejamento do desenvolvimento para as nossas sociedades tinha que estar vinculado à análise econômica e sociológica dos componentes internos (estruturais) e mais complexos do processo de desenvolvimento brasileiro e de suas especificidades regionais.

Autores da teoria do desenvolvimento mais recentes, como Chang (2003) e Amsden (2009), observam que um dos aspectos centrais no desenvolvimento se refere à disponibilidade e capacidade governativa das instituições, especialmente as que se destinam ao controle do mercado (regulação) e ao planejamento do desenvolvimento. O autor demonstra, a partir de análise histórica, que quanto mais maduras as referidas instituições maior a facilidade das sociedades em superarem barreiras a novos estágios de desenvolvimento, especialmente as instituições voltadas ao planejamento do desenvolvimento assumem forte relevância na construção de projetos de futuro que sejam responsáveis ambientalmente e garantam “uma decente qualidade de vida da população humana, assim como para com a plena realização individual e coletiva desta” (MENDES, 1974).

O estabelecimento de uma agenda de desenvolvimento civilizacional, considerando, principalmente, as instituições necessárias à superação do “extrativismo não criativo” como o mineral (TRINDADE, 2014) coloca-se como ponto prioritário para a discussão política, social, técnica e administrativa, sendo que o tempo passa rapidamente para construção e viabilização de projeto de desenvolvimento local. As concepções em torno de uma teoria de desenvolvimento menos restrita convergem parte do debate necessário à construção de um modelo de desenvolvimento mais qualificado e menos dependente somente dos fluxos da demanda internacional e da monoprodução.

A exploração em larga escala da natureza e exportação de riquezas naturais, bases daquilo que já tratamos como “acumulação por despossessão”, está na raiz da crescente violência a ser praticada na Amazônia. O ocaso de Bruno, Philips, Chico Mendes, Doroth Stang, Paulo Fonteles, João Batista, e os mártires são incontáveis, são somente um dos aspectos da espoliação e crescente incorporação da Amazônia a uma forma social a ser ultrapassada.

Cono nos lembrou um autor radical do final do século XIX, em sua obra principal, o capitalismo é uma “arte crematística”, ou seja, tudo ele devorará, sejam terras, recursos minerais, gentes e almas. Romper com o capitalismo e vencer, primeiramente, suas formas mais cruéis, como o atual neoliberalismo, é uma necessidade não mais brasileira, mais civilizacional, e a Amazônia é parte dessa disputa civilizacional.

*José Raimundo Trindade é professor do Instituto de Ciências Sociais Aplicadas da UFPA. Autor, entre outros livros, de Agenda de debates e desafios teóricos: a trajetória da dependência (Paka-Tatu).

 

Referências


AMSDEN, A. A. A ascensão do resto: os desafios ao ocidente de economias com industrialização tardia. São Paulo: Editora Unesp, 2009.

BECKER, Bertha K. Por que a participação tardia da Amazônia na formação econômica do Brasil? In: ARAÚJO, T. P. de; VIANNA, S. T. W.; MACAMBIRA, J. 50 Anos de Formação Econômica do Brasil: ensaios sobre a obra clássica de Celso Furtado. Rio de Janeiro: IPEA, 2009.

CHANG, Ha-Joon. Chutando a escada: a estratégia do desenvolvimento em perspectiva histórica. São Paulo: Editora Unesp, 2004.

FURTADO, Celso. Criatividade e dependência na civilização industrial. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

MENDES, Armando Dias. A invenção da Amazônia. Belém: UFPA, 1974.

OLIVEIRA, F. A Reconquista da Amazônia. In: D’INCAO, M. A. e SILVEIRA, I. M. (Orgs.). Amazônia e Crise da Modernização. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi, 1994.

TRINDADE, José Raimundo Barreto. Seis Décadas de Intervenção Estatal na Amazônia. Belém: Editora Paka-Tatu, 2014.

TRINDADE, José Raimundo Barreto. Agenda de debates e desafios teóricos: a trajetória da dependência e os limites do capitalismo periférico brasileiro. Belém: Editora Paka-Tatu, 2020.

 

 

Veja neste link todos artigos de

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
João Lanari Bo Jean Pierre Chauvin Luciano Nascimento Benicio Viero Schmidt Otaviano Helene Gilberto Lopes Atilio A. Boron Eduardo Borges Marilena Chauí Marcos Silva Luís Fernando Vitagliano Henri Acselrad Luiz Eduardo Soares Ari Marcelo Solon Érico Andrade Ricardo Fabbrini Liszt Vieira Manchetômetro Walnice Nogueira Galvão Milton Pinheiro Lincoln Secco Rafael R. Ioris Rubens Pinto Lyra Daniel Afonso da Silva Paulo Fernandes Silveira Yuri Martins-Fontes José Machado Moita Neto Everaldo de Oliveira Andrade Ricardo Antunes Chico Alencar Daniel Costa Leonardo Boff Denilson Cordeiro Michael Löwy Bernardo Ricupero Ladislau Dowbor Gabriel Cohn Armando Boito Leda Maria Paulani Celso Frederico Ricardo Abramovay Valerio Arcary Vinício Carrilho Martinez Eugênio Bucci Luiz Marques Marcus Ianoni Caio Bugiato Ronaldo Tadeu de Souza Paulo Sérgio Pinheiro Marcelo Guimarães Lima Luiz Roberto Alves Dennis Oliveira Afrânio Catani Marcos Aurélio da Silva Eliziário Andrade José Raimundo Trindade José Dirceu Paulo Martins Michael Roberts Renato Dagnino Manuel Domingos Neto João Carlos Salles Elias Jabbour Gilberto Maringoni Rodrigo de Faria Antonio Martins Maria Rita Kehl Eleutério F. S. Prado Heraldo Campos Tadeu Valadares José Costa Júnior Boaventura de Sousa Santos Julian Rodrigues Marilia Pacheco Fiorillo Leonardo Sacramento Slavoj Žižek Thomas Piketty Airton Paschoa Antônio Sales Rios Neto Osvaldo Coggiola Dênis de Moraes Ronald Rocha Eugênio Trivinho Anselm Jappe Paulo Capel Narvai Alexandre Aragão de Albuquerque Francisco de Oliveira Barros Júnior Antonino Infranca André Singer Sandra Bitencourt Alysson Leandro Mascaro Luiz Renato Martins Lucas Fiaschetti Estevez José Luís Fiori Jorge Luiz Souto Maior Lorenzo Vitral Andrés del Río Daniel Brazil Gerson Almeida Francisco Fernandes Ladeira Bruno Fabricio Alcebino da Silva Flávio R. Kothe Tarso Genro Ricardo Musse Tales Ab'Sáber Bruno Machado Luis Felipe Miguel Priscila Figueiredo Andrew Korybko Marcelo Módolo Jorge Branco Vladimir Safatle José Geraldo Couto Matheus Silveira de Souza Vanderlei Tenório Chico Whitaker Berenice Bento Mário Maestri Leonardo Avritzer Bento Prado Jr. João Sette Whitaker Ferreira João Paulo Ayub Fonseca Jean Marc Von Der Weid João Adolfo Hansen Salem Nasser Ronald León Núñez Marjorie C. Marona Henry Burnett João Carlos Loebens Sergio Amadeu da Silveira Mariarosaria Fabris Luiz Werneck Vianna Igor Felippe Santos Juarez Guimarães Carlos Tautz Alexandre de Lima Castro Tranjan Flávio Aguiar Eleonora Albano Samuel Kilsztajn João Feres Júnior Remy José Fontana Michel Goulart da Silva Claudio Katz Valerio Arcary José Micaelson Lacerda Morais Paulo Nogueira Batista Jr Luiz Bernardo Pericás Luiz Carlos Bresser-Pereira Fernão Pessoa Ramos Celso Favaretto Fábio Konder Comparato Plínio de Arruda Sampaio Jr. Anderson Alves Esteves Kátia Gerab Baggio Annateresa Fabris Fernando Nogueira da Costa André Márcio Neves Soares Carla Teixeira Francisco Pereira de Farias Alexandre de Freitas Barbosa

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada