As ideias precisam circular. Ajude A Terra é Redonda a seguir fazendo isso.

A guerra Hamas-Israel

Whatsapp
Facebook
Twitter
Instagram
Telegram

Por LEONARDO BOFF*

Como é possível chegarmos a tais patamares de destruição entre o pequeno e violento grupo Hamas e o também pequeno mas poderoso Estado de Israel?

Nestes dias de outubro assistimos, espantados, a guerra que explodiu entre o grupo terrorista Hamas, da Palestina e o Estado de Israel, atacado de surpresa e o forte revide deste último. Dada a violência empregada,vitimando centenas de pessoas de ambos os lados,especialmente a população inocente, pareceria que irrompeu o cavalo do Apocalipse, aquele da guerra destruidora (Apoc 9, 13-19).

Os foguetes, ao mísseis, os drones, os tanques, os bombardeiros, os caças, os as bombas inteligentes e os próprios soldados, feitos pequenas máquinas de matar, se parecem a figuras saídas das páginas do livro do Apocalipse.

Todos os que viemos de uma visão pacifista do mundo, da ecologia da integração harmônica das oposições, do processo evolucionário, concebido como aberto para formas cada vez mais complexas, altas e ordenadas de relações e mesmo as advertências do Papa Francisco sobre o alarme ecológico, nos perguntamos angustiados: como é possível chegarmos a tais patamares de destruição?

Como entender os fenômenos que acompanham o cenário desta guerra, como a invasão de Israel por terroristas do Hamas, matando indiscriminadamente civis, sequestrando pessoas, crianças, idosos e militares, os fake news, a distorção planejada dos fatos e a manipulação das crenças religiosas? Importa não esquecer os muitos anos de dura dominação israelense sobre a região de Gaza e dos palestinos em geral. Isso provocou ressentimento e muito ódio que está na base dos permanentes conflitos na região. Mas tudo isso não cala a pergunta: o que somos nós, seres humanos, capazes de tanta barbárie?

E as guerras se transformaram cada vez mais em guerras totais, fazendo mais vítimas entre as populações civis do que entre os combatentes. Max Born, prêmio Nobel de física (1954) denunciou a prevalência da matança de civis na guerra moderna. Na primeira guerra mundial morriam só 5% de civis, na segunda guerra, 50%, na guerra da Coreia e Vietnam 85%. E dados recentes dão conta de que contra o Iraque e a ex-Iugoslávia,na Ucrânia 98% das vítimas são civis. Na presente guerra, entre o grupo Hamas e Israel os dados deverão ser de semelhante proporção, pelo que se deduz das palavras ameaçadores do premier israelense, Benyamin Netanyahu.

Segundo o historiador Alfred Weber, irmão de Max Weber, dos 3.400 anos de história da humanidade que podemos datar com documentos, 3.166 foram de guerra. Os restantes 234 não foram certamente de paz mas de trégua e de preparação para outra guerra.

Face a esse drama assustador irrompe uma interrogação radical: qual é o sentido do ser, da vida e da história? Com o iluminar esse anti-fenômeno?

Não temos outra categoria para iluminar esse enigma senão reconhecer: é a explosão e a implosão da demência, inscrita no ser humano, assim como o conhecemos. Somos também seres de demência, de excesso, de vontade de dominar, esganar e assassinar. Isso foi amplamente ilustrado nas guerras do século XX que implicaram no morticínio de 200 milhões de pessoas e nos atos espetaculares perpetrados pelo terrorismo e fundamentalismo islâmico como a destruição das Torres Gemêas nos EUA e atualmente pela surpreendente e terrível ataque do grupo terrorista Hamas (parte rejeitada pelos palestinos) ao Estado de Israel.

O enigmático é que essa demência vem sempre junto com a sapiência. A sapiência é a nossa capacidade de amar, de cuidar, de se extasiar e de abrir-se ao Infinito. Somos, simultaneamente, todos sem exceção, sapiens e demens, vale dizer, seres humanos sapientes e dementes.

O paradigma dominante de nossa cultura, assentado sobre a vontade de poder e de dominação, criou as condições para que nossa demência coletiva se manifestasse poderosamente e predominasse. Esse espírito de guerra está presente na economia de mercado financeirizada, na guerra do trigo, do milho, dos carros, dos computadores,dos celulares, dos grupos religiosos e até de centros de pesquisa.

Por outro lado, nunca deixou de aparecer, em tempo algum, também nossa dimensão sapiente. Praças do mundo inteiro se enchem de multidões clamando por paz e nunca mais a guerra, sempre que a ameaça de conflito é suscitada, como forma de resolução de problemas. Líderes políticos, intelectuais e religiosos, erguem sua voz e alimentam o lado luminoso e pacífico dos seres humanos e não nos deixam desesperar. Jesus, São Francisco de Assis, M. Gandhi, Luther King Jr, Dom Helder Câmara, entre outros se transformaram em referências da anti-violência e paladinos da paz.

Que saída encontraremos para esse problema com dimensões metafísicas? Até hoje não sabemos exatamente.

A saída mais realista e mais sábia parece ser aquela, expressa na “oração da paz” de São Francisco de Assis, o irmão universal, da natureza, dos animais, das montanhas e das estrelas. Nessa oração, amplamente divulgada e feita credo comum pelo macroecumenismo, vale dizer, pelo ecumenismo entre as religiões e as igrejas, encontramos uma chave iluminadora.

Os termos da oração deixam claro a consciência do caráter contraditório da condição humana, feita de amor e de ódio, de sapiência e de demência. Parte-se desta contradição, mas se afirma confiadamente o polo positivo com a certeza de que ele irá limitar e integrar o polo negativo.

A lição, subjacente à oração de São Francisco, é essa: não se cura a demência senão reforçando a sapiência. Por isso, em suas palavras: “onde houver ódio, que eu eu leve o amor; onde houver discórdia que eu leve a união; onde houver desespero, que eu leve a esperança; onde houver trevas, que eu leve a luz”. E importa mais “amar que ser amado, mais compreender que ser comprendido, mais perdoar que ser perdoado, pois é dando que se recebe e é morrendo que se vive para a vida eterna”.

Nessa sabedoria dos simples se encontra, quiçá, o segredo da superação das vontades dos que querem a violência e a guerra como forma de resolver conflitos ou de fazerem valer os interesses de uns contra os outros, como está ocorrendo na atual guerra Hamas-Israel.

O caminho da paz, ensinava Gandhi, é a própria paz. Só meios pacíficos produzem a paz. A paz é, a um tempo, meta e método, fim e meio. Oxalá esse espírito acabe triunfando sobre a violência brutal na presente guerra, profundamente assimétrica, entre o pequeno e violento grupo Hamas e o também pequeno mas poderoso Estado de Israel.

*Leonardo Boff é teólogo, filósofo e escritor. Autor, entre outros livros, de Fundamentalismo, terrorismo, religião e paz (Vozes).


A Terra é Redonda existe graças aos nossos leitores e apoiadores.
Ajude-nos a manter esta ideia.
CONTRIBUA

AUTORES

TEMAS

MAIS AUTORES

Lista aleatória de 160 entre mais de 1.900 autores.
Henry Burnett Luiz Renato Martins Marcelo Guimarães Lima Paulo Nogueira Batista Jr Leonardo Boff Everaldo de Oliveira Andrade Osvaldo Coggiola Atilio A. Boron Eugênio Trivinho Tarso Genro Flávio R. Kothe Leonardo Sacramento Fábio Konder Comparato Kátia Gerab Baggio Slavoj Žižek Antonino Infranca Paulo Martins Mariarosaria Fabris Denilson Cordeiro Renato Dagnino Ricardo Abramovay Ricardo Fabbrini Vanderlei Tenório Francisco Fernandes Ladeira Luiz Werneck Vianna Luis Felipe Miguel Sandra Bitencourt Celso Frederico Michael Roberts Jean Marc Von Der Weid Lincoln Secco Eduardo Borges Marjorie C. Marona Eleutério F. S. Prado Francisco Pereira de Farias Remy José Fontana Jorge Branco Thomas Piketty Ronald Rocha Marcos Aurélio da Silva José Costa Júnior João Feres Júnior Leda Maria Paulani José Geraldo Couto Samuel Kilsztajn Michael Löwy Ari Marcelo Solon Eleonora Albano Fernão Pessoa Ramos Afrânio Catani Walnice Nogueira Galvão Tales Ab'Sáber Dennis Oliveira Celso Favaretto Daniel Brazil Gerson Almeida Yuri Martins-Fontes Priscila Figueiredo Gilberto Maringoni Antonio Martins Paulo Fernandes Silveira Eugênio Bucci Paulo Capel Narvai Boaventura de Sousa Santos Luiz Costa Lima Bernardo Ricupero Manuel Domingos Neto André Márcio Neves Soares Luiz Roberto Alves José Luís Fiori Ricardo Musse Benicio Viero Schmidt João Lanari Bo Valério Arcary Jean Pierre Chauvin Luiz Eduardo Soares Caio Bugiato Tadeu Valadares Milton Pinheiro Maria Rita Kehl Sergio Amadeu da Silveira José Machado Moita Neto Roberto Noritomi Plínio de Arruda Sampaio Jr. Chico Alencar Daniel Costa Lucas Fiaschetti Estevez Luiz Carlos Bresser-Pereira Anselm Jappe Henri Acselrad Francisco de Oliveira Barros Júnior João Paulo Ayub Fonseca Annateresa Fabris Anderson Alves Esteves Igor Felippe Santos Alexandre de Lima Castro Tranjan Roberto Bueno Heraldo Campos Alexandre de Freitas Barbosa Lorenzo Vitral Daniel Afonso da Silva João Carlos Salles João Adolfo Hansen Carlos Tautz João Sette Whitaker Ferreira Vladimir Safatle Valerio Arcary Luiz Bernardo Pericás Eliziário Andrade Marilia Pacheco Fiorillo Fernando Nogueira da Costa Liszt Vieira Marilena Chauí Ladislau Dowbor Berenice Bento Ronaldo Tadeu de Souza Julian Rodrigues José Micaelson Lacerda Morais Juarez Guimarães Chico Whitaker Bruno Machado Vinício Carrilho Martinez Manchetômetro Luiz Marques João Carlos Loebens Elias Jabbour Gabriel Cohn Bento Prado Jr. Antônio Sales Rios Neto Bruno Fabricio Alcebino da Silva Armando Boito Flávio Aguiar Luís Fernando Vitagliano Andrew Korybko Salem Nasser Otaviano Helene Alysson Leandro Mascaro Marcos Silva Rafael R. Ioris Carla Teixeira José Dirceu Leonardo Avritzer Rodrigo de Faria Dênis de Moraes Marcelo Módolo André Singer Paulo Sérgio Pinheiro Airton Paschoa Claudio Katz Rubens Pinto Lyra Gilberto Lopes Érico Andrade Marcus Ianoni Ricardo Antunes Jorge Luiz Souto Maior Ronald León Núñez Alexandre Aragão de Albuquerque Luciano Nascimento José Raimundo Trindade Mário Maestri

NOVAS PUBLICAÇÕES

Pesquisa detalhada